Archive for the ‘Formacao’ Category

O Grande Milagre: "é preciso crer para ver!"

quinta-feira, outubro 18th, 2012

Este filme tem emocionado muitas pessoas e aberto a nossa visão espiritual para esta realidade. A nossa tendência é ver para crer, mas este filme cheio dos mistérios de nossa fé nos prova o contrário é preciso crer para ver!

O grande milagre é uma história inspiradora que revela a esperança e a fé. A história gira em torno de três personagens em crise: Mônica uma viúva e mãe de uma criança de 9 anos, que faz todos os esforços para manter a sua casa mesmo vivendo o drama da morte prematura do marido muito jovem. Don Chema, um motorista de transporte público que recebe a notícia de uma doença grave que pode levar a morte de seu filho e Dona Cata, uma velha que sente que sua missão na vida é longa. As histórias se entrelaçam quando sentem uma grande necessidade de estar na presença de Deus e se encontram na igreja. E o que não se pode imaginar é que eles estão prestes a mudar suas vidas para sempre. Com a ajuda dos anjos da guarda, vai testemunhar o verdadeiro significado da Missa, uma luta constante entre o bem e o mal, o triunfo da fé.

Como você vive seu relacionamento com Deus? Este ano será para renovar e aprofundar a nossa fé.

Materia relacionada: Nove perguntas sobre o Ano da Fé

Abri as Portas ao redentor!

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
twitter.com/padreluizinho

O que é o Ano da fé, o por quê a Igreja celebra?

quinta-feira, outubro 11th, 2012

“Em Nazaré, conforme seu costume, no dia de sábado, foi à sinagoga e levantou-se para fazer a leitura. Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, encontrou o lugar onde está escrito: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pois ele me consagrou com a unção, para anunciar a Boa Nova aos pobres: enviou-me para proclamar a libertação aos presos e, aos cegos, a recuperação da vista; para dar liberdade aos oprimidos e proclamar um ano de graça da parte do Senhor”. Depois, fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Os olhos de todos, na sinagoga, estavam fixos nele. Então, começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir” (cf. Lc 4, 14-21; Isaías 61,1-2).

Celebrar O Ano da Fé é muito mais do que viver 365 dias como um ano civil, não é um tempo cronológico, mas um “ano da graça do Senhor”. É um Kairós, um tempo em que Deus através da Igreja nos chama para si, para determinada graça que quer renovar ou derramar sobre nós em vista de nossa conversão e de sua Vinda próxima, seguindo a necessidade dos tempos. Segundo a Tradição, o povo Hebreu vivia a cada sete anos um ano sabático, onde durante aquele ano, libertavam-se os presos, perdoavam-se as dividas, e tudo que os animais e a terra produziam pertencia ao Senhor. Era um ano de perdão e ação de graças.

Qual é a grande necessidade dos nossos tempos? “Desde o princípio do meu ministério como Sucessor de Pedro, lembrei a necessidade de redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo. Durante a homilia da Santa Missa no início do pontificado, disse: “A Igreja no seu conjunto, e os Pastores nela, como Cristo devem pôr-se a caminho para conduzir os homens fora do deserto, para lugares da vida, da amizade com o Filho de Deus, para Aquele que dá a vida, a vida em plenitude” (cf. Jo 10,10). Enquanto, no passado, era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje parece que já não é assim em grandes setores da sociedade devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas.” (cf. Porta Fidei n°2).

“Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram tudo o que Deus fizera por meio deles e como ele havia aberto a porta da fé”. (cf. At 14,27).

No Catecismo da Igreja Católica, Professor Felipe Aquino nos apresenta a Fé da Igreja, e nos convida a aprofundar nossos estudos, veja o vídeo:

Pelo Batismo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo recebemos o Dom da Fé, que nos une a Cristo que é a PORTA para a plenitude da vida humana, pelo qual podemos nos dirigir a Deus como Pai e está concluída com a  passagem da morte para vida eterna, fruto da ressurreição do Senhor Jesus, que com o dom do Espírito Santo quis nos fazer participantes de sua própria glória àqueles que creem. Essa é a nossa fé! O Batismo será o sacramento a ser renovado e vivido.

“Pelo batismo fomos sepultados com ele em sua morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dos mortos pela ação gloriosa do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova”. (cf. Rm 6,4).

