Archive for the ‘Sem Categoria’ Category

Espiritualidade As lições de Nazaré

quinta-feira, dezembro 23rd, 2010

Nazaré é a escola onde se começa a compreender a vida de Jesus: a escola do Evangelho.
Aqui se aprende a olhar, a escutar, a meditar e penetrar o significado, tão profundo e tão misterioso, dessa manifestação tão simples, tão humilde e tão bela, do Filho de Deus. Talvez se aprenda até, insensivelmente, a imitá-lo.

Aqui se aprende o método que nos permitirá compreender quem é o Cristo. Aqui se descobre à necessidade de observar o quadro de sua permanência entre nós: os lugares, os tempos, os costumes, a linguagem, as práticas religiosas, tudo de que Jesus se serviu para revelar-se ao mundo. Aqui tudo fala tudo tem um sentido.

Aqui, nesta escola, compreende-se a necessidade de uma disciplina espiritual para quem quer seguir o ensinamento do Evangelho e ser discípulo do Cristo.

Oh! Como gostaríamos de voltar à infância e seguir essa humilde e sublime escola de Nazaré! Como gostaríamos, junto a Maria, de recomeçar a adquirir a verdadeira ciência e a elevada sabedoria das verdades divinas.

Mas estamos apenas de passagem. Temos de abandonar este desejo de continuar aqui o estudo, nunca terminado, do conhecimento do Evangelho. Não partiremos, porém, antes de colher às pressas e quase furtivamente algumas breves lições de Nazaré.

Primeiro, uma lição de silêncio. Que renasça em nós estima pelo silêncio, essa admirável e indispensável condição do espírito; em nós, assediados por tantos clamores, ruídos e gritos em nossa vida moderna barulhenta e hipersensibilizada. Ó silêncio de Nazaré ensina-nos o recolhimento, a interioridade, a disposição para escutar as boas inspirações e as palavras dos verdadeiros mestres. Ensina-nos a necessidade e o valor das preparações, do estudo, da meditação, da vida pessoal e interior, da oração que só Deus vê no segredo.

Uma lição de vida familiar. Que Nazaré nos ensine o que é família, sua comunhão de amor, sua beleza simples e austera, seu caráter sagrado e inviolável; aprendamos de Nazaré o quanto a formação que recebemos é doce e insubstituível: aprendamos qual é sua função primária no plano social.

Uma lição de trabalho. Ó Nazaré, ó casa do “filho do carpinteiro”! É aqui que gostaríamos de compreender e celebrar a lei, severa e redentora, do trabalho humano, aqui, restabelecer a consciência da nobreza do trabalho; aqui, lembrar que o trabalho não pode ser um fim em si mesmo, mas que sua liberdade e nobreza resultam mais que de seu valor econômico, dos valores que constituem o seu fim. Finalmente, como gostaríamos de saudar aqui todos os trabalhadores, do mundo inteiro e mostrar-lhes seu grande modelo, seu divino irmão, o profeta de todas as causas justas, o Cristo nosso Senhor.

Das alocuções do papa Paulo VI (alocução pronunciada em Nazaré a 5 de janeiro de 1964).

Extraído das Leituras das Horas, Domingo da Sagrada Família, página 382.

A vida oculta de Jesus edificante é relembrar;
Dizer em verso a vida pobre de Nazaré,
humilde lar.
Na arte humilde de José,jovem Jesus já se inicia.
E ao trabalho do operário de boa mente se associa.

Junto do filho está à mãe,junto ao esposo a santa esposa.

Lá se compensam os cansaços por amizade afetuosa.

Vós ó Senhor, que conheceis bem o trabalho e o suor.

Daí vossa ajuda aos que trabalham ouvi dos fracos o clamor.
A vós Jesus, que pelo exemplo a vida santa nos mostrais,
Glória com o Pai e o Espírito com Quem nos séculos reinais.

Clique em comentários e deixe sua opinião, suas orações.

Oração: Ó Deus de bondade, que nos destes a Sagrada Família como exemplo, concedei-nos imitar em nossos lares as suas virtudes, para que, unidos pelos laços do amor, possamos chegar um dia às alegrias da vossa casa. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém

Sagrada Família de Nazaré intercedeis por nós!

Natal feliz é Natal com Cristo.

