Análise feita por Durvano Porto Dourado – Aluno do 3º ano de Teologia da FACULDADE DEHONIANA

www.dehoniana.org.br

Verdadeira Salvação – Adrielle Lopes

Como é bom sentar a Ti observar
Ai em cima nessa cruz
Que mesmo no sofrimento foi a Luz
Em cada machucado
É nítido teu amor
E a Sua doação

Perfuraram Teu peito
Por não aguentar ver
Tanto amor no coração
Pregaram pregos nas mãos
Por que viram que eram usadas
Para cura e libertação
Perfuraram os Seus pés
Por saber que os Seus caminhos
Eram caminhos de salvação
Os espinhos colocaram em Sua cabeça
Por tamanha sabedoria
E fortaleza

Tu és lindo, Senhor
Mesmo na dor foi o amor
Em Suas lágrimas
Mostrou tamanha doação
Tu és lindo, Senhor
Mesmo na dor foi o amor
Que geração em geração
Mostra-nos a verdadeira salvação

Os espinhos colocaram em Sua cabeça…

Esta música da cantora Adrielle Lopes, faz parte do CD “Faça-se”, que ela lança aos seus 15 anos de idade. Uma produção independente, uma mistura de música pop, louvor e adoração. Esta música “Verdadeira Salvação” esta na faixa 12 do seu CD.
O contexto da música é a crucificação de Cristo. É nítido como as estrofes são marcada por palavras que remetem ao sofrimento: “cruz, sofrimento, machucado, perfuraram, pregaram pregos nas mãos, dor”, e algumas destas palavras ainda são repetidas, frisando assim a situação de sofrimento. Apesar das situações de sofrimento querer apontar um outro caminho, “O caminho da dor leva ao amor”, a música acaba tendo um ritmo mais negativo, além da própria melodia da música que pode induzir o ouvindo a esse clima, lembra um pouco algumas músicas evangélicas.

As palavras de tom “positivo”: “doação, libertação, doação, amor”, são palavra que aparecem bem menos.

Logo na primeira estrofe na a impressão de um certo “masoquismo”: “Como é bom sentar a Ti observar ai em cima nessa cruz”. Não estamos desvalorizando o profundo sentido que tem a Cruz de Cristo, de modo especial para nós cristãos. Porém o perigo é ficar apenas na contemplação deste sofrimento. Este tipo de santidade, que as vezes acaba sendo uma busca pelo sofrimento, lembra o recente filme “Um Caminho De Luz”, onde uma jovem menina, influenciada pela mentalidade de santidade que tem sua mãe, que é absolutamente o caminho do sofrimento (Opus Dei). Nesta caso do filme a doença é encarada pela mãe, como um sofrimento querido por Deus, que deve ser simplesmente aceito e oferecido, sem reclamar. Este tipo de música também pode levar as pessoas a se prenderem tanto no sofrimento (que faz parte da condição humana), e se esquecerem que a vida de Jesus é toda uma vida de salvação, de Ressurreição. “A primeira luz que a redenção de Cristo lança sobre a humanidade é que Ele a revela para si mesma como sendo, ao mesmo tempo, destina à salvação e capaz de aceitá-la.”

O sentido da oblação (doação) é bastante positivo nesta música. Onde Cristo se doa por amor, por gratuidade. Apesar de faltar uma referencia desta doação feita ao Pai, pelo Espírito, ajudando a formar um contexto mais Trinitário do processo soteriologico da salvação.

A música poderia ficar “mais bonita”, se trouxesse presente a relação com o outro. Ficou muito no sofrimento de Cristo na cruz, mas senti a relação com o outro (fraternidade), nas busca primeira do seu próprio equilíbrio


Teologia da Redenção. Comissão Teológica Internacional. São Paulo: Loyola, 1997.

A Faculdade Dehoniana está credenciada pelo MEC para reconhecer os estudos que você fez em seminários ou outros Cursos de Teologia nos quais não era possível oferecer diploma com validade civil.

