No dia 18 de novembro o arcebispo Dom Mauro Piacenza, Secretário da Congregação para o Clero, abriu a jornada de estudos sobre “A  COMUNICAÇÃO NA MISSÃO DO SACERDOTE”, organizada pela Faculdade de Comunicação da Pontificia Università della Santa Croce, em Roma. Segundo a nossa compreensão, o arcebispo dividiu a sua intervenção em três momentos. Primeiro falou sobre alguns aspectos essenciais da vocação e missão do sacerdote como graça de Deus. A principal é viver a configuração a Cristo. O sacerdote não fala em nome próprio, mas em nome de Cristo e de seu corpo que é a Igreja. Ou seja, a comunicação do sacerdote deve ser coerente com aquilo que a Igreja ensina em nome de Cristo. Em segundo lugar Dom Mário falou longamente sobre a situação de sacerdotes na Mídia. Finalmente, em terceiro lugar o arcebispo lembra a acepção de comunicação como “comunhão”. É mais que informar. É criar laços de comunhão. Ora a identidade do sacerdote está em congregar o povo de Deus na unidade. É ordenado para gerar comunhão. A comunicação na vida do sacerdote deve ser um “meio” para gerar esta comunhão.

A polêmica discutida aqui no BLOG ficou em torno do segundo ponto desenvolvido por Dom Mauro Piacenza. A forma como a Universidade Santa Cruz e a Agência Zenit, noticiaram foi bastante distorcida. A frase sobre os “sacerdotes showman” que não contribuem para a evangelização, não consta na fala de Dom Mauro. O que ele afirma, categoricamente, é que a presença de sacerdotes na mídia sem estar em comunhão com seus bispos e fazendo afirmações “claramente” contrárias ao Magistério da Igreja, devem ser supervisionadas pela Igreja Local, pois causam confusão entre os fiéis. Já postei a íntegra do texto de Dom Mauro, em italiano, e agora faço uma tradução apressada deste segundo ponto para os que têm dificuldade com o italiano.

 

“A segunda questão que me parece urgente colocar em pauta é referente à indevida, e muitas vezes contrangedora,  proliferação dos “padres estrelas” (preti-star), presentes em muitos órgãos de informação, sobretudo na televisão, sem nenhuma permissão do bispo e sem possibilidade de real controle da parte da legítima autoridade eclesiástica.

Se de um lado seria honestamente desejável, neste caso, uma oportuna reflexão sobre o serviço de “vigilância” dos bispos (não se trataria de um sufocante  regime policial, mas de senso de responsabilidade e de caridade pastoral para todos, crentes ou não), por outro lado nos fere muitas vezes a constatação de como, se não na maioria dos casos, certos sacerdotes, e também alguns religiosos, se afastam claramente da comum doutrina; e não somente em âmbito moral, mas também de fé. É o sinal de um enfraquecimento da consciência de sua própria identidade, que determina frequentemente a desorientação nos fiéis leigos e nos seus espectadores, os quais são postos diante da diferença, gritante, entre a doutrina oficial da Igreja e aquilo que é comunicado – destaco “inoportunamente!” – por estes supostos “padres-estrelas”.

