O assunto é mesmo “quente” como muitos estão afirmando aí nos comentários. Neste BLOG procuro levantar questões em tempo real. Logo que surgiu o debate em Roma, imediatamente publiquei e comentei. Tenho certeza que que é preciso aprofundar a questão. Aliás, publiquei o tema em um final de semana em que fiz um show para 25.000 pessoas em Juazeiro, na Bahia e para 8.000 em Sooretama, no Espírito Santo. No fundo o artigo é uma possibilidade de auto-crítica. Mas me entristece comentários que entendem de forma completamente distorcida minhas palavras. Jussara chegou a pensar que esperei meu irmão Pe. Fábio ir para a África para postar contra ele. Disse que sou covarde e invejoso. Só mesmo alguém que não conhece nossa amizade para fazer este tipo de afirmação. Este assunto é frequente entre nós. Tanto Pe. Fábio quanto eu temos críticas à sacerdotes que abrem mão do seu sacerdócio para buscar resumir sua missão no palco. Nosso mestre, Pe. Zezinho, escreve de maneira insistente sobre isso. Estou terminando de produzir um livro em que há um capítulo irretocável de Pe. Zezinho sobe esta questão: “Semideuses da fé”. Não devemos ter medo de questionamentos. Desculpe, Jussara, mas você não entendeu o sentido do POST. De qualquer forma agradeço sua sinceridade e também a coragem de se identificar ao fazer sua crítica. Mas não poderia deixar de dizer que fiquei muito triste com o seu juízo.

Comentário de Jussara:

Sabe pe Joãozinho,n gosto de hipocresia e vou falar o q sinto.Te acompanho no twitter,leio seu blog,admiro sua capacidade de comunicação,etc.Nunca fui a um show seu,ainda…quero muito de ir,e vou.
Qto ao texto”Sacerdote showman”,acho q o sr foi covarde.Esperou o pe Fabio viajar e lançou a polêmica,pq é p ele tá na cara.Ele è c certeza o maior sacerdote showman da atualidade n está aqui p se defender,e nem eu quero tomar sua defesa.N te conheço e nem a ele,mas achei sua atitude mto feia e baixa.Já fui em shows dele,acompanho tbém e n concordo c mtas coisas,mas se a Igreja libera e as pessoas gostam de ouví-lo…
È isso q dá o discípulo ultrapassar o mestre:inveja. Pe me perdoe,mas já q pediu comentários,falei.Pode me responder no twitter(@jussararesende)ou no meu e-mail q tá aí ( jrflor@bol.com.br  todo mundo tem direito de resposta.De repente te interpretei errado e peço desculpas novamente.
Fraterno abraço,
Jussara Resende)

66 Comentários

  1. Álvaro Netto

    Bom, achei infeliz a colocação da Jussara, ainda mais por conhecer o sr, que pra mim é um exemplo de servo, um exemplo de padre, um exemplo de sacerdote. Padre Fábio também tem a missão dele e creio que a carta do Vaticano seja um puxão de orelha, não no Padre Joãozinho ou no Padre Fábio e sim em todos os Padres da nossa Igreja, e também serve para nós fiéis leigos, para que não sejamos apenas tocados pela música ou pela imagem do Padre que se apresenta, independente se canta ou se prega, ele deve refletir a imagem de Cristo,e nós devemos enxergar a pessoa de Cristo nele.

    Lembro me bem daquele temporal aqui em Ponta Grossa no dia do teu show Padre Joãozinho, que no meio daquela incerteza, palco armado, todos os instrumentos lá fora… e muita chuva… muita mesmo… o senhor chegou e disse que faria o show dentro da igreja, nem que tivese apenas um violão pra te acompanhar… e foi um lindo show de humildade… de um padre que reflete Cristo, sem exigências, apenas por amor por aquele que o esperavam…

    Sua benção Padre Joãozinho…

    Saudades

  2. Padre, acho que era necessário postar uma absolvição junto… hehehe. Brincadeiras a parte, sem críticas, acredito que muitos têm preguiça de tentar interpretar aquilo que está escrito. Acostumados com certo nível de ócio mental, é natural somente defender e atacar sem tentar entender muito.
    Visto que nestes ultimos dias, têm-se falado muito na relação entre Igreja e Arte, seria incoerente de sua parte levantar uma crítica como estas. Quem está ligado no que a Igreja diz, certamente iria compreender as suas palavras.
    Continue… “O mundo precisa da beleza para não cair no desespero” (carta do papa João Paulo II aos artistas).
    Que através do seu ministério e do seu coração de artista, Deus possa inspirar os artistas que se dedicam inteiramente a Evangelização.
    Um grande abraço.
    @marcoscurvelo – http://www.twitter.com/marcoscurvelo

  3. Danielle Piscitelli de Oliveira

    Que coisa, meu Deus! As pessoas lêem as coisa de qualquer jeito e saem por aí julgando os outros.

    Padre, o sr. é um exemplo de vida para qualquer um que se dê ao trabalho de acompanhar sua obra e ler, sem precipitação, suas palavras. COntinue sendo quem é: pregando, cantando, ensinando e levando a palavra de Deus a todos que dela necessitam.

    Um abraço afetuoso,

    Danielle.

  4. Caríssimo Pe. Joãozinho,

    É uma questão importante. Dentro da Igreja muitos padres deixaram o sacerdócio para seguir uma vida artística. Mas vejo que esse não é o caso do senhor nem do Pe. Fábio de Melo.

    Fazer shows é uma forma de evangelização. Mas não é a mais comum. O importante é que vocês dêem sempre mais ênfase aos métodos tradicionais de pregação do Evangelho, que se dão na Santa Missa e no sacramento da Confissão.

    Se os shows e a “carreira artística” não atrapalham na freqüência com que vocês ministram os Sacramentos – o que acho muito difícil -, não parem… Mas se eles ficam prejudicados então o melhor a se fazer é parar.

    Graça e paz,

    Salve Maria Santíssima!

  5. Não acho que o caro p. Joaozinho quis “apunhalar” o p. Fábio. Acho que essa colocação é grave e requer evidências. Todavia, sabemos que o p. Joãozinho dá os seus puxões de orelha no p. Fábio, pois formador que é formador, forma a vida inteira, como também P. Zezinho dá seus puxões de orelhas nos sacerdotes. Isso é natural, e não a questão de falar por trás. No mínimo é falso testemunho!

  6. Pe. Joãozinho, li uma frase um dia e fiquei com ela guardada e hoje posso usa-la: “CADA UM LÊ COM OS OLHOS QUE TEM, A PESSOA SEM CONTEÚDO LÊ, MAS NÃO INTERPRETA”. Deus o abençoe sempre!

  7. Adriano Marcos

    Paz e Benção!
    Caro Padre Joãozinho. Sinceramente não entendo o porque de tanto alarde sobre o que estão chamando de padres Showman. Creio que tudo seja válido para a evangelização, desde que seja de uma forma sem ofender o próprio Cristo. Ultimamente muitos católicos tem deixado a igreja e se aventurados em outras denominações religiosas em busca de um avivamente mais alegre. Creio no que o próprio Cristo disse a respeito da Igreja, mas é necessario esse “avivamento” Hoje os tempos são outros, onde a grande mídia televisiva predomina em quase todos os lares do nosso grande Brasil. Louvo a Deus por temos padres como o sr., pe Fábio, Marcelo Rossi e até mesmo o Padre Zezinho. (Pena que ele não vai a “grandes redes de Televisão” ou elas não o chamam), porque seria tambem uma grande benção. Mas enfim, Só peço ao Espírito Santo que ilumine os padres para que eles não se igualem aos “artistas populares” e que eles tenham a certeza de sua missão.
    Abraço Fraterno
    Adriano marcos – Drico1974 (do twitter)
    Jandira/SP

  8. Padre, pessoas com ampla exposição sempre estão sujeitas a dupla interpretação daquilo que falam.

    Pessoalmente, tb tenho medo desse mundo criado em torno de “sacerdotes showman”.
    Medo que esquecam do seu principal e unico objetivo: A evangelização.

    Mas cabe a cada um lembrar-se sempre de quem é.

    A nós cabe rezarmos pela missão de todos os sacerdotes. O “showman” e o padre da paroquia da cidadezinha do interior.
    Que eles sejam o proprio Jesus.

  9. São sempre válidas as palavras de Santo Afonso de Ligório, doutor da Igreja:

    “Assim, o sacerdote que celebra uma missa rende a Deus uma honra infinitamente maior, sacrificando-lhe Jesus Cristo, do que se todos os homens, morrendo por ele, lhe fizessem o sacrifício das suas vidas. Mais ainda, por uma só missa, dá o sacerdote a Deus maior glória, do que lhe têm dado e hão de dar todos os anjos e santos do Paraíso, incluindo também a Virgem santíssima; porque não lhe podem dar um culto infinito, como o faz um sacerdote celebrando no altar” (A Selva, A dignidade do padre, I).

    Salve Maria Santíssima!

  10. Claudia Souza

    Não fique triste não querido, na maioria das vezes as pessoas não sabem interpretar aquilo que lê e se acham no direito de julgar, não lhe conheço pessoalmente mas não perco a oportunidade de te ouvir de ler o que escreve, quem te acompanha sabe que o sr. gosta de apimentar a discussão de polemizar é uma atitude própria do ser humano que pensa e que busca sempre o melhor de si, e quem pensa um pouquinho viu que foi uma auto critica e que é mesmo pro sr. pensar seu ministério e claro serve também para o Pe. Fábio, imagina se o sr. precisa escrever um artigo criticando o pe. Fábio vocês são amigos, e os amigos de verdade tem liberdade pra falar o que sente para o outro, enfim não fique triste não seu bom humor nos faz muito bem!!!
    Ah! sou sua seguidora é claro não fico um dia longe do senhor, que Deus lhe abençoe!

  11. Ah Padre.. Nem ligue pra essas coisas.. A Moça não deve ter entendido muito bem.. Mas na verdade infelizmente para algumas pessoas, só existe na igreja Pe. Fábio e Pe. Marcelo.. Infelizmente ‘Semi Deuses’ Para essas pessoas.. Eu admiro muito o trabalho deles, assim como admiro o seu, o do Pe. Antonio Maria, Finado Pe. Léo.. Mas tbm já me questionei sobre esse assunto várias vezes.. Chegando a imaginar (Não só eu, como as pessoas q converso a esse respeito) q a Canção nova é uma versão Católica da Universal.. Porém, é fato q atrai muitos fiéis, e q ajuda muita gente sem esperança, como já aconteceu comigo.. É um assunto polêmico, no qual eu não tenho opinião formada.. Tenho Certeza que muita gente entendeu perfeitamente o seu post.. Continue SEMPRE assim, trazendo pra nós, leigos, não somente a parte boa da igreja, mas tbm todos os questionamentos.. Fique com Deus.. O Senhor é Abençoado!!!

