Posts Tagged ‘Espírito Santo’

A Boa Notícia: Jesus nos salvou somos vencedores da batalha entre o bem e o mal!

segunda-feira, maio 7th, 2012

Foi assim que Deus também nos acolheu em Cristo. Falou a verdade quem disse: Deus tanto amou o mundo, que deu seu Filho Unigênito: “Deus amou tanto o mundo que enviou o seu filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça mais tenha a vida eterna” (Cf. João 3,16).

De fato, ele foi dado em resgate pela vida de todos nós, e assim fomos arrebatados da morte e libertados da morte e do pecado. E ilustra a finalidade deste desígnio ao dizer que Cristo se tornou ministro da circuncisão, para demonstrar a fidelidade de Deus. Com efeito, Deus prometera aos patriarcas do povo judeu que abençoaria toda sua descendência e a multiplicaria como as estrelas do céu. Por isso se revestiu da carne, tornando-se homem, ele o próprio Deus e Verbo que conserva todas as coisas criadas e lhes dá a salvação. Veio, porém, a este mundo na sua carne não para ser servido por ele, mas ao contrário, como ele mesmo afirma, para servi-lo e dar a sua vida pela redenção de todos (São Cirilo de Alexandria).

Jesus é vencedor na batalha entre o bem e o mal! Ele venceu o pecado e se fazendo “pecado”, sendo em tudo igual a nós menos na pratica do pecado, Ele nos libertou do mal e da morte, assinando a nossa carta de libertação com o seu sangue dando a Sua vida. “Sim, no mundo há muito mal, há uma batalha permanente entre o bem e o mal e parece que o mal seja mais forte. Não! Mais forte é o Senhor, o nosso verdadeiro Rei e sacerdote, Cristo, porque combate com a força de Deus e, apesar de todas as coisas que nos fazem duvidar do êxito positivo da história, vence Cristo e vence o bem, vence o amor, não o ódio”, afirmou confiante o Papa Bento XVI na Catequese. s menos na pratica do pecado, Ele nos libertou do mal e da morte, assinando a nossa carta de libertação com o seu sangue dando a Sua vida.

Filipenses 2,8-11“E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua proclame, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor”.

“Ficai, pois, sabendo todos vós e todo o povo de Israel: se este homem está curado diante de vós, é por meio do nome de Jesus Cristo, o Nazareno, que vós crucificastes e que Deus ressuscitou dos mortos. Este é a pedra que vós, os construtores, desprezastes e que se tornou a pedra angular. Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome dado à humanidade pelo qual devamos ser salvos” (cf. At. 4, 10-12).

Com estas passagens da Sagrada Escritura reconhecemos que só Jesus Cristo é o Senhor. Senhor quer dizer proprietário, dono, aquele que exerce poder sobre algo ou alguém. Quem tem sido o senhor da sua vida? Antes de conhecermos Jesus Cristo o nosso salvador nós éramos escravos do pecado e tínhamos muitos senhores. Esse passo é importantíssimo para chegarmos a Pentecostes e sermos possuídos pelo Espírito Santo como foram os Apóstolos e a Virgem Maria. Você quer ser cheio do espírito Santo? Proclame Jesus Cristo O Senhor de sua vida!

§450 CIC – “Desde o principio da história cristã a afirmação do senhorio de Jesus sobre o mundo e sobre a história significa também o reconhecimento de que o homem não deve submeter sua liberdade pessoal, de maneira absoluta, a nenhum poder terrestre, mas somente a Deus Pai, ao Senhor Jesus Cristo”.

Jesus nos comprou por um alto preço, o seu sangue derramado na cruz: “De fato, fostes comprados, e por preço muito alto! Então, glorificai a Deus no vosso corpo” (I Coríntios 6,20). Jesus venceu os nossos maiores inimigos, satanás, o pecado e a morte, por isso, toda autoridade lhe foi dada: Jesus se aproximou deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra” (São Mateus 28,18).

Não há salvação fora de Jesus Cristo, é preciso crer e proclamar que Jesus é o Senhor e o centro de nossas vidas: “Senhores, que devo fazer para me salvar? Disseram-lhe: Crê no Senhor Jesus, e serás salvo tu e tua família” (At. 16,30-31). Da minha vida Jesus Cristo é o Senhor! Da minha vida Jesus é o centro! E para você pergunta Jesus quem dizeis que Eu Sou? (Cf. São Marcos 8,29)

Falsas Doutrinas: Mas infelizmente muitas pessoas são iludidas pelo príncipe deste mundo e servem a outros senhores. Tem pessoas se enganando procurando benzedeiras, curandeiros, leitura de horóscopo, cirurgias mediúnicas, adivinhações, leitura de mão, espiritismo, esoterismo, banhos de arruda, banhos de pipoca. Hoje nós temos uma grande vitrine de filosofias e falsos profetas prometendo a paz. Com a grande desculpa do respeito à fé e a cultura das pessoas, eu concordo em respeitar a fé e a cultura dos outros, mas não podemos cair na tentação de não anunciar Jesus Cristo como único Senhor e salvador do Homem.

“Ouve Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor” (Mc 12,29). “Amarás o Senhor teu Deus de todo coração, de toda tua alma e de todo o seu espírito” (Dt 6,5).

Na palavra de Deuteronômio 18,9– “Quando tiveres entrado na terra que o Senhor, teu Deus, te dá, não te porás a imitar as práticas abomináveis da gente daquela terra. Não se ache no meio de ti quem faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha, nem quem se dê à adivinhação, à astrologia, aos agouros, ao feiticismo, à magia, ao espiritismo, à adivinhação ou â invocação dos mortos, porque o Senhor, teu Deus, abomina aqueles que se dão a essas práticas, e é por causa dessas abominações que o Senhor, teu Deus, expulsa diante de ti essas nações. Serás inteiramente do Senhor, teu Deus”.

Pessoas colocando o dinheiro como Senhor de suas vidas, outras colocam a cerveja, as drogas, a bebida alcoólica como senhor de suas vidas. Quantos jovens são de grupo de oração, e na hora de dizer não a carne, se entregam a suas paixões, não buscam a castidade, entregam seus corpos ao sexo antes do matrimônio! Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome dado à humanidade pelo qual devamos ser salvos” (cf. At. 4, 10-12).

O Espírito Santo nos faz proclamar que Jesus é o Senhor, a sua vida é para ser ocupada pelo senhorio de Jesus Cristo, aquele diante do qual todo joelho se dobra. O que é necessário ainda fazer para que as terras de seu coração sejam ocupadas pelo senhorio de Jesus? Digo que só N’Ele é que encontraremos a felicidade plena e é necessário que você se renda a Deus. Existem campos em nossos corações que queremos reservar, se existir isto no meio de nós é necessário que deixemos de lado estas reservas, às vezes temos uns pecados de estimação e não percebemos o quanto isso nos impede de caminhar para Deus. Muitas vezes deixamos que Deus tome conta da nossa oração, mas não deixamos que Ele tome conta do nosso coração, e por isso, muitas vezes trazemos a idolatria ao dinheiro ou a prisão por alguns afetos e isso não deixa que nos abandonemos inteiramente a Deus.

Se você já se entregou a alguma destas práticas, está na hora de proclamar Jesus como seu único Senhor, renunciando aos outros senhores que há tanto tempo você tem se curvado. Procure um padre para se confessar, e opte pelo caminho de Deus.

“Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Passou o que era velho, eis que tudo se faz novo” (II Cor 5,17).

“Por isso, Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho no céu, na terra e nos infernos” (Fl. 2,9-10).

Oração com Salette Ferreira: Proclamai o Senhorio de Jesus

Clique em comentários e proclame Jesus Cristo O Senhor de sua vida.