Sabemos bem como o mundo, no sentido do evangelho de João – e neste sentido muitos meios de comunicação enfrentam bem este serviço – sempre procurou deturpar a verdade, desorientar e, sobretudo, esconder a poderosa unidade da doutrina católica, seja entendida em si mesma, como  completo sistema de compreensão da realidade que tem em Deus mesmo a sua origem sobrenatural, seja com relação à real unidade do Corpo eclesial que, nós bem sabemos, é semente fecunda de testemunho eficaz, para a pregação dos sacerdotes: Ut unum sint (que todos sejam um). É urgente evitar a proliferação daqueles que não tem receio de criar um verdadeiro far west comunicativo, no qual alguns sacerdotes pretendendo falar em nome da Igreja e, de fato, em parte a representam, ao menos por força da ordenação sacramental, criam divisões e desorientações gerando um verdadeiro e próprio dano à unidade e eficácia da comunicação eclesial e evangélica. Se se considera, pois, a amplificação que estas mensagens recebem dos meios de comunicação de massa, por força dos instrumentos adotados, a responsabilidade é verdadeiramente incalculável. Vêm à minha mente as palavras do Senhor: “Aquele de vós que transgredir um só destes preceitos, até o menor, e ensinar os homens a fazê-lo, será considerado o menor no reino dos céus” (Mateus 5,19). Provavelmente, parte da Igreja, e nesta o corpo episcopal chamado a supervisionar, deve ainda assumir plenamente o consequente significado que, também em nível antropológico, está tendo e terá nos próximos decênios, a chamada “revolução midiática”, que, após a revolução francesa e a revolução industrial, é a mais importante revolução da modernidade”.

 

 

 

 

 

12 Comentários

  1. Marianna Aloi

    Olá Padre!

    Eu, particularmente, não vejo problema nenhum em padres na mídia, pois todos os meios devem ser usados à evangelização. Contanto, que os mesmos, sigam a doutrina, evangelizem com a Verdade e se comportem de acordo com a Missão que lhes foi confiada!
    Sua benção Padre!
    Obrigada!

    Marinna

  2. Padre,

    Foi muito esclarecedor o que o Sr. escreveu.

    Agradeço.

  3. Maria Rita avellar

    O que diferência numa intepretação de um texto lido por muitas pessoas,é que somos diferentes uns dos outros.GRAÇAS À DEUS…e entre esses milhões de pessoas,tem aquelas que até entendeu o ou não o significado da sua intenção em expor o assunto “sacerdotes showman”.Mas por vários motivos que podem ser até ciumes,frustação de não ter o acesso ao seu “Fã PADRE” e porque não dizer até de uma “PAIXÃO PLATÔNICA” tão comum no meio.CONCORDA? NÃO ESTOU AFIRMANDO QUE SEJA O CASO DESSA JUSSARA…Dai essa defesa descontrolada,cheias de ofensas á sua pessoa sem nem mesmo saber da ligação forte de amizade entre você e padre Fábio.Também acho que tem que ter um controle daqueles padres que entrando na mídia e perdem seu verdadeiro foco,que é a palavra!Confesso que quando conheci padre Fábio tive meus questionamentos tb,mas a medida em que fui me aprofundando e acompanhando seu trabalho e sua história mudei meu conceito em relação à ele.Eu acredito que é assim que deveriamos conduzir nossas dúvidas em qualquer situação,antes de falar ou afirmar ou até mesmo ofender uma pessoa tão querida como o senhor.Acho que o padre deve continuar nos perguntado sobre todos os assunto polemico SIM….Assim estaremos sempre atualizados e ao mesmo tempo aprendendo!JÁ FALEI E FALO DE NOVO…ADORO SEU TRABALHO NUM TODO!NÃO SEI SE ME FIZ ENTENDER,PREFIRO FALA DO QUE ESCREVER…

    HÁ TRÊS COISAS NA VIDA QUE NUNCA VOLTAM ATRÁS:A FLECHA LANÇADA,A PALAVRA PRONUNCIADA E A OPORTUNIDADE PERDIDA.

    JUSSARA PERDEU A OPORTUNIDADE DE FICAR CALADA!

    SUA BENÇÃO!

