Pedro está atendo à reflexão. Apesar de apressadamente ele rotular as pessoas, reconheço que ele tem um “certo” conhecimento. A “vulgata” é a tradução da Bíblia em latim, por São Jerônimo. É uma obra monumental. Recentemente a Igreja Católica aprovou a revisão desta tradução publicando a NEO-VULGATA. Esta é a tradução que todo católico em comunhão com o Santo Padre deve utilizar, o que, naturalmente, não é o caso do Sr. Pedro. Para notícia, publico aqui (em latim) a Constituição Apostólica do Papa João Paulo II, que determinou o uso do NEO-VULGATA. Certamente Pedro não terá dificuldade de ler em latim.

  CONSTITUTIO APOSTOLICA

QUA NOVA VULGATA BIBLIORUM SACRORUM EDITIO

“TYPICA” DECLARATUR ET PROMULGATUR

 

 

IOANNES PAULUS EPISCOPUS

SERVUS SERVORUM DEI

AD PERPETUAM REI MEMORIAM

 

 

SCRIPTURARUM THESAURUS, quo salvificus nuntius a Deo hominibus datus continetur — ait enim recte s. Augustinus: “ de illa civitate unde peregrinamur, litterae nobis venerunt: ipsae sunt… quae nos hortantur ut bene vivamus ” (Enarr. in ps. XC, s. 2,1: PL 37, 1159) — ab Ecclesia merito semper summo in honore est habitus singularique diligentia custoditus. Quae quidem ab ipsis initiis suis numquam desiit curare, ut populus christianus quam amplissima frueretur facultate Dei verbum percipiendi, praesertim in sacra Liturgia, in qua celebranda “ maximum est sacrae Scripturae momentum ” (Conc. Vat. II, Const. Sacros. Conc., n. 24).

 

Ecclesia ergo in partibus occidentalibus illam ceteris versionibus anteposuit, quae Vulgata solet appellari quaeque maximam partem a s. Hieronymo, doctore praeclaro, confecta, “ tot saeculorum usu in ipsa Ecclesia probata ” est (Conc. Trid., sess. IV; Enchir. Bibl., n. 21). Tam egregiae existimationi documento est etiam cura eius textum ad criticam rationem apparandi, ac quidem per editionem, quae secundum altiorem doctrinam adhuc concinnatur a monachis Abbatiae S. Hieronymi in Urbe, a Pio XI, Decessore Nostro fel. rec., ad hoc institutae (Const. Apost. Inter praecipuas, 15 Iun. 1933; A.A.S. XXVI, 1934, pp. 85 ss.).

 

Aetate autem nostra Concilium Vaticanum II, honorem confirmans editioni illi, quam Vulgatam vocant, tributum (Const. Dei verbum, n. 22), atque eo contendens, ut in Liturgia Horarum facilior esset intellectus Psalterii, statuit, ut huius recognoscendi opus, feliciter inchoatum, “ quamprimum perduceretur ad finem, respectu habito latinitatis christianae necnon totius traditionis Ecclesiae ” (Const. Sacros. Conc., n. 91).

 

His omnibus Paulus Vl, Decessor Noster rec. mem., motus est, ut antequam eidem Concilio finis imponeretur, id est die XXIX mensis Novembris anno MCMLXV, peculiarem Pontificiam Commissionem constitueret, cuius esset universalis eiusdem Synodi iussum perficere atque omnes Sacrae Scripturae libros recognoscere, ut Ecclesia praedita esset editione Latina, quam progredientia studia biblica postularent quaeque potissimum rei liturgicae inserviret.

 

In qua recognitione efficienda “ ad verbum ratio habita est veteris textus editionis Vulgatae, ubi videlicet primigenii textus accurate referuntur, quales in hodiernis editionibus, ad criticam rationem exactis, referuntur; prudenter vero ille est emendatus, ubi de iis deflectit vel minus recte eosdem interpretatur. Quam ob rem Latinitas biblica christiana est adhibita, ita ut aequa aestimatio traditionis cum iustis postulationibus artis criticae, his temporibus vigentis, temperaretur ” (cfr. Alloc. Pauli VI, 23 Dec. 1966; A.A.S. LIX, 1967, pp. 53 s.).