Oração: Em Nome de Jesus Cristo, pelo Seu sangue derramado, pelas suas cinco chagas e por intercessão de Nossa Senhora eu renuncio ao demônio e a satanás, renuncio ao pecado e a tudo que se coloca em minha vida como senhor. Proclamo hoje para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é o único Senhor e Salvador da minha vida, não há outro nome pelo qual eu deva ser salvo. Diante do amor de Deus por mim manifestado em Seu Filho que deu a vida para me salvar, eu declaro o Senhorio de Jesus sobre mim, sobre minha vida, passado, presente e futuro e nada nem ninguém a partir de hoje é o Rei e o Senhor de minha vida. Vem Espírito Santo e ocupa o Teu lugar e não permitas que mais ninguém, nem eu mesmo reine em minha vida, em meu ser, vinde Espírito Santo. Amém.

Vinde Espírito Santo, quero viver o senhorio de Jesus!

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Vejam outros temas do seminário de vida e de Dons do Espírito Santo:

Seminário de Vida no Espírito Santo
O Amor de Deus é diferente e maior que qualquer amor!
O que é e como age o Dom do Discernimento dos espíritos?
É possível vencer o pecado!

Tem lhe faltado coragem? Peça o Dom da Fortaleza!

Oração em línguas é polêmica, mas é um Dom do Espírito Santo!
A Fé autêntica leva a conversão
A Verdadeira Sabedoria é Dom de Deus!

PODCAST: A Boa Notícia Jesus nos salvou!

A Verdadeira Sabedoria é Dom de Deus!

quarta-feira, maio 2nd, 2012

“Pois a loucura de Deus é mais sábia do que os homens, e a fraqueza de Deus e mais forte do que os homens. Vede, irmãos, o vosso grupo de eleitos: não há entre vós muitos sábios, humanamente falando, nem muitos poderosos, nem muitos nobres. O que é estulto no mundo, Deus o escolheu para confundir os sábios; e o que é fraco no mundo, Deus o escolheu para confundir os fortes.” (I Cor 1,25-27).

Quero abordar agora a necessidade de sabedoria no uso dos dons, porque tem lugar para tudo no nosso coração: cura física, cura interior, libertação… Tem lugar para tudo. De nossa parte, temos de ter a sabedoria de ir colhendo uma coisa depois da outra. É o Dom que habita o coração do humilde, pois quanto mais sábio mais humilde e manso, não precisa ostentar, nem provar que sabe tudo. Sua experiência e como ele conduz as coisas e sua vida prova que a pessoa é cheia do Dom da Sabedoria de Deus.  A sabedoria humana é falha. A sabedoria divina é plena e perfeita. Unicamente Deus tem a plenitude da sabedoria, e somente Ele nos pode dá-la, pelo dom da sabedoria.

Quando o Senhor nos dá uma palavra de profecia, de ciência, de discernimento ou qualquer revelação, temos de procurar discernir se aquilo que recebemos deve ser dito, quando deve ser dito e como deve ser dito. Porque alguns são afogueados. Receberam um dom, uma palavra de profecia, e a pessoa é tão apressada que já quer dizer. Mas você perguntou ao Senhor se essa palavra de profecia deve ser comunicada? Muitas vezes, trata-se de uma palavra para ser comunicada aos líderes, aos coordenadores, aos encarregados e não ao grupo

Imaginem que eu chegue a uma cidade dizendo:

_Preparem-se, porque dentro em breve um terrível terremoto acontecerá aqui, as casas haverão de desabar; preparem-se, preparem o meu povo…

Vejam que confusão. E o povo com medo. Como se preparar?

Diante de uma palavra dessas, o que eu deveria fazer? Primeiro, Orar ao Senhor para saber como e quando o Senhor quer que eu diga, e para quem o Senhor quer que eu diga. Depois de eu ter certeza de ter recebido uma palavra de profecia, tenho de perguntar ao Senhor e, de acordo com a resposta dele, ser dócil, mesmo que isso signifique gestar nove meses essa palavra de profecia dentro de mim. Não quero ser um farmacêutico apressado, não quero matar com os remédios do Senhor. Todos nós temos de ter essa responsabilidade. Quando o Senhor me disser: “Você vai falar a tais pessoas, desse jeito e nessa hora”, aí eu falo. Falo, mesmo que falar me arrebente.

Para que pedir ao Senhor sabedoria no uso dos dons? Para ministrar o remédio certo a nosso povo, para que aquilo que o Senhor quer nos dar não se torne veneno. O Senhor quer que nós vivamos a sabedoria. Vive-se a sabedoria com humildade, com paciência, dando tempo ao tempo, perguntando ao Senhor como, quando e a quem manifestar os seus dons. nesta cultura do imediatismo não sabemos esperar o tempo das coisas e das pessoas, queremos agora. O sábio é aquele que espera com paciência os frutos de cada tempo e se prepara para colhê-los.

Não adianta fazer as coisas que nós achamos boas: “Eu acho…” “Ah, eu pensava…”. O povo diz que de pensar morreu um burro. Não adianta esse “eu pensava, eu achava”. A sabedoria se faz a partir daquilo que o Senhor nos manda fazer. Quando fazemos as coisas segundo nosso entendimento, perdemos a unção: “Porque eu acho, porque eu penso, porque seria melhor, porque o povo me pressionou”.

Mais do que nunca, o Senhor, o Senhor quer nos ensinar a sabedoria. É como se fossemos ovelhas. A ovelha é um animal que não tem sabedoria nenhuma. Os cães tem faro, os gatos são espertíssimos, as aves conhecem as coisas… mas de todos os animais, o mais desprovido de inteligência, sem tino, sem direção, é a ovelha. E a nós, que somos ovelhas, o Senhor quer dar sabedoria. Às vezes pensamos que a sabedoria do Senhor é assim: ele nos dá sabedoria, e ficamos sábios, sabemos tudo. Já sabemos como nos conduzir. O que fazer, o que não fazer, que ordens dar, como educar os filhos, como educar os filhos, como trabalhar, como trabalhar na paróquia, como renovar as coisas na paróquia, como promover a Renovação, como fazer palestras. A pessoa pensa que agora sabe de tudo: “Eu recebi sabedoria…”, e fala até grosso, “porque agora eu tenho sabedoria”. E não é assim.

A sabedoria do Senhor é dada a quem for manso como as ovelhas. A ovelha precisa continuamente da direção do pastor: “Agora é para cá, agora é para lá, agora é mais pra lá, e agora é para cá”. A Sabedoria é conhecimento da Vontade de Deus para mim e para cada situação da minha vida, requer, intimidade, escuta e obediência as inspirações do Espírito de Deus: “ As ovelhas me conhecem e escutam a minha voz”. João 10

Nossa Senhora e o Dom da Sabedoria

Maria tinha todas as virtudes no mais alto grau. São Jerônimo nos aconselha: “Tome Maria como exemplo de virtudes”. Maria teve também a plenitude dos dons. Edificou sua vida sobre os sete dons de santificação. A virgem recebeu, mais do que qualquer outra pessoa, o dom da sabedoria, por isso ela é Sede da Sabedoria.

A sabedoria celeste a fez compreender e aceitar o plano de Deus para sua vida e, ao mesmo tempo, a encheu do mais puro e intenso amor a Deus e ao próximo. Assim a vemos na anunciação, na visita a Isabel, no nascimento de Jesus em Belém, na apresentação do menino Jesus no Templo, na fuga para o Egito, no reencontro com Jesus no Templo, nas bodas de Caná, aos pés da cruz e no Cenáculo. Maria, porém, guardava todas estas coisas, meditando-as no seu coração (Lucas 2, 19. 51).

