Porta-voz vaticano faz um balanço da viagem a Portugal

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 18 de maio de 2010 (ZENIT.org). – Com sua viagem a Portugal, Bento XVI ensinou a Igreja a avaliar as dificuldades à luz da mensagem de Maria em Fátima, disse o porta-voz vaticano.

Ao fazer um balanço da recente visita apostólica a Portugal, realizada entre os dias 11 e 14 de maio, o Pe. Federico Lombardi SJ, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, explicou como interpretar as palavras do Papa sobre a profecia de Fátima – que, segundo ele, ainda não foi concluída.

A intenção do Papa foi dizer que “não devemos esperar nada novo de Fátima e do que foi dito pelos pastorinhos, pelas visões e pelas profecias, no que se refere ao anúncio de eventos concretos nos próximos anos ou nos próximos séculos. Isto não está em questão”, sublinhou o Pe. Lombardi aos microfones da Rádio Vaticano.

“A profecia de Fátima, na perspectiva do Papa, que deve também ser a nossa perspectiva” – continuou -, significa ter aprendido a ler nos acontecimentos da nossa história o caminho da Igreja, com suas dificuldades e suas esperanças na fé de que tudo está sob o olhar de Deus, que acompanha a Igreja e a humanidade em seu caminho, age com sua graça naqueles que se dirigem a Ele, e nos convida a assumirmos um compromisso com esta história, começando pela nossa conversão, para agir segundo os critérios do Evangelho.”

“A profecia, entendida como leitura da realidade e história humanas, característica de Fátima, ensinou-nos a olhar não apenas nossa vida pessoal, mas também a vida da Igreja e de toda a humanidade sob a luz de Deus e de seu amor, com o compromisso de nos convertermos, tornando-nos testemunhas cada vez mais fiéis do amor de Deus no mundo em que vivemos e na história.”

“Esta é uma mensagem profética que continua sendo muito atual, e assim será no futuro”, opina o porta-voz vaticano.

A pior perseguição advém do pecado

Uma das frases do Papa que marcou esta viagem foi sua declaração, dirigida aos jornalistas durante o voo com destino a Lisboa, quando assegurou que a maior perseguição que afeta a Igreja não provém de inimigos externos, mas do pecado do interior da Igreja.

“Permitiu compreender que os sofrimentos, as dificuldades que a Igreja encontra, incluindo aqueles referentes à situação vivida nos últimos meses ou anos (…) em decorrência dos pecados cometidos por seus membros – os abusos sexuais – são algo que a Igreja carrega dentro de si: carrega consigo, portanto, também a realidade do pecado. E por esta razão, a mensagem de Fátima é sumamente atual e importante, pois nos fala de conversão, nos fala de penitência.”

“Assim, no contexto de uma leitura ampla do significado dos acontecimentos de Fátima, do ponto de vista espiritual, não devemos apenas pensar nas perseguições que partem de fora, que certamente têm tido um grande papel nos sofrimentos e nas dificuldades que assolam a Igreja (…). O Papa observou que os sofrimentos e as dificuldades da Igreja provêm também do nosso interior, isto é, do fato de sermos também pecadores, motivo pelo qual a mensagem de conversão e penitência se reveste de especial importância.”

Para o Pe. Lombardi, o balanço desta 15ª viagem apostólica internacional – a primeira a Portugal – “é superior às expectativas”.

“Podemos dizer que foi uma viajem maravilhosa. A acolhida foi enorme, calorosa, superou as expectativas dos organizadores. O Papa ficou muito impactado, muito feliz e se sentiu extremamente apoiado”, concluiu.

6 Comentários

  1. Pingback: Pe. Joãozinho, SCJ

  2. Pingback: Twitter Trackbacks for Lições do Papa: sofrimento da Igreja à luz de Fátima « Padre Joãozinho, scj [cancaonova.com] on Topsy.com

  3. Pingback: Católicos de Recife

  4. Pingback: Marilene Costa

  5. Pingback: DDD - Dodin de Deus

  6. Pingback: rogerio tosta

  7. Pingback: José Eduardo

  8. Pingback: Breno Caputo Filho

  9. Sergio Souza

    Querido padre Joãozinho…

    Li a belíssima entrevista de Vossa Santidade, o Papa Bento XVI.

    Não há como não falar de Fátima e vir à tona o conteúdo do 3º segredo.

    Teria sido esse terceiro segredo tão somente relativo ao atentado sofrido por João Paulo II? Será que a crise de escândalos de pedofilia e causam tamanha dor em todos nós, não têm algo a ver com o 3º segredo? E se for nesse sentido, por que então à época não fora revelado integralmente o conteúdo? Já li sites que revelam um cardeal, de nome, Sodano, teria impedido… Mas não sei se correspondem à verdade.