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

Advento: Vigiai Cristo virá de novo!

sexta-feira, dezembro 10th, 2010

Para impedir que os discípulos o interrogassem sobre o momento de sua vinda, disse-lhes Cristo: Àquela hora ninguém a conhece, nem os anjos nem o Filho. Não vos compete saber o tempo e o momento (cf. Mc 13,32-33). Ocultou-nos isso para que ficássemos vigilantes e cada um de nós pudesse pensar que esse acontecimento se daria durante a nossa vida. Se tivesse revelado o tempo de sua vinda, esta deixaria de ter interesse e não seria mais desejada pelos povos da época em que se manifestará. Ele disse que viria, mas não declarou o momento e por isso as gerações e todos os séculos o esperam ardentemente.

Embora o Senhor tenha dado a conhecer os sinais de sua vinda, não se vê exatamente o último deles, pois numa mudança contínua, esses sinais apareceram e passaram e, por outro lado, ainda perduram. Sua última vinda será igual à primeira. Os justos e os profetas o desejavam, pensando que se manifestaria em seu tempo; do mesmo modo, cada um dos fiéis de hoje deseja recebê-lo em sua época, pois ele não disse claramente o dia em que viria. E isto sobretudo para ninguém pensar que está submetido a uma determinação e hora, ele que domina os números e os tempos. Como poderia estar oculto àquele que descreveu os sinais de sua vinda, o que ele próprio estabeleceu? O Senhor pôs em relevo esses sinais para que, desde o primeiro dia, os povos de todos os séculos pensassem que ele viria no próprio tempo deles.

Permanecei vigilantes porque, quando o corpo dorme, é a natureza que nos domina e nossa atividade é então dirigida não por nossa vontade, mas pelos impulsos da natureza. E quando a alma está dominada por um pesado torpor, como por exemplo a pusilanimidade ou a tristeza, é o inimigo que a domina e a conduz, mesmo contra a sua vontade. Os impulsos dominam a natureza e o inimigo domina a alma.

Por isso. O Senhor recomendou ao homem a vigilância tanto da alma como do corpo: ao corpo, para que se liberte da sonolência; e à alma, para que se liberte da indolência e pusilanimidade. Assim diz a Escritura: Vigiai, justos (cf. 1Cor 15,34); e também: Despertei e ainda estou contigo (cf. S1 138,18); e ainda: Não desanimeis (cf. Jo 16,33). Por isso não desanimamos no exército do ministério que recebemos (2Cor 4,1).

Santo Efrém, diácono e doutor da Igreja, séc.
IV Do Comentário sobre o Diatéssarom, (Cap. 18,15-17, SCh 121,325-328)

Essa é uma fé da Igreja, que nós rezamos nos prefácios das Missas do Advento.

Prefácio do Advento I
(As duas vindas de Cristo)

Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo lugar, Senhor, Pai Santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Revestido da nossa fragilidade, ele veio a primeira vez para realizar seu eterno plano de amor e abrir-nos o caminho da salvação. Revestido de sua glória, ele virá uma segunda vez para conceder-nos em plenitude os bens prometidos que hoje, vigilantes, esperamos. Por essa razão, agora e sempre, nós nos unimos aos anjos e a todos os santos, cantando (dizendo) a uma só voz…

Mas o Senhor virá, Ele não tardará!
Que eu seja santo, santo, santo,
pois Deus é santo, santo, santo.

Que a santidade da minha vida apresse o Senhor e Ele logo virá
Mas o Senhor virá, Ele não tardará
Que eu seja santo, santo, santo,
pois Deus é santo, santo, santo. Apresse o Senhor e Ele logo virá

Somos, Senhor, Tua Igreja que aguarda e apressa Tua vinda gloriosa.
Que o Senhor nos encontre em paz, puros e santos.
Somos, Senhor, Tua Igreja, que aguarda e apressa Tua vinda gloriosa.
Que o Senhor nos encontre em paz, puros e santos. ( Ricardo Sá )

Como você se prepara para Segunda vinda de Jesus? Clique e deixe o seu comentário.

Natal feliz é Natal com Cristo!

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

Você conhece os personagens do Advento?

segunda-feira, novembro 29th, 2010

Todo tempo litúrgico é rico em figuras e símbolos para nos ajudar a celebrar o Mistério de Cristo em nossas vidas, não poderia ser diferente no Advento. Personagens bíblicos que no decorrer das quatro semanas nos acompanharão e nos revelarão como deve ser a nossa expectativa, vigilância e conversão para a chagada de Jesus que vem! Vamos conhecer?