Como nos Abrir a esse Dom

1. A sabedoria é um dom que Deus promete conceder a quem o pedir com fé (Tg 1,5).
2. Ler e meditar a oração de Salomão, pedindo a Deus o dom da sabedoria (Sb 9,1-18).
3. Procurar saborear tudo o que se relaciona com Deus, principalmente a Vida de Oração;
4. Não agir com impulsividade animados pelos sentimentos ou somente pela razão, agir no poder do Espírito Santo que une, coração, razão e espírito.

Padre Bruno Costa fala-nos sobre o Dom da Sabedoria:

Em que você precisa da Sabedoria Dom do Espírito? Deixe o seu comentário, seus pedidos de orações.

Vinde Espírito Santo / e dai-nos o Dom da Sabedoria  /para que possamos avaliar todas as coisas à luz do Evangelho / e ler nos acontecimentos da vida os projetos de amor do Pai. / Dai-nos o Entendimento / uma compreensão mais profunda da verdade / a fim de anunciar a salvação com maior firmeza e convicção. / Dai-nos o Dom do Conselho / que ilumina a nossa vida / e orientai a nossa ação segundo vossa Divina Providência. / Dai-nos o Dom da Fortaleza / e sustentai-nos no meio de tantas dificuldades / com vossa coragem para que possamos anunciar o Evangelho. / Dai-nos  o Dom da Ciência / para distinguir o Único necessário /  das coisas meramente importantes. / Dai-nos Piedade / para reanimar sempre mais nossa íntima comunhão convosco.  / e, finalmente, dai-nos vosso santo Temor / para que, conscientes de nossas fragilidades, / reconhecermos a força da vossa graça. / Vinde Espírito Santo /e dai-nos um novo coração. Amém.

(Inspirada na Carta de João Paulo II aos sacerdotes do mundo inteiro por ocasião da quinta-feira santa de 1998)

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Vejam os outros temas do seminário de vida e de Dons do Espírito Santo:

Seminário de Vida no Espírito Santo
O Amor de Deus é diferente e maior que qualquer amor!
O que é e como age o Dom do Discernimento dos espíritos?
É possível vencer o pecado!

Tem lhe faltado coragem? Peça o Dom da Fortaleza!

Oração em línguas é polêmica, mas é um Dom do Espírito Santo!
A Fé autêntica leva a conversão

PODCAST: MARIA SEDE DA SABEDORIA:

A Fé autêntica nos leva a conversão!

segunda-feira, abril 30th, 2012

Caros amigos internautas, dando mais um passo em direção a vida no Espírito Santo em nosso seminário de Vida On-line, hoje iremos refletir e aprofundar sobre: A Fé que nos leva a Conversão! A Sagrada Escritura usa o termo Fé mais de 327 vezes na versão Ave Maria, para nos dizer que a fé é antes de tudo um Dom de Deus. Jesus veio para a Galiléia, proclamando a Boa Nova de Deus: Completou-se o tempo, e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede na Boa Nova” (Mc 1,14-15). Tomando consciência do Amor de Deus e de nossa recusa através do pecado, agora é preciso tomar uma decisão crer e mudar de vida.

A Igreja do Brasil, em seu projeto nacional de evangelização, convida-nos ao acolhimento de um clamor que brota de cada coração humano: “Queremos ver Jesus, caminho, verdade e vida” (cf.Jo 12,21). O verbo ver traz consigo, principalmente nos escritos do evangelista João, uma maravilhosa força dinâmica, pois aquele que vê o Senhor não consegue não se apaixonar por Ele, envolvendo-se assim em seu mistério de amor. Ver é um olhar penetrante, é a contemplação da verdade de Deus, como Criador, Redentor e Santificador.

Por este VER, experimenta-se a graça do encontro pessoal com Jesus que é a única resposta ao desejo de plenitude e felicidade presente no coração de cada pessoa humana. Transformando assim o sentido do viver, os valores éticos, os compromissos morais, sociais, políticos e culturais, o modo de julgar os acontecimentos da história, inspirando iniciativas concretas para construir um mundo novo. Este “ver” só é possível por meio de um dom especial que Deus Pai concede a seus filhos e filhas por meio do Espírito Santo: a Fé.

Às vezes, encontramos pessoas que expressam o desejo de que alguma coisa dê certo em sua vida, dizendo: “Tenho tanta fé que isso vai dar certo”. Apesar de reconhecer sua importância perguntamos: Será que é este o tipo de fé que citamos acima? Não! A fé autêntica não é um simples sentimento positivo ou um desejo de sorte. Fé é um dom, um presente do amor de Deus que, em sua infinita bondade, não abandona o coração humano em sua incessante busca de sentido, de felicidade. Por meio da fé, Deus desperta a consciência da pessoa para o conhecimento e experiência do seu mistério de amor.

Deus, que se revelou a nós por meio de seu Filho Jesus, possibilitou-nos conhecê-lo, apesar de nossas limitações, através do dom da Fé. Como vimos o dom da fé está ligado ao conhecimento da Verdade de Deus, mas tal conhecimento não exige necessariamente estudos universitários, pois a experiência do conhecimento de Deus só faz quem cultiva a humildade de coração, no sentido de depositar em Deus, e não em si mesmo, a esperança da própria salvação. Sendo assim, percebemos que o dom da Fé é imprescindível à salvação, à realização plena de toda e cada pessoa humana. Quantos são os exemplos salientados nos textos bíblicos de pessoas expressando, pelo dom de Deus, a fé como convicção que não há outra possibilidade de se viver uma vida plenamente humana fora da comunhão com Deus por meio de seu Filho Jesus. Eis a verdade autenticamente libertadora!

A Conversão é conseqüência de uma autêntica profissão de fé. Uma sutil tentação pode desviar a caminhada de salvação de muitas pessoas. Esta tentação é a separação entre fé e comportamento moral. Crer em Cristo é converter-se ao seu Reino, empenhar-se em seu projeto de salvação, de modo que todos se amem mutuamente como Ele nos amou.

“Deste modo, o quilate de vossa , que tem mais valor que o ouro testado no fogo, alcançará louvor, honra e glória, no dia da revelação de Jesus Cristo”. “Por ele, tendes no Deus que o ressuscitou dos mortos e lhe deu a glória, e assim, vossa e vossas esperanças estão em Deus” (I São Pedro 1,7 e 21).

A fé não é um desejo de sorte, é conversão! Porque ela exige uma mudança de vida, ela implica nos nossos comportamentos e escolhas, ela pede uma coerência entre aquilo que eu creio e professo com aquilo que eu faço e vivo. A raiz da fé não está firmada nos sentimentos. Nenhuma situação ou acontecimento pode alterar o verdadeiro sentido desta certeza manifestada pela glória de Deus (Cf. Jo 11,40).

‘Fé é o fundamento da esperança, é uma certeza a respeito do que não se vê’ (Hb 11,1). É a posse antecipada do que se espera, é uma demonstração da realidade ainda não acontecida.  Fé é o caminho da entrega e do abandono. É como atravessar um túnel, embora tudo pareça escuro, temos a certeza de encontrar a luz no final.

Como opção definitiva, a fé exige perseverança e fidelidade: ‘Combate o bom combate, com fé e boa consciência; pois alguns, rejeitando a boa consciência, vieram naufragar na fé’ (I Tim 1,18-19).