  12. Ana Vitória

    Jussara, quero acreditar que você tenha mal interpretado o texto !!!
    Padre Joãozinho não mencionou em momento algum críticas ao padre Fábio!!! Mesmo porque tem tamanha admiração pelo trabalho de seu aluno !!!
    Só postou um texto de um debate publicado em Roma e nos pediu opiniões…
    Vamos pensar antes de falar, aqui no caso, escrever…
    Na dúvida, GENTILEZA !!!!

  13. Boa tarde padre Joãozinho!

    Quando eu recebi essa matéria no email do Zenit.org pude parar e refletir sobre a importância da evangelização nos meios de comunicação. A Igreja não pode estar alheia aos meios de comunicação de massa: internet, TV, rádio.
    A chamada de atenção de Dom Piacenza se refere muito mais ao esvaziamento do sentido do ministério sacerdotal na vida do presbítero. É claro que existem sacerdotes que abraçam projetos pessoais pensando numa perspectiva muito mais individualista. Mas, ao mesmo tempo, o exemplo de sacerdotes que sabem muito bem utilizar os meios de comunicação também é muito visível.
    Acredito que estamos diante de uma discussão difícil. Não cabe a nós julgar cada sacerdote e sim quais os frutos que sua evangelização vem trazendo.

    Abraços fraternos!

  14. Concordo que houve falha de interpretação por parte da Jussara.

    Fiquei muito curiosa para ler o texto do Pe. Zezinho
    sobre a questão dos “Semideuses da fé”.

    Um abraço, padre.

    Talita Prates
    taprates (twitter)

  15. Elaine Mendes

    Olá Padre, quero logo ler esse capítulo sobre os semideuses da fé.
    Na realidade qualquer popstar é idolatrado por seu público – vide Michael Jackson – e isso também acontece com qualquer sacerdote que se torna popular devido a suas aparições na mídia e trabalho artístico, mas estou percebendo com o Pe. Fábio que o exagero na admiração que o público tem pela pessoa é facilmente controlado. É a pessoa admirada que impõe o limite. Se há um exagero a ponto do fã se jogar para o “ídolo” arriscando a própria vida isto se deve ao próprio comportamento do ídolo. Nunca me esqueço do Pe. Fábio em um show ter dado uma bronca em duas meninas que queriam invadir o palco para tocar nele. Talvez elas não tivessem o desejo de agarrá-lo, mas ele não permitiu que isto acontecesse, pois na minha visão, elas poderiam se machucar.
    Na chegada do Pe. Reginaldo Manzotti em Fortaleza, havia muita gente querendo tocá-lo. Ele se permitiu tocar, mas havia correntes humanas fazendo uma barreira entre ele e o público. Alguns poderiam achar estrelismo, outros medida de segurança. O Pe. Fábio já foi duramente criticado por evitar contato com o público que o aguardava no aeroporto. Muitos querem se aproximar dele, tocar nele, tirar uma foto e até dar algum presente e certamente se decepcionam quando ele não aparece. Daí vem os julgamentos. Complicado… o padre tem a obrigação de se aproximar do povo, mas ele também é humano, não pode dar atenção a todos. Administrar a fama é difícil, o que Jesus fazia?
    Sua benção.

  16. Eliane Fernandes

    Padre Joãozinho sou fã do seu trabalho embora conheça pouco sobre ele, e quanto a questão dos padres cantores penso que toda a forma de evangelizar é válida, e a música sempre foi um ótimo instrumento de evangelização .
    Embora seguimentos conservadores de nossa igreja torçam a cara para os padres cantores,não há como negar que é graças a eles que a igreja tem atraido muitos jovens , pois eles procuram falar a linguagem que o jovem entende, por isso sou a favor da música como instrumento de evangelização.
    Já fui a inumeros shows,inclusive a shows católicos e acho que alêm da evangelização eles tambêm trazem cultura.

    Um grande abraço

  17. Não ligue padre!! Infelizmente as pessoas se antecipam em julgar!! Só quem sabe da amizade de vcs dois, são vcs mesmo!! Admiro muito o pe. Fabio de Melo e acredito na amizade de vcs, e por acaso será que o padre Fábio, não iria saber desta postagem do blog? Claro que sim, é logico que o senhor não precisa esperar ele viajar…continue seu caminho em paz, Deus conhece seu coração.

    CONTINUE APOIANDO O QUE É CORRETO, E COMBATENDO O ERRO

    Abraços

    Cecília

  18. ISABEL VAZ

    Padre,

    Aprecio o seu trabalho, o do Padre Fábio e de vários outros “padres artistas”…
    Entendo que a comunicação faz parte da missão, o que me questiono é qual é o limite desta comunicação?
    Compartilho da opinião do artigo; o altar não pode ser substituído pelo palco, nem tampouco a missa pelo show…
    Penso que o show é útil enquanto entretenimento e aproximação, mas de uma forma descontraída… Nada tão “quadradinho” quanto à missa. Mas um não substitui o outro de forma alguma.
    Não sou radical, gosto demais de ouvir os padres cantores, cheguei a ficar com uma sensação muito ruim dentro de mim quando li artigos no site montfort (pelo radicalismo deles), queria gritar em defesa de todos os padres cantores… Mas acho que algumas coisas têm limite…
    Nem queria tocar neste assunto para não ser mal interpretada, até pq gosto bastante das músicas e palavras do Pe. Fábio, mas não acho uma boa atitude ser “alugado” para viagens… Isso faz parte da missão? Comento COM TOTAL DESCONHECIMENTO DE CAUSA, pois não sei qual é a função da viagem… mas é algo que me soa estranho… Não é por isso que gosto menos dele ou de suas palavras, seus livros, suas músicas e etc, etc, etc…
    Não sei se disse algo útil, mas sinto que precisava dizer alguma coisa, pois é assunto que sempre “me pega”. E eu não sei ao certo me colocar… O que sei é que gosto dos “sacerdotes showman”, mas tenho minhas críticas e questionamentos…
    É isso, Padre…
    Deus nos abençoe,
    Abraço,
    Isabel Vaz

  19. Michelli Brainer

    Sua bênção, padre!
    Infelizmente não o conheço pessoalmente, nem o Pe. Fábio.
    Porém a amizade q os une é evidente! Não creio q o sr iria “apunhalar” o Pe. Fábio nem qlqr outro, principalmente pelo fato de não ser uma atitude cristã.

    Sobre o artigo do “Sacerdote showman”, creio que Roma se posiciona contra os padres q se afastam do sacerdócio e focam apenas suas “carreiras artísticas”. Estou certa em minha interpretação?

    E neste caso, definitivamente, este artigo da Santa Sé não é direcionado a vcs! Apenas reforça, relembra q não devem perder o foco, q devem sempre lembrar q vcs em primeiro lugar são sacerdotes. Apenas um lembrete. Não um puxão de orelhas.
    Como se diz: melhor prevenir que remediar…

    Um cheirão!
    Sua bênção.
    @mibrainer

  20. Eu não ia a igreja, detestava missa e religião. Há uns 4 anos atrás eu vi um show do Pe. Fábio e fiquei curiosa. Quem é aquele padre? Diferente demais! Mas gostei. Foi daí que comecei a ver ele. Direção Espiritual se tornou rotina. Te vi pela primeira vez no programa dele. Outra adimiração. Duas pessoas inteligentes e bem humoradas conversando. Os melhores programas do Direção Espiritual são aqueles que o senhor participa. Se eu não visse o show eu não voltaria pra igreja nunca. Hoje, amo ir a missa. Domingo é sagrado. Por isso, não importa se o padre está fazendo show. Se ele conseguir passar o amor de Deus para as pessoas que o assistem, não estará fazendo nada de errado. E vocês conseguem fazer isso. Então, por favor, não fique triste. Tristeza faz mal para a saúde. Se cuida!!

  21. apenas comentando…
    “Mas me entristece comentários que entendem de forma completamente distorcida minhas palavras”
    Acontece, professor… E não é porque não explicamos certo, talvez seja prolixo demais para alguns,sei lá…
    Fique com a Paz
    Claudia

  22. Débora Cristina Picardi

    Olá Padre Joãozinho.
    Acho realmente incrível que as pessoas ainda falem sobre isso.
    Afinal ainda não perceberam o jeito maravilhoso que tanto e senhor como o Padre Fábio de Melo usam para evangelizar, chegando onde outros padres jamais chegariam.
    E ainda por cima, chamarem o senhor de covarde é realmente revoltante para nós que admiramos tanto a evangelização de vocês.
    Sua Benção e fique sempre com Deus Padre, afinal ele está te abençoando pelo trabalho trabalho lindo que o senhor promove levando a palavra dele a tantos lugares.

  23. Pré-julgar é um defeito de todos nós. Agora, a dona Jussara exagerou. Não entendo como alguém, que diz acompanhar o padre Joãozinho, pode chegar a essas conclusões.

    Jussara, o que você fumou andes de escrever esses comentários?

  24. Achei um pouco exagerada a interpretação da Jussara. Mas cada um tem o seu próprio entendimento e não temos como modificar isso. No entanto, referente ao post do \showman\, penso que temos que usar de todos os artifícios disponíveis e os dons que temos para evangelizar. Vou contar uma história. Fui católica até os 17 anos, nesse tempo me afastei e voltei. Quando começou a RCC e o “boom” do Padre Marcelo Rossi, isso em meados de 1998/1999, eu voltei a freqüentar a igreja já que não era mais aquela coisa do \senta e levanta, senta e levanta\. Com o perdão da palavra utilizada, mas era isso que eu pensava. Bom, como eu disse, esses shows, CDs, DVDs, programas e tudo o que pode ser usado na comunicação, principalmente para os jovens, deve ser utilizado. Apenas discordo quando o próprio padre ou comunicador perde o seu foco e se esbanja no “glamour”, o que neste caso, são pensamentos errados e não dá para generalizar tudo. Hoje, não sou mais católica, porém tenho muitos aprendizados dela, já que uma vez adquirido não se perde. Parabéns pelo trabalho, Pe. Joãozinho. Te admiro muito…

  25. Padre, primeiramente, sua benção!

    Eu prefiro nem comentar sobre o comentário infeliz da Jussara!