Escute este conteúdo:

ISAIAS

É o profeta que, durante os tempos difíceis do exílio do povo eleito, levava a consolação e a esperança. Na segunda parte do seu livro, dos capítulos 40 – 55 (Livro da Consolação) anunciam a libertação, fala de um novo e glorioso êxodo e da criação de uma nova Jerusalém, reanimando assim, os exilados. As principais passagens deste livro são proclamadas durante o tempo do Advento num anúncio perene de esperança para os homens de todos os tempos.

JOÃO BATISTA

É o último dos profetas e segundo o próprio Jesus, “mais que um profeta”, “o maior entre os que nasceram de mulher”, o mensageiro que veio diante d’Ele a fim de lhe preparar o caminho, anunciando a sua vinda (conf. Lc 7, 26 – 28), pregando aos povos a conversão, pelo conhecimento da salvação e perdão dos pecados (Lc 1, 76s). A figura de João Batista ao ser o precursor do Senhor e aponta-lO como presença já estabelecida no meio do povo, encarna todo o espírito do Advento; por isso ele ocupa um grande espaço na liturgia desse tempo, em especial no segundo e no terceiro domingo.
João Batista é o modelo dos que são consagrados a Deus e que, no mundo de hoje, são chamados a também ser profetas e profecias do reino, vozes no deserto e caminho que sinaliza para o Senhor, permitindo, na própria vida, o crescimento de Jesus e a diminuição de si mesmo, levando, por sua vez os homens a despertar do torpor do pecado.

MARIA

Não há melhor maneira de se viver o Advento que unindo-se a Maria como mãe, grávida de Jesus, esperando o seu nascimento. Assim como Deus precisou do sim de Maria, hoje, Ele também precisa do nosso sim para poder nascer e se manifestar no mundo; assim como Maria se “preparou” para o nascimento de Jesus, a começar pele renúncia e mudança de seus planos pessoais para sua vida inteira, nós precisamos nos preparar para vivenciar o Seu nascimento em nós mesmos e no mundo, também numa disposição de “Faça-se em mim segundo a sua Palavra” (Lc 1, 38), permitindo uma conversão do nosso modo de pensar, da nossa mentalidade, do nosso modo de viver, agir etc. Em Maria encontramos a realização da expectativa messiânica de todo o Antigo Testamento.

JOSÉ

Nos textos bíblicos do Advento, se destaca José, esposo de Maria, o homem justo e humilde que aceita a missão de ser o pai adotivo de Jesus. Ao ser da descendência de Davi e pai legal de Jesus, José tem um lugar especial na encarnação, permitindo que se cumpra em Jesus o título messiânico de “Filho de Davi”. José é justo por causa de sua fé, modelo de fé dos que querem entrar em diálogo e comunhão com Deus.

Clique em comentários e responda: Você conhecia os personagens do advento?

Estes santos personagens vão caminhar conosco nos preparando para o natal de Jesus. Com os Profetas Isaias e João batista nós pedimos a Deus Pai a graça de nunca perder a esperança, a fé nas promessas de Deus. Com Maria e São José queremos aprender a acolher a Vontade de Deus em nossa vida e dar o nosso sim ao Seu plano de Salvação.

Existem outros personagens bíblicos, como os pastores, que avisados pelos anjos são os primeiros depois de José e Maria a ver o menino Jesus: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e na terra, paz aos que são do seu agrado!” Quando os anjos se afastaram deles, para o céu, os pastores disseram uns aos outros: “Vamos a Belém, para ver a realização desta palavra que o Senhor nos deu a conhecer”. Os reis magos que vindo de longe oferecem ao Menino Deus seus presentes e sua Adoração: Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele e o adoraram. Depois abriram seus cofres e lhe ofereceram presentes: ouro, incenso e mirra”. Essa deve ser a atitude nossa neste tempo para quando Jesus chegar possamos adorá-lo de todo o nosso coração.

Oração: Imploramos ó Deus, a vossa clemência, ao recordar cada ano o mistério pascal que renova a dignidade humana, e nos traz a esperança da ressurreição: concedei-nos acolher sempre com amor o que celebramos com fé. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Natal feliz é Natal com Cristo!

Minha benção fraterna+

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

Conheça e Reze com a Santa que viu Nossa Senhora das Graças

sábado, novembro 27th, 2010

Celebramos neste dia o testemunho de vida cristã e mariana daquela que foi privilegiada com a aparição de Nossa Senhora, a qual deu origem ao título de Nossa Senhora das Graças ou da Medalha Milagrosa. Santa Catarina de Labouré nasceu na França do século XIX numa família que, como tantas outras, sofria com as guerras napoleônicas.

