Hoje darei pela primeira vez a palestra de COMO LIDERAR PESSOAS DIFÍCEIS. Um bispo me disse: “NÃO É FÁCIL”. Isso resume quase tudo. Procuro encontrar caminhos para o relacionamento com pessoas que são impulsivas, carentes, exageradamente zelosas… e por aí vai. Ontem o show foi um momento muito bonito e singelo. Gosto do estilo voz e violão. O povo de Santa Cruz é acolhedor e afetuoso. Aqui a gente sente um clima de fé. O interior de São Paulo é um mundo tão perto e tão distante da selva de pedra. Ainda é possível manter as relações de vizinhança.

10 Comentários

  1. Maria Inês

    Pe. Joãozinho,

    Tô me achando com um pouco de tudo isso (rsrsrs) e um pouco mais… basta ouvir as opiniões de meus filhos (7). Ainda bem que de “vez em sempre”…também sou muito amada!

    Desejo uma ” Feliz Palestra ” que Deus toque os corações !!!!!!!!!
    temos urgência de construir um mundo melhor ao nosso redor..a tão sonhada ” Civilização do Amor”

    Maria Inês

  2. Simone Teixeira

    Pe. Joãozinho,

    já me disseram que quanto mais difíceis as pessoas com quem convivemos, melhor para nós, pois podemos treinar a paciência, a intercessão, o amor e o perdão… Teoricamente parece ser bem mais fácil que na prática! Estou ansiosa para ler seu novo livro. Sei que vai me ajudar muito não só para aprender a conviver com pessoas difíceis como para perceber se eu estou sendo uma pessoa difícil na vida de quem está a minha volta…
    Conte com minhas preces e espero poder um dia ouvir uma palestra sua.
    Com carinho,

    Simone.

  3. Rafael Caldas

    Pe. Joãozinho

    Eu gostaria muito de conversar com o senhor para tirar algumas duvidas o senhor teria algum meio para que eu possa me comunicar contigo?

    agradeço antecipadamente e deixo meu e-mail
    caldas@hotmail.co.uk

    Que deus nos abençoe a todos

  4. salene leite

    A sua benção Pe.Joãozinho, imagino que a palestra deve ter sido ótima.Como fazer para o senhor vir até Roraima ministrar essa palestra?sei que é muito distante, mas será que não dá pra ser nem pela internet?como hj esse é o meio mais rápido pra se chegar aos lugares mais distantes, pensa nisso por favor, com carinho,íamos ficar muito felizes, seria uma graça muito grande, vou orar para que se realize com a benção de DEUS.Amém.

  5. ana valeska

    oI pE. Joãozinho!!
    Queria tanto ouvir essa palestra…Tenho um livro aqui do Pe. Alir Sanagiontto,scj Quanto pior for a apessoa com quem vovê vive melhor para você…Comecei mais nunca terminei..heheeh
    Acho que essa palestra cairia muito bem sobre o que eu peço quando tiver um tempo falar sobre amizades….deve ter algo…as vezes nossas carências faz com que sufoquemos o outro e queremos fazer dele, nossa posse,e aí por diante..Acho que stou me tornando difícil porque estoudando meus primeiros passos a dizer Não a certas coisas e pessoas e pra elas estou me tornando chata, indiferente..
    um abraço fraterno e bom domingo!!!
    ANA VALESKA

  6. Patricia - SP

    Olá Pe. Joãozinho…

    Hj lí um texto (postarei logo abaixo) que me fez refletir não sobre Como liderar pessoas difíceis, mas Como podemos lidera as informações que à nós chegam e são difíceis???

    Pensando nisso eu quiz partilhar, pois vivi em situação de emprego (que não convem comentar) mas que subjetivamente tiveram efeitos nocivos em minha vida, principalmente comportamental. Hj o mal está aí e injusta e “discretamente” nos impõe idéias das quais, muitas vezes, não desejamos mas que por força das memória subjetiva nos querem convencer o contrário. Escrevo aqui não só pensando em mim , mas partilhando a necessidade que há em ajudar a quem precise aprender a se defender mais neste mundo tão globalizado e tão cheio de “tudo é certo”…

    ” Grande é a responsabilidade de quem escreve.”
    Agitar idéias é mais grave que mobilizar exércitos. O soldado poderá semear os horrores da força bruta desencadeada e infrene ; mas enfim o braço cansa e a espada torna à cinta ou a enferruja e consome o tempo. A idéia, uma vez desembainhada, é arma sempre ativa, que já não volta ao estojo nem se embota com os anos. A lâmina do guerreiro sá alcança os corpos, pode mutilá-los, pode trucidá-los, mas não há poder de braço que dobre as almas. Pela matéria não se vence o espírito. A idéia do escritor é mais penetrante, mais poderosa, mais eficazmente conquistadora. Vai direto à cidadela da inteligência. Se a encontra desapercebida ( e quantas inteligências desaparelhadas para as lutas do pensamento ! ) toma-a de assalto, instala-se no seu trono e daí dirige e governa, a seu arbítrio, toda a atividade humana. Pelo espírito subjuga-se a matéria.