Reavivar o dom da fé através do encontro com a Pessoa de Cristo: Também o homem contemporâneo pode sentir de novo a necessidade de ir como a samaritana ao poço, para ouvir Jesus que convida a crer n’Ele e a beber na sua fonte, donde jorra água viva: Jesus respondeu: “Todo o que bebe desta água, terá sede de novo; (cf. Jo 4, 14). Devemos readquirir o gosto de nos alimentarmos da Palavra de Deus, transmitida fielmente pela Igreja, e do Pão da vida, oferecidos como sustento de quantos são seus discípulos (cf. Jo 6, 51). De fato, em nossos dias ressoa ainda, com a mesma força, este ensinamento de Jesus: “Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna” (Jo 6, 27). E a questão, então posta por aqueles que O escutavam, é a mesma que colocamos nós também hoje: “Que havemos nós de fazer para realizar as obras de Deus?” (Jo 6, 28). Conhecemos a resposta de Jesus: “A obra de Deus é esta: crer n’Aquele que Ele enviou” (Jo 6, 29). Por isso, crer em Jesus Cristo é o caminho para se poder chegar definitivamente à salvação (cf. Porta Fidei n°3).

Devemos viver este Ano da Fé abrindo o nosso coração ao convite da Mãe Igreja, para aprofundar a nossa fé, nas seguintes e importantes dimensões:

-A fé recebida como um Dom gratuito fruto principal do encontro pessoal com Jesus e do Sacramento do Batismo, que nos une a Cristo e a Sua Igreja;

– Renovar e aprofundar o dom da Fé: através de um caminho de escuta e diálogo com Deus e com os irmãos, pela Sagrada Escritura e pela sã Doutrina da Igreja, ouvindo os seus pastores e os sinais dos tempos;

– Celebrar a fé: no dia a dia celebramos a fé na oração e na celebração, principalmente dos Sacramentos, por excelência a Eucaristia, supremo Sacramento da fé. Este é um dos motivos do Ano da Fé. Celebrar o 50° do Concilio vaticano II na data de 11 de Outubro de 2012; Celebrar o 20° ano da publicação do Catecismo da Igreja Católica promulgação pelo Beato João Paulo II; Celebrar o primeiro fruto deste ano da fé, Assembleia geral do Sínodo dos Bispos neste Mês de Outubro tendo como tema A nova evangelização para a transmissão da fé Cristã;

– Professar a fé: “Idealizou-o como um momento solene, para que houvesse, em toda a Igreja, “uma autêntica e sincera profissão da mesma fé”; quis ainda que esta fosse confirmada de maneira “individual e coletiva, livre e consciente, interior e exterior, humilde e franca” (Disc Paulo VI). Pensava que a Igreja poderia assim retomar “exata consciência da sua fé para reavivá-la, purificar, confirmar, confessar” (Disc Paulo VI). As grandes convulsões, que se verificaram naquele Ano, tornaram ainda mais evidente à necessidade duma tal celebração. Esta terminou com a Profissão de Fé do Povo de Deus, para atestar como os conteúdos essenciais, que há séculos constituem o patrimônio de todos os crentes, necessitam de ser confirmados (cf. Porta Fidei n° 4).

– Testemunhar a fé: estes conteúdos da fé “compreendidos e aprofundados de maneira sempre nova para se dar testemunho coerente deles em condições históricas diversas das do passado” (cf. Porta Fidei n° 4).

– Anunciar a fé: sempre com a Igreja e enviados por Ela os cristãos conscientes e renovados na sua fé anunciarão a Boa Nova com renovado ardor missionário atendendo aos apelos dos nossos tempos.

Motiva-nos o Santo Padre: Pareceu-me que fazer coincidir o início do Ano da Fé com o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II poderia ser uma ocasião propícia para compreender que os textos deixados em herança pelos Padres Conciliares, segundo as palavras do Beato João Paulo II, “não perdem o seu valor nem a sua beleza. É necessário fazê-los ler de forma tal que possam ser conhecidos e assimilados como textos qualificados e normativos do Magistério, no âmbito da Tradição da Igreja. Sinto hoje ainda mais intensamente o dever de indicar o Concílio como a grande graça de que beneficiou a Igreja no século XX: nele se encontra uma bússola segura para nos orientar no caminho do século que começa”. Quero aqui repetir com veemência as palavras que disse a propósito do Concílio poucos meses depois da minha eleição para Sucessor de Pedro: “Se o lermos e recebermos guiados por uma justa hermenêutica, o Concílio pode ser e tornar-se cada vez mais uma grande força para a renovação sempre necessária da Igreja” (cf. Porta Fidei n° 5).

Vamos unidos com toda a Igreja e confiantes trilhar este caminho, atravessar esta Porta, que implica comprometer-se num caminho que dura à vida inteira, pois “eu sei em quem coloquei a minha fé” (cf. 2Tm 1).