 

Textus, ex hac ipsa recognitione exortus, quae quidem impensior fuit in quibusdam libris Veteris Testamenti, quibus s. Hieronymus manus non admovit, ab anno MCMLXIX ad annum MCMLXXVII seiunctis voluminibus est editus, nunc vero editione “ typica ”, uno volumine comprehensa, proponitur. Haec Nova Vulgata editio etiam huiusmodi esse poterit, ut ad eam versiones vulgares referantur, quae usui liturgico et pastorali destinantur; atque, ut verbis utamur Pauli VI, Decessoris Nostri, “ cogitare licet eam certum quoddam fundamentum esse, in quo studia biblica… innitantur, maxime ubi bibliothecae, specialibus disciplinis patentes, difficilius consuli possunt et congruentium studiorum diffusio est impeditior ” (cfr. Alloc., 22 Dec. 1977; cfr. diarium L’Osservatore Romano, 23 Dec. 1977, p. 1).

 

Praeteritis temporibus Ecclesia arbitrabatur veterem Vulgatam editionem sufficere atque ad verbum Dei populo christiano impertiendum affatim valere: quod quidem eo satius iam efficere poterit haec Nova Vulgata editio.

Itaque opus, quod Paulus VI vehementer optavit neque ad finem absolutum potuit videre, quod Ioannes Paulus I studiosa voluntate est prosecutus, qui Pentateuchi libros, a praedicta Pontificia Commissione recognitos, sacrorum Antistitibus in urbem “ Puebla ” congressuris muneri mittere statuerat quodque Nosmet ipsi una cum multis ex orbe catholico valde exspectavimus, typis excusum Ecclesiae iam tradere gaudemus.

 

Quae cum ita sint, Nos harum Litterarum vi Novam Vulgatam Bibliorum Sacrorum editionem “ typicam ” declaramus et promulgamus, praesertim in sacra Liturgia utendam, sed et aliis rebus, ut diximus, accommodatam.

 

Volumus denique, ut haec Constitutio Nostra firma et efficax semper sit et ab omnibus, ad quos pertinet, religiose servetur, contrariis quibuslibet nihil obstantibus.

 

 

Datum Romae, apud S. Petrum, die XXV mensis APRILIS in festo s. Marci Evangelistae, anno MCMLXXIX, Pontificatus Nostri primo.

 

 

IOANNES PAULUS PP. II

 

 

15 Comentários

  1. Antonio Carlos

    Independente da versão da Bíblia usada, me parece que vocês estão dizendo a mesma coisa. De toda a discussão, fica a seguinte leitura: (me corrija padre caso o meu entendimento não seja apropriado)(escreva Pedro, caso porventura não esteja de acordo com o que vou escrever).

    1-) Tanto o pecado, quanto o pecador são odiosos para Deus.

    2-) Porém, nada pode nos separar do amor de Deus. Deus nos ama e exatamente por isso Deus deseja a nossa conversão.

    3-) Porém, Deus também é infinitamente justo e por isso nosso pecado que lhe diminue sua glória extrínsica está sujeito a cólera de Deus.

    Tirando as demais acusações, não é isso que se lê da discussão? Ambos não concordo com isso?

  2. Antonio Carlos

    Independente da versão da Bíblia usada, me parece que vocês estão dizendo a mesma coisa. De toda a discussão, fica a seguinte leitura: (me corrija padre caso o meu entendimento não seja apropriado)(escreva Pedro, caso porventura não esteja de acordo com o que vou escrever).

    1-) Tanto o pecado, quanto o pecador são odiosos para Deus.

    2-) Porém, nada pode nos separar do amor de Deus. Deus nos ama e exatamente por isso Deus deseja a nossa conversão.

    3-) Porém, Deus também é infinitamente justo e por isso nosso pecado que lhe diminue sua glória extrínsica está sujeito a cólera de Deus.

    Tirando as demais acusações, não é isso que se lê da discussão? Ambos não concordam com isso?

  3. “vulgata” é a tradução da Bíblia em latim, por São Jerônimo. É uma obra monumental. Recentemente a Igreja Católica aprovou a revisão desta tradução publicando a NEO-VULGATA. Esta é a tradução que todo católico em comunhão com o Santo Padre deve utilizar, o que, naturalmente, não é o caso do Sr. Pedro.”