Veja este vídeo com o Dunga: “Se tu te converteres, Eu te converterei”

Oração: Senhor peço-te o dom da Fé. Que ela me leve a uma verdadeira experiência do amor de Deus e de conversão. Eu creio Senhor, mas aumentai a minha fé. Daí-me uma fé nova que possa traduzir em minha vida, traduzir em testemunho, em santidade. Para que, pela fé eu possa já possuir aqui na terra o que Jesus meu Salvador reserva para mim no céu. Maria mãe da fé intercedei por nós. Amém

“Pois amar a Deus consiste nisto: que observemos os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados, pois todo o que foi gerado de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que venceu o mundo: a nossa fé. Quem é o vencedor do mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?” (cf. 1Jo 5, 3-5).

A fé é fundamental para nossa vida? Clique em comentários e dê a sua opinião, seus pedidos de orações.

Vinde Espírito Santo, ilumina a nossa fé para que ela nos leve a conversão!!!

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Vejam os outros temas do seminário de vida e de Dons do Espírito Santo:

Seminário de Vida no Espírito Santo
O Amor de Deus é diferente e maior que qualquer amor!
O que é e como age o Dom do Discernimento dos espíritos?
É possível vencer o pecado!

Tem lhe faltado coragem? Peça o Dom da Fortaleza!

Oração em línguas é polêmica, mas é um Dom do Espírito Santo!

PODCAST: A fé não é um desejo de sorte, é conversão!

Oração em línguas é polêmica, mas é um Dom do Espírito Santo!

sexta-feira, abril 27th, 2012

O Dom da oração em línguas: é um Dom dado a nós pelo Espírito Santo e o primeiro a se manifestar. Dom para edificação pessoal, para santificação, pois ele nos abre as portas do sobrenatural, da vida de oração e da intimidade com Deus.

“Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído como de um vento forte, que encheu toda a casa em que se encontravam. Então apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia expressar-se” (cf. At. 2,1-4).

O primeiro dom que se manifestou foi o de línguas. Em pentecostes, os discípulos, junto com Maria, ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a orar, a louvar, a cantar numa língua nova, a língua do Espírito. Alguns interpretaram o acontecimento e disseram: ”Eles louvam a Deus, estão cantando as glórias de Deus, e nós estamos entendendo com o coração”. Outros estavam ali como curiosos, brincando, zombando, dizendo que os discípulos estavam bêbados. Pedro explicou: “Não estamos bêbados; pelo contrário, está se cumprindo à profecia de Joel”. O primeiro dom criou confusão.

O que é o dom de línguas? Quando nós somos batizados no Espírito Santo, a primeira coisa da qual nos enchemos é de oração. E por que isso? Porque o Espírito Santo é a ligação entre o Pai e o Filho. A oração é a comunicação entre o Pai e o Filho; o Filho que fala ao Pai e o Pai que fala ao Filho. A beleza da intimidade que acontece dentro da Trindade é feita pelo Espírito Santo. O Espírito Santo é oração.

Além disso, Ele é a ligação entre Deus e nós. A oração que vai e a oração que volta. Quando somos introduzidos no Espírito Santo, saímos cheios de oração, porque o Espírito Santo é oração, uma oração de fogo, infalível.

Nós damos o combustível, que é o nosso ar. Movemos nossas cordas vocais, movemos à boca, a língua, geramos sons; e o que acontece? O Espírito Santo ora, fala e canta em nós. Fornecemos a expressão palpável, mas quem dá o conteúdo, o fogo e a oração é o Espírito Santo. Você não imagina o valor dessa oração! Porque não somos nós orando simplesmente. É o Espírito Santo orando em nós!

Que acontece no dom de línguas? Quem entra em ação não é a nossa inteligência.

Movimentamos as cordas vocais, soltamos o ar, mexemos a língua, a boca, e produzimos som; mas o conteúdo vem do Espírito Santo. Da minha inteligência? Não! Da inteligência do Espírito Santo.

São Paulo explica isso na Epístola aos Romanos, 8,26: ”Do mesmo modo, também o Espírito vem em socorro da nossa fraqueza, pois não sabemos rezar como convém; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis”. Portanto é um Dom para os humildes, que exige a humildade para recebê-lo e dele usufruir de seus frutos e graças.

Essa explicação é bem simples: ”gemidos inexprimíveis”, quer dizer: gemidos que não podem ser entendidos, a não ser quando Deus dá a interpretação.

Quando ora por seu filho ou sua filha, você sabe exatamente do que eles precisam? Não. É por isso que o Espírito Santo vem em nosso auxílio: porque não sabemos o que pedir, nem sabemos orar como convém. Ele mesmo intercede por nós e em nosso favor, com gemidos inexprimíveis. Daí as maravilhas acontecem, porque é o Espírito Santo orando dentro de nós, por nós. São Paulo continua:

“E aquele que perscruta os corações sabe qual é a intenção do Espírito: com efeito, é segundo Deus que o Espírito intercede pelos santos” (Rm 8,27).

1 – Dom Alberto Taveira fala da oração em línguas: Esclarecimentos solicitados pelo CONSEP, a pedido de Dom Rafel: Clique AQUI e leia a matéria completa.

1. “Benefícios” da oração em línguas: Os carismas, sejam extraordinários ou humildes, são graças do Espírito Santo que têm, direta ou indiretamente, uma utilidade eclesial, ordenados como são à edificação da Igreja, ao bem dos homens e às necessidades do mundo. Carismas são “manifestações do Espírito para proveito comum”. São dons úteis, instrumentos de ação, para servir à comunidade.

Conceituação: a) “É um dom de oração cujo valor, enquanto ‘linguagem de louvor’, não depende do fato de que um lingüista possa ou não identificá-lo como linguagem no sentido corrente do termo”. É uma linguagem a-conceitual, que se “assemelha” às línguas conceituais. Não supõe absolutamente um estado de “transe” para praticá-la, não corresponde a um estado “extático”, e nem a uma exagerada emoção, permanecendo aquele que a pratica no total domínio de si mesmo e de suas emoções, pois o Espírito Santo jamais se apossa de alguém de modo a anular-lhe a personalidade.

b) É um dom que leva os fiéis a glorificar a Deus em uma linguagem não convencional, inspirada pelo Espírito Santo. É uma forma de louvar a Deus e uma real maneira de se falar e se entreter com Ele. Quando o homem está de tal maneira repleto do amor de Deus que a própria língua e as demais formas comuns de se expressar se revelam como que insuficientes, dá plena liberdade à inspiração do Espírito, de modo a “falar uma língua” que só Deus entende.

2. O “falar em línguas”, consignado nas Escrituras comporta três modalidades:

a) a oração em línguas, de caráter usualmente particular, pessoal, e que portanto não requer interpretação. Embora de caráter pessoal, ela pode ser exercitada também de modo coletivo, o que acontece nas assembléias onde todos exercem o “dom particular de orar em línguas”, ao mesmo tempo; obviamente, não supõe interpretação. No entanto, Deus – que ouve a oração que milhares de fiéis lhe dirigem concomitantemente de todos os cantos da Terra – por certo entende. Vale a intenção que está em nosso coração.

b) Essa oração também pode ser expressa em modalidade de canto, uma oração com uma melodia que não foi pré-estabelecida. Também essa modalidade não requer interpretação. A diferença em relação à modalidade anterior, é que aqui se trata de orar em línguas, mas num ritmo não falado, de expressão e cadência musical, de notas que se sucedem improvisadamente, numa modulação lírica com que se celebram as maravilhas de Deus. São cânticos que brotam geralmente nos momentos de louvor e adoração da assembléia, do grupo de oração, e que pouco tem em comum com os cânticos eclesiásticos tradicionais, ou também com os cantos de “composição artística”. Santo Agostinho, comentando as palavras do Salmo “Cantai ao Senhor um Cântico novo”, adverte que o cântico novo não é coisa “de homens velhos”. “Aprendem-no os homens novos, renovados da velhice por meio da graça, pertencentes ao Novo Testamento, que já é o Reino dos Céus. Por ele manifestamos todo o nosso amor e lhe cantamos um canto novo. Quando podes oferecer-lhe tamanha competência que não desagrade a ouvidos tão apurados?… Não busques palavras, como se pudesses dar forma a um canto que agrade a Deus. Canta com júbilo! Que significa cantar com júbilo? Entender sem poder explicar com palavras o que se canta com o coração. Se não podes dizer com tuas palavras, tampouco podes calar-te. Então, resta-te cantar com júbilo, se modo que te entregues a uma alegria sem palavras e a alegria se dilate no júbilo”.

