Evangelho segundo S. Mateus 6,19-23.

«Não acumuleis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os corroem e os ladrões arrombam os muros, a fim de os roubar. Acumulai tesouros no Céu, onde a traça e a ferrugem não corroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois, onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração. A lâmpada do corpo são os olhos; se os teus olhos estiverem sãos, todo o teu corpo andará iluminado. Se, porém, os teus olhos estiverem doentes, todo o teu corpo andará em trevas. Portanto, se a luz que há em ti são trevas, quão grandes serão essas trevas!

Da Bíblia Sagrada

Comentário ao Evangelho do dia feito por :

São Basílio (c. 330-379), monge e bispo de Cesareia da Capadócia, Doutor da Igreja
Homilia sobre a caridade: PG 31, 266-267; 275

«Não acumuleis tesouros na terra»

Por que te atormentas e fazes tantos esforços para colocar a tua riqueza em segurança atrás de cimento e de tijolos? «Vale mais o bom nome que grandes riquezas» (Pr 22,1). Gostas do dinheiro por causa da consideração que te granjeia. Imagina só quanto maior será a tua fama se te puderem chamar pai e protector de milhares de crianças, em vez de guardares milhares de moedas de ouro em sacos. Quer queiras, quer não, um dia terás mesmo de deixar cá o teu dinheiro; pelo contrário, a glória de todo o bem que tiveres feito, levá-la-ás contigo à presença do supremo Mestre, enquanto todo um povo, defendendo-te insistentemente diante do juiz comum, te atribuirá nomes que dirão que o alimentaste, o assististe, que foste bom para ele.

Como deverias estar reconhecido, feliz e orgulhoso da honra que te é dada: não és tu que tens de ir importunar os outros à sua porta, são os outros que correm para a tua. Mas nesse momento ficas sombrio, tornas-te inacessível, evitas os encontros, com medo de teres de deixar um pouco daquilo que tão ciosamente guardas. E só dizes uma coisa: «Não tenho nada, não vos vou dar nada porque sou pobre.» És na realidade pobre, e pobre de todo o bem: pobre de amor, pobre de bondade, pobre de confiança em Deus, pobre de esperança eterna.

2 Comentários

  1. Pingback: Pe. Joãozinho, SCJ

  2. Pingback: Arquidiocese Floripa

  3. Pingback: Diocese de Blumenau

  4. Pingback: Elisangela Alencar

  5. Pingback: Amanda

  6. Pingback: Olga Silva de Souza

  7. Pingback: mioco gomes

  8. Pingback: MariaDenisiaS.Silva

  9. @elzinnha32

    Essa leitura é de uma profundidade contemporânea que dá até uma dor na consciência!!!
    Num mundo que prega o consumismo descatável onde você vale pelo que você tem.
    Além disso, temos a publicidade nos bombardeando com tudo de novo lançado em todos os campos possíveis de produtos.
    Sinto-me meio embaralhada nessa onda…
    Perdão Senhor!!!!

  10. Padre, muito bom o post.
    Infelizmente hoje as pessoas são valorizadas pelo que tem.
    Dizer que dinheiro não é o mais importante é bonito, mas na prática é isso q acontece.
    Tem dias q tenho nojo de tanto consumismo, ostentação e valorização do ter , ter , ter.
    Podia escrever mais sobre isso? Como ter uma relação saudável e CRISTã com o dinheiro.

    Sua benção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.