    Quantos crimes que se atribuem à força e são filhos da idéia! Se fora perfeita a justiça humana, muitas vezes, não sobre o braço que vibrou o punhal assassino, mas sobre a pena que semeou a idéia homicida, é que deveriam pesar os rigores da sua severidade.”
    ( Pe. Leonel Franca S.J. )

    Como devemos aprender a cuidar do que falamos, do que escutamos… este texto me fez lembrar que outro dia aprendi um detalhezinho, que parecia tão bobo, mas que fez um diferença enorme saber percebê-lo… saber que existe e está por aí…
    Essa tal subjetividade… o poder da memória que, por entre linhas, emana o mal ou o bem…. nós é que decidimos o que queremos adicionar ou subtrair, desde que saibamos identificar….

    Foi assim:

    “Estava sentada em meu quarto fazendo uma leitura, a porta estava fechada. Em meio a minha consentração, dispersei-me com o barulho da porta da sala abrindo. Eu não via este gesto, mas ao escurar, identificava exatamente que era o barulho da porta da sala. Era a minha memória que trabalhava, quietinha, no silêncio que trago em mim e que eu mesma muitas vezes nem dou conta.
    Logo depois ouvi passos, este som rumou a uma outra porta que se fechara. Esta agora era a do banheiro. Eu sei, moro na casa, minha memória conhece os sons que ali acontecem, pois bem continuou a seguir outras sequências de sons… de repente, quando dei-me por conta… lá estava eu querendo fazer xixi.”

    Aí me pergunto? Como pode, se eu não estava com esta vontade? Pois é… é a tal subjetividade que intui comportamentos…. Isso pra mim é sério pois se pararmos para perceber envolve vícios, crimes, homosexualismo, maldades, etc…

    Retomei minha concentração e disse a mim mesma: Não estou com vontade nada! e logo foi isso exatamente que aconteceu…. a vontade de urinar se foi…

    Mas é neste exemplo simples que me dei conta do quanto é preciso que tomemos as rédeas de alguns pensamentos que a nós chegam, senão estaremos sempre à mercê do domínio do subjetivo… para algumas coisinhas corriqueiras da vida isso não faz diferenças, porém para outros detalhes os subjetivos que recebemos pode ser catastrófico!!! O mundo não é tão mansinho quanto parece, a vida está meio cruel e aprender a ser sutil frente a isso é o que Deus nos consede… seres mansos como pombas, ágeis como águia… O Espirito Santo inspira, suscita as maravilhas para viver mais consciente… eis o Amor de Deus por nós!
    Que a vida nos ensine a sermos mais responsáveis com o que recebemos e com o que transmitimos…

    Abraço fraterno

    Patricia-SP

  7. ana valeska

    Boa noite Pe.!!!
    Com sua licença gostaria de Parabenizar a Patrícia -SP pelo post.
    Acho que muitas pessoas passam por isso…até eu…
    Deus lhe abençoe gostei demais!!1
    um abraço fraterno em todos!!!
    ANA VALESKA – FORTALEZA

  8. Pe Joãozinho, seria ótimo se postasse aqui no blog um texto sobre este tema…preciso muito dessas lições,mas não para conviver melhor com os outros e sim comigo mesma…por vezes me acho tão complexa…canso de mim…e o pior é que não tenho como fugir…rsrs.
    Sua benção,

  9. adelaide batista

    Pe.Joaozinho qdo o senhor vem a Manaus no amazonas? nos preseteiar com essa palestra.Sua benção

  10. Oi Pe. Joãozinho amo o sr. Amo todos oa Padres porque trazem JESUS para nos. Padre nos informe tudo sobre o nosso querido Pe. zezinho estou rezando por ele. Acabei de ler o livro SER UM ENTRE MILHÕES. Queremos ler e houvir mais a sua voz. Um beijo no seu coracão. Palmira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.