c) Uma terceira modalidade do dom das línguas é aquela de uso essencialmente público, que quando é acompanhado do seu complemento, o dom da interpretação, tem como seu propósito a edificação dos fiéis e a convicção dos descrentes. Aqui o falar em línguas não assume o caráter de oração, mas de uma mensagem em línguas, dirigida à assembléia e não a Deus, como é o caso da oração, e que portanto requer o exercício do outro dom apontado por Paulo, o dom da interpretação. O Espírito dá a alguém a inspiração de “falar em línguas” em alta voz. Suas palavras contém uma mensagem espiritual para um ou mais ouvintes. A mensagem permanece incompreensível, enquanto não for interpretada. A mensagem interpretada assume, regularmente, as características de uma profecia carismática, que, segundo S. Paulo, edifica, exorta e consola a assembléia. Autores há que, em vista de maior clareza, dão outro nome a esta forma de falar em línguas. Chamam-na de “mensagem em línguas”, ou ainda de “profecia em línguas”. Em oposição ao “falar em línguas” durante a oração, este dom não está livremente à disposição da pessoa. Exige-se uma inspiração peculiar. Muitas vezes, ela está acompanhada de outra inspiração, a saber, num dos ouvintes que então “interpreta” a mensagem e a traduz em linguagem comum, para a comunidade. O dom de “falar mensagem em línguas” é um dom transitório manifestado vez ou outra nas reuniões de oração; e o Senhor pode servir-se ora deste, ora daquele, enquanto que o dom da interpretação geralmente é considerado permanente; é dom que pode ser pedido na oração.

3. Quando se deve orar em línguas? Só em atos próprios da RCC? Na TV para todos? Pode ser utilizada durante a Santa Missa, como parece ter acontecido na Oração dos fiéis nas missas de TV?

a) Sendo um dom do Espírito e um dom de oração, ele deveria ser permitido onde sempre é permitido orar. Nos atos próprios da RCC, o Documento 53, n. 25 da CNBB, já o levou em consideração.

Clique e veja neste grupo de Oração à importância desde Dom:

Vinde Espírito Santo e dai-nos o Dom da Oração!

Padre Luizinho, Com Canção Nova.
Diretor espiritual e Formador no Pré-discípulado.

Matérias relacionadas:
Seminário de Vida no Espírito Santo

O Amor de Deus é diferente e maior que qualquer amor!
O que é e como age o Dom do Discernimento dos espíritos?
É possível vencer o pecado!
Tem lhe faltado coragem? Peça o Dom da Fortaleza!

O Amor de Deus é diferente e maior do que qualquer outro amor!

quarta-feira, abril 18th, 2012

Quem não tem experiência de amor, de amar ou ser amado por alguém? Qual é a pessoa que mais te ama ou amou na vida? Você pode me responder: minha mãe, ninguém me amou mais que minha mãe; outro pode dizer, foi o meu pai, o seu amor firme mais concreto me ajudou a formar o meu caráter. Outros ainda podem dizer, foi minha avó com a sua ternura e misericórdia, meu marido, minha esposa, ah são meus filhos… Mas temos também experiências dolorosas que levam pessoas a afirmar: não acredito no amor; ninguém nunca me amou assim; o amor e Deus não existem, se existisse o mundo não estaria como esta! Eu considero tudo isso, mas peço somente que você leia e reflita sobre o Amor de Deus até o fim. O Amor de Deus é o nosso primeiro passo num caminho que começamos a trilhar agora, num Seminário de Vida e Dons no Espírito Santo, com um tema apresentado aqui no Seminário de vida on line.

Para começar posso dizer a você que o Amor de Deus é “diferente”, mais perfeito, puro e mais forte e fiel do que tudo que já experimentou em sua vida. É um Amor Divino que experimentamos em fleches, reflexos de amor humano. Alguns reflexos que nos ajudam a experimentar esse Amor. A presença forte e marcante do Pai, terna e quase incondicional do amor de mãe. Dos irmãos, amigos e a realidade mais palmável e humana o Amor de Jesus, que deu nome e uma fase ao infinito amor de Deus Pai.

Deus te ama com amor forte de pai: “Mesmo que as serras mudem de lugar, ou que as montanhas balancem meu amor para contigo nunca vai mudar, minha aliança perfeita nunca há de vacilar — diz o SENHOR, o teu apaixonado”. (Cf. Isaias 54,10)

Deus te ama com amor terno e incondicional de mãe: Sião vinha dizendo: “O SENHOR me abandonou, o SENHOR esqueceu-se de mim!” Acaso uma mulher esquece o seu neném, ou o amor ao filho de suas entranhas? Mesmo que alguma se esqueça, eu de ti jamais me esquecerei! (Cf. Isaias 49,15-16).

Deus ama você com amor forte e firme de pai e amor terno e misericordioso de mãe e o melhor esse amor nunca acaba, é incondicional, ou seja, independe de você ama-lo ou não, ser bom ou ruim, ser preto ou branco, rico ou pobre, mulher ou homem. Deus te ama porque você é seu filho: De fato, vós não recebestes espírito de escravos, para recairdes no medo, mas recebestes o Espírito que, por adoção, vos torna filhos, e no qual clamamos: “Abbá, Pai!” (cf. Rm 8,16-17).

Deus sempre tomou iniciativa em nossas vidas, quem ama se antecipa, percebi, observa, vai ao encontro, nos carrega com ele: “Nós amamos, porque ele nos amou primeiro” (I Jo 4,19).

Mesmo vivendo no pecado, contra Deus, negando-o, virando as costas pra Ele, o seu amor é imutável, mesmo no pecado Deus te ama! Onde, porém, se multiplicou o pecado, a graça transbordou” (Romanos 5,20). Essa graça é o amor de Deus por você, a única coisa que Deus não pode fazer é DEIXAR DE TE AMAR!

Tem gente que tem dificuldade para dar e receber amor, pelas situações que viveram na vida, traumas, desamor dos pais, indiferença, traições, desconfia de tudo e de todos e isso tudo pode nos impedir de experimentar o amor de Deus, por isso, deixe-se amar por Ele. Deixe que o Seu amor cure as tuas feridas, saiba que existe Alguém que cuida de você e te ama com amor eterno: lá de longe o SENHOR lhe apareceu: “Eu te amo com amor de eternidade; por isso, guardo por ti tanta ternura! Vou reconstruir-te, serás restaurada, virgem Israel. De novo pegarás o pandeiro e sairás dançando alegremente” (Jeremias 31, 3-4).

“Porque és precioso a meus olhos, porque eu te aprecio e te amo, permuto reinos por ti, entrego nações em troca de ti” (Isaias 43,4).

São João ensina que “Deus é Amor” apresentando-nos Deus em Sua essência e simplicidade: “Quem não ama, não chegou a conhecer Deus, pois Deus é amor” (cf. 1 Jo 4,8).

E tudo o que criou, o fez com este Amor que é Ele mesmo, “E Deus viu tudo quanto havia feito e achou que era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: o sexto dia” (Gênesis 1,31).