    MARIA RITA

  4. Maria Emília Leal

    Oi, Padre gostei muito do seu comentário sobre padres na mídia. Gosto muito do seu trabalho de evangelização na mídia. Sobre o que a Jussara falou acho que realmente ela não acompanha o seu trabalho e amizade com Padre Fábio, assistia seu programa e lembro qdo fazia seu programa na canção nova com ele e ele faz questão de falar que canta pq o sr incentivou e deu muito certo e ele é uma benção, foi o seu algo a mais como evangelizador. Sei que vcs são muito amigos e jamais ia falar nada por inveja ou outro motivo qqr. Deus o abençoe muito, continue cantando e dando palestras na mídia pois nós precisamos muuuito do sr. Um grande abraço. Maria Emília Leal – Irajá – RJ.
    twitter.com/memilyleal

  5. pe joãozinho, acho até que a discussão já está fora do foco, entretanto não poderia deixar de e manifestar, estou retomando a religião , estive afastada por mil motivos e na verdade nenhum que que justifique, talves uma crise de identidade sei lá, mas aconteceu, mas voltando a \vaca fria\ acredito que nos católicos ainda temos muito a aprender, o que será da igreja católica se não pudermos atingir a massa, se não chegarmos aos nossos jovens, será sempre uma religião de mulheres disiludidas, de alguns homens que acompanham suas esposas, e de jovens até a idade da primeira eucaristia, só isso? é pouco estamos passando por crise de crença o povo mesmo que enganado e aqui não necessita maiores aprofundamentos mas tem religiões que ludibriam seus fiéis , e por falta de uma religião com algo mais , se permitem permanecer no engano, somos um povo carente, carente de apresentado ao \DEUS\, de maneira simples , direta, alegre e isso vcs estão fazendo agora, não concordo com td, obvio q temos falhas mas estamos buscando um caminho, claro que gostaria de que os padres que fazem pregações como o sr. o pe fabio pudessem ser mais próximos, gostaria de encontra-los em alguma capela como os outros padres, bater um papo, mas hoje em dia o pe fabio está tão assediado que n responde nem o Twitter , só p uma meia dúzia de amigos , isso eu acho triste, o sr tb não responde acho q poderia ser diferente, mas ainda assim vcs estão no caminho certo, um abraço

  6. ainda eu, pe joãozinho tenho procurado com bastante insistência inclusive no Twitter,buscar uma orientação sua, quanto aos cursos de teologia e de direito canônico, tenho minha formação acadêmica na área jurídica mas só agora no meu retorno para a igreja me deparei com o interesse na matéria, gosto de suas palestras, procuro entender mais sobre o assunto mas temos poucas informações, por favor e se puder responda , e tenho certeza que aproveitarei bem suas orientações sobre meus questinamentos, um abraço fraterno
    de sua filha, que tem filhos quase de sua idade , sua benção
    obs email luciaalbok@hotmail.com ou no twitter luciaalbok aguardo

  7. Michelli Brainer

    Padre Joãozinho!
    Muito obrigada por postar o texto completo. bastante esclarecedor e acalmou meu coração.
    Olha só o estrago q um texto fora do contexto não faz?

    Mais um vez obrigada.
    Melhoras! Deus te dê saúde!
    Sua bênção!

  8. Caroline Gioseffi

    Olá querido Pe. Joãozinho. Não tenho muito conhecimento sobre o assunto e tão pouco das doutrinas da igreja. O que eu tenho é apenas meu testemunho, na minha humilde ignorância:
    Tenho 23 anos hoje, e não fiz nem a 1ª eucaristia. Sempre achei uma bobagem, coisa chata ficar ouvindo um “Padre” falar, falar e falar…
    Ia a missa somente em ocasiões de batizados ou 15 anos de alguém conhecido, e mesmo assim era uma tortura! ( o que eu acho que muitos pensam até hoje)
    Bom, o ponto em questão é que hoje, eu tenho uma outra visão sobre isso tudo, e graças a mídia, de certa forma! Foi através do trabalho evangelizador do Padre Marcelo, que eu ainda muito nova, comecei a me interessar por Cristo. Mas o meu processo de conversão mesmo se iniciou, quando sintonizei por acaso a canção nova e me deparei com o saudoso Padre Léo. Fiquei fascinada com o seu jeito de falar, descontraído, tão diferente das missas que eu havia participado, assistido na verdade!
    Desde então, não larguei mais a canção nova! O Padre Fábio, que no momento é a sensação das manchetes, que na maioria são absurdas, usa todo sua “arte” para nos aproximar de Deus. Seria isso tão ruim ?
    Desenvolvi o hábito de ler, através de seus livros, seus artigos, conheci o grande trabalho do Gabriel Chalita, através da canção nova, por intermédio do Padre Fábio.
    Vou a missa, com prazer, mesmo ainda sem poder receber a comunhão, mas com a certeza de que cada palavra que invade meu coração, me transforma e reafirma meu desejo da eucaristia!
    A música então, veio para confirmar tudo que estou sentindo. Afinal hoje posso dizer que: “Sou feliz por ser Católico”.
    É isso meu querido, quis apenas relatar que um Padre na mídia, pode mudar a vida de muitas pessoas! Mudou a minha, isso eu tenho certeza.
    Grande Abraço, muita paz e saúde!
    Deixo meu e-mail: cgioseffi@oi.com.br