    Passei mesmo pra dizer que o admiro muito e que és um exemplo de humildade, santidade e unção para todos nós.
    Espero que volte a Cachoeira de Minas mais uma vez!

    Que Deus te abençoe ainda mais!

    Diogo Ribeiro
    Twitter: https://twitter.com/diogoribeirophn
    Cachoeira de Minas – MG

  26. Padre, sua benção!
    Só pela Misericórdia infinita de Deus podemos ler e não nos indignar com tal comentário!
    É impressionante como as pessoas leem aquilo que gostariam de ler e não o que realmente está escrito.
    Quem tem olhar malicioso vê malicia em tudo, sendo o inverso também verdadeiro e, creio, igualmente ruim…
    Sinceramente amava muito mais a missão de Padre Fábio quando ele não era tão “Showman”, mas isso deve-se apenas por uma questão de preferência e por achar que antes estar próximo a ele era mais fácil, não tão concorrido. Sinto saudades, por exemplo, de quando saia de minha casa, aqui em Cachoeira Paulista,e seguia até a canção nova para ver os seus programas ao vivo e muita vezes acompanhada de uma meia dúzia de pessoas…
    Porém creio também que Deus necessita de pessoas que propaguem o Evangelho e nos dias atuais, se Cristo aqui vivesse (como há dois mil) Ele não se utilizaria apenas da ampliação das ondas sonoras através das águas, para falar as multidões, ouso dizer que Ele iria querer participar de muitos programas em grandes emissoras, ou fazer grandes shows para milhares, tudo em prol do Reino…
    “Ide e Pregai o Evangelho a TODA criatura”
    Polêmicas sempre haverão de existir no mundo, ouçamos a voz de Cristo que nos diz: “Coragem, Eu venci o mundo!”
    Que aprendamos com Jesus a sermos mansos e humildes de coração, a orar e clamar pela Misericórdia infinita quando a nossa paciência tão humana demais estiver à beira do abismo…
    Que hajam mais sacerdotes e leigos com disposição para proclamar o Evangelho, cantando, pregando…
    Termino com um trecho de uma canção, tão conhecida e que amo tanto:
    “Sou humano demais pra compreender
    Humano demais pra entender
    Este jeito que escolheste de amar, quem não merece
    Sou humano demais pra compreender
    Humano demais pra entender, que aqueles que escolheste
    E tomaste pela mão geralmente eu não os quero do meu lado”
    Sua benção Padre
    Paz e Bem!
    Lana Cristina – Cachoeira Paulista

  27. Acompanhei a discussão, como acompanho o blog do padre Joãozinho ha bom tempo. Com certeza a Jussara estava equivocada no comentário dela, porém não cabe a nós, outros comentadores deste blog, um derramamento de críticas a ela. Acredito q a discussão seja outra: estamos acostumados à celebridades q precisam de notícias, de brigas, de escandalos para manterem-se na midia, e provavelmente Jussara julga os padres (Joaozinho, Fábio de Melo) como estas, estamos acostumados a uma enxurrada de ofensas, de programas de tv que vivem de escandalos e de toda essa baixaria. E principalmente, estamos acostumados a relações pessoais que são assim tb, estamos acostumados com relações que aprisionam, que necessitam que um seja maior e outro menor, com egos que precisam se provar… ela apenas transferiu esta experiencia de ‘modernidade’ para o comentáiro dela, apenas transferiu a incapacidade de nossas relações pessoais serem pautadas por amor e compreensão… não estamos acostumados à amizade que não gera lucro (ao menos palpavel)… E não estamos acostumados a relações maduras, que não precisam de esconderijos para tecer criticas, para se ajudarem…

  28. Olá Padre,sua benção.
    Entendo a posição da Jussara embora não concorde com a maneira que ela tratou o assunto.Acho que foi agressiva demais.
    Acredito q ela entendeu de forma errada sua colocação no artigo e com isso foi “em defesa” do Pe.Fábio que ela achou que estava sendo criticado.
    Eu começo agora a conhecer o senhor e seu trabalho(sigo Pe Fábio há muito tempo),mas tenho certeza que criticá-lo não foi sua intenção.
    Padres “showman” como o padre Fábio,Marcelo e o senhor mesmo,são uma benção e uma grande “arma” na evangelização.Dou meus parabéns!Toda forma de levar a palavra de Deus cada vez a mais pessoas,lares,cidades é bem vinda.Continue seu trabalho.
    Mais importante que ter a aprovação das pessoas é ter a consciência tranquila de um trabalho bem feito e a aprovação de Deus,não É???

    Um carinhoso beijo no seu coração

  29. Roberta Pontes

    Padre Joãozinho, não vejo o seu artigo como um puxão de orelha no Padre Fábio, mas como ele é a “evidência” do momento, acabam interpretando assim. O programa Direção Espiritual não é um show. Muitas vezes recebi orientações através das palestras do Padre Fábio. Ele não se limita aos shows, não faz da missa um espetáculo. Dentro dos limites dele, ao contrário, está sempre procurando manter sua postura e humildade. Fala das fotos, que enaltecem o cantor e não o pregador, dizendo que poderíamos utilizar melhor o encontro. Claro que o sucesso traz consequências, mas já o vi, diversas vezes, dar “a mão à palmatória e reconhecer que errou, pedir desculpas e retornar”. Também não vejo o senhor como um showman, longe disso. Está sempre com uma palavra de carinho, uma brincadeirinha, uma atenção para os que lhe seguem. Aos que criticam a mídia na evangelização, quero contar que estive afastada da Igreja 34 anos. Um dia, assisti um programa do Raul Gil homenageando Pe. Fábio (que eu não conhecia). E nesse dia, as músicas que ele cantou, as palavras que ele disse, mudaram minha vida. Fui para a internet, pesquisei, assisti muitas palestras no you tube, descobri a Canção Nova, o Chalita, a Adriana, o Direção Espiritual, voltei a ir a Missa, conversei com o pároco daqui, vou batizar meus 2 filhos (um com 27 anos e a pequenininha que adotei que está com 6 anos). A Letícia, de 6 anos, já está começando na catequese e adora. Naquela tarde de abril, me reencontrei com Deus. Se as palavras dos sarcedotes tivessem limitadas nas Igrejas, jamais teria reencontrado o catolicismo. Imagino quantas vidas já foram mudadas através de músicas, palestras, etc. Acho que vocês dois (padre Fábio e o senhor) sabem até onde podem ir, tem os pés no chão, não esquecem de quem são. Muitos não entendem, mas a obra continua, mesmo assim.
    Aproveito para agradecer aos dois pelas mudanças operadas em minha vida e em minha família. Nesse Natal, pela primeira vez, vou levar meus filhos na Missa do Galo. Pela primeira vez, o aniversariante vai ser o principal homenageado. E isso tudo, para mim, não tem preço. Que Deus os abençoe para que continuem mudando vidas para melhor.

  30. Boa tarde pe.Joãozinho!

    Um tema como esse sempre gera várias interpretações, umas boas, outras nem tanto. Mas ñ vá se entristecer com algumas opiniões. Percebe-se q o artigo ñ era direcionado ao Pe.Fábio,até pq o Sr.tb faz shows,tinha um programa na televisão(sendo substituído inclusive por Pe.Fábio),o sr. conduz uma faculdade de teologia…enfim, faz mtas coisas q ñ se limitam a celebrar missas e conduzir uma paróquia. O Sr.também é um pe.que utiliza os meios de comunicação para evangelizar (inclusive o twitter, rs) assim tb como faz o Pe.Fábio de Melo.
    Quando Roma se pronuncia dizendo q “Para a evangelização, não servem os sacerdotes showman que vão à televisão”, ela ñ percebe com essa declaração que são padres como pe.Zezinho, pe.Marcelo Rossi, pe.Fábio de Melo e tantos outros que estão pescando mto mais fiéis do q aqueles padres q ficam limitados ao universo de suas paróquias. Não estou dizendo que viver o sacerdócio dessa maneira é errada, estou apenas reconhecendo q são os padres que estão na grande mídia que propagam a palavra de Deus onde tantos jamais conseguiriam chegar.Eles conseguem “pescar ovelhas” q estão perdidas e q talvez ñ conseguiriam ser encontradas se ñ fosse essa evangelização através da comunicação,seja ela pela TV,internet ou rádio. O mundo está evoluindo mto rápido e a Igreja precisa se adaptar a toda essa evolução.

    Como explicou o professor Philip Goyret: que, de alguma maneira, a dimensão comunicativa pertence à essência de todo sacerdote, “seja em si mesmo enquanto que sacramentalmente representa Jesus Cristo e, portanto deve viver conforme aquilo que representa, ou enquanto portador de graça e ministro da Palavra de Deus”.
    O diferencial de conduzir o sacerdócio pelo lado da comunicação é que se deve ter um cuidado redobrado com a missão a que se destina a fazer. Saber que é um caminho muito difícil e muitas vezes mal interpretado.Ter o cuidado de não perder o objetivo que o fez trilhar por esse caminho.Sempre colocar em primeiro lugar o altar de Deus e ñ o altar dos homens.
    Espero sinceramente que cada vez mais, surjam em nosso meio padres como o padre Zezinho, padre Marcelo Rossi, padre Fábio, vc. Que cada vez mais tenhamos a oportunidade de sermos evangelizados em qualquer lugar.O importante é a palavra de Deus chegar ao coração das pessoas,seja onde for.
    Paz e bem!
    Sua bênção.
    Cassandra Tálita

  31. Caro amigo

    Faço minhas as palavras da Karina….concordo em gênero,número e grau.