CONHEÇA NOSSO PROGRAMA DE CONVALIDAÇÃO

A CONVALIDAÇÃO da Teologia é a oportunidade que você estava esperando para regularizar sua situação e receber o seu Diploma de Bacharel m Teologia, com validade civil. Mais exatamente é o que a lei chama de APROVEITAMENTO DOS ESTUDOS FEITOS EM CURSOS LIVRES DE TEOLOGIA. Graças ao Parecer 063/2004, do Conselho Nacional de Educação, as faculdades que tenham seus cursos de teologia devidamente RECONHECIDOS pelo MEC, podem oferecer estes programas. Na Faculdade Dehoniana oferecemos o programa de CONVALIDAÇÃO há alguns anos e já regularizamos a situação de diversos estudantes que chegaram até nós com ótimos estudos, porém, sem validade civil. A regularização leva em média um ano e exige que o aluno frequente algumas disciplinas com auxílio da Internet, sendo que as provas são presenciais. Não importa que o CURSO LIVRE tenha sido feito no exterior. Neste caso não estamos aproveitando as disciplinas, mas os ESTUDOS, ou seja, o governo nos permite reconhecer este CONHECIMENTO que o aluno prova ter. É fundamental que o Curso Livre cursado tivesse uma carga horária de no mínimo 1.600 horas. Além disso, o aluno deve possuir CERTIFICADO DE CONCLUSÃO deste curso e respectivo histórico. Maiores informações sobre nosso Programa de CONVALIDAÇÃO podem ser obtidas diariamente com Eduardo, na Faculdade Dehoniana, das 20h-22h.

Ligue hoje mesmo: (12) 3625-8080

Ou acesse nosso site: www.dehoniana.org.br

Fonte: http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=278393

Leonardo Meira
Da Redação, com Rádio Vaticano (em italiano – tradução de CN Notícias)

O Papa Bento XVI anunciou que o Arcebispo de Aparecida e atual presidente do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM) , Dom Raymundo Damasceno Assis, está na lista dos 24 novos cardeais que serão criados no Consistório do próximo dia 20 de novembro.

“Os Cardeais têm a missão de ajudar o Sucessor do Apóstolo Pedro no cumprimento de sua missão de princípio e fundamento perpétuo e visível da comunhão na Igreja (cf. Lumen gentium, n. 18)”, explicou o Santo Padre ao fazer o anúncio, logo após a Catequese.

Os novos cardeais provêm de quatro continentes: 15 europeus (incluindo 10 italianos); 4 africanos e americanos, 1 asiático.

Este será o terceiro Consistório do Pontificado de Bento XVI. Os cardeais chegarão a um total de 203, dos quais 121 eleitores. Os integrantes da Cúria Romana nomeados são:

prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Dom Angelo Amato;
prefeito da Congregação para o Clero , Dom Mauro Piacenza;
presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, Dom Gianfranco Ravasi;
penitenciário-mor do Tribunal da Penitenciária Apostólica, Dom Fortunato Baldelli;
presidente da Prefeitura dos Assuntos Econômicos da Santa Sé, Dom Velasio De Paolis.
prefeito do Tribunal da Assinatura Apostólica, Dom Raymond Leo Burke;
presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Dom Kurt Koch;
presidente do Pontifício Conselho Cor Unum, Dom Robert Sarah.

Também receberão o barrete cardinalício:

pró-patrono da Ordem de Malta, Dom Paolo Sardi;
Arcipreste da Basílica de São Paulo, Dom Monterisi Francis.

Entre os bispos à frente de dioceses, serão criados cardeais:

Arcebispo de Palermo, Dom Paolo Romeo;
Arcebispo de Mônaco da Baviera, Dom Reinhard Marx;
Arcebispo de Varsóvia, Dom  Kazimierz Nycz;
Arcebispo de Washington, Dom Donald W. Wuerl;
Arcebispo de Kinshasa, Dom Laurent Monsengwo Pasinya;
Arcebispo emérito de Lusaka, Dom Medardo Joseph Mazombwe;
Arcebispo de Colombo, Dom Malcom Ranjith Patabendige Don;
Arcebispo emérito de Quito, Dom Raúl Eduardo Vela Chiriboga;
Patriarca de Alexandria dos Coptas, Dom Antonio Naguib.

Finalmente, o Papa também criará quatro cardeais com mais de oitenta anos e, portanto, não-eleitores no conclave. São eles:

Arcebispo emérito Ordinário Militar da Espanha, Dom José Manuel Estepa Llaurens;
antigo presidente da Pontifícia Academia para a Vida, Dom Elio Sgreccia;
o ex-Maestro Diretor da Capela Musical Pontifícia Sistina, padre Domenico Bartolucci;
o ex-presidente da Pontifícia Comissão de Ciências Históricas, padre Brandmüller Walter.

“Na lista dos novos Purpurados, reflete-se a universalidade da Igreja; de fato, eles provêm de várias partes do mundo e desenvolvem diferentes tarefas a serviço da Santa Sé ou através do contato direto com o Povo de Deus enquanto Padres e Pastores das Igrejas Particulares. Convido-vos a rezar pelos novos Cardeais, pedindo a particular intercessão da Santíssima Mãe de Deus, a fim de que desenvolvam frutuosamente seu ministério na Igreja”, concluiu o Pontífice.