“Quero confiar à Santíssima Mãe de Deus todas as dificuldades que vive o nosso mundo na busca de serenidade e de paz; os problemas de tantas famílias que olham para o futuro com preocupação, os desejos dos jovens que se abrem à vida, os sofrimentos dos que esperam gestos e escolhas de solidariedade e de amor. Quero confiar à Mãe de Deus também este especial tempo de graça para a Igreja, que se abre diante de nós. Vós, Mãe do ‘sim’, que escutastes Jesus, falai-nos d’Ele, contai-nos sobre vossa estrada para segui-lo no caminho da fé, ajudai-nos a anunciá-lo para que cada homem possa acolhê-lo e se tornar morada de Deus. Amém!”. Papa Bento XVI

Escute o Podcast na integra:

“Abre as portas ao Redentor!”

Padre Luiz Calos Lima Alves
Comunidade Canção Nova

Comecemos por aqui:

* Carta Apostólica Porta Fidei

* Compêndio do Concilio Vaticano II

* Catecismo da Igreja Católica

* Nota com indicações pastorais para o Ano da Fé

Nove perguntas sobre o Ano da Fé

quarta-feira, outubro 3rd, 2012

Com a Carta apostólica Porta fidei de 11 de outubro de 2011, o Santo Padre Bento XVI convocou um Ano da Fé. Ele começará no dia 11 de outubro 2012, por ocasião do qüinquagésimo aniversário da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II, e terminará aos 24 de novembro de 2013, Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.

Este ano será uma ocasião propícia a fim de que todos os fiéis compreendam mais profundamente que o fundamento da fé cristã é “o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. Bento XVI, Carta Enc. Deus caritas est, n 1. Fundamentada no encontro com Jesus Cristo ressuscitado, a fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o seu esplendor. “Também nos nossos dias a fé é um dom que se deve redescobrir, cultivar e testemunhar” para que o Senhor “conceda a cada um de nós viver a beleza e a alegria de sermos cristãos” Homilia na Festa do Batismo do Senhor, 10 de janeiro 2010.

Mas de que se trata? O que deseja o Santo Padre? O que se pode fazer? A 08 dias do início, respostas às perguntas que surgem.

1. O que é o Ano da Fé?
O Ano da Fé “é um convite para uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo” (Porta Fidei, 6). Um profundo encontro com Deus e aprofundamento da fé.

2. Quando se inicia e quando termina?
Inicia-se a 11 de outubro de 2012 e terminará a 24 de novembro de 2013.

3. Por que nessas datas?
Em 11 de outubro coincidem dois aniversários: o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II e o 20º aniversário da promulgação do Catecismo da Igreja Católica. O encerramento, em 24 de novembro, será a solenidade de Cristo Rei.

4. Por que é que o Papa convocou este ano?
“Enquanto que no passado era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje parece que já não é assim em grandes setores da sociedade, devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas”. Por isso, o Papa convida para uma “autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo”. O objetivo principal deste ano é que cada cristão “possa redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo”.

5. Quais meios assinalou o Santo Padre?
Como expôs no Motu Proprio “Porta Fidei”: Intensificar a celebração da fé na liturgia, especialmente na Eucaristia; dar testemunho da própria fé; e redescobrir os conteúdos da própria fé, expostos principalmente no Catecismo.

6. Onde terá lugar?
Como disse Bento XVI, o alcance será universal. “Teremos oportunidade de confessar a fé no Senhor Ressuscitado nas nossas catedrais e nas igrejas do mundo inteiro, nas nossas casas e no meio das nossas famílias, para que cada um sinta fortemente a exigência de conhecer melhor e de transmitir às gerações futuras a fé de sempre. Neste Ano, tanto as comunidades religiosas como as comunidades paroquiais e todas as realidades eclesiais, antigas e novas, encontrarão forma de fazer publicamente profissão do Credo”.

7. Onde encontrar indicações mais precisas?
Numa nota publicada pela Congregação para a doutrina da fé.

Aí se propõe, por exemplo:

– Encorajar as peregrinações dos fiéis à Sede de Pedro;
– Organizar peregrinações, celebrações e reuniões nos principais Santuários.
– Realizar simpósios, congressos e reuniões que favoreçam o conhecimento dos conteúdos da doutrina da Igreja Católica e mantenham aberto o diálogo entre fé e razão.
– Ler ou reler os principais documentos do Concílio Vaticano II.
– Acolher com maior atenção as homilias, catequeses, discursos e outras intervenções do Santo Padre.
– Promover transmissões televisivas ou radiofônicas, filmes e publicações, inclusive a nível popular, acessíveis a um público amplo, sobre o tema da fé.
– Dar a conhecer os santos de cada território, autênticos testemunhos de fé.
– Fomentar o apreço pelo patrimônio artístico religioso.
– Preparar e divulgar material de caráter apologético para ajudar os fiéis a resolver as suas dúvidas.
– Eventos catequéticos para jovens que transmitam a beleza da fé.
– Aproximar-se com maior fé e frequência do sacramento da Penitência.
– Usar nas escolas ou colégios o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica.
– Organizar grupos de leitura do Catecismo e promover a sua difusão e venda.