    As pessoas sem conteúdo leem e não interpretam ou fazem de uma maneira que melhor lhes convém.
    Tenho a certeza de que Padre Fábio ficará tb. muito triste.
    Conte com minhas preces.
    Beijinho carinhoso
    Marília

  32. Sua benção padre!!!
    Primeiramente quero li dar os parabens pelo seu trabalho. Eu li o comentario da Jussara, e concordo com o Alvaro Netto, ela foi infeliz… Achei muito feio quando ela chamou o senhor de covarde, ela esqueceu nesse momento que o senhor é padre e que tem que respeitar. Não acho que o senhor esperou o padre Fabio ir para África para publicar a materia “sacerdotes showman” porque ate mesmo de qualquer maneira o padre Fabio iria ver a materia. O senhor tem um trabalho atraves da musica, e o padre Fabio outro mas tudo se resume em um só trabalho que é para Jesus Cristo. Não é uma questao de inveja.
    Continue padre Joaozinho nos ensinando as coisas de Deus atraves de musicas, pregações,etc.
    Padre me siga no twitter:twitter.com/Matheusch93
    Eu ja sigo o senhor!!!
    Obrigado…

  33. Também fico muito triste com um comentário deste, padre!Bastante prematura e imatura essa colocação. Foi o olhar apressado de um coração amargurado, a meu ver!Total falta de sensibilidade. Quem já assistiu a um programa com Pe Fábio e Pe Joãozinho percebe de longe a amizade, o respeito, a comunhão. Se há críticas a serem feitas, com toda certeza, serão com misericórdia e para o crescimento do outro.E não publicamente. Que igreja é essa que estaríamos aqui discutindo?! Um joga o outro no ventilador?!
    Se há preocupação por parte de Roma da exposição dos sacerdotes, que sejam lançados limites, regras…que eles tenham boa orientação dos seus bispos de como devem se comportar…sei lá…é uma responsabilidade que não cabe a nós leigos, acho. Uns gostam de canto gregoriano, outros acham o máximo o padre na escola de samba…e aí? Se todos os católicos tivessem uma bela formação, uma boa caminhada na sua igreja local, essas polêmicas seriam tão desnecessárias, penso eu…mas a realidade é outra…
    Estar na mídia, ser uma figura pública tem um preço…é uma enorme responsabilidade. Corajosos os que se aventuram! Assistir a um show, comprar cds, livros, palestras pode ou não converter…depende muito do coração que está recebendo a mensagem…há milhares de pessoas que ainda não enxergam o Cristo proclamado pelos sacerdotes, seja na música, num texto, num poema…estão com o olhar fixo no humano e daí surgem comentários como este aí…talvez numa missa seja mais fácil identificar Cristo, porque temos a ajuda das vestes, do ambiente…talvez no palco, Cristo esteja mais disperso…deveríamos nos preocupar com nosso olhar sobres esses sacerdotes. Nossos corações estão dispostos a enxergá-los como devem?
    Sua benção,
    Saúde!

  34. Ana Carolina Bhering

    Ainda sobre Pe showman
    Olá Pe Joaozinho, nossa o povo cai de pau hein!
    Volto a te perguntar O q é uma missa se ´não um `show` comunitario cujo tema é Cristo!? Neste show tem se o motivo do encontro -apresentar e libertar o Cristo em nós; tem se 1 apresentador- o padre;tem o palco- a igreja ou altar; tem os musicos e musicas; tem o publico e se o encontro for bom e produtivo temos a alegria de estarmos buscando o bem e Deus juntos e celebrando a ressurreiçao. Há, e tem o recolhimento do dizimo tambem – voltando a parte monetaria do negocio.Ainda nao conheço ninguem q vive de Amor, nem a igreja.
    Porque nao fazer isso um pouco maior mantendo os principios sacramentais sem desrespeitar aquilo q vc é e acredita?
    Pq a atençao tem de ser a Igreja enquanto instituiçao se o q se fala,lê ou canta q é importante? EU QUERO O ENSINAMENTO nao importado se na missa,culto, cd, livro, show, teatro,filme….
    Se me lembro Jesus nao tinha instituiçao formal mas fez um trabalho maravilhoso.Mudou a regra do olho por olho para a do Pai amoroso.E jesus dentro de sua missao ou crença fez grandes shows, até sua morte teve efeito especial e de iluminaçao.
    Nao acho q os fins justificam os meios como Maquiavel; Mas se obtem fins espetaculares com meios respeitosos e responsaveis.
    Sou sim a favor de shows, livros, cds, piruetas e cambalhotas para se oferecer a todos o q se tem de melhor despertando no outro tambem essa vontade.
    E acho tambem q se tem trabalho tem q ter remuneraçao.Fé nao se vende nem se cobra, igual saúde, mas o trabalho envolvido para desperta- las ou recuperá las deve ser remunerado, nao acho isso abuso. Quanto nao investimos na formaçao e capacitaçao pessoal para possibilitar a realizaçao da obra.
    Esta é minha opiniao, se quiser me responder o twitter é @anabhering. Abraços Ana Carolina

  35. Padre Joãozinho,

    O que seria desse povo brasileiro e tão católico se não fossem os Sacerdotes Showman? Talvez não existiria Canção Nova, Pe. Joãozinho, Pe. Zezinho ou Pe. Fábio de Melo. Estaríamos vivenciando missas em latim com párocos de costas para o público. E não é isso que o mundo de hoje pede, não é mesmo?

    Gosto da clareza como o Sr. expõe a evolução. Pessoas pejorativas encontraremos em todo lugar, em qualquer profissão, em qualquer atividade. Não se importe com esses comentários.

    Felizes são os convidados “à ceia do Senhor”, ao twitter, ao Showman, as pregações, ao Mundo Novo. A intenção é uma só: DEUS. Seja de qual forma for.

    A boca fala o que o coração está cheio. E se o Showman só reflete o amor de Cristo e a benevolência cristã, é sinal que estamos no caminho certo.

    A sua benção.

    Adriana Paes
    Belo Horizonte

  36. Magna de Jesus

    Ola Pe Joazinho
    Paz e benção
    Pe Joaozinho como sempre um homem sábio que admiro muito. Aprendi assistir o programa Direção Espiritual na época em que o Senhor ainda o apresentava e até hoje este programa é muito importante na minha vida e na vida de algumas pessoas para as quais eu o indiquei.Mas, voltando ao assunto “sacerdote showman, concordo quando o sr diz “Missa não é show. Show não é adoração. Palestra não é missa nem show”.porque sabemos que realmente existem leigos e até mesmo padres que fazem da missa e não é só das missas, mas também dos casamentos um verdadeiro show, um verdadeiro espetáculo no qual fazem a sua promoção pessoal, mas também acho que fazem isto por uma falta de amadurecimento e até de caridade da nossa parte de não chama-los a razão, porque é preciso discernir bem cada um a missa, a adoração é o nosso compromisso para com Deus e com nossa igreja,dos shows que acontecem por ai. Quanto aos shows alegram nossa participação na igreja e também evangelizam, se queremos que os nossos filhos tenham ambientes sadios para participarem eles são importantíssimos, penso que vocês padres que sabem exatamente quem são, devem sim continuar fazendo shows alegrando nossos dias, acordo todos os dias com uma música de pe Fábio de Melo e sinto que com isto meus dias se tornam mais abençoados, pois já acordo tendo a certeza de que primeiro tenho de fazer a minha oração, e que sou muito amada pelo Pai. O pe Fábio de Melo sempre diz uma frase muito importante “o dia que o artista for maior que o padre eu paro de cantar”,portanto é o sacerdote quem deve saber discernir quem ele é e quem ele quer ser. Agora uma coisa é certa existem muitas pessoas por ai sendo evangelizadas através destes shows. Como dizem se são do bem e para o bem que mal tem? Padre continuem cantando e alegrando nossas vidas e evangelizando este povo de Deus, a missão é grande e o povo de Deus precisa de vocês.Sigam em frente….

  37. Pe. Joãozinho é com um enorme prazer que lhe escrevo! Sem maiores delongas quero lhe dizer que aprendi que maturidade, como o próprio nome diz, significa “madureza” ou “idade madura”. Mas nem sempre essa denominação está diretamente ligada à idade mas à vivência. Dentre os vários tipos de personalidade podemos conferir pessoas mais emocionais e impulsivas e, muitas vezes, essas pessoas no afã de defender o que admira, ou, a quem admira, agem de forma impulsiva e que mais tarde acabam refletindo melhor e se arrependendo. Cada ser humano tem o seu “momento de maturação” e é certo que ele chegará para essa irmã também. Eu também sou uma grande admiradora do trabalho do Pe. Fábio e é graças ao seu trabalho que hoje tenho um relacionamento mais próximo à Deus e uma maior atividade na RCC. Também acompanho o seu trabalho e sei que o senhor não é o discipulo e sim o mestre. Gostaria de poupá-lo de aborrecimentos da mesma forma que não gostaria de vivenciá-los mas afinal: o que é o doce sem o amargo?
    O importante é saber que apesar de todos os mistérios, não tem como errar quando tentamos ser pessoas melhores para os outros mas principalmente para nós mesmos. Entendi o seu artigo e achei muito bonita a sua reflexão. Continue a compartilhar suas reflexões pois, Deus age através de nossas ações e somente Ele sabe da nossa capacidade de entendimento.
    Aqui em Goiânia congrego na Sagrada Família com o Pe. Luiz e nós todos gostamos muito da abordagem que o senhor utiliza através da sua irreverência e de sua música. Nesse momento intercedo e peço a Deus pela sua saúde e que Ele te abençõe e te dê bom entendimento para que o senhor continue servindo de forma tão carinhosa.
    Um IMENSO ABRAÇO de uma filha que te admira!
    LORENA AVELINO
    http://www.lorenaavelino.com
    http://twitter.com/Lorena_Avelino

  38. Boa tarde pe!
    Leio seu Blog todos os dias, mas é a primeira vez q comento.

    O comentário da Jussara foi extremamente infeliz, injusta e maldosa. O senhor jamais falaria mal do pe. Fábio ou de quaisquer pessoas.

    Li sobre Sacerdotes “Showman” no dia q o senhor publicou (dia 22) entendi q a publicação sobre o debate em Roma, foi uma forma de deixar seus leitores bem-informados.

    Pe a sua benção! Q Jesus ilumine-o sempre!
    Um abraço carinhoso.
    Paz e bem!

    Beatriz Chaves.

    Ah!!! Sou uma nova seguidora (twitter.com/bischaves)

  39. Carlos Renê

    Ola Padre Joõzinho

    Acho que fui o primeiro a lhe mandar na integra o texto publicado em zenit.

    Pude perceber vendo os comentários sobre o texto que muitas pessoas distorceram o que disse o arcebispo Mauro, que em nenhum momento afirmou que um sacerdote não poderia escrever livros, cantar, inovar etc…

    Gostaria que o senhor usasse de bom senso intelectual, e deixasse bem claro para os leitores o que arcebispo quis dize.

    O que ele disse foi: “Para a evangelização, não servem os sacerdotes showman que vão à televisão”

    O senhor tem uma prova em casa que é possível atual em todas as áreas da comunicação sem, no entanto virar show man: PE.ZEZINHO.