Com a morte da mãe, Catarina assumiu com empenho e maternidade a educação dos irmãos, até que ao findar desta sua missão, colocou-se a serviço do Bom Mestre, quando se consagrou a Jesus na Congregação das Filhas da Caridade. Aconteceu que em 1830 sua vida se entrelaçou mais intimamente com os mistérios de Deus, pois a Virgem Maria começa a lhe aparecer, a fim de enriquecer toda a Igreja e atingir o mundo com sua Imaculada Conceição, por isso descreveu Catarina:

“A Santíssima Virgem apareceu ao lado do altar, de pé, sobre um globo com o semblante de uma senhora de beleza indizível; de veste branca, manto azul, com as mãos elevadas até à cintura, sustentava um globo figurando o mundo encimado por uma cruzinha. A Senhora era toda rodeada de tal esplendor que era impossível fixá-la. O rosto radiante de claridade celestial conservava os olhos elevados ao céu, como para oferecer o globo a Deus.. A Santíssima Virgem disse: Eis o símbolo das graças que derramo sobre todas as pessoas que mas pedem”.

Esta devoção nascida a partir de uma Providência Divina e abertura de coração da simples Catarina, tornou-se escola de santidade para muitos, a começar pela própria Catarina que muito bem soube se relacionar com Jesus por meio da Imaculada Senhora das Graças. Santa Catarina passou 45 anos de sua vida num convento, onde viveu o Evangelho, principalmente no tocante da humildade, pois ninguém sabia que ela tinha sido o canal desta aprovada devoção que antecedeu e ajudou na proclamação do Dogma da Imaculada Conceição de Nossa Senhora em 1854. Santa Catarina de Labouré entrou no Céu, ou seja, no convívio eterno com Jesus e Maria em 1876.

Durante toda a sua permanência na “Rue du Bac”, Catarina viu Jesus na Hóstia consagrada, na Comunhão e na Exposição do Santíssimo Sacramento.

Oração de João Paulo II, na Capela.

Oh Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós!É esta a oração, o’ Maria, que tu inspiraste a Santa Catarina Labouré, neste lugar, há cento e cinqüenta anos; doravante, esta invocação, gravada na Medalha, é levada e pronunciada por tantos fiéis no mundo inteiro […] Tu és bendita entre todas as mulheres!
Tu foste associada intimamente a todas as obras de nossa Redenção, associada à Cruz do nosso Salvador; teu coração foi transpassado, ao lado do seu coração. Agora, na glória de teu Filho, tu não cessas de interceder por nós, pobres pecadores. Tu velas pela Igreja, da qual é a Mãe. Tu velas sobre cada um de teus filhos.
Obtém de Deus, para nós, todas estas graças que simbolizam os raios de luz que irradiam de tuas mãos abertas, com a única condição: que tenhamos a ousadia de t’as pedir, que nos aproximemos de Ti com confiança, audácia e simplicidade de uma criança. É assim que Tu nos conduzes ao Teu divino Filho. Amém

João-Paulo II (1980).

Ó Virgem Imaculada, Mãe de Deus e nossa Mãe, com a mais viva confiança no vosso poder de intercessão, tantas vezes manifestado por meio da Medalha, nós, humildemente vos suplicamos, alcançar-nos as graças que vos pedimos através desta novena. Pedir a graça…

Ó Virgem da Medalha Milagrosa que aparecestes a Santa Catarina Labouré, na atitude de medianeira do mundo inteiro e de cada alma em particular, colocamos entre vossas mãos e confiamos ao vosso Coração nossas súplicas.
Dignai-vos apresentá-las ao vosso Divino Filho e no-las conceder se forem conforme a sua Vontade Divina e para o bem de nossas almas.
Depois de ter elevado a Deus vossas mãos suplicantes, descei-as sobre nós e cubri-nos com os raios de vossas graças, iluminando nossos espíritos, purificando nossos corações, a fim de que, sob vossa proteção, cheguemos um dia à bem-aventurada eternidade.
Amém.

Ó Maria concebida sem pecado rogai por nós que recorremos a vós!
Santa Catarina Labouré rogai por nós.

Acesse e veja também: Explicando A Medalha Milagrosa

Minha benção fraterna.

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

Obs.: Por favor, evite escrever nomes completos e situações pessoas aqui no blog, seja discreto e lembre-se que muitas pessoas lêem seus comentários. Muito obrigado pela compreensão.