    Isso que o Sr. Reverendissimo Padre colocou nao ficou claro para mim…

    A vulgata como o Sr. disse é uma obra monumental… a Neo vulgata foi aprovada, tradução que todo católico em comunhão com o papa deve utilizar, o que naturalmente nao seria o meu caso…

    o meu caso o que?

    a utilização da neo vulgata, ou a comunhao com o Santo Padre…

    Creio que o Sr quis falas da biblia…

    Quanto ao meu “certo” conhecimento… eu “agradeço” pela “gentileza”, que vindo de um sacerdote tão erudito, em muito me alegra…

    e quanto ao latim, eu tenho muitas dificuldades para fazer tal leitura, mas já o Sr. utiliza o latim, embora quem debate com o Sr. nao tenha a menor chance de saber o que está escrito, nao me parece uma atitude legal…

    o pouco de latim que me preocuparei em aprender, será para me juntar nas intenções do sacerdote na missa de sempre…

    Já que o Sr. sabe tanto assim de latim, deveria usá-lo nas suas celebrações??

    ou será que o Sr. só utiliza o latim em debates via blogs?

    O latim é tão inutil assim para a missa, mas na hora de debater, nao se subtrai de utiliza-lo, embora a outra parte no dialogo nao tenha a menor chance de entender…

    Mas nao se preocupe… Eu acredito no Senhor…

  4. Mas Padre, embora o Sr. diga que eu apressadamente rotule as pessoas, o que o sr. chama de rótulo, já é há muito tempo uma opiniao formada…

    Reprovo todos os males da RCC e da cançao nova… nunca tolerarei padres artistas, nem cristotecas, nem bailes no espirito, nem padres que omitem a doutrina de Cristo, pensando que a semente da boa doutrina, nao seria capaz de produzir belos frutos…

    Os senhores sacerdotes sao apenas instrumentos de Deus.. Quem converte é a graça divina… não esse discursinho vagabundo de Pe. Fábio de Melo

    Portanto nao tolero quem acusa de inutilidade o Depósito da Fé…

    Nao tolero também os Sacerdotes que ensinam meias verdades, como por exemplo, dizendo que Deus é misericordioso, mas não ensina aos fiéis que é apenas através da confissao individual, feita com as devidas disposições, que,tal fiel alcança misericorida…

    Nao tolero tbm quem diz que Deus é amor e vai para baladas, bailes, shows, tudo em nome de Cristo…
    e quem ainda por cima, omite a justiça divina…

    O que o sr. chama derótulo é apenas opiniao formada…

    O Sr., sim, poderia dizer que eu utilizo mal o meu zelo… tal qual uma pessoa que se inicia na Vida Espiritual, utiliza mal os seus escrupulos… palavra que a CN e RCC desconhecem…
    ____________________________

    Mas permita-me por caridade dizer, que embora o Sr. não seja digno de uma honra em dobro, algo que só os pastores de nossa Igreja, que se dedicam exclusivamente ao serviço de Deus, sem tantas ocupações mundanas, como são tantos sacerdotes hj em dia, quase nada justifica um fiel leigo nao honrar a um sacerdote… isso é lei de Deus… e se por acaso, por pressa, vaidade ou ignorancia minha eu passei essa impressao, eu peço perdão… eu que suplique para que o Sr. nao me acrescente mais esse pecado

    Embora eu precise de diretizer na aplicação de meu zelo,

    EU JAMAIS APROVAREI A RCC E A CN

  5. Pingback: RCC Brasil

  6. Joel Xavier

    Joel perguntou: Padre, veja se compreendi bem o que o senhor pensa. Quando comungamos, recebemos espiritualmente o Corpo de Cristo, mas não o comemos. Se alguém não tem fé, ele só recebe pão, mas não recebe realmente o Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Cristo. É isso que o senhor quer dizer?
    _______________________________

    RESPOSTA DE PE. JOÃOZINHO:
    “É lógico que suas palavras não coincidem com minha convicção de fé, enquanto cristão, católico e padre. Não procure colocar em minha boca palavras que eu jamais diria. A Eucaristia não é uma experiência meramente subjetiva. Estamos diante diante da presença objetiva, real, substancial de Cristo. Mas é claro que podemos suspeitar de alguns pseudo-tradicionalistas que fazem da Eucaristia um fetiche. No fundo isso é um materialismo disfarçado de ortodoxia. A raiz de todo fundamentalismo é o orgulho e idolaria. Certas posturas são idólatras, pois desvinculam completamente Pessoa, Igreja e Eucaristia”.