Isto nos ajuda a compreender que Deus ama em tudo o que fez e faz; que é Amor concreto, especialmente manifestado em Seu Filho, Jesus Cristo, que se entregou à morte por todos nós, quando nem ainda O conhecíamos: “De fato, Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (cf. Jo 3,16).

Sobre este Amor, e para que se torne uma experiência também concreta em nós, precisamos saber que é incondicional, pessoal, irreversível, onipresente, insubstituível, fiel e universal, entre tantas outras riquíssimas realidades.

É incondicional, porque absolutamente não existem condições impostas à sua presença. A verdade é que não precisamos ser bons, perfeitos, puros, boas pessoas, santos ou qualquer outra coisa boa, justa, correta para que o recebamos. É, portanto, incondicional!

É pessoal, porque para Deus não existem 7.000.000.000 de pessoas no planeta. Cada um é como o inteiro universo, por quem Ele entregaria Seu Filho à morte e para quem Ele criaria todo o mundo, se preciso fosse, de novo!

É irreversível, porque nunca volta atrás, não desiste mesmo que esqueçamos Sua presença. É sinal de que está sempre em nós, dentro e fora de nós, esperando por nós, a nosso dispor para que nos deixemos amar.

É onipresente, porque em tudo está! É que o Amor é o próprio Deus que em todas as circunstâncias está presente e assim nos ama e envolve de Amor toda a nossa vida. É um pacto de Amor!

É insubstituível, pois nada pode tomar Seu lugar! Porque é o Amor que criou o céu, a terra e tudo o que existe na terra e no universo. Não pode ser substituído por nada, pelo fato de que nada a ele se iguala!

É verdadeiramente fiel, mesmo quando somos infiéis e independente de quantas vezes somos infiéis, O Amor de Deus permanece fiel: “… se lhe somos infiéis, ele, no entanto, permanece fiel, pois não pode negar-se a si mesmo” (cf. 2Tm 2, 13).

É universal, porque existe para todos, sem exceção! Para Seus filhos, para os que estão perto e longe, dentro e fora de Sua Igreja, portanto, para os de todas as raças e credos, cores e culturas!

É claro que saber de tudo isso nada vale se não fizermos esta experiência de Amor!

Neste vídeo reze com a Salette Ferreira: O amor de Deus não muda jamais!

Rezemos assim: Meu Deus, hoje abro meu coração e toda a minha vida para que Tu me ames. Através de minha livre vontade e por causa da necessidade de Amor, eu aceito que Tu me ames e manifestes em mim o Teu Amor. Vem, meu Deus! Podes me amar! Mesmo que minha historia tenha sido de desamor e muito sofrida, mesmo que eu não tenha experimentado amor de pai aqui da terra, mesmo que hoje por causa de decepções e traições eu não acredite mais no amor. Eu quero e abro o meu coração ao teu amor de Pai e quero te amar com amor de filho. Obrigado, meu Deus, Assim seja.

Participe do Acampamento de Pentecostes na Canção Nova

Clique em comentários e diga você já experimentou o Amor de Deus em sua vida, como?

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
Diretor Espiritual e Formador no Pré-discipulado.

Matéria relacionada: Você pode escutar o Podcast: DEUS AMA VOCÊ!

Espírito Santo Meu Divino Amigo

sexta-feira, junho 10th, 2011

No Mistério da Santíssima Trindade experiência fundamental para nossa fé, conhecemos através da Divina Revelação a Pessoa do Pai, pois também temos experiência bastante concreta desta pessoa em nossa vida. O Filho Jesus Cristo assumindo a natureza humana, adquire um rosto, uma forma e ajuda a revelar também o Pai: “quem me vê, vê o Pai”. Como falar do Espírito Santo, esta Pessoa ainda tão desconhecida para nós?A Bíblia fala de suas manifestações e figuras, mas Ele mesmo não tem uma personificação, ora Ele é o fogo, a água, a Sombra do altíssimo, Unção, Mão de Deus, o Advogado e intercessor, mas, sobretudo Ele é o Amor do Pai e do Filho, amor entre o Pai e o Filho. Como falar desta Pessoa Divina ainda tão desconhecida?

O Espírito Santo é a terceira Pessoa da Santíssima Trindade: Crer no Espírito é, portanto, professar que o Espírito Santo é uma das Pessoas da Santíssima Trindade, consubstancial ao Pai e ao Filho, “adorado e glorificado com o Pai e o Filho” (CIC 685).

Essa é a experiência de nossa fé, sendo uma Pessoa nós podemos nos relacionar com o Espírito Santo, ser amigo, próximo, intimo porque não dizer. E é exatamente isso que essa Pessoa da Trindade deseja ardentemente de nós para poder nos revelar o amor do Pai e do Filho e o conhecimento dos dois. Esse é o primeiro grande beneficio de sermos amigos dessa pessoa divina, dele se aproximar.

O Espírito Santo, pela sua graça, é o primeiro no despertar da nossa fé e na vida nova que consiste em conhecer o Pai e Aquele que Ele enviou Jesus Cristo. (CIC 684).

O Espírito Santo é o nosso mestre de vida de oração, Ele nos ensina a rezar como convém isto é, alcançar na oração a Vontade de Deus, que alimenta e plenifica a nossa alma. “Da mesma forma, o Espírito vem em socorro de nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis” (Rom 8, 26).

Ninguém conhece o que há em Deus, senão o Espírito de Deus” (1 Cor 2, 11). Ora, o seu Espírito, que O revela, faz-nos conhecer Cristo, seu Verbo, sua Palavra viva; mas não Se diz a Si próprio. “Aquele que falou pelos profetas” faz-nos ouvir a Palavra do Pai. Mas a Ele, nós não O ouvimos. Não O conhecemos senão no movimento em que Ele nos revela o Verbo e nos dispõe a acolhê-Lo na fé (CIC 687).

Aproximar-se desta Pessoa divina, ser amigo dele me faz conhecer sua Palavra e o seu poder, só pelo Espírito Santo eu posso dizer Jesus Cristo é o Senhor. E pelo mesmo Espírito conhecer e experimentar o Amor de Deus Pai.

Primeiro grande fruto da amizade com o Espírito Santo à experiência do Amor de Deus e a salvação em Jesus Cristo proclamando seu senhorio. Ninguém será capaz de dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser sob influência do Espírito Santo (cf. ICor 12,3b).

Ele nos purifica dos nossos pecados, Manda teu espírito, e são criados, e assim renovas a face da terra (Sl 104, 30). Ilumina e abre a nossa inteligência: o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo (cf. Jo 14,26). O Espírito Santo nos ensina a ser dóceis e a obedecer aos mandamentos do Senhor: Porei em vós o meu espírito e farei com que andeis segundo minhas leis e cuideis de observar os meus preceitos (cf. Ez 36,27).

Este amigo divino Confirmará a esperança da vida eterna, pois Ele é o penhor da Herança dada por Cristo Jesus: Nele acreditastes e recebestes a marca do Espírito Santo prometido, que é a garantia da nossa herança, até o resgate completo e definitivo, para louvor da sua glória (Ef 1, 13-14). Ele revela aos nossos corações que de Deus nós somos filhos, devolve a dignidade e a convivência perdida pelo pecado original:

E a prova de que sois filhos é que Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: “Abbá, Pai!” Gl 4,6

Ele é o nosso conselheiro nas duvidas e nos mostra qual a Vontade de Deus: Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às Igrejas. Ao vencedor darei como prêmio comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus’ (Ap 2,7).