Reze e entregue todas as suas preocupações

quinta-feira, agosto 19th, 2010

“Vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados sob o peso do fardo e eu vos aliviarei”. (Mateus 11,28)

Este é o convite que Jesus faz a você hoje. Abandonar-se Nele e descansar o nosso fardo e nossas lutas. Tem dias que parece que não vamos conseguir levantar da cama e andar de tão pesados que nós estamos. São tantas situações, com a família, com a saúde, desemprego, situações emocionais que fogem do nosso controle, onde experimentamos uma grande impotência. È isto que Jesus quer te disser hoje: VINDE A MIM, EU VOS DAREI DESCANSO!

São Palavras que não passam e ao ouvi-las provocam uma grande libertação. Pois não há nenhum problema que com Deus não possamos resolver, “pois para Deus nada é impossível”. E são tantas coisas que nos parece impossíveis, por isso, convido você a entregar hoje no abismo da INFINITA MISERICÓRDIA todos os seus problemas, todos os seus fardos, medos, doenças, coisas que tens guardado somente com você, no segredo do teu coração, “os homens vêem as aparências, Deus vê o coração”.

“Confiai-lhe todas as vossas preocupações, porque ele tem cuidado de vós”. (I Pedro 5,7) O propósito é rezar com você pelas nossas causas que tem nos tirado a paz e abatido nosso coração. O grande segredo dizia Jesus à santa Faustina: “depositai tudo nos vasos de minha infinita misericórdia”. Pois Deus tem cuidado de nós, mesmo que não pareça, mesmo que tudo prove o contrário, Ele está no controle de tudo. Quando a gente está longe ou então quando não aceitam a nossa ajuda, CONFIAI TUDO A DEUS.

Vamos rezar: Eu tomo posse de tua Palavra, confio e quero crer que estais sobre o controle de tudo, toma minhas preocupações, meu fardo, minhas dores, tudo aquilo que eu não consigo resolver. Meu desanimo e meu cansaço, quantas vezes chorei sozinho de tristeza e depressão, não senti vontade nem de rezar, de sair de casa, quis entregar os pontos, por isso, hoje quero repetir varias vezes: Jesus eu confio em vós! Jesus eu confio em Vós!

“Nada de medo, homem predileto! Calma! Coragem! Coragem!” Bastou Ele falar e eu me senti mais forte e disse: “Fale este meu Senhor, que me devolveu as forças”! (Daniel 10, 19). Vamos proclamar o senhorio de Jesus e acorrer a Ele, para Dele receber o descanso e a fortaleza para continuar lutando e acreditando: DEUS ESTÁ NO CONTROLE DE TUDO. A alegria exorciza o demônio, dizia São Francisco, vamos cantar a canção da Salete Ferreira:

Deus cuida de mim, mesmo que eu não veja, mesmo que eu não perceba.
Deus cuida de nós, não há o que temer nem desanimar.
Deus está comigo, porque Ele me ama, Deus está contigo, porque Ele te ama.
Deus está conosco, Ele tem cuidado de nós, Deus cuida de mim!

Clique e reze comigo:Reze A Quaresma de São Miguel

Jesus eu confio em Vós!!!

Conte com as minhas orações.
Minha benção fraterna.
Padre Luizinho, Canção Nova.

O Escapulário de Nossa Senhora não é um amuleto!

domingo, julho 11th, 2010

Muitas pessoas usam o escapulário ou outros objetos de devoção sem saber o seu verdadeiro significado, pior ainda quando usam como um amuleto, algo mágico que dá sorte, que livra de mau olhado ou coisa semelhante. Como se o verdadeiro sentido não viesse do coração daquele que usa tal objeto, que conhecendo o seu verdadeiro significado o usa para sinalizar algo que esta no seu intimo, sua fé, seus propósitos, sua conversão, a quem pertence. Muitos usam cruzes, medalhinhas, terços e grande numero usam o escapulário de Nossa Senhora do Carmo; como modismo, porque todo mundo esta usando ou aquele artista usou na novela. Qual o verdadeiro significado do Escapulário?

O Escapulário ou Bentinho do Carmo é um sinal externo de devoção mariana, que consiste na consagração à Santíssima Virgem Maria, por meio da inscrição na Ordem Carmelita, na esperança de sua proteção maternal. O escapulário do Carmo é um sacramental. No dizer do Vaticano II, “um sinal sagrado, segundo o modelo dos sacramentos, por intermédio do qual significam efeitos, sobretudo espirituais, que se obtêm pela intercessão da Igreja”. (SC 60)

“A devoção do Escapulário do Carmo fez descer sobre o mundo copiosa chuva de graças espirituais e temporais”. (Pio XII, 6/8/50)

A devoção ao Escapulário de Nossa Senhora do Carmo teve início com a visão de São Simão Stock. Segundo a tradição, a Ordem do Carmo atravessava uma fase difícil entre os anos 1230-1250. Recém-chegada à Europa como nômade, expulsa pelos mulçumanos do Monte Carmelo, ela atravessava um período crítico. Os frades carmelitas encontravam forte resistência de outras ordens religiosas para sua inserção. Eram hostilizados e até satirizados por sua maneira de vestir. O futuro da Ordem era dirigida por Simão Stock, homem de fé e grande devoto de Nossa Senhora. Nesta aflitiva situação ele compôs uma oração, que repetia constantemente.