    Sinceramente padre, quando o senhor ler um artigo desses, o senhor não lembra de ninguém?

    Não identifica ninguém?

    O senhor não conhece nenhum sacerdote que publicamente diz preferir o anonimato quando se fala de altar, e todas as luzes e pompas quando se fala de showbussines sob o pretexto de que é pra Jesus?

    Na minha ignorância pensei que o melhor que um sacerdote pudesse dar a Jesus, fosse seu consumir-se no altar e no confessionário.

    Depois, as outras coisas.

    Cura d,ars….Frei Galvão…Padre Pio…Santo Antonio….Leon dehon….

    O senhor não conhece nenhum sacerdote, que enquanto a igreja entra na justiça para proibir que os símbolos cristão entrem na sapucaí, ele próprio vai a uma escola de samba, se declara fã e ainda faz um samba em homenagem a agremiação?

    O senhor não conhece nenhum sacerdote que saia no meio da missa, para não atrasar o SHOW?

    O senhor não conhece nenhum sacerdote que prefere babylook, guargantilha e rayban ao invés de cleriman, crucifixo, e batina?

    O senhor não conhece nenhum sacerdote que prefira os textos enamorados e melados de poetas e afins, ao tesouro inestimável de 2000 mil anos de santidade e tradição apostólica da igreja?

    O senhor não conhece nenhum sacerdote que use o nome “padre” e se distancie de qualquer símbolo e postura que o identifique como tal?

    O sacerdote show man, costuma usar o sacerdócio como bengala para realizar os sonhos de outrora….sonhos de menino…sonhos de narcisio…

    Não sei se o senhor conhece um sacerdote assim, mas o povo de Deus conhece.

    Estou convencido que e preciso ser muito “católico” para ver bem mais do que os olhos podem ver de um sacerdote assim.

    Que Deus não deixe minhas inquietações de jovens, ferir a caridade que é o maior dos mandamentos.

    Sua benção…reze por mim.
    renebelo@hotmail.com

  40. Renata Prado

    Sua benção Pe. Joãozinho,

    É na bíblia que tem uma passagem que diz que “a boca fala daquilo que está cheio o coração”?
    As pessoas não se conhecem em tons reais e criam um colorido em torno daqueles que elegem como líderes, mas se esquecem de que todos nós somos feitos da mesma matéria: carne, ossos e defeitos, muitos defeitos a serem corrigidos, à medida que apreendemos com nossos olhares interiores e fazemos nossa auto avaliação, sobre o estado em que “estamos” e o estado para o qual caminhamos para “ser”, pois grande é a diferença entre “estar humano” e “ser humano”…
    Penso que a questão não é se o Pe. Joãozinho foi covarde e/ou invejoso, nem se a Jussara teve uma percepção correta ou se fez um julgamento precipitado, mas a questão principal é, nossos padres “artistas” são maduros espiritualmente o bastante para entenderem a dimensão do seu papel de padre? São conscientes o bastante para serem capazes de separar o conceito de fama do conceito de missão? São capazes de entender que o excesso de exposição, confere à massa, o direito implícito de cobrar posturas mais rigorosas dos seus líderes espirituais, eleitos publicamente, como diretores espirituais de uma multidão? São conscientes de que são adotados como referências sociais, religiosas e humanas e que portanto, devem ter uma conduta coerente entre aquilo que pregam e suas ações? São capazes de conciliar seu papel de padre em todas as dimensões que extrapolam os palcos, dando a devida assistência à sua comunidade, a seus seguidores, ao seu rebanho mais próximo? São cumpridores das obrigações cristãs que pregam, conciliando estas com os espetáculos?…
    Enfim, as questões que regem e direcionam a vida, são tão mais profundas e nós perdemos nosso precioso tempo, dando reforço “ao incardido”, como dizia meu admirável Pe. Léo, que quer mesmo que nós fiquemos nas esferas superficiais da vida, alimentando embates que não nos fazem crescer nem amadurecer.
    Lembro que a pequenez dos nossos atos mesquinhos, são da nossa natureza “humana demais”, como canta o Pe. fábio, mas cabe a nós sermos comprometidos com o auto controle, com o bom senso, com o senso crítico e com a profundidade à qual, Deus nos convida diariamente.
    Quanto aos julgamentos precipitados, à covardia e inveja, a vida nos coloca e nos mantém no caminho, com aqueles a quem marcamos com nossos atos impensados, até que nossa consciência nos conduza à redenção.
    Renata Prado.

  41. Dionita Assaf

    Caro Pe. Joãozinho, sou educadora, formadora de crianças na faixa de 8/9 anos. Faço-os pensar nas palavras ditas, atitudes apresentadas e possíveis questionamentos sobre atitudes erradas. Educar hoje é uma tarefa difícil, até pelo que é oferecido na midia, o acesso a internet, etc… Quando li o comentário da Jussara, fiquei pensando nos meus alunos, que tanto oriento para observar o que é lido, saber a real interpretação do que está sendo lido, usar o racional para qualquer atitude . Bem, não sei se mostro a indignação das palavras usadas por essa pessoa. Não precisamos concordar com o que as pessoas escrevem ou dizem, mas devemos ter a coerência das nossas palavras diante de tudo isso. Quero aqui te falar que , gosto de você como ser humano e como sacerdote que é, juntamente o Pe. Fábio. Agradeço ao bom Deus pela vida de vcs dois. Continuem com o belo trabalho de evangelização.
    Grande abraço. Todo dia leio seu bolg.

  42. Ana Vitória

    Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro !!!

  43. Maria Cristina

    Olá meu querido e estimado padre Joãozinho!
    Não poderia deixar de fazer meu comentário, uma vez que penso como muitos mas vai aqui minha humilde observação: Quando o Sr. coloca sobre os padres Showman, sinto sua grande preocupação em relação ao verdadeiro e fiel sacerdócio, pois é através do grande Amor a vocação que teremos uma Igreja mais Santa e comprometida com seu Rebanho. Devo confessar que as vezes ouço pessoas do meu próprio meio social( marido, filhos amigos)criticar a postura de alguns sacerdotes: Pe Fábio, Marcelo Rossi, por estarem muito em evidencia e na midia a todo momento.Ex:Eu também teci alguns comentários quando Padre José Maria foi dar a benção no casamento do Ronaldo e Cicarelli em um Castelo(achei um absurdo), também quando Padre Marcelo Rossi, foi batizar os filhos do Gugu apresentador do SBT fora do País.Então isso transcede o foco da evangelização, apesar que são comportamentos individuais de cada um, e eu não tenho nada a ver com isso, mas somos humanos e fazemos criticas a todo momento….Quanto ao Sr. acho que pessoas confundem a interpretação das coisas e banalizam o seu texto!Não se preocupe com o falatório… entendemos sua preocupação e a louvamos!

  44. Querido Padre Joãozinho,
    A Jussara não sabe o que diz. Como o senhor mesmo disse, só uma pessoa que não conhece sua amizade com o Pe. Fábio pode falar um absurdo daqueles.
    Ser padre ou showman é uma questão de escolha, creio eu. Me lembro muito bem de uma pergunta que certo dia o Padre Fábio recebeu no Direção Espiritual: se ele gostava mais de escrever, de cantar, de dar aulas ou de ser padre. Ele, com a sabedoria que lhe é peculiar, respondeu que “se tivesse que escolher uma só daquelas opções, com certeza seria o sacerdócio”. E explicou que ser padre era o que ele sempre sonhou; disse que ser padre é sua vida.
    Creio que deste modo, cada um tem que cumprir sua missão e, como bem vocês fazem, “se darem ao respeito”; acho que é uma questão de atitude, de dignidade, de amor ao serviço e ao próximo.
    Continue sendo padre, fazendo música, shows, escrevendo e lecionando! Assim estara, com certeza, cumprindo sua missão e nos evangelizando cada vez mais!
    Abraços,
    Maria Eugenia

  45. Esila de Jesus Marson

    Pe. Joãozinho, sinceramente me preocupo com a exposição dos padres na grande mídia. Acompanho o Pe Marcelo a anos, e ele sofreu na carne como esse meio é cruel. Mas ao mesmo tempo é um meio que abrange o país de norte a Sul, e muitos dos lugares do Brasil as redes católicas(que se utilizam de parabólicas) jamais chegariam. Ao contrário dos Evangélicos que pagam uma furtuna por um espaço na TV, concordo que católicos podem utlilizar das grandes redes de TV aberta, mas sem esquecer o Foco. Mas Pe, veja bem, evangelização através da música é maravilhosa, mas nossos Pe. Showman, não podem ser artista, a missão e Evangelizar. Jesus é nosso Artista, e o Pe tem que ser apenas um instrumento para que levar a palavra do Pai. Volto a frisar que me preocupo com o rumo que estão tomando os nossos Pe, agora tds são cantores, tds vivem fazendo Showm, tds em perigrinações, e nossas Paróquias como ficam?O Pe aqui celebra a missa em uma igreja e sai correndo para outra, pq falta Padre.

  46. Ana Temperini

    Querido Padre Joãozinho,

    sua bênção!
    Acompanho seu ministério desde o tempo em que lançou o CD “Conheço um Coração”.
    Admiro muito a forma como o senhor leva a mensagem do Cristo através de suas palavras, seus gestos e também sua música.
    Sou sua seguidora no Twitter, lhe admiro muito mesmo!
    Qto ao tema, considero infeliz a posição da Jussara, pois de fato ela não o conhece e não conhece a amizade linda que existe entre o senhor e o Pe. Fábio, sacerdote pelo qual também nutro grande carinho.

    Penso que o grande problema está na mente e no coração das pessoas que muitas vezes lotam estádios, ou locais de shows, não em busca do CRISTO E DE SUA PALAVRA QUE CURA E LIBERTA, mas sim do Padre Fábio, do Padre Marcelo e tantos outros que ganharam e ganham espaço na mídia.
    Qto aos sacerdotes, a meu ver, não há problema no sucesso que fazem, pois o que vejo no seu carisma, no carisma do querido Padre Fábio, Padre Marcelo Rossi…é o sincero e puro desejo de nos indicar o caminho que nos leva a JESUS CRISTO!
    Peço ao Espírito Santo que ilumine e conduza seus caminhos sempre!!!