O programa Trocando Idéias recebe como convidado o Pe. Joãozinho SCJ

É uma alegria, 14 anos no ar, em novembro a Canção Nova comemora os 15 anos do portal, e vc sabe que eu vou participar, vou fazer uma palestra a distancia, e vamos ver se da tudo certo, é uma maneira nova…

Pergunta: “Sou católica praticante e trabalho com meu marido em um bar que vende bebidas alcoólicas, como devo proceder?”

Pe. Joãozinho: Sabe que o padre Jonas me chamou atenção essa semana em um artigo com a palavra excesso, nós vivemos em um mundo de exageros e temos muitas pessoas destemperadas, é mais ou menos como aquela mulher que faz um strogonoff maravilhoso, o melhor creme de leite, e no final de tudo ela carrega no sal, o cheiro é bom, mas quando vai comer sobra strognoff, porque houve excesso no sal, então tudo que é demais faz mal, nós na igreja católica não temos uma postura puritana da bebida, tanto que o vinho é utilizado para consagração, é sangue de Cristo, mas excepcionalmente um padre com autorização do bispo, pode usar suco de uva, vamos dizer que no final de semana uma pessoa que não bebe sempre não vá fazer mal, uma champanhe no Natal não fará mal, todos os dias é um excesso, como a palavra, quando falamos demais, podemos cometer excessos.

Pergunta: “Eu sou pai solteiro, tive uma filha e hj não tenho mais contato, fico preocupado de não ter contato com a minha filha, já que sou católico e a mãe dela não, será que só levá-la na missa e colocar a bíblia em suas mãos é o suficiente…?”

Pe. Joãozinho: É inusitado isso de pai solteiro, as pessoas falam muito de mãe solteira, e esquecem do pai, então é muito bonito sua responsabilidade, curiosamente é o contrario da pergunta anterior, esse tem uma consciência de compromisso que não se consolidou porque talvez tenha sido um relacionamento acidental, tenho isso na minha família, minha irmã é casada com um rapaz que tem um filho, e a primeira coisa que ele falou a ela foi que tinha um filho e se poderiam continuar mesmo assim, então a qualidade do tempo que vc passa com a sua filha é o principal, esses dias estava em um restaurante em Taubaté e reparei numa família que passaram 40 minutos comendo e não conversaram, ele estava com as filhas, era um corpo presente apenas, agora se vc passa dez minutos com sua filha com intensidade é o que vai fazer sua filha ficar satisfeita.

Pergunta: “Tenho 26 anos, sou casada há 7 anos com um homem 16 anos mais velho que eu, somos participantes em nossa Paróquia, e eu estava visitando a internet quando vi alguns sites pornográficos terríveis visitados, estou com ódio dele, mostrei tudo o que descobri e me sinto traída, não sei o que fazer, o que faço para perdoa-lo?”

Pe. Joãozinho: Eu gostaria de levantar uma questão técnica, a ocasião faz o ladrão, e hj a internet esta em tudo, no wireless, na casa, e as grandes empresas já estão preocupadas com isso, então há mecanismos de filtragem, então por exemplo Santo Inácio dizia que a mentira a gente combate com a verdade, o que vc faz qdo ta escuro? Vc acende a luz, então qdo alguém esta em algum pecado, num pecado oculto, onde tem uma conexão só dele, não precisa ser o marido, pode ser os filhos, é preciso dialogar, vamos criar um mecanismo técnico onde tudo que se acessa possa ser visto por todos, e nós somos filhos da luz, não somos das trevas, não precisamos fazer as coisas escondidinhos, e na maioria das casas os adolescentes mexem e os adultos não dominam aquilo, e a canção nova ta preocupada com isso, uma internet vivida na luz, agora precisa cauterizar essa ferida, colocar a pomada do perdão, não pode ficar ressentindo, fica sentindo varias vezes, e a mulher é mais propicia a isso, em 1968 vc não lembrou que fizemos 2 anos de namoro, primeiro beijo, o homem não lembra, então mulheres ajudem os homens colocando mais luz nessa tecnologia, as crianças com 2, 3 anos de idade já tem celular, é precoce, um conflito de gerações onde as crianças mexem ate em caixa eletrônico e a vovó não, a vovó pede ajuda a netinha pra votar, isso aconteceu comigo, ela entrou e ajudou a vó apertar a urna, é um conflito de gerações, e nesse caso não foi conflito, foi aliança de gerações.

Pergunta: “Padre como falar com os nossos irmãos de outras religiões, de outras dominações, sobre como discutir, o que o senhor aconselha…?”