Flor do Carmelo, Videira florescente,
Esplendor do Céu,
Mãe sempre Virgem e Singular,
Aos Carmelitas daí privilégios
Ó Estrela do Mar.

Ao pedir “privilégios” o santo monge buscava junto à Mãe do Céu, sinais evidentes de proteção à Ordem a Ela dedicada. No dia 16 de julho de 1251, enquanto o piedoso Simão rezava esta oração, a Virgem apareceu. Tomando o escapulário nas mãos disse: “Filho caríssimo, recebe este Escapulário, sinal especial de minha confraternidade. Eis o sinal da salvação! Salvação dos perigos. Quem morrer revestido com ele, não padecerá do fogo do eterno”.

O escapulário era um avental usado pelos monges durante o trabalho para não sujar a túnica. Colocado sobre as escápulas (ombros), o escapulário é uma peça do hábito que ainda hoje todo carmelita usa.

Com o tempo, estabeleceu-se um escapulário reduzido para ser dado aos fiéis leigos. Dessa forma, quem o usasse poderia participar da espiritualidade do Carmelo e das grandes graças que a ele estão ligadas; entre outras o privilégio sabatino: em sua bula chamada Sabatina, o Papa João XXII afirma que aqueles que usarem o escapulário serão depressa libertados das penas do purgatório no sábado que se seguir a sua morte. As vantagens do privilégio sabatino foram ainda confirmadas pela Sagrada Congregação das Indulgências, em 14 de julho de 1908.

O escapulário é feito de dois quadradinhos de tecido marrom unidos por cordões, tendo de um lado a imagem de Nossa Senhora do Carmo, e de outro o Coração de Jesus, ou o brasão da Ordem do Carmo. É uma miniatura do hábito carmelita, por isso é uma veste. Quem se reveste do escapulário passa fazer parte da família carmelita e se consagra a Nossa Senhora. Assim, o escapulário é um sinal visível da nossa aliança com Maria. É importante destacar algumas atitudes que devem ser assumidas por quem se reveste deste sinal mariano:

• Colocar Deus em 1º lugar na sua vida e buscar sempre realizar a vontade D’ele.
• Escutar a Palavra de Deus na Bíblia e praticá-la na vida.
• Buscar a comunhão com Deus através da oração, que é um diálogo íntimo que temos com Aquele que nos ama.
• Abrir-se ao sofrimento do próximo, solidarizando-se com ele em suas necessidades, procurando solucioná-las.
• Participar com freqüência dos sacramentos da Igreja, Eucaristia e Confissão, para poder aprofundar o mistério de Cristo em sua vida.

O escapulário não é sinal de proteção mágica: não é amuleto. Não é garantia automática de salvação. Não nos dispensa de viver as exigências da vida cristã. A imposição do Escapulário do Carmo é feita uma única vez para toda a vida, por um religioso carmelita ou por um sacerdote que siga o rito estabelecido pela Igreja. A benção é dada à pessoa para que ela seja digna de vesti-lo, e não ao escapulário. O escapulário gasto pode ser substituído por outro ou por uma medalha.

Fonte consultada: http://www.carmelitas.org.br

Eu fui revestido com o Escapulário no dia 16 de Julho de 1996 quando estava no Noviciado da Canção Nova, neste dia consagrei minha afetividade e sexualidade aos cuidados da Virgem Maria, que pode contar sempre com os meus esforços e abertura de coração para ser digno de receber as graças desta santa devoção.

Clique em comentários e deixe os seus pedidos de orações.