    PAZ E BEM!!!
    Ana Temperini

  47. lucilene perin

    Bem, a posição da igreja católica sempre foi muito rígida em relação ao sacerdócio,pelo menos no alto dos meus 46 anos somente a alguns poucos anos com a renovação carismática que pude sentir uma mudança,inclusive no comportamentro de alguns acerdotes,uns para o bem de muitos, outros para pura exposição.Cabe a nós através do espírito santo,que nos foi dado,entender qual seja a vontade de Deus.No meu caso,só tem me edificado,pois escolho aqueles que realmente querem seguir a Jesus e através de suas obras, poesias,ou música,ou literatura,seja lá o que for,tem ensinado e feito muito bem por este mundão afora, pois muitos tem se voltado pra Deus através deles,pois a seara é grande e poucos são os trabalhadores.

  48. Padre, quero que o senhor saiba q eu tb entendi a sua preocupação. Em nenhum momento passou pela cabeça q o sr. pudesse
    sentir inveja de alguém, mesmo porque, o senhor é dotado de tantos dons… Fique tranquilo, tenho certeza que a maioria das pessoas entendeu o que o sr. queria dizer.
    Um forte abraço
    Fábia

  49. Também fico muito triste com um comentário deste, padre!Bastante prematura e imatura essa colocação. Foi o olhar apressado de um coração amargurado, a meu ver!Total falta de sensibilidade. Quem já assistiu a um programa com Pe Fábio e Pe Joãozinho percebe de longe a amizade, o respeito, a comunhão. Se há críticas a serem feitas, com toda certeza, serão com misericórdia e para o crescimento do outro.E não publicamente. Que igreja é essa que estaríamos aqui discutindo?! Um joga o outro no ventilador?!
    Se há preocupação por parte de Roma da exposição dos sacerdotes, que sejam lançados limites, regras…que eles tenham boa orientação dos seus bispos de como devem se comportar…sei lá…é uma responsabilidade que não cabe a nós leigos, acho. Uns gostam de canto gregoriano, outros acham o máximo o padre na escola de samba…e aí? Se todos os católicos tivessem uma bela formação, uma boa caminhada na sua igreja local, essas polêmicas seriam tão desnecessárias, penso eu…mas a realidade é outra…
    Estar na mídia, ser uma figura pública tem um preço…é uma enorme responsabilidade. Corajosos os que se aventuram! Assistir a um show, comprar cds, livros, palestras pode ou não converter…depende muito do coração que está recebendo a mensagem…há milhares de pessoas que ainda não enxergam o Cristo proclamado pelos sacerdotes, seja na música, num texto, num poema…estão com o olhar fixo no humano e daí surgem comentários como este aí…talvez numa missa seja mais fácil identificar Cristo, porque temos a ajuda das vestes, do ambiente…talvez no palco, Cristo esteja mais disperso…deveríamos nos preocupar com nosso olhar sobres esses sacerdotes. Nossos corações estão dispostos a enxergá-los como devem?
    Sua benção,
    Saúde!

  50. Boa tarde, pe. João Carlos
    Quando li a postagem que fizeste sabia que iria provocar polêmica e alguém associaria ao pe. Fábio, pois atualmente é o que mais está em evidência.
    Por que não citou os nomes?
    O termo show-missa foi utilizado há uns dez anos pelo pe. Zezinho, mas muitos desconhecem o fato.
    Quando se generaliza vira ambiguidade, o que acarreta a má interpretação.
    Discordo do que muitas pessoas escreveram aqui.
    Não sou fanática religiosa, penso que nenhum talento deva ser enclausurado em mosteiro, seja sacerdote, freira, músicos…
    Os cristãos costumam criticar as “atitudes do mundo”, mas ficam dentro das fronteiras da igreja.
    Como provocar a mudança de mentalidade? Falando apenas para quem está convertido?
    Por que os leigos praticantes também não ousam?
    Evangelizar em favelas,para quem está “perdido nas drogas”, no mundo crime…E a pastoral carcerária, ainda existe?
    Vejo muita “falação” e pouca ação.
    Limitar a evangelização a quatro paredes não é o que Jesus pede nas passagens bíblicas.Isso é amadorismo religioso,covardia,
    precisamos navegar em águas mais profundas…
    Falam tanto em São Paulo, mas este foi ousado,não se limitou às paredes eclesiais,foi avante…
    A maioria das passagens bíblicas cita Jesus pregando em céu aberto, em casamentos, banquetes, indo a casa dos impuros,socorrendo a prostituta, os leprosos…
    Esse assunto lembrou-me aquela passagem bíblica onde começava uma divisão entre os religiosos, quem pregaria, cuidaria das necessidades da comunidade,etc.
    E o que fez Pedro? Fulano,você cuidará das pendências da comunidade,pois tem vocação para isso. Eu serei pregador, Paulo fará isso…
    Esse “achismo religioso” que está tomando conta da igreja acabará provocando uma divisão.
    Tem muito cacique para pouco índio.Todos querem mandar,o padre deve fazer isso,não pode ir a determinados lugares,etc.
    Esquecem-se de que estes possuem superiores e cabe a eles advertirem quando for o caso. Além disso,existe a CNBB.
    Para alguns parece que há milhões de padres que cantam e que estes se parassem de cantar, resolveria a carência de sacerdotes no país. Falta de conhecimento.
    Quando leio uma crítica os padres que estão na mídia não dou a menor atenção, primeiro,eles foram apenas a seta, o caminho, Jesus. Segundo, não tenho o direito de opinar sobre a vida de ninguém, muito mal governo a minha. Terceiro, possuem superiores, quando cometerem erros, eles se encarregarão de corrigi-los. Quarto,amo as diferenças.
    As diferenças são riquezas e não barreiras.
    Imaginem se todos os padres fossem iguais, metade dos católicos não estariam na igreja…
    Jamais existirão dois padres Léo, Fábio, Zezinho, Marcelo, Reginaldo, João Carlos,etc. Graças a Deus caso contrário seriam apenas cópias e nada como a originalidade, afinal Deus deixou a diferença germinada na humanidade…
    A meu ver esse arcebispo italiano deveria preocupar-se com o surgimento exagrado de comunidades consagradas que vivem da providência e a forma como atuam na mídia. Isso acarreta divisão, no Brasil já existe até guerrinha de audiência entre as tvs católicas. Um absurdo!!! E o modo como anunciam a palavra divina? Deprimente,com raras exceções, a falta de conhecimento é latente. E a busca pelo Cristo dos milagres? Um exagero, parecem até as seitas pentencostais.Isso para mim é urgente e precisa ser revisto.´
    Não creio que o comentário que fizeste seja dirigido ao seu amigo, pois não precisaria disso, afinal devem se falar continuamente e tudo o que tiveres de dizer a ele o fará, em particular e não publicamente,fazem parte da mesma congregação…
    Uma santa noite.

  51. Caro padre Joãozinho

    Paz e bem!
    Quero agradecer primeiramente o destaque que o senhor fez do meu comentário sobre um artigo sobre liturgia nesse espaço catequético e reflexivo.
    Li anteriormente o artigo sobre “sacerdote showman” e não o comentei por te-lo achado um tanto quanto ambiquio de interpretação por parte de quem o lese. Entendo que a leitora Jussara se precipitou no comentário, no entanto, eu não acho que ela o tenha feito como uma afronta ao senhor, mas influenciada por tantas correntes ideológicas cristãs (ou não) que se mostram latentes na Rede Mundial de Computadores. Permita fazer uma reflexão e pedir um pouco do seu tempo para refletir sobre elas:
    Padre Fábio de Melo é um sacerdote que nasceu com um dom que ele faz muito bem de colocar em prática em pró da evangelização que é o de ter o dom de ser comunicativo. Ele é um ótimo compositor e cantor, tem uma boa oratória e acima de tudo, ele domina o conhecimento. Eu acompanho o trabalho do padre Fábio desde o seu primeiro trabalho pela Paulinas-COMEP, “De Deus um Cantador” lá pelo final dos anos 90. Desde aquela época, padre Fábio já deixou bem definido no cenário da musica católica, que o seu trabalho era singular entre tantos músicos evangelizadores de destaque e numa época em que o gênero me permita assim chamar, pop-católico, estava em ascensão. Eu me arrisco dizer padre Joãozinho, que desde o seu primeiro trabalho e posteriores, via na época no “frater Fábio”, uma continuidade do trabalho do padre Zezinho ainda que tenha sido o senhor o responsável pela sua entrada no cenário católico.
    Pois bem, o senhor que sempre esteve ao lado do padre Fábio sabe que as polêmicas sobre ele não vêm de hoje, só para citar um exemplo, quando ele lançou o seu terceiro álbum solo “As Estações da Vida” já havia silenciosas vozes a criticar o frater que pousava numa capa de CD como um artista pop, fazendo-o sabiamente no seu álbum posterior, “Marcas do Eterno”, deixar claro aos seus fãs de que ele era antes um sacerdote (o CD foi lançado no período em que padre Fábio recebeu sua ordenação sacerdotal) com a musica que dá titulo a esse mesmo trabalho.
    Padre Fábio posteriormente, ainda religioso denhoniano foi se preparar e lapidar o que ele tinha de melhor, que era o seu conhecimento e gozou de um período de menores atividades musicais e mais de atividades intelectuais o que hoje nos permite ver ele andar pela Filosofia, Psicologia, Sociologia e Teologia com muita segurança nos levando esses conhecimentos científicos em pró de nossa função salvivica.
    Perdoe-me padre se meu discurso até agora pareceu dar a volta ao mundo, mas ele era necessário para quem lesse o meu comentário entendesse onde basearei a reflexão e o argumento de que a Jussara não agiu por mal. Entrarei agora no cerne da questão:
    O referido documento, donde teríamos muito a refletir, infelizmente chegou num momento e num espaço latente de acusações e defesas daquele jovem frater que outrora fazia parcas participações num canal católico chamado Século XXI e hoje, é IBOPE garantido em programas como Raul Gil, Hebe e Domingão do Faustão.
    Como falara anteriormente, desde seu primeiro trabalho, padre Fábio era singular entre tantos outros, no entanto a critica, tanto de seus fãs, como de seus críticos opositores, foram as mais diversas e numa dimensão midiática.
    Seu trabalho no ambiente católico despertou a ira dos católicos mais tradicionalistas o qual cito professor Orlando Fedeli presidente da Associação Montfort, que encontrou na figura de um sacerdote bem vestido sem o uso dos trajes clericais, uma afronta um tanto quanto “pessoal” agravadas por alguns colóquios do padre em seu livro e posteriormente no seu programa que contou com a defesa do padre Joãozinho, o que acabou lhe fazendo mais uma vitima de tanta ira que ele, e seus seguidores tem do modernismo, liberalismo e do Concílio Vaticano II.
    Por que eu estou falando de Montfort quando o assunto é o padre showman?! Porque o seu blog padre, infelizmente, levou quem não gostava dos shows de evangelização a odiar mais ainda, e infelizmente ,a fazer algumas pessoas que gostam, a refletir, deturpados por argumentos carregados de heresias em tom de doutrina católica.
    Um exemplo que eu dou: por que padre Fábio não usa o clarsman? Ora, muitos padres usam, o senhor mesmo o usa, quanto mais um padre que é visado pela mídia secular e pelo assedio de algumas mulheres e homossexuais, não seria uma forma de resguardo e também de obediência ao seu uso tão esquecido?(como falara de heresia anteriormente, ressalvo que o clarsman em nada tem a ver com a questão)! Lembro que isso é apenas um exemplo e pode não corresponder ao que eu penso. Além desses fatores, tem o fato de algumas entrevistas que eu já vi e escutei padre Fábio falar o que eu citarei, de dizer em um de seus programas sobre a questão dos trajes clericais que nunca viu padre Zezinho de clarsman. Ora, eu sempre fui telespectador dos programas do padre Zezinho e posso dizer que sim, algumas vezes ele já fez programas e entrevistas sem o clarsman, mas não dá pra dizer que ele não usa; maiores foram as vezes que vi o mesmo com esse traje. Talvez o padre Fábio tenha se referido ao quotidiano do convento SCJ onde as raras vezes eu estive e que é mais comum o traje secular ao traje clerical sem detrimento do mesmo por parte tanto do povo como do clero. Em entrevista, se não me engano ao programa do Jô Soares, o padre Fábio relembrou que ele não tem paróquia própria que seu serviço na Diocese de Taubaté é voltado a evangelização pelos meios de comunicação e assistência a Pastoral Universitária e disse ainda que em decorrência de seus compromissos, nem sempre ele consegue celebrar missas (acredito que ele tenha se referido a missa diária e não as dominicais).
    Concluo tudo o que eu coloquei e expus de um exemplo especifico, padre Fábio de Melo, quão inúmero são os fatores que podem ter influenciado a revolta da Jussara, uma vez que existem muitos ângulos de um único ponto que muitas vezes se contradizem a sí mesmo e não sabemos mais quem é o fã em quem é o zombador. Na MTV, a dupla Hermes e Renato fez uma sátira grotesca do padre Fábio, sátira que eu lhe mostrei no Twitter (e o senhor aconselhou deixar para lá), não com o objetivo de fazer gozação, mas para alertar que alguma coisa está errada, e, não sou eu quem está apontando alguns erros mas o próprio documento em geral que deve levar a autoreflexão que o senhor mesmo disse ser o objetivo.
    Apenas para citar um trecho em contrapartida a essa questão:
    “o sacerdote não deve improvisar quando utiliza os meios de comunicação, nem deve comunicar a si mesmo, mas os dois mil anos de comunhão na fé”