    _______________________________

    PADRE, O SENHOR NÃO RESPONDEU MINHAS PERGUNTAS!!

    Portanto, torno a repetí-las:

    Se um ateu comungar, ele recebe o Corpo, Sangue, Alma, e Divindade de Cristo, ou só recebe pão?

    Se um Católico que tem fé comunga, ele come o Corpo de Cristo, ou não?

    Responda- me por favor, Padre.

  7. Olha Pedro, Pe. Joãozinho e cia ltd. Eu até agora não entendo porque há tantas trocas de farpas, por tantos dias consecutivos, enquanto se podia estar se escrevendo outros assuntos mais produtivos.

    A RCC e CN assim como a Missa Tridentina (ou tradicional, ou de Pio V, ou em latim, como queiram) são coisas instituídas e/ou permitidas pela Igreja Católica Apostólica Romana. Não dependem nem da minha aprovação, nem da sua Pedro e nem de quem quer que seja, pois o dia que a Igreja de Roma, ver que isto ou aquilo não é salutar, não atende aos anseios da fé Católica Apostólica Romana, vai mandar parar, não tenha dúvida disso (pergunte ao pessoal da Teologia da Libertação que eles vão lhes dizer).

    Quanto ao Latin, pelo que me parecem os meus poucos conhecimentos, os documentos mais antigos da Igreja foram escritos em Latin pelo fato de ser a língua mais falada nas épocas antigas, antes desta era o Grego. Se fôssemos seguir a mesma linha de raciocínio teríamos que traduzir todos os nossos documentos agora para o Mandarin, que possui o maior número de falantes do mundo, ou para o Espanhol, que possui o maior número de países que falam esta lingua.

    Enfim vamos parar com o que não interessa e vamos nos concentrar naquilo que interessa que é evangelizar aqueles que precisam ser evangelizados.

    Afinal corremos o risco de chegar no Céu (espero um dia ir para lá) e nos depararmos com um ambiente de oração no estilo da RCC ou no estilo dos Tridentino, o que vamos fazer se não “aprovarmos” tais estilos, vamos pedir que nos mandem pro inferno? Tô fora… Eu quero é ir pro Céu e encontrar todos vocês lá…

    Pax et Bonum. :-)

  8. Boa noite, padre
    O senhor Pedro foi grosseiro e mal educado utilizando termos de baixo nível.Diz respeitar a Igreja.Mas na prática está bem longe disso, afinal quando se ofende um padre ou duvida de seu sacerdócio,demonstra que não acredita no ato de consagração a Deus feito pelos bispos em nome da igreja.
    Lástimável esse comentário,deveria ser “deletado” é uma ofensa aos visitantes do blog.
    Diálogo em baixo nível representa violência,intolerância,falta de argumentos e educação.

  9. Luciana, o conceito que você tem da palavra respeito é totalmente distorcida, revelando uma ingênuidade quase infantil.

    Você diz que quem duvida de um sacerdote não acredita no ato da consagração… Como se por criticar um mal sacerdote, eu duvidasse do valor do sacramento do ordem…

    Vá estudar as funçoes dos sacerdotes, seus deveres e suas obrigações. O dever próprio de se santificar e santificar aosfiéis…

    De resto, eu disse que padre joaozinho nao era digno de uma honra em dobro, coisa que só os bons sacerdotes merecem, fruto de um zelo nutrido por suas ovelhas e comprometimento total com suas obrigações sacerdotais.

    Mas eu nunca disse que padre joaozinho não era digno de honra, devido a dignidade sacerdotal pelo qual ele é revestido… só que a honra que prestamos aos superiores são de diferentes niveis, baseado em como esses superiores se comprotam perante seus deveres e obrigações…

    Quer um exemplo?