Oração A Nossa Senhora do Carmo

Santíssima Virgem Maria, Esplendor e Glória do Carmelo, olhais com especial ternura os que se revestem do vosso Santo Escapulário. Cobri-me com o manto da vossa maternal proteção, pois a Vós me consagro hoje e para sempre. Fortalecei a minha fraqueza com o vosso poder. Iluminai a escuridão do meu espírito com a vossa sabedoria. Aumentai em mim a fé, a esperança e a caridade. Adornai a minha alma com muitas graças e virtudes. Assisti-me na vida, consolai-me na morte com a vossa presença e apresentai-me à Santíssima Trindade como vosso filho dedicado, para que eu possa louvar-Vos por toda a eternidade. Amém

Nossa Senhora do Carmo rogai por nós!

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

Conheça e Peça O Dom da Fortaleza

terça-feira, maio 11th, 2010

O dom da fortaleza, também chamado “dom da coragem“, imprime em nossa alma um impulso que nos permite suportar as maiores dificuldades e tribulações, e realizar, se necessário, atos sobrenaturalmente heróicos.

Quando falamos em virtudes heróicas, ninguém pense que só existe heroísmo quando enfrentamos grandes causas. Você faz grandes heroísmos lá no interior da sua casa, no dia-a-dia de sua vida. Veja bem que heroísmo imenso é o de uma mãe que suporta o vício do álcool do marido ou do filho! Às vezes por 10, 20, 40 anos enfrenta aquela dor, aquele sofrimento, por amor a Deus, por doação e caridade. Essa mãe tem o Dom da Fortaleza. O Dom da Fortaleza não é só para os mártires, os grandes confessores da fé. É para cada um de nós. Hoje vemos uma multidão caindo nas tentações. Pode estar faltando o Dom da Fortaleza em muita gente. Saber não cair na tentação, já é um sinal da força desse Dom.

Ouça este conteúdo:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Santa Teresinha nos fala do “heroísmo do pequeno”. A fidelidade às pequenas inspirações que Deus nos faz todo dia e toda hora é fruto do Dom da Fortaleza. Nós deixamos passar ótimas oportunidades quando pequenas cruzes, pequenos sofrimentos vão passando pela nossa vida e nós não os aproveitamos para uma resposta fiel a Deus. Vem um aborrecimento, uma pessoa nos causa feridas porque falou qualquer coisa contra nós. O que fazemos? Há duas respostas: Revidamos com palavras amargas, com evidente menosprezo, com inimizades, etc., ou fazemos de conta que nem ficamos sabendo, não nos importamos com aquilo, etc.. Como funcionou o Dom da Fortaleza? É claro, naquela hora que suportamos a ofensa. O heroísmo está aí. Aprendemos agora um dos caminhos que nos leva a santidade.

São poucas as pessoas que fazem por Deus e pelo próximo aquilo que poderiam fazer mais. Porque, não temos coragem de nos empenharmos em grandes obras. Imaginem o bem que poderíamos fazer se ainda não fôssemos tão comodistas. Paulo afirma: “Tudo posso naquele que me fortalece” (CF.FL. 4,13). E nos diz mais: pode suportar as maiores dificuldades e tribulações e praticar, se necessário, atos heróicos. “Não pelas suas qualidades pessoais, mas pelo dom da fortaleza que Deus lhe concedeu”. Carta aos coríntios, descrevendo as tribulações pelas quais passou por amor ao Senhor e à Igreja:

“Cinco vezes recebi dos judeus os quarenta açoites menos um. Três vezes fui flagelado com varas. Uma vez apedrejado. Três vezes naufraguei, uma noite e um dia passei no abismo. Viagens sem conta, exposto a perigos nos rios, perigos de salteadores, perigos da parte de meus concidadãos, perigos da parte dos pagãos, perigos na cidade, perigo no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos! Trabalhos e fadigas, repetidas vigílias com fome e sede, freqüentes jejuns, frio e nudez! Além de outras coisas, a minha preocupação quotidiana, a solicitude por todas as Igrejas!” (II Cor 11,24-28).

Ao dom da Fortaleza se opõe à timidez, que é o temor desordenado, e também aquele comodismo que impede de caminhar, de querer dar grandes passos. Estacionamos numa espiritualidade medíocre, temos medo de tudo, de prejudicar a amizade, de descontentar alguém e vamos comodamente parando no caminho da perfeição.

Deixe seu comentário onde você mais precisa do Dom da Fortaleza? E seus pedidos de orações.

Clique e ouça os outros temas do Seminário de vida no Espírito.

Daí-nos Senhor o Dom da Fortaleza no Espírito Santo!

Minha benção fraterna+

Padre Luizinho,
Missionário Canção Nova.