  9. Oi Padre.

    Dificuldade cxom o italiano é um eufemismo delicado de sua parte, rs.
    Não “parlo” nadinha, rs. Obrigada por traduzir.

    Sua benção.

  10. Pingback: Padres Showman « O Possível e O Extraordinário

  11. Renata Prado

    Pe. Joãozinho boa tarde! Peço sua benção.

    Se entendi bem o texto traduzido, a preocupação concentra-se na coerência da pureza doutrinária católica, que é pregada na mídia pelos padres, mas entendi também, que isto foi colocado como se alguns padres, que não foram autorizados e nem estão sendo devidamente fiscalizados, pregassem de forma distorcida na mídia, deixando de fazer jus à genuína fé católica, com todas as suas regras, rituais e padrões.
    Então fico refletindo algumas coisas sobre esta posição da igreja:
    1. Se há uma hierarquia a ser respeitada dentro da igreja, quais são os padres que transitam na mídia, sem a devida autorização dos seus bispos e ainda ficam falando de valores religiosos errados?
    2. Quais são os padres que professam de maneira distorcida a doutrina católica e passam despercebidos pelos seus bispos?
    3. E que bispos são estes, que estão deixando de cumprir seus papéis e de cobrar a devida postura dos seus “padres estrelas”?
    No caso do Padre Fábio, que é o único (que eu tenho conhecimento…) que vem se mantendo em excessiva exposição nos meios de comunicação “mundana”, estamos cansados de ouvir o mesmo dizer, que agradece ao seu bispo por entender seu papel e permitir que ele exerça sua missão de padre da forma como ele tem exercido…então isso me dá a idéia, de que aquilo que está indo para a mídia, através do Padre Fábio, está sim, sendo devidamente supervisionado pelo seu bispo…
    Agora, tem um outro questionamento que faço:
    A população só será enganada com informações doutrinárias distorcidas e equivocadas, se a mesma for profunda desconhecedora da fé que ela própria professa, pois se eu sou católica, tenho a obrigação mínima de saber quais são as bases doutrinárias da religião que professo, logo, se tenho este conhecimento, saberei identificar aqueles que tratam esta doutrina de maneira distorcida e terei senso crítico bastante, para decidir se aquele que estou elegendo para confiar e seguir, é alguém realmente fiel à crença que partilhamos ou não.
    Se os fiéis da igreja católica, geram preocupação, porque são considerados alvos fáceis nas mãos de “padres estrelas” equivocados, então acho que a igreja deve sim se preocupar, é com alguma forma de usar a midia, para esclarecer melhor os seus fiéis, quanto à pureza doutrinária católica.
    Fico também imaginando quanto ao que poderia estar por detrás destas preocupações, pois eu não vejo nenhum padre na mídia profanando a fé católica!
    Então aos meus olhos fica parecendo que algo mais direto deixou de ser dito, mas eu não tenho bases para supor o que seja, então fico no aguardo de mais um episódio “da saga dos padres showmans!”
    Renata Prado. rapprado@yahoo.com.br

  12. Este é um assunto polemico realmente e envio minha opinião:

    1) O mundo muda e não vejo nenhum mal a igreja usar a mídia para evangelizar. Tendo a aprovação do bispo, creio que é suficiente. Pois o bispo pode reorientar em coisas que precisam realmente voltarem no trilho.