Anima-nos e nos levanta do abatimento: Deu-me o Senhor DEUS uma língua habilidosa para que aos desanimados eu saiba ajudar com uma palavra. Toda manhã ele desperta meus ouvidos para que, como bom discípulo, eu preste atenção (Is 50,4).

Ele é o nosso advogado contra o mundo, defensor contra o pecado e principalmente nos defende de nós mesmos quando não conhecemos os desígnios de Deus: e eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Defensor, para que permaneça sempre convosco: o Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber, porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis, porque ele permanece junto de vós e estará dentro de vós (cf. Jo 14,16-17).

Sendo amigo do Espírito Santo recorrendo a Ele, pedindo o socorro do seu auxilio chegaremos a Vontade do Pai cuja missão é imprimir em nossa alma, em nossa vida a SANTIDADE: eleitos conforme a presciência de Deus Pai e pela a santificação do Espírito, para obedecerem a Jesus Cristo e serem aspergidos com o seu sangue (I São Pedro 1,2). Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação (I Ts 4,3).

Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei (cf. Gl 5, 16. 22-23).

Sendo o Espírito Santo como uma Pessoa capaz de falar, agir, ter vontade, inteligência, sentimentos, alguém que ora, intercede e conhece a Vontade de Deus, você já fez a experiência de se relacionar com Ele, conversar, falar de suas aflições, dificuldades, duvidas, tristeza e alegrias. Imagine ter um amigo tão virtuoso e cheio de santidade disposto a dividi-la com você. Eu começo o meu dia assim que acordo cumprimentando-o “bom dia Espírito Santo! O que nós iremos fazer juntos hoje?”.

Comecemos agora a falar com Ele: Vem, Espírito Criador!

Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai e enchei os corações com vossos dons celestiais.Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par, a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai, por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor, nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz, se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer. Amém!

Escute na integra o Podcast:

Você é amigo do Espírito Santo? Deixe o seu comentario e seus pedidos de orações.

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Clamemos os Sete Dons do Espírito Santo

segunda-feira, junho 6th, 2011

Chegar A Solenidade de Pentecostes é celebrar a plenitude da Páscoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, sua vitória sobre o pecado e a morte, ao vir sobre a Igreja reunida se cumpre à promessa de Jesus: “Ao tomar a refeição com eles, deu-lhes esta ordem: “Não vos afasteis de Jerusalém, mas esperai a realização da promessa do Pai, da qual me ouvistes falar, quando eu disse: ‘João batizou com água; vós, porém, dentro de poucos dias sereis batizados com o Espírito Santo” (cf. Atos 1,4-5). Quando o Espírito Santo vem sobre a Igreja reunida com Maria e os Apóstolos, ela vive no seu nascimento na solenidade de Pentecostes a plenitude da Páscoa, que os fez testemunhas da vida Nova, e isso pode acontecer hoje comigo e com você.

Ao receber o Espírito Santo não devemos monopolizá-lo, Ele não é um Dom somente para mim, nem somente para Igreja, o Espírito Santo é um DOM para todos. O Espírito Santo que eu recebo e juntamente com Ele os Dons e Carismas, que são manifestações do Espírito, são para que imediatamente eu me coloque a serviço, a serviço da Igreja e dos irmãos. Por isso, que a experiência com o Espírito Santo aconteceu em Comunidade, nunca uma pessoa sozinha, pois Ele é o animador e santificador da Comunidade dos cristãos, da Igreja. É impossível fazer uma experiência com o Espírito de Deus fora da comunidade, esse foi o ambiente escolhido pelo Pai e por Jesus, é o ambiente adequado para que o Espírito Santo Venha e nos faça irmãos, servos e testemunhas do Evangelho.

Nós não somos monopolizadores do Espírito, somos “difusores” do Espírito Santo. Por isso, ao receber o Espírito Santo só é autentico quem se coloca a serviço, esse sim recebeu o Espírito Santo e o dá de maneira abundante como o fez Jesus, como fez Maria e os apóstolos. Não seja monopolizador do Espírito, eu não sou “a pessoa inspirada”, “o inteligente”, “o cheio de dons”, não. Vai se reconhecer se eu sou cheio do Espírito Santo quando eu me colocar a serviço dos irmãos, ai eu vou dá prova de que eu sou um homem conduzido pelo Espírito de Deus.

É hora de intensificarmos nosso pedido: Vinde Espírito Santo! Vinde sobre nós pessoalmente. Vinde sobre toda Igreja. Vinde sobre toda a cristandade. Nesta semana de Oração pela unidade dos cristãos Vinde sobre nós católicos, sobre os Ortodoxos, sobre os Evangélicos. Vinde sobre a humanidade inteira. Rezemos clamando nestes dias de preparação para a Solenidade de Pentecostes os sete dons do Espírito de Deus: SABEDORIA, INTELIGÊNCIA, CONSELHO, FORTALEZA, CIÊNCIA, PIEDADE E TEMOR DE DEUS:

DOM DA SABEDORIA: “Mal podemos compreender o que está sobre a terra, dificilmente encontramos o que temos ao alcance da mão. Quem, portanto, pode descobrir o que se passa no céu? E quem conhece vossas intenções, se vós não lhe dais a Sabedoria, e se do mais alto dos céus vós não lhe enviais vosso Espírito Santo? Assim se tornaram direitas às veredas dos que estão na terra; os homens aprenderam as coisas que vos agradam e pela sabedoria foram salvos” (Cf. Sb 9,16-18).

Vinde Espírito de sabedoria! Instruí o meu coração para que eu saiba estimar os bens celestes e antepô-los a todos os bens da terra.

Oração: Ó Deus Todo-poderoso concedei-nos o Dom da Sabedoria, a fim de que cada vez mais gostemos das coisas divinas e, abrasados no fogo do vosso amor, prefiramos com alegria as coisas do céu a tudo que é mundano e nos unamos para sempre a Jesus, sofrendo tudo neste mundo por amor. Por Jesus cristo, vosso Filho na unidade do Espírito santo.

DOM DA INTELIGÊNCIA: “Sabemos que aquele que nasceu de Deus não peca; mas o que é gerado de Deus se acautela, e o Maligno não o toca. Sabemos que somos de Deus, e que o mundo todo jaz sob o Maligno. Sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento para conhecermos o Verdadeiro. E estamos no Verdadeiro, nós que estamos em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna” (1 Jo 5,18-20).

Vinde espírito de Inteligência! Iluminai a minha mente Para que entenda e abrace todos os mistérios da fé e mereça alcançar um pleno conhecimento Vosso, do Pai e do Filho.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom do Entendimento, para que pela luz celeste de vossa graça, bem entendamos as sublimes verdades da salvação e a doutrina da santa religião. Por Jesus Cristo, vosso Filho na unidade do Espírito Santo.

DOM DO CONSELHO: “Ouve os conselhos, aceita a instrução: tu serás sábio para o futuro. Há muitos planos no coração do homem, mas é a vontade do Senhor que se realiza”. (Pr 19,20-21).

Vinde Espírito de Conselho! Assisti-me em todos os assuntos desta vida instável, torna-me dócil às inspirações e guiai-me sempre pelo caminho dos divinos mandamentos.

Oração: Ó Deus concedei-me o Dom do Conselho, tão necessário em tantos passos melindrosos da vida, para que sempre escolhamos o que mais vos agrada, e sigamos em tudo vossa divina graça. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

DOM DA FORTALEZA: “Demais, para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte”. (2Cor 12,7-10).

