Na sexta-feira recebi um telefone sumário: “Pe. João, acabaram de assassinar o irmão da Roseli”. Gelei. Havia terminado uma palestra de uma hora em Belo Horizonte sobre o livro COMO LIDERAR PESSOAS DIFÍCEIS. A notícia me deixou sem palavras. Nunca esperamos que a violência chegue tão perto de nós. Roseli é a responsável pela tesouraria da Faculdade Dehoniana, aonde sou o diretor. Dispenso os leitores dos detalhes macabros do crime. Apenas trago o fato para este espaço público para pedir orações pela família que sofe com esta perda. Peço também que se faça justiça. Deus nos ouça!

A Diretora Acadêmica da Faculdade, Rosana, imediatamente coordenou uma rede de solidariedade e apoio. Passado o sepultamento ela escreveu este texto doído e sincero, que posto aqui com o link original do BLOG:

Olá Albano,

Não tivemos a oportunidade de nos conhecermos pessoalmente, mas ouvi muitas vezes falar de você. Sou amiga da tua irmã, trabalhamos juntas na mesma instituição. Conheci seus pais, jantei com eles algumas vezes com eles na casa dela. Ontem fui surpreendida com a notícia que tinham tirado a sua vida. Alguém, por motivo nenhum, te acertou pelas costas transpassando teu coração. O teu último respiro foi nos braços de teus pais.

Hoje estive com tua família, conheci teus três filhos que já carregavam no coração a saudade da mãe que partiu a tão pouco tempo vítima de câncer.  O garoto é muito parecido contigo. Eu também tenho dois filhos, maiores que os teus, mas a preocupação é a mesma, né? Mas escrevo porque preciso te dizer algumas coisas. A primeira é que não foi Deus que quis que você fosse embora agora, dessa forma tão dram. Sem dúvida, e tenho certeza, você sabe disso agora muito mais do que nós. O que interrompeu teu “vôo” foi o resultado de uma omissão generalizada pela vida integral das pessoas. Perdemos-nos nas buscas de prazeres, de poderes, de “auto-realizações”.  O outro deixou de ser importante para nós. Fomos ficando tão egoístas, tão centrados em nós mesmos, que a vida e dores de tantas pessoas passaram e passam desapercebidas. Na verdade Albano corre-se tanto sem saber para que e nem para onde. Eu também, tantas vezes me pego nesse mesmo ritmo. O problema é que, nós que professamos a fé cristã, temos o dever ético-moral de construirmos uma sociedade que seja de estatura humana.

Eu sempre sonhei em viver a experiência de ser Igreja buscando um mundo que revelasse, nas suas organizações, o Amor de Deus. Procurar a justiça, procurar a paz, procurar a dignidade humana de cada pessoa e de todas as pessoas se tornaram um imperativo ético que moldaram minha vida desde a adolescência. Viver esse sonho no dia a dia nem sempre foi fácil e nunca o será. Mas não temos opção. O seguimento de Jesus nos obriga a uma tomada de posição radical, ou estamos com Ele ou não estamos. Temos que ser uma Igreja-samaritana que tem a coragem de sair de sua estrada cotidiana e ir ao encontro das chagas do mundo. Eu creio nisso, sabe?!! É uma luta amorosa sem fim. Aonde a vida for negada é lá que deveremos estar.Precisamos não ter medo da cruz! E não é fácil.

Não foi teu corpo inerte que me colocou em profundo questionamento. Não! Eu creio na Vida Eterna! Eu tenho certeza de que o Pai te acolheu! O que me inquietou profundamente foi o sofrimento dos que ficaram. As lágrimas dos órfãos, que Deus sempre mandou que nós cuidássemos, que nos responsabilizássemos. São essas mesmas lágrimas que me questionam no mais profundo de minha consciência. Lágrimas dos olhos de tantos brasileiros e brasileiras que sonharam, como eu, com um sociedade humana e fraterna. É necessário mais de mim, é necessário coerência maior, é necessário assumir a profecia, é necessário de verdade lutar pela vida, sim. Era preciso um pouco mais de todos nós. Talvez se tivéssemos nos comprometido um pouco mais, se tivéssemos acreditado um pouco mais……. Eu sei, esse “se” não resolve, não volta o tempo….. então fica mesmo o meu pedido de perdão.

FONTE: http://rosanamanzini.com/Blog/

Agradecimento de Roseli, irmã de Albano:

Queridos amigos,

A dor realmente é grande, ver a violência que sempre bate em algum lugar é muito triste. Mas nesse momento de dor, eu queria ressaltar a alegria, o conforto e a paz que traz ao coração, o amparo, o carinho, a atenção e o amor dos amigos. Como foi importante a presença de cada um através das orações, dos abraços, de uma palavra de conforto, das ações. E é por ver tanto amor, tanta solidariedade, que eu acredito que o amor sempre vencerá. Tenho certeza que o meu irmão está com Deus, e nós aqui também, com Deus, faremos a nossa parte para que o amor sempre vença essa batalha.

Agradeço a Deus por todos vocês ! Deus lhes pague !