    Até hoje também, se não me engano, não houve a consagração da Rússia.

    No meu coração fica o aperto de que coisas piores virão, mas pode ser apenas coisas de minha mente.

    Deus nos abençoe!

  10. Pingback: MariaDenisiaS.Silva

  11. Pingback: Luciana

  12. Pingback: Amanda

  13. Pingback: Jerusa Pordeus

  14. Pingback: Alice

  15. “O Papa observou que os sofrimentos e as dificuldades da Igreja provêm também do nosso interior, isto é, do fato de sermos também pecadores, motivo pelo qual a mensagem de conversão e penitência se reveste de especial importância.”
    …parei para refletir a mensagem do Papa. Como membro da Igreja, questiono-me: O que faço pela Igreja? Como busco a conversão ? Como lido com os meus pecados e os pecados do próximo? Nosso interior nos direciona a apontar falhas, defeitos e lapsos em nosso próximo, nas instituições religiosas, nas fragilidades alheias e até mesmo em nossas próprias fragilidades. Converter , segundo os dicionários é “transformar”. E esse transformar inclui mudar meu interior cheio de julgamentos e críticas e substituir por esperança, por um “interior” com mais pureza . Abraçar o Evangelho e crer. Abrir o coração para o perdão , para o acolhimento, para a contemplação de nosso Deus , que tanto nos acalenta e acolhe.
    Que Nossa Senhora de Fátima nos proteja!

  16. RT @padrejoaozinho: Nova postagem no blog:: Lições do Papa: sofrimento da Igreja à luz de Fátima http://bit.ly/9wj3Kl

  17. Elaine Mendes

    Olá padre, eu conversei ontem com meus pais e eles foram sinceros, com estes escândalos todos não vão mais se confessar com nenhum padre. Somente participarão de confissões comunitárias. E soube que muitos católicos estão preferindo esta atitude.

    Eu entendo eles, fica muito difícil para nós ver o Cristo na figura do padre após tantos escândalos, eu sei que nossa postura não deve ser esta, pois todos nós somos pecadores, mas realmente é muito difícil.

    A Igreja está sofrendo muito e eu junto com ela, infelizmente, acabei de ler na Internet que o suposto adolescente assediado pelo Pe. Sivio já fez o seu depoimento. Meu Deus! Eu sei que muitos heterossexuais fazem sexo oral, porém saber que um padre faz isto, realmente, é medonho. Eu vi as cenas de Arapiraca e me deu muito nojo, repulsa.

    Que o Espírito Santo nos dê seu consolo, está realmente muito difícil

    Sua benção

  18. sergio ricardo

    Elaine, confissão comunitária? esse tipo de confissão foi proibido pela Igreja. Só pode ser realizado em perigo eminente, mesmo assim se a pessoa escapar com vida deve realizar o quanto antes a confissão individual, tanto que o decreto da Igreja manda colocar os confessionários de volta. Outra coisa, a maioria dos padres ainda merecem crédito. Traidores? A Igreja sempre os terá. Ao invés de condenar todos os padres reze para eles, reze para que Deus conceda santos sacerdotes. Já dizia Dom Bosco: “Um padre não vai ao céu sozinho, também não vai para o inferno.” Hoje em dia vejo que as pessoas não vão à missa ou recebem os sacramentos para estar intimamente ligados a Deus, mas em estar mais perto dos padres “showman”.

  19. Elaine Mendes

    Sérgio,

    não estou generalizando, creio que há muitos padres que honram seu ministério, que não o utilizam para prazeres mundanos. Porém sabemos que os sacramentos têm como base os sacerdotes. E se eles caem os sacramentos também ficam enfraquecidos, não por causa de Deus, ele não depende de homens, mas de nós, pois para o sacramento ser eficaz é preciso a pessoa acreditar que eles são a presença de Deus em nossa vida hoje e em momentos especiais como o casamento.

    Enfim, muitos católicos estão pensando que para evitar estes escândalos se ordenasse também sacerdotes casados ou somente casados. Como se o casamento fosse garanti de que aquele homem não tivesse desvios sexuais. Particularmente, pode até a Igreja ordenar padres casados, porém não se deveria abolir de vez o celibato. Pois parece que não é possível mais alguém seguir a Cristo na radicalidade. O celibato só seria então privilégio dos budistas mesmo sendo Jesus e o apóstolo Paulo, grande evangelizador do mundo pagão, celibatários.

    Obrigada pelo comentário, eu creio que há padres que honram seu ministério, porém para separar o joio do trigo, a Igreja deve se organizar e não mais tolerar pessoas que tenham este tipo de fraqueza. Macular o corpo de alguém é tão grave quanto matar a pessoa, pois na realidade está matando a pureza que antes existia, e a pureza é a maior arma contra o demônio.

    Paz e bem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.