8. Que documentos posso ler por agora?
O motu proprio de Bento XVI “Porta Fidei”

A nota com indicações pastorais para o Ano da Fé
O Catecismo da Igreja Católica
40 resumos sobre a fé cristã

9. Onde posso obter mais informação?
Visite os sites annusfidei.va / www.cancaonova.com

Como você pretende viver este ano da Fé? Deixe seus comentarios e novas perguntas.

Fonte: ZENIT.org / http://www.opusdei.org.br/art.php?p=50231)

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
twitter.com/padreluizinho

O Que O Cristão Deve Levar em Sua Mochila?

segunda-feira, setembro 24th, 2012

Nós estamos neste mundo de passagem: a vida é passageira, por isso, buscai as coisas do alto. São João Maria Vianney dizia: “O dia é como uma moeda de ouro que Deus nos dá para comprar a eternidade”. Nós não teremos outra vida para concertar o que fizemos de errado ou para fazer o que deveríamos ter feito ou que você não deixou Deus fazer ou que não fizeram por você. Essa moeda são minhas escolhas, atitudes, minha consciência. Para abraçar aquilo que Jesus já conquistou para mim. São Paulo tem um conselho extraordinário que me faz lembrar o Pe Léo: Se ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas do alto, onde Cristo está entronizado à direita de Deus; cuidai das coisas do alto, não do que é da terra. Pois morrestes, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus (Cl 3, 1-3).

Juntai tesouros para o céu, somos peregrinos aqui e na nossa mochila carregamos nossa missão e o verdadeiro sentido do que buscamos. A felicidade plena, a realização total, a plenitude do seu ser não esta aqui, não se realizará aqui na terra. Nós não ouvimos, nem vemos o que Deus tem preparado para aqueles que Ele ama, essa é a nossa esperança eu vou ressuscitar e vamos viver a eternidade. Agora a escolha do que eu serei na eternidade se faz no tempo presente aqui e agora. Nós estamos peregrinando na face da terra, e nossa vida não pode ser de qualquer jeito e nesta peregrinação Deus nos deu uma mochila, que nos dar todas as condições para viver neste mundo e para viver a eternidade:  Mas, como está escrito, “o que Deus preparou para os que o amam é algo que os olhos jamais viram, nem os ouvidos ouviram, nem coração algum jamais pressentiu” (cf. 1Cor 2,9).

O que carregar nesta mochila?

Ouça tudo na integra no PODCAST:

Primeiro item que o cristão leva: O DOM CARISMÁTICO DA FÉ não é a cruz como alguns pensaram que seria a cruz, mas a cruz sem fé não tem sentido. – Quem crer e for batizado será salvo. Quem não crer será condenado. (São Marcos 16,16);

“A fim de que todo o que nele crer tenha vida eterna”. (São João 3,15);

A fé é a certeza daquilo que ainda se espera a demonstração de realidades que não se vêem. Ora, sem a fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima deve crer que ele existe e recompensa os que o procuram. (Cf. Hb 11,1. 6).

Segunda coisa que se leva na mochila: A CRUZ: Chamou, então, a multidão, juntamente com os discípulos, e disse-lhes: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”! (São Marcos 8,34).

E quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. (São Mateus 10,38).

Quem não carrega sua cruz e não caminha após mim, não pode ser meu discípulo. (São Lucas 14,27)

Carregando a sua cruz, ele saiu para o lugar chamado Calvário (em hebraico: Gólgota). (São João 19,17).

Terceiro item de necessidades básicas: A PALAVRA DE DEUS – Aquele, porém, que guarda a sua palavra, nele o amor de Deus é verdadeiramente perfeito. É assim que conhecemos se estamos nele: (I São João 2,5);

Lâmpada para meus passos é tua palavra e luz no meu caminho. (Salmos 119,105).

Quarto item indispensável: OS SACRAMENTOS entre eles os principais Eucaristia e Confissão:

Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo. Então Jesus lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida. Quem come a minha carne e bebe (Jo 6, 51. 53-56).

Eucaristia celebrada e adorada.

Confissão como um sacramento de cura e libertação: Então, soprou sobre eles e falou: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, serão perdoados; a quem os retiverdes, ficarão retidos”. (São João 20,22-23).