    Agradeço sua atenção e sua paciência

    Fernando Mazer da Silva

  52. Maria Rita avellar

    TÓ PASSADA…O QUE FOI AQUILO ANJO AZUL? NÃO VOU ME CONTER VOU TER QUE RESPONDER Á ESSA MAL INFORMADA.SE NÃO VOU PASSAR MAL!O POUCO QUE CONHEÇO DO PADRE JAMAIS SERIA CAPAZ DE TAMANHA BOBAGEM,ESSA PESSOA É TOTALMENTENTE SEM NOÇÃO.NÃO FIQUE TRISTE…AMO VOCÊ…E CONFIO DEMAIS EM SUAS PALAVRAS E NA SUA CAPACIDADE INTELECTUAL.IMAGINA…PADRE FÁBIO VAI PASSAR MAL A HORA QUE O SENHOR PASSAR ESSE ABSURDO PARA ELE.INFELIZMENTE O MUNDO É ASSIM…CHEIOS DE PESSOAS MAL INFORMADAS E MAL INTENCIONADAS,ATÉ PARA SERMOS SINCEROS TEMOS QUE ESTÁ BEM FUNDAMENTADOS NO QUE VAMOS FALAR.QUE NÃO FOI O CASO DESSA??? TÓ ROXA,BEGE,ROSA CHICLETE E VOU MORRER SE NÃO RESPONDER À ESSA MULHER!POSTEI MINHA OPNIÃO,MAS RESPEITANDO O DIREITO DE CADA UM SEM OFENDER,ASSIM QUE UMA PESSOA EDUCADA FAZ!!

    MARIA RITA

  53. Boa tarde, pe. Joãozinho
    Há muitas pessoas que dizem conhecer o padre Fábio há décadas, outro dia no twitter alguém questionou por que não utilizava o termo padre nos livros.
    Entretanto, esquecem-se de que no primeiro livro que lançaste pelas Paulinas não utilizou a palavra padre. Logo, o fato não é nenhuma novidade.
    A meu ver essas pessoas querem mandar no padre, onde deve ir, o que fazer, que roupa vestir,etc.
    Santidade não se mede pela vestes sacerdotais. Há inúmeros que usam os termos corretos e são péssimo exemplo…
    Que tal se parássemos de querer ordenar o que o padre deve fazer e deixarmos isso para seus superiores?
    Será que vestir-se de preto faz tanta diferença ou o que tem a dizer?
    E a singularidade do padre Fábio estava revelada não pelas suas vestes, mas principalmente pelas suas músicas e a forma de se expressar.Belas composições falando do divino sem desmerecer as dificuldades humanas. Isso faz diferença!!!
    Ninguém é menos padre por estar de batina ou não. Isso é ridículo!!!!!
    Essas sátiras já foram utilizadas não só para o padre Fábio, mas para o padre Marcelo, padre Quevedo,etc. O problema é que a igreja incomoda e esse povo medíocre fazem essas crpiticas e deboches a fim de desmoralizar a igreja. Não se iludam achando que se o padre Fábio andasse de preto não seria criticado. Haja vista o padre Marcelo, andava sempre de batina e foi massacrado.
    Cristão verdadeiro não dá ouvido e importância a fofocas.
    E o padre Fábio não é nenhum garotinho, sabe o que faz e as escolhas, as consequências que estaria assumindo…
    Deixemos de fanatismo e preocupemos com o importante, a má formação dos padres e leigos, o surgimento de comunidades que vivem da providência e a forma como anunciam o Cristo, pois estas sim, desconsideram completamente a existência de dois mil anos da igreja, afinal anunciam a si mesma, querem sócios e mis sócios…
    Uma boa noite.

  54. Prefiro, nesse momento, não comentar o texto que deu origem a essa discussão. Gostaria, sim, de falar sobre a Jussara. É muito triste ler, em um blog onde todos se colocam como seguidores do Mestre, a execração pública de uma pessoa que postula a mesma fé de todos.
    Todos nós, partindo de eu mesma, muitas vezes erramos na leitura, concluímos apressadamente e acabamos por emitirmos juízos errôneos. Quem não tiver esse pecado então que atire a primeira pedra!!!
    Pelo que já observei essa moça é uma apreciadora do seu trabalho, ela não é uma inimiga.
    Será que estamos agindo de modo misericordioso? Podemos nos tão puros, impassíveis de erros a ponto de tamanha condenação?
    O “Papa Bom”, João XXIII, dizia em sua encíclica “Pacem in Terris” que o que deve ser condenado é o erro, jamais o errante.
    Que tenhamos uma postura de imitação do Mestre que tirou a pedra das mãos dos apedrejadores…. dessa forma teremos resgatado a dignidade da pessoa humana da Jussara.
    Alguém conversou com ela? Perguntou para ela? Se interessou o do porque ela escreveu aquilo?…. Se ninguém o fez, algo está bem errado.
    Que a Jussara não se sinta excluída, mas que seja incluída com a mesma cordialidade que o Cristo ensina…….. ou então viveremos uma cegueira idolátrica.

  55. Boa noite!

    Padre se apresentando em show, realmente é diferente, porém na minha opinião a nós católicos, e de posse de nosso livre arbítrio compete a decisão de participar, não vejo nada de ruim, pelo contrário, acho saudável. Fiquei um pouco chateada com o comentário da irmãzinha Jussara que interpretou o texto do padre, sem o devido respeito que o Sr. merece, eu li o texto do Sr.rapidamente pela manhã, entendi como uma reflexão. Eu confio realmente na decisão da Igreja, e confio verdadeiramente que Nosso Senhor Jesus Cristo ilumina aos que falam por Ele e em Seu nome.Jesus eu confio em Vós!

  56. Pe. Joãozinho, acho que apesar de chateado, o senhor não deve se preocupar com as palavras da moça que não compreendeu o que o senhor escreveu, pois ela foi exceção.
    O senhor foi bastante claro no que expôs !
    Sua bençao !

  57. Sérgio Ricardo

    Padre João, o problema é que os shows estão lotados de pessoas, enquanto as missas estão cada vez mais vazias, a maioria dos padres parecem não acreditar em céu ou inferno, não atendem confissões, i.e., o povo é que tem que procurar o sacerdote, não divulgam a recitação do rosário e nem ensinam aos fiéis a apoiar-se em Maria Santissima e na eucaristia. Acredito que shows não converte ninguém, é algo vazio, sem contar que alguns dos “padres artistas” proferem cada heresia, participam de programas e eventos condenaveis e lembrando uma frase de São João Bosco: O padre não vai para o céu sozinho, também não vai para o inferno sozinho. Pensemos Nisso.

  58. Icaro Silva

    Pe infelizmente o sr sem querer (espero) acendeu fogueira que não poderá apagar.Existem mtas pessoas, até mesmo dentro da Igreja que babam de inveja de nosso ungido Filho do Céu.Deus deu a ele tdo oratória simpatia,carisma,beleza,empatia,voz maravilhosa,sabedoria etc…etc.. e isto tem incomodado mta gente.A CN está em crise e só se levanta com a participação dele,.O maior indíce de audiência é o DE mesmo nas reprises.Acho que sua colocação foi infeliz e impensada, pois atiçou o que não precisava ser atiçado.Não estou julgando,gosto do sr,mas…poderia ter se posicionado em outra época e de outra forma.Ás vezes precisamos contar até 10 antes de expor algum comentário e pensar nas prováveis consequências.Acredito que se ele na Àfrica leu , deve ter se sentido magoado,e com razão pelas críticas que surgiram daí.Misericórdia ninguém merece ,mto menos ele.