    2) Eu conheci padre Marcelo, padre Fabio, Padre leo através de dvd e padre Joaozinho através do padre fabio no twiter e muito bem fez para mim. Eu tomei a decisão de me batizar na igreja católica. Começo o curso no ano que vem. Eu sou ex evangélico.
    E assisto várias palestras de Padre Fabio e Padre Leo etc…Não somente eu, meu filho, minha filha, minha familia. Posso dizer com segurança que hoje sou uma pessoa mais feliz e mais próximo de Jesus Cristo.

    3) O que acontece neste processo é que naturalmente, qdo a gente recebe um bem de alguem, a gente deseja que esta pessoa entre em nossa vida real. Não somente por dvd. E isto nós público tem que entender que é impossivel para o padre atender a todos, pois tem muita maldade neste mundo e ele tambem como padre e como pessoa tem que tomar cuidados.
    E o que acontece? aquele que fez tanto bem para gente e continua fazendo através do seu trabalho, a gente começa a olhar com olhos. Puxa mandei um ou mais email/ twitter para ele e ele não me respondeu. Eu não sou importante . Será que ele
    pensa que eu sou ruim. Me julga etc..Então aí começa a desilusão de ver o padre que evangelizou com o seu trabalho e se decepciona com a pessoa que não tem coragem de responder um email até perguntando sobre coisas de Cristo.
    E aí eu acho que é a preocupação da igreja.
    Pode criar confusão para o p~ublico e para o padre tambem pois ele afinal é um ser humano.
    O remedio para isto? REzar bastante , e continuar co a obra e confiar no espirito santo, para orientar o publico e o padre.

    3) Agora eu acho que a igreja católica teria que ir para tv aberta. Tem que evangelizar sim. Em Mateus diz que devemos pregar o evngelho em cima dos telhados;

    4) O que acho tbem é que uma parte da renda do trabalho seja obrigatorio par arecuperar os pobres/ drogados/ prostituas
    Isto seria maravilhoso. isto seria obra real , e aí o povo iria entender em profundidade, que o trabalho é de Jesus, pois tem a obra real pro trás.

    é isto ai espero ter ajudado e muito bom o tema.
    Desejo do fundo do coração que Deus abençoe spadre Marcelo, padre Fabio de Melo, Padre Joaozinho, Padre Leo e Bethania.
    e todos os padres do Brasil e leigos (que me incluo).

    não desistam e animo. O animo é de Cristo. o desanimo é do encardido.
    e vcs tem que perdoar o publico. as manifestaoes as vezes , é momentanea. A gente ama o bem, mas quer um pouco de atenção, e uma forma de chamaa atençaõ é as vezes dar umas cutucadas.

    Quem sabe este bispo não quer dar uma cutucada? Afinal o padre estrela que ele fala, aparece mais que ele. Não é um pouco de ciume não?

  13. Icaro Soares

    Infelizmente, o sr mais uma vez enfiou os pés pelas mãos ao criticar as pessoas que admiram,amam,respeitam e mto devem ao Padre Fábio.VIRE A PÁGINA DESTA história e coloque um ponto final,pois na verdade o sr está se queimando.Respeito-o por ser um sacerdote,mas….acho que tá pintando inveja ,pois não possui o carisma do padre, a voz, a simpatia e empatia.É um bom sacerdote ,mas cada um do jeito que Deus fez.Icaro TO

Deixe uma resposta para Mariazinha Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.