Quinto item: O LOUVOR e a ação de graças deve ser a linguagem do cristão que caminha para santidade. O louvor abre as portas do sobrenatural:

Todas as manhãs devem apresentar-se para cantar graças e louvores ao SENHOR, e da mesma forma à tarde, (I Crônicas 23,30);

Entoaram um hino de louvor e gratidão ao SENHOR, cantando: “Sim, ele é bom, eterno é seu amor para com Israel”. E todo o povo manifestava em altas vozes sua alegria, louvando o SENHOR, porque estavam sendo colocados os fundamentos da Casa do SENHOR. (Esdras 3,11);

Aleluia! Louvai a Deus no seu santuário, louvai-o no firmamento do seu poder. Louvai-o por suas grandes obras, louvai-o pela sua imensa grandeza. Louvai-o tocando trombetas, louvai-o com harpa e cítara; louvai-o com tímpanos e danças, louvai-o nas cordas e nas flautas. Louvai-o com címbalos sonoros, louvai-o com címbalos retumbantes; todo ser vivo louve o SENHOR. Aleluia! (Sl 150).

Sexto item: A INTIMIDADE COM MARIA, relacionamento de filho. Isso será bem representado pela oração do Terço, meditando os mistérios de Nossa Salvação; “Sua mãe guardava todas estas coisas no coração” (Lucas 2,19.51).

Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, eis o teu filho!” Depois disse ao discípulo: “Eis a tua mãe!” A partir daquela hora, o discípulo a acolheu no que era seu. (cf. Jo 19,26-27).

Sétimo item no caminho de perfeição: VIDA INTERIOR, oração pessoal, direção espiritual, onde nós vamos adquirindo sensibilidade para escutar a Deus e principalmente para respondê-lo com o testemunho de vida. Leia o Livro de Santa Tereza de Jesus: Castelo Interior ou Moradas.

Reze A Quaresma de São Miguel Arcanjo

Reveja a sua missão e a sua mochila. Clique e deixe seu comentário e pedido e oração.

Ide pelo mundo inteiro e a todos pregai o Evangelho. Mc 16,15

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

A fé é coroada pelo amor e a perseverança

quinta-feira, setembro 20th, 2012

No próximo dia 11 de Outubro entraremos no Ano da Fé proposto pelo Papa Bento XVI, para comemorar o cinqüentenário do Concílio Vaticano II e os Vinte anos do Novo Catecismo da Igreja Católica. A grande sugestão do Papa é que passemos por uma grande renovação em nossa fé. Isto se dará pelo aprofundamento da mesma fé na Santíssima Trindade a partir do Dom da Vida Nova, que recebemos no do Batismo, da fé professada em nossa vida, ou seja, rezar, celebrar e testemunhar a Fé. Grande contribuição para nós é a vida e o testemunho dos Santos, que acendem a esperança, o amor e o desejo de, pelo exercício fé, alcançarmos a santidade. Hoje celebramos este testemunha belíssimo de Santo André Kim Taegón e seus companheiros mártires:

Meus caríssimos irmãos e amigos considerai como Deus no princípio dos tempos dispôs os céus, a terra e todas as coisas; meditai também com que especial intenção criou o ser humano à sua imagem e semelhança.

Se, pois, nesta vida de perigos e miséria, não reconhecermos o Criador, de nada nos servirá termos nascido e continuar vivendo. Já neste mundo pela graça divina, pela mesma graça recebemos o batismo, entrando no seio da Igreja e tornando-nos discípulos do Senhor. Mas, trazendo assim o precioso nome de cristãos, de que nos servirá tão grande nome, se na realidade não o formos? Seria inútil termos nascido e ingressado na Igreja se traíssemos o Senhor e a sua graça; melhor seria não termos nascido do que, recebendo a sua graça, pecarmos contra ele.

Considerai o agricultor ao lançar a semente no campo: primeiro, prepara a terra com o suor do seu rosto e depois joga a preciosa semente; chegando o tempo da colheita, alegra-se de coração com as espigas cheias, esquecendo seu trabalho e suor, e dançando de alegria; se, porém as espigas permanecem vazias não sendo mais que palha e casca, o agricultor deplora o duro labor com que suou, sentindo-se tanto mais desesperado quanto mais trabalhou.

De modo semelhante, cultiva o Senhor a terra como seu campo, sendo nós os grãos de arroz; rega-nos com o seu sangue na sua Encarnação e Redenção para que possamos crescer e amadurecer; quando, no dia do juízo, vier o tempo da colheita, quem pela graça for achado maduro gozará o reino dos céus como filho adotivo de Deus. Quanto aos outros, que não amadureceram, tornar-se-ão inimigos, punidos para sempre, embora também tenham se tornado filhos adotivos de Deus pelo batismo.

Irmãos caríssimos lembrai-vos de que nosso Senhor Jesus, descendo a este mundo, sofreu inúmeras dores e tendo fundado a Igreja por sua paixão, ele a faz crescer pelos sofrimentos dos fiéis. Apesar de todas as pressões e perseguições, os poderes terrenos não poderão prevalecer: da Ascensão de Cristo e do tempo dos apóstolos até hoje, a santa Igreja continua crescendo no meio das tribulações.