Pe. Joãozinho: Há diferenças de visão, existe uma frase que diz: Nas coisas essenciais a unidade; nas acidentais a diversidade; em tudo a caridade, eu gostaria que no nosso dialogo nós invertêssemos primeiro a caridade e dp o restante, vamos praticar um ecumenismo de caridade, dp viver o ecumenismo na razão, é diferente duas pessoas que se amam discutirem religião, isso é muito comum nas famílias, marido e mulher católico e evangélico, então nem mesmo a discordância pode me levar a pecar com um irmão que não crê como eu, eu posso não concordar com ele, mas não preciso bater nele, com palavras, uma vez um pastor disse que era muito mais fácil um ecumenismo entre padres e pastores, dp que um vai no aniversario do outro, que viram amigos.

Pergunta: “Padre, sou católico, tive problemas de depressão e perdi um pouco a fé…”

Jesus fez a experiência humana ate a raiz mais profunda da humanidade dele, Jesus sentiu tudo o que nos sentimos, no caso do pecado, pecado não é sentir, é claríssima a bíblia quando ele diz que sua alma esta triste ate a morte, e depressão é isso, muitas vezes a perda de um pai, a perda de um marido, é uma situação de estresse, um elástico, vc puxa puxa e solta o elástico, e não volta a ser como era, e ai Jesus diz, pai que não se faça a minha vontade, mas a sua vontade, e a salvação esta em acreditar, na fé, no silencio e principalmente na caridade, normalmente pessoas deprimidas se aprofundam no estresse e na depressão, sair pra caminhar é difícil, mas vai pq vc vai colocar oxigênio no cérebro, sem desprezar o uso de medicamentos, pq as vezes são problemas químicos, não adianta querer fazer comida de braço quebrado, tem que ter humildade no tempo da cura, e saber esperar o tempo da cura é humildade.

Pergunta: “Padre cada vez mais os leigos estão procurando a teologia, porem muitos dizem que a teologia tira a fé, o que o senhor tem a dizer para aqueles que querem conhecer mais a fé?”

Pe. Joãozinho: Que maravilha, de fato muita gente me conhece mais da TV e dos livros, mas nos temos em Taubaté na faculdade Dehoniana , e a teologia é cultivada a 2 mil anos, e ela não é propriedade exclusiva do padre, bispo, papa, ela é patrimônio dos cristãos, eu to montando inclusive um curso a distancia, então como o Daniel entrou no seminário através de um programa, quem não me garante que varias pessoas podem sentir o mesmo agora, então podem ligar e vir fazer teologia conosco, eu tenho 30 razoes para um leigo fazer teologia, eu vou colocar no blog, pq o programa esta chegando ao fim… Mas um aviso ao pessoal da internet, mais ou menos daqui uma hora eu estarei continuando a conversa com os twitteiros de plantão e respondendo as perguntas que ficaram pendentes.

Benção Final.

Fim.

Transcrição: Elizandra Perfeito – (Comunidade Contrários Pe. Fabio de Melo)

Twitter: @LikaPerfeito

BRASÍLIA, terça-feira, 19 de outubro de 2010 (ZENIT.org) – A Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina de Fé da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) prepara um novo subsídio doutrinal, sobre o tema “Doutrina, Teologia e Ensino”.

Uma reunião na sede da CNBB, em Brasília, nessa segunda-feira, discutiu a redação do texto.

“O destaque desta reunião se referiu a um assunto de extrema importância para a Igreja, que é a ‘Doutrina, Teologia e o Ensino’”, afirmou o presidente da Comissão, Dom Walmor Oliveira de Azevedo.

Segundo o arcebispo de Belo Horizonte, este trabalho de elaboração de um novo subsídio é destinado aos bispos, professores e alunos dos seminários.

“A preocupação da Comissão é com a parte teórica da Evangelização, e não apenas com a prática”, afirmou Dom Walmor; refere a assessoria de imprensa da CNBB.

De acordo com o arcebispo, o trabalho para a conclusão do novo subsídio está adiantado. O texto deve passar pela comissão de especialistas [teólogos], em fevereiro, para ser lançado na 49º Assembleia Geral da CNBB, em maio de 2011.

Além do arcebispo de Belo Horizonte, dom Walmor, estiveram presentes na reunião o arcebispo de Brasília, Dom João Braz de Aviz, o arcebispo de São Paulo, cardeal Dom Odilo Pedro Scherer, o bispo de Lorena, Dom Benedito Beni, o bispo de Petrópolis, Dom Filippo Santoro, o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Doutrina de Fé, padre Wilson Angotti e o diretor do departamento de Teologia, padre Paulo Cesar Costa.

Segundo o padre Angotti, na ocasião da apresentação do subsídio será lançado um livro que reunirá todos os documentos da Congregação para a Doutrina da Fé desde o Concílio Vaticano II até hoje.