Dirijam-se com confiança a minha misericórdia!

quinta-feira, abril 8th, 2010

“Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água”. (Cf. Jo 19,33-34)

O Papa João Paulo II foi o grande apóstolo da Divina Misericórdia, ele promulgou e colocou no calendário litúrgico essa festa no segundo domingo da Páscoa, o lado aberto de Jesus ressuscitado revela a grandeza da misericórdia de Deus por nós. Por isso, vamos pedir a intercessão deste servo de Deus e de Santa Faustina. Tomemos posse meus irmãos, porque o que a Igreja liga na terra está ligado no céu.

O Diário da Santa Faustina contém pelo menos quinze ocasiões nas quais se refere ao pedido do Senhor para que seja estabelecida em toda a Igreja, oficialmente, a “Festa da Misericórdia”. Jesus diz:

“Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Neste dia, estão abertas as entranhas da Minha misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e das penas. Nesse dia, estão abertas todas as comportas divinas, pelas quais fluem as graças. Que nenhuma alma tenha medo de se aproximar de Mim, ainda que seus pecados sejam como o escarlate. A Minha misericórdia é tão grande que, por toda a eternidade, nenhuma mente, nem humana, nem Angélica a aprofundará. Tudo o que existe saiu das entranhas da Minha misericórdia. Toda alma contemplará em relação a Mim, por toda a eternidade, todo o Meu amor e a Minha misericórdia. A Festa da Misericórdia saiu das Minhas entranhas. Desejo que seja celebrada solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa. A humanidade não terá paz enquanto não se voltar à fonte da Minha misericórdia”.

A Imagem de Jesus misericordioso:

Jesus apareceu a Irmã Faustina com raios de luz vermelha e pálida saindo da área do Seu coração. Sua mão estava erguida para a bênção, lembrando a cena da noite do Domingo de Páscoa onde ele sobrava sobre os apóstolos o Espírito Santo e dava o poder de perdoar os pecados, a mão esquerda no coração e a direita dava a absolvição. (Jo 20,19-23).

Pediu a Irmã Faustina que essa visão fosse pintada juntamente com as palavras “Jesus, eu confio em Vós”.

Apresentou essa imagem para lembrar às pessoas que devem confiar em Sua misericórdia e recorrer a Ele para pedi-la:

“Ofereço aos homens um vaso com o qual devem vir buscar graças na fonte da misericórdia. O vaso é esta imagem com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós”. (Diário 327).

Jesus explicou que os raios representavam o sangue e a água que haviam brotado do Seu lado perfurado e ensinou a Irmã Faustina a oração: “Ó sangue e água, que brotastes do Coração de Jesus como fonte de misericórdia para nós, eu confio em Vós”. (Diário 84).

Vamos orar irmãos: _Jesus, diante de vosso coração aberto, de onde jorraram sangue e água, fonte da Divina Misericórdia por nós pecadores. Venho a Vós com os vasos da confiança clamar as graças, dons e virtudes desta Santa devoção. Eu quero passar pelo Teu lado aberto de amor por mim, todos os meus pecados, minhas feridas emocionais e físicas, toda carência e depressão, pois tenho a certeza, que passando pelo teu coração serei uma Nova Criatura. Que os raios claros da Tua Divina Misericórdia, Sangue e Água dissipem toda treva em mim, traga-me o perdão e a paz, a graça da conversão e da retenção eterna. Refugiar-me no abismo da Salvação onde nenhum inimigo conseguirá me alcançar nenhuma tentação e todo mal será ali neutralizo. Quero passar pela Tua misericórdia os meus medos, duvidas, minha vida financeira, todo sentimento de desespero e fracasso, também todas as pessoas que fazem parte da minha vida, eu as confio a vós, na certeza de que experimentarão o Amor de Deus. Vós morrestes Jesus, mas uma fonte de vida jorrou para as almas, e um mar de misericórdia se abriu para o mundo inteiro. Ó Fonte de Vida, Misericórdia Divina inescrutável, envolvei o mundo todo e derramai-vos sobre nós. Acendei em nossos corações a chama de Vosso amor pelo Espírito Santo Senhor, a esperança, a certeza de que tudo pode ser mudado pela oração, que eu possa dizer em todos os momentos de minha vida: Jesus, eu confio em vós! (coloque aqui em comentários as graças a Divina Misericórdia).

Venha participar da Festa da Misericórdia na Canção Nova

Deixe em comentários , você já fez uma experiência com a Divina Misericórdia?  Deixe seus pedidos de orações.

Conte com as minhas orações.

Jesus misericordioso eu confio em Vós! Reze: REZE O TERÇO DA MISERICÓRDIA

Padre Luizinho.
Missionário Canção Nova.