Também nesta nossa terra da Coréia, durante os cinquenta ou sessenta anos em que a santa Igreja se estabeleceu aqui, os fiéis sempre sofreram perseguições. Hoje acendeu-se de novo a perseguição; muitos amigos são, como eu, lançados nos cárceres, enquanto também sofreis tribulações. Unidos num só corpo, como não ficarão tristes os nossos corações? Como, humanamente, não experimentarmos a dor da separação?

Deus, porém, como diz a Escritura, cuida de cada cabelo de nossa cabeça, e o faz com toda a sabedoria; portanto, como não considerar esta perseguição senão como permitida pelo Senhor, ou mesmo, seu prêmio ou, até, sua pena?

Abraçai, pois, a vontade de Deus, combatendo de todo o coração pelo vosso chefe Jesus e vencendo o demônio, já vencido por ele.

Eu vos peço: não deixeis de lado o amor fraterno, mas ajudai-vos uns aos outros, perseverando até que o Senhor tenha piedade de nós e afaste a tribulação.

Aqui somos vinte e, pela graça de Deus, todos ainda estão bem. Caso algum de nós venha a morrer, peço não negligenciardes a sua família. Muitas coisas teria ainda a dizer-vos, mas como posso exprimi-las em tinta e papel? Por isso vou terminar minha carta. Aproximando-se para nós a luta, peço-vos finalmente que caminheis com fidelidade, de modo que no céu nos possamos congratular. Deixo-vos aqui meu ósculo de amor.

Da última Exortação de Santo André Kim Taegón, presbítero e mártir.
(Pro Corea. Documenta. ed. Mission Catholique Séoul, Séoul-Paris 1938, Vol. I, 74-75)(Séc. XIX)

Reze A Quaresma de São Miguel Arcanjo

Estes homens e mulheres são os mártires, que deram testemunho de Jesus, deram louvor ao seu Senhor, com fé e coragem. Sangue de mártires: semente de cristãos!
Considerados cidadãos desconhecidos, embora fossem muito conhecidos como mortos, e, contudo, eis que vivem, nada tendo, embora tudo possuindo. Sangue de mártires: sementes de cristãos! Cf. 2Cor 6,9-10

Oração: Ó Deus, criador e salvador de todas as raças, por vossa bondade, chamastes à fé a muitos irmãos na região da Coréia e os fizestes crescer pelo testemunho glorioso dos mártires André, Paulo e seus companheiros. Concedei que, pelo exemplo e intercessão deles, possamos perseverar até a morte na observância de vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Escute o PODCAST: Proclamai o Senhorio de Jesus!

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
twitter.com/padreluizinho

Nascimento de Maria: Como poderemos celebrar este dia dignamente?

sábado, setembro 8th, 2012

Hoje, é comemorado o dia em que Deus começa a pôr em prática o Seu plano eterno, pois era necessário que se construísse a casa, antes que o Rei descesse para habitá-la. Esta “casa”, que é Maria, foi construída com sete colunas, que são os dons do Espírito Santo. Clique aqui em Santo do Dia e conheça mais sobre a Natividade de Nossa Senhora.

Deus Onipotente, antes que o homem caísse, previu a sua queda e decidiu, antes dos séculos, a redenção humana. Decidiu, portanto, encarnar-Se em Maria”.

Como poderemos celebrar este dia dignamente? Deus, em Seu infinito amor, quis nos dar uma Mãe, e aceitando a condição humana, criou Maria para que a Encarnação acontecesse, e o impossível aos nossos olhos, Deus o faz por amor: o Criador nasce da criatura!

Nossa Senhora, como todo filho de Deus, teve um dia para nascer. Não se sabe ao certo o dia do nascimento de Maria, a quem com muito carinho chamamos de Nossa Senhora Menina. Acesse e saiba mais: A Devoção e o culto a Nossa Senhora Menina.

Eliana Ribeiro fala sobre o amor de Nossa Senhora: Permita-se ser cuidado por Nossa Senhora

O que era antigo passou, eis que tudo se fez novo.

O fim da lei é Cristo (Rm 10,4), que ao mesmo tempo separa da lei e eleva para o espírito. Nele está a consumação, pois o próprio legislador – tendo cumprido e terminado tudo – transfere a letra para o espírito. Assim tudo recapitula em si mesmo, vivendo a graça depois da lei. A lei, porém, submetida; a graça, harmoniosamente adaptada e unida. Não misturadas e confundidas as características de uma com as da outra, mas mudado de modo divino o que era pesado, servil e escravo, em leve e liberto, para que não mais estejamos reduzidos à servidão dos elementos do mundo (Gl 4,3), como diz o Apóstolo, nem sujeitos ao jugo da escravidão da letra da lei.