  59. Elaine Dutrain

    Pe.

    Quero aqui emitir minha opinião e o que sinto, sobre a questão anunciada pelo Sr, principalmente quando aponta e expõe a opinião pessoal da Jussara, apesar de pública. Eu sei!

    Preferiria que essa questão fosse, a princípio, refletida e submetida ao aval de pessoas que como o Sr. mesmo diz, de um gato escaldado, Pe. Zezinho, para depois ser debatida com centenas de outras pessoas, que mesmo com infinitas contradições, possuem um único objetivo, Jesus Cristo.

    Esse é o bem maior.

    Na minha opinião,não importa como chegamos a Jesus. Seja: através de “showman”, das missas tradicionais, de Padres usando clarsman ou de Padres que usam calças jeans.

    Importa e o que tem valor é o avesso de todo o “homem”, é o que sai de dentro e não de fora.

    Acredito muito na amizade entre o Sr. e o Pe. Fábio e, em nenhum momento acho q foi intencional a sua colocação, mas, tb acho extremamente DESELEGANTE vir à tona com uma questão dessa natureza na ausência do Pe. Fábio. É uma questão polêmica e a todo momento debatida, pois, remete imediatamente a figura e ao trabalho do Pe. Fábio.

    É o Pe.Fábio que está em evidência nesse momento da história, e, por isso, seria extremamente cortez aguardar o retorno de sua viagem à Africa e/ou submetê-lo a uma conhecimento prévio da sua proposta de debate.

    O Pe. Fábio, sofre, literalmente, acusações, bombardeios e diversas insinuações, exatamente pelo trabalho que faz e a sua superexposiçãoter na mídia.

    Tenho certeza que, se o Pe.Fábio não tivesse conteúdo, fosse “raso” não estaria no topo de todos esses comentários.

    Homem bonito e que canta bem, existem milhares. É isso que atrai? Pq o foco tem que ser o Pe.? Será o título que possuí? Não! Não acredito. Volto a dizer, somos carentes (homem ou mulher) sim!!! Mas o que buscamos é o avesso do homem. É aquele que, da sua forma singular, nesse momento da história, consegue fazer a ponte entre nós e Jesus de modo simples, ficar muito curta. Mts jamais teriam a oportunidade de se aproximar de Jesus, não fosse a figura de uma Pe., para alguns, diferente.

    Entendo q a Jussara não tenha colocado as palavras de forma correta, mas acredito q não houve a intenção de ofendê-lo. Concordo inteiramente com os comentários da Rosana.

    Paz e benção!

    Elaine Dutrain

  60. Cara Bia

    Concordo em partes com o que você falou, menos sobre o valor que você atribui as vestes próprias dos padres e religiosos(as), acerca disso quer muitos gostem ou não, a batina ou o clarsman nunca foi abolido. Sobre isso reflitamos como nos pediu o saudoso papa João Paulo II:

    “Se verdadeiramente vossa consagração a Deus é uma realidade tão profunda, tem muita importância levar de forma permanente seu sinal exterior, que constitui um hábito religioso, singelo e apropriado. É ele o meio de recordar a vós mesmas o vosso compromisso, que contrasta com o espírito do mundo. (…) Eu vos peço que reflitais cuidadosamente sobre isso.”

    Sua Santidade, o Papa João Paulo II. Discurso às Superioras Maiores dos Institutos Religiosos, em 16 de novembro de 1978

    Não quero levar a frente debates sobre isso, apenas levantar uma reflexão, que cada um siga a sua consciência diante de Deus!

    Abçs

  61. Maria de Fátima Costa

    Sra Jusara!
    Moça desculpa mais você está enxergando do lado mau, veja de Deus, PE. Joãozinho jamais teria inveja de outro padre, nem tão pouco é “covarde”, acho essa palavra muito forte para tratar um sacerdote, tenha mais humildade e sabedoria para entender o que ele quis dizer, o compromisso dos padres é com Deus, se agem de maneiras diferentes, isto é entre eles e Deus. Eu acho que PE. Joãozinho é uma pessoa de grande sabedoria divina.

    Veja essa palestra de nosso amado Pe. Léo.

    O oitavo mandamento fala ‘Não levanteis falso testemunho’. A verdade para nós tem nome. A verdade é Jesus, foi Ele mesmo quem disse ‘Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida’ . Se queremos ser discípulos de Jesus temos que caminhar na verdade, mas não é fácil porque somos treinados para mentir e você tem medo de que as pessoas lhe descubram.

    Muitas pessoas não têm coragem de confessar os pecados.Escondemos a nossa identidade com medo do julgamento.
    O catecismo tem um segredo. Diante do maiores pecadores, na Bíblia: Pedro, Paulo, Maria Madalena o comportamento de Jesus era de misericórdia. Jesus não julgou. Ele ensina que o tempo mais espetacular de corrigir é não condenar, é rezar ao Pai.

  62. Sergio Rodrigues

    Senhores:

    Fantasticos manifestos! Pró e contra “Jussaras”, porém o que se discute aqui, extraindo cíumes, recalques, inveja, proteção, proselitismo, etc é:

    Padres Fábios, são diferentes de Pe Zezinhos, Joãozinhos, Renatos, Marcelos?

    Podemos dizer diferentes de Silas Malafaia, Edir Macedo, Ronaldo Didini?

    Só porque se apresentam com esta ou aquela roupa, nesta ou naquela igreja ou templo?

    Falamos em Renovação Carismática? Podemos às sextas feiras, usarmos nossa roupa de “casual day” e padres não podem usar roupas diferentes?

    Lembremo-nos do Pe. Leo, simplicidade e bom gosto, Edir Macedo com “Armani”

    Onde esta a essencia?

    A essencia esta na palavra que deve ser pronunciada como no site do Pe Fábio, muito bem citada ” O que vos falei ao pé do ouvido, Publicai-o em cima dos telhados” Mt 10,27

    Cresçamos em Cristo Jesus e depuremos o que de melhor podemos tirar deste assunto.

    Quanto a Jussara e para a Jussara: “Quem nunca errou que atire a primeira pedra”

    Que a inquietude de Jesus continue nos contagiando.

  63. Maria de Fátima Costa

    Sua bença Pe.Joãozinho!

    Direi pra essa moça Juçara, que passe a enxergar com os olhos de Deus, ninguém aqui quiz falar de Pe. Fábio de Melo, que se trata de uma pessoa cheia de dons Divinos.
    Jusara,Que lugar Deus estar ocupando a minha vida?
    enquanto o mundo não entender o direito de Deus por nós, estes direitos serão nada.Há situações na nossa vida, que por mais que nos esforcemos não conseguimos, porque nos falta a graça de Deus. Precisamos fechar as portas para as coisas do ‘encardido’ e revestir-nos das coisas espirituais, que nos levam a Deus e nos preservam das coisas malignas.

  64. Maria Emília Leal

    Oi, Padre, gostei muito do seu comentário sobre padres na mídia. Gosto muito do seu trabalho de evangelização na mídia. Sobre o que a Jussara falou acho que realmente ela não acompanha o seu trabalho e amizade com Padre Fábio, assistia seu programa e lembro qdo fazia seu programa na canção nova com ele e ele faz questão de falar que canta pq o sr incentivou e deu muito certo e ele é uma benção, foi o seu algo a mais como evangelizador. Sei que vcs são muito amigos e jamais ia falar nada por inveja ou outro motivo qqr. Deus o abençoe muito, continue cantando e dando palestras na mídia pois nós precisamos muuuito do sr. Um grande abraço. Maria Emília Leal – Irajá – RJ.
    twitter.com/memilyleal

  65. Sergio Souza

    Sátira por sátira… Quantas sátiras ou charges já fizeram do Papa Bento XVI? E quantos por aí não imitavam o Papa João Paulo II… E olha que nem Bento XVI e nem o saudoso Papa João Paulo II andaram frequentando o sofá da Hebe ou o banquinho do Raul Gil…

    O que eu quero dizer é: Independente de padre andar ou não na mídia, essa figura, sempre será ridicularizada, principalmente em meios novelísticos. Mesmo antes do padre Fábio de Melo surgir na mídia, padres sempre são retratados como: Fofoqueiros, mentirosos, corruptos, preguiçosos, mal resolvidos na vocação, mal educados… E isso não vai mudar a não ser que, como maiorida da população usemos nosso poder de pressão e protesto contra as redes de TV.

    Deus nos abençoe!

  66. Pingback: Padres Showman « O Possível e O Extraordinário

  67. POLIFERNANDEZ

    Perdoe a Jussara Pe. Com certeza foi apenas um surto. Ás vezes acontece, eu mesmo já postei opiniões por aqui que pode tê-lo contrariado, ou que as pessoas podem ter achado bobos, eu mesma as vezes acho, até mesmo por não ser boa na escrita). De qualquer forma, concordo com o Sr. bonito a pessoa pensar e não fazer “média”, expor mesmo.

    Tinha certeza que o assunto ia descambar pro Pe Fábio, últimamente qualquer assunto relativo a Igreja,o nome dele acaba envolvido. Pense, o pobre tá lá na Africa, o nome dele não foi citado pelo Sr. em nenhum momento quando postou no blog, mas na hora todos, até mesmo eu, já o envolvemos na história. Mas ele como o sr. são muito inteligentes para saber filtrar as críticas e separá-las dos “apedrejamentos gratuítos”, claro que desde que lhe dado o devido respeito que merece como pessoa, sacerdote e “homem da palavra”. Pois do próprio ouvi uma frase que não sei se é dele, mas carrego sempre comigo: “VC PODE DIZER O QUE QUISER, SÓ NÃO PODE DIZER DA FORMA QUE QUISER”.

    Como sugestão eu diria as pessoas que se opõem taaaaanto a arte dos padres, ao Padre Fabio… que na primeira oportunidade participem de uma missa presidida por ele. Se é que há, acredito que muitos poucos como ele, infelizmente.

    DOM É DOM, VOCAÇÃO É VOCAÇÃO. É o que ele tem de sobra.Por isso vivo postando solicitações dele no exercício do sacerdócio. Pobre de quem precisa comparecer no show do Pe por ele ser bonito.Pobre de quem não exerga seu coração.

    “APAIXONEM-SE POR AQUELE QUE ANUNCIO – JESUS!” – Pe Fábio de Melo
    Amém!

Deixe uma resposta para Matheus Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.