A questão é no mínimo curiosa. Não tenho notícias de que a Igreja tenha incentivado e nem mesmo aprovado que algum sacerdote ou fiel comungasse as espécies eucarísticas de algum milagre em que tivessem se transformado em carne e sangue (no sentido hilemorfistico de matéria, ou no sentido químico, ou ainda mantendo os acidentes de carne e sangue). No caso de Padre Cícero, no Juareiro do Norte o caso deu “pano pra manga”. Mas parece que meus irmãos do Monfort tem já um estudo feito a respeito. Gostaria de me aprofundar neste particular, pois em princípio não me parece adequado comungar as espécies de um milagre eucarístico. Falo isso a propósito do seguinte comentário:

“Pergunto aos meus inquisitores: ALGUÉM QUE COMUNGASSE A CARNE E O SANGUE DO MILAGRE EUCARISTICO DE LANCIANO ESTARIA COMUNGANDO EUCARISTICAMENTE?”

Sim, Padre João, estaria comungando eucaristicamente. O trecho abaixo explica bem isso, veja:

“Pio XII nos diz: “Pela sagrada Eucaristia alimentam-se e fortificam-se os fiéis com um mesmo alimento e se unem entre si e a divina Cabeça de todo o Corpo com um vínculo inefável e divino.” (MYSTICI CORPORIS 18). O resto da argumentação só segue as tolices modernistas, como o Milagre Eucarístico não é Eucaristia, ora então não deveria ser “Milagre EUCARÍSTICO”, seria então “MILAGRE MATERIALISTICO”?????. Entre os milagres já houve os que foram comungados, mas isso é uma outra história. O de Lanciano foi guardado por outros motivos, não os alegados pelo padre, mas sim pela visibilidade do milagre e não porque não fosse Eucaristia.”

FONTE: http://www.montfort.org.br/ind…..p;lang=bra

1 comentário

  1. Pingback: RCC Brasil

  2. Joel Xavier

    Padre Joãozinho,

    Há relatos (eu já vi fotos) do pão consagrado que se transforma em Carne visível de Nosso Senhor. Nesses relatos (e na foto que vi) essa carne e sangue visíveis estavam já na língua do fiel que recebeu a Eucaristia.

    Sabendo que esse “milagre eucarístico” se deu quando o pão consagrado já tinha sido recebido na boca do fiel, eu pergunto: não deveria o fiel terminar sua comunhão? Claro que sim!

    Qualquer coisa que fugisse disso seria descabida e imprópria.

    Se Deus aprouve por bem realizar esse milagre após o fiel ter recebido as espécies consagradas, claro que o fiel deve terminar normalmente sua comunhão.

    Se Deus aprouve por bem realizar esse milagre ANTES da distribuição das espécies, é bom que esse milagre seja preservado para o fim de aumentar a fé das pessoas. Assim foi feito em Lanciano.

    Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.