É este o resumo dos benefícios de Cristo para nós; é esta a manifestação do mistério; é o aniquilamento da natureza; é Deus e homem; é a deificação do homem assumido. Todavia era absolutamente necessário ao esplendor e à evidência da vinda de Deus aos homens uma introdução jubilosa, antecipando para nós o grande dom da salvação. Este é o sentido da solenidade de hoje que tem início na natividade da Mãe de Deus, cuja conclusão perfeita é a predestinada união do Verbo com a carne. Agora a Virgem nasce, é alimentada com leite, plasmada e preparada como mãe para o Deus e rei de todos os séculos.

Neste momento, foi-nos dado duplo proveito: um, a elevação à verdade; outro, a rejeição da servidão e da vida sob a letra da lei. De que modo, com que fim? Pelo desaparecimento da sombra com a chegada da luz; em lugar da letra, a graça que dá a liberdade. Nossa solenidade está na fronteira entre a letra e a graça, unindo a realidade que chega aos símbolos que a figuravam, substituindo o antigo pelo novo.

Portanto cante e exulte toda a criação e contribua com algo digno para a alegria deste dia. É um só o júbilo dos céus e da terra; juntos festejem tudo quanto está unido no mundo e acima do mundo. Pois hoje se construiu o templo criado do Criador de tudo, e pela criatura, de forma nova e bela, preparou-se nova morada para o seu Autor.

Dos Sermões de Santo André de Creta, bispo
(Oratio 1: PG 97,806-810) (Séc.VIII).

Celebremos com carinho o natal da Mãe de Deus; Sua vida gloriosa ilumina toda a Igreja. Com alegre coração para Cristo entoemos nosso canto de louvor nesta festa de Maria, a Mãe de Deus altíssima.

Oh! Graciosíssima menina! Que com vosso feliz Nascimento haveis consolado ao mundo, alegrado ao céu e aterrado ao inferno; Haveis dado ajuda aos caídos, esperança aos tristes, saúde aos enfermos e alegria a todos; Suplicamos-vos com os, mas fervorosos afetos que renasçais espiritualmente com vosso Santo amor em nossas almas; Renovai nosso espírito para que vos sirvamos, acendei de novo nosso coração para que vos amemos; E fazei florescer em nós aquelas virtudes com as quais possamos fazer-nos sempre mais agradáveis a vossos benigníssimos olhos. Oh! Maria! Sede para nós Maria, fazendo-nos experimentar os saudáveis efeitos de vosso suavíssimo nome; Sirva-nos a invocação deste nome de alívio nos trabalhos, de esperança nos perigos, de escudo nas tentações, de alimento na morte. Seja o nome de Maria como mel na boca, a melodia no ouvido, e o júbilo no coração. Assim seja. a vosso dulcíssimo e amabilíssimo coração. Amém

Clique aqui e: Reze a Quaresma de São Miguel Arcanjo

Clique em comentários e deixe os seus pedidos de orações a Nossa Senhora.

Minha benção fraterna.

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
twitter.com/padreluizinho

Semana da Pátria: O Brasil precisa da Palavra de Deus!

segunda-feira, setembro 3rd, 2012

Nós brasileiros não podemos esquecer a nossa história, um povo que não conhece sua origem de onde veio, como nasceu, em quais alicerces foram construída a nossa nação não pode celebrar a sua identidade, muito menos a sua independência. Nascemos da Palavra de Deus celebrada na Eucaristia.  O nosso mais forte alicerce é a cruz, pois foi sobre ela que se deu o “batismo” do nosso país: Terra de Santa Cruz de Cabralia.

“Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR, o povo que escolheu para si como herança” Sl 33, 12.

O Senhor escolheu o Brasil por sua herança, aqui colocou os seus valores e a sua vida divina. Para chegar aqui desbravou o mar bravio, venceu as tempestades e os piratas. Antes de ser vontade daqueles que navegavam em Pinta, Ninã e Santa Maria e guiavam-se por uma bússola ou por um mapa, era vontade de Deus descobrir o Brasil e que o Evangelho aqui fosse pregado e que essa terra fosse edificada pelo sacrifício de Cristo. O nosso país nasceu da fé e cresceu sobre os alicerces dos valores do Evangelho, principalmente a vida humana.

Ao celebrarmos a independência, precisamos pensar em coisas sérias para o povo e o futuro do nosso país. Você permitiria que uma criança fosse abortada no ventre de sua mãe aos nove meses da gravidez? É preciso gritar a independência do Brasil contra a descriminalização do aborto. Contra a destruição da família, patrimônio da humanidade, de valores humanos e educação. Você que celebrará a liberdade do Brasil conhece a “lei da mordaça” contra a liberdade religiosa de livre escolha e liberdade de expressar sua fé? Eu quero continuar proclamando a minha independência do pecado e da morte e gritar que Jesus Cristo é o Senhor da minha vida e da minha nação.