    Vá me dizer que você honra igualmente um professor de medicina universitario que ensina de forma equivocada uma matéria de suma importancia para sua formação da mesma forma que um outro que ensina de forma equivocada?

    Se você prefere ao que ensina a matéria equivocada, pobre de seus pacientes…

    Mas agora em se tratando de salvação e de nossa formação, por acaso aceitarias ser formada por tão maus pastores como os da CN?

    Por acaso aceitas o que esse tal Pe. Fábio diz e ensina??

    E Pe. Joãozinho que é cumplice de suas heresias?

  10. Corrigindo:

    “Vá me dizer que você honra igualmente um professor de medicina universitario que ensina de forma equivocada uma matéria de suma importancia para sua formação da mesma forma que um outro que ensina de forma CORRETA?

  11. Pedro, sem falar que esta LUCIANA e outros defensores das heresias carismáticas (Fábio de Melo; Marcelo Rossi;… a lista é tão grande!) estivessem vivos na época da herética reforma protetante, ainda apoiariam o imbecil do Lutero!

    Sim!, pois o herege alemão foi um sacerdote de péssimo comportamento.

  12. Boa noite,padre
    Caríssimos Pedro e Renato a opinião de vocês não me interessa,
    pensem o que quiser.
    Não dou a menor credibilidade a pessoas que seguem ideias de um frustrado que só sabe denegrir a imagem alheia com deboches e sátiras.
    Na verdade,os argumentos que vocês,seguidores de Montfort utilizam perdem completamente a lógica devido ao despreparo emocional.
    Sabe o que eu faço quando leio as críticas de vocês em relação a mim: rio,dou muitas gargalhadas.Estou respondendo a vocês e rindo.
    E podem falar que vou para o inferno, que sou herege, pois como já afirmei o único julgamento que aceito,respeito e espero vem de cima,DEUS.
    Boa noite,padre

  13. Esqueci-me de responder ao senhor Pedro,escuto os ensinamentos dos sacerdotes pe. Fábio e pe. João Carlos e aliados à leitura bíblica,o conhecimento da doutrina e a minha participação na igreja e nos sacramentos,em espírito e verdade e não apenas na teoria,aguardo a minha salvação uma vez que o julgamento será feito por um só DEUS e ninguém mais.
    Bom domingo,padre

  14. Luciana, os protestantes hereges falam a mesma coisa!

    Não respeitam o Vigário de Cristo na terra – o Santo Papa -, e ainda por cima dizem a mesma coisa que você escreveu:

    ”…pois como já afirmei o único julgamento que aceito,respeito e espero vem de cima,DEUS.”

    Esses são os frutos dos movimentos ”carismáticos”: Relativismo e falsa fidelidade cristã para com a Santa Igreja Católica, a Sã Doutrina Católica de Nosso Senhor Jesus Cristo e ao Santo Papa!

  15. QUANTA FUTILIDADE!!!!!!!!!!!!!!!!!
    A sua benção pe. Joãozinho

  16. Plagiando:
    Se eu não perder uma reunião da RCC,
    Se eu participar ativamente da Canção Nova,
    Se eu for um ardoroso defensor da missa Tridentina,
    Se eu for um sacerdote artista…
    Mas não tiver caridade, nada serei.

    Isto não é agremiação de carismáticos ou tradicionalistas, isto é a igreja católica, e da forma como o Santo Papa determinar, assim será. Ao longo de toda a história, não foram poucos os personagens que passaram a defender sua forma de ser igreja, graças a Deus o dstino destes é a excomunhão.

    Quem achar que a igreja está errada, está na casa errada, caro protestante.
    Pra quem esqueceu, não foi um homem que criou nossa igreja, e Cristo determinou que Pedro e seus sucessores apascentariam suas ovelhas, toda defesa de ponto de vista particular pode ser apostasia, cuidado.

    Estas histórias de: “eu só assisto missa tridentina” ou “eu só assisto missa se puder rebolar” ou ainda “eu quero que a missa seja pentescostalizada”, … Isto é tudo vento que passa. Não há nada de novo sob o sol, tudo que dizem ser novidade já existiu. Deixem o Magistério da Igreja cuidar do que sempre cuidou e fiquem em PAZ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.