A pornografia anda desenfreada na nossa sociedade e a imoralidade não é mais algo escondido. A pedofilia e abusos sexuais contra crianças e adolescentes acontecem em todos os níveis da sociedade e em todos os cantos do nosso país. A indústria pornográfica possui imunidade tributaria, fazem em media dois filmes pornográficos por dia. A família enfraqueceu, querem que a célula da família seja somente aquilo que for uma união estável entre duas pessoas. Isso quer dizer, que as nossas crianças num futuro próximo não poderão chamar papai e mamãe e crescerão sem uma identidade sexual. E querem instituir o divórcio de fato, ou “menos mal” casamento contrato com prazo de validade, dois, três anos. Quando acabar o contrato acabou o casamento.

Precisamos clamar pelo nosso país e gritar independência contra toda forma de morte, pecado e dominação. Levantar um grande movimento de intercessão. Um apelo a todos os brasileiros, principalmente neste ano de eleições. Não pensar somente em si, mas no bem de todo o povo brasileiro: “Não temais ímpias falanges, que apresentam face hostil; vossos peitos, vossos braços são muralhas do Brasil. Brava gente brasileira! Longe vá… temor servil: Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil” (Hino da Independência).

Para que nosso povo cresça livre sobre o olhar Daquele que lançou os alicerces fortes e profundos e não tenhais medo de ser que é: TERRA DE SANTA CRUZ!

Exultai justos, no SENHOR, que merece o louvor dos que são bons.
Louvai o SENHOR com a cítara, com a harpa de dez cordas cantai-lhe.

Cantai-lhe um cântico novo, tocai a cítara com arte, bradai.
Pois sincera é a palavra do SENHOR e fiel toda a sua obra.

Ele ama o direito e a justiça, da sua bondade a terra está cheia.
Pela palavra do Senhor foram feitos os céus,
pelo sopro de sua boca tudo quanto os enfeita.

Como num dique recolheu as águas do mar,
encerrou em comportas os oceanos.
Que toda a terra respeite o SENHOR,
tremam diante dele todos os habitantes do mundo,

pois ele falou e tudo se fez, ordenou e tudo começou a existir.

O SENHOR anula os desígnios das nações, frustra os projetos dos povos.
Mas o plano do SENHOR é estável para sempre,
os pensamentos do seu coração por todas as gerações.

Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR,
o povo que escolheu para si como herança
.
Do céu o SENHOR está olhando, ele vê a humanidade inteira.

Do lugar onde mora observa todos os habitantes da terra.

Foi ele que lhes formou o coração, ele compreende tudo o que fazem.

O rei não se salva por um forte exército nem o herói por seu grande vigor.
O cavalo não ajuda a vencer, com toda a sua força não poderá salvar.

O olhar do SENHOR vigia sobre quem o teme sobre quem espera na sua graça,
Para livrá-lo da morte e nutri-lo no tempo da fome.

Nossa alma espera pelo SENHOR, é ele o nosso auxílio e o nosso escudo.
Nele se alegra o nosso coração e confiamos no seu santo nome.
SENHOR esteja sobre nós a tua graça, do modo como em ti esperamos.
Salmo 33

Clique aqui e Reze A Quaresma de São Miguel Arcanjo

Vence Brasil! Abençoa Senhor o nosso país e o povo brasileiro.

Minha benção fraterna.

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Matéria relacionada: 10 Dicas para Ler Bem a Palavra de Deus

PODCAST: Três Temas Pertinentes Para Semana Nacional da Família

sexta-feira, agosto 17th, 2012

Neste mês vocacional a Igreja do Brasil celebra a Semana Nacional da Família de 12 a 18 de Agosto. Tendo como tema este ano Família: O Trabalho e a Festa. Refletindo o papel da família na nossa sociedade como núcleo vital do desenvolvimento da humanidade. A necessidade do trabalho, mas também de valorizar o tempo para crescer no relacionamento entre pais e filhos e com Deus.

Em meio ao nosso tempo onde os valores humanos e evangélicos estão sendo substituídos de maneira desordenada por valores desumanos e anticristãos é preciso anunciar e denunciar os abusos e violências contra a Família santuário da vida. O Evangelho e a Igreja nos apresentam qual modelo de família serve para todos os tempos e lugares. Nestes três PODCAST’S onde trabalhei no Retiro de Espiritualidade para Casais aqui na casa de Lavrinhas trago para você três temas pertinentes:

O Alicerce e a Força da Fé dos pais para os filhos:

Eu e minha casa serviremos ao Senhor:

Mistério de Amor: DEUS É PAI E MÂE:

REZE A QUARESMA DE SÂO MIGUEL ARCANJO

Que Deus abençoe sua família.

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador na Casa de Pré-discípulado.