Vinde Espírito de Fortaleza! Fortalecei o meu coração em todas as perturbações e adversidades e daí à minha alma o vigor necessário para resistir ao pecado e ao maligno.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom da Fortaleza, para que desprezemos todo o respeito humano, fujamos do pecado, pratiquemos as virtudes da fortaleza com santo fervor e afrontemos com paciência e mesmo com alegria de espírito os desprezos, prejuízos e perseguições. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

DOM DA CIÊNCIA: “Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso vosso nome em toda a terra! Vossa majestade se estende triunfante, por cima de todos os céus. Que é o homem, digo-me então, para pensardes nele? Que são os filhos de Adão, para que vos ocupeis com eles? Entretanto, vós o fizestes quase igual aos anjos, de glória e honra o coroastes. Destes-lhe poder sobre as obras de vossas mãos, vós lhe submetestes todo o universo. Ó Senhor, nosso Deus, como é glorioso vosso nome em toda a terra”! (Sl 8,2. 5-7. 10).

Vinde Espírito de Ciência! Fazei-me ver a vaidade de todos os bens caducos deste mundo, para que não use senão para Vossa glória e salvação de minha alma.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom da Ciência, para que conheçamos cada vez mais a nossa própria miséria e fraqueza, a beleza das virtudes e o valor inestimável da alma e para que sempre vejamos claramente as ciladas do demônio, da carne, do mundo, a fim de evitá-las. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

DOM DA PIEDADE: “Recomenda esta doutrina aos irmãos, e serás bom ministro de Jesus Cristo, alimentado com as palavras da fé e da sã doutrina que até agora seguiste com exatidão. Exercita-te na piedade. Se o exercício corporal traz algum pequeno proveito, a piedade, esta sim, é útil para tudo, porque tem a promessa da vida presente e da futura”. (1Tm 4,6. 8).

Vinde Espírito de Piedade! Vinde morar no meu coração e inclinai-o para a verdadeira piedade e santo amor a Deus.

Oração: Ó Deus concedei-nos o Dom da Piedade, para que aprendamos a amar-vos como nosso Pai e a todos os homens como nossos irmãos. Pó Jesus cristo, vosso filho, na unidade do espírito Santo.

DOM DO TEMOR DE DEUS: “Meu filho, se acolheres minhas palavras e guardares com carinho meus preceitos, ouvindo com atenção a sabedoria e inclinando teu coração para o entendimento; se tu apelares à penetração, se invocares a inteligência, se tu apelares à penetração, se invocares a inteligência, então compreenderás o temor do Senhor, e descobrirás o conhecimento de Deus, porque o Senhor é quem dá a sabedoria, e de sua boca é que procedem à ciência e a prudência.” (Pr 2,1-6).

Vinde Espírito de Temor de Deus! Repassai a minha carne com o Vosso santo temor, de modo que tenha sempre Deus presente e evite tudo o que possa desagradar aos olhos de Sua divina majestade.

Oração: Ó Deus concedei-me o Dom do Santo Temor, para que sempre nos lembremos com suma reverencia e profundo respeito da vossa divina presença, e evitemos praticar tudo quanto possa vos desagradar. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Ouça o Podcast e reze na integra:

Deixe suas intenções em comentários e rezemos sem cessar: Vinde Espírito Santo!

Padre Luizinho, Com Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Viver na carne ou no Espírito Santo?

segunda-feira, maio 30th, 2011

Vejamos o que São Paulo, mestre na vida no Espírito nos fala em Gálatas 5, 16- 25:

Eu vos exorto: deixai-vos sempre guiar pelo Espírito, e nunca satisfaçais o que deseja uma vida carnal. Pois o que a carne deseja é contra o Espírito, e o que o Espírito deseja é contra a carne: são o oposto um do outro, e por isso nem sempre fazeis o que gostaríeis de fazer. Se, porém, sois conduzidos pelo Espírito, então não estais sob o jugo da Lei” (Gl 5,1-18).

“Exatamente porque há uma oposição entre a carne e o Espírito, também para entendermos essa oposição entre os desejos do nosso corpo (Carne) e os desejos e aspirações do nosso espírito, que deseja a vida divina algo muito maior, lembra daquela passagem onde Jesus diz: “O espírito esta pronto, mas a carne é fraca”.

“São bem conhecidas às obras da carne: imoralidade sexual, impureza, devassidão, idolatria, feitiçaria, inimizades, contenda, ciúmes, iras, intrigas, discórdias, facções, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Eu vos previno, como, aliás, já o fiz: os que praticam essas coisas não herdarão o reino de Deus. O fruto do Espírito, porém, é: amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, lealdade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não existe lei. Os que pertencem a Jesus Cristo crucificaram a carne com suas paixões e seus desejos. Se vivemos pelo Espírito, procedamos também de acordo com o Espírito” (Gl 5,19-25).

“Com efeito, aquele que Deus enviou fala a linguagem de Deus, porque ele concede o Espírito sem medidas” (Jo 3,34). A Vida Nova que recebemos de Cristo Jesus é o primeiro Fruto do Espírito Santo!

“Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Passou o que era velho, eis que tudo se faz novo” (II Cor 5,17). É isso que acontece com quem decide viver no Espírito, vai substituindo as obras da carne pelas obras do Espírito santo.

Este é um itinerário de espiritualidade, de relacionamento com Deus em Jesus Cristo no poder do Espírito Santo. É o Querigma, que a Igreja usa desde seus inícios. Depois de ter tido a experiência do Amor de Deus, o encontro pessoal com Jesus Ressuscitado, uma mudança interior em relação ao pecado e ao Senhorio de Jesus, eu preciso fazer uma escolha: viver na carne ou viver no Espírito? O batismo no Espírito Santo me capacita para ser uma nova criatura, isso é caminho de santidade.

Os frutos da carta de São Paulo aos Gálatas cap. 5, 19: Ele fala de carne e espírito. A palavra carne é usada num sentido negativo; Paulo também explicou o que significa ‘mundo’, usado pela bíblia como coisa negativa, tudo que se opõe a Deus.

E o sentido que ele usa a palavra ‘carne’ de forma negativa: ‘As obras da carne: imoralidade sexual, impureza, contenda, ciúmes, iras, intrigas, discórdias, facções, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Eu vos previno, como, aliás, já o fiz: os que praticam essas coisas não herdarão o reino de Deus‘.

Pode já ter acontecido que já tenhamos produzido tais frutos: ou ficamos abatidos, chateados, dizendo ‘como sou mau’, e fico bloqueado, e não caminho. A quem eventualmente possa ter feito toda essa ladainha da carta aos Gálatas, eu digo: levante a cabeça, e comece a produzir os frutos do Espírito. E a melhor coisa é saber que é possível viver no Espírito para a santidade!

É necessária, num caminho de conversão e de frutos, a decisão; é necessário fazer uma escolha. Mesmo que neste caminho, neste ideal que eu escolhi eu caia. Mas nesta escolha eu posso levantar. Se eu sou de Deus, se minha vida é patrimônio de Deus, eu vou caminhar e continuar a minha estrada. Vou ‘recomeçar’.

Quando eu falo de escolher, decidir, buscar um rumo, um ideal, onde está o problema? Muitas vezes você decide: passa depressa do sentimento para a ação – dá um salto, perdendo totalmente o controle. Logo após eu ponho a mão na cabeça e peço perdão porque agi sem pensar.

Algo muito simples que quero passar para vocês, que nos ajuda a buscar o rumo da nossa vida. Temos no ato humano, quatro formas de trabalhar o nosso agir: Sentir, pensar, querer, agir.

Se você quer viver, você não pode decidir agir, somente pelo sentimento, esse é o desastre na vida das pessoas. Isso não é vantagem no ser homem ou mulher. Não é vantagem em falar que é franco que tudo vem em sua cabeça, é como um animal – cutucou, deu coice! Aí está o desastre do nosso mundo!

“… o fruto do Espírito Santo é a caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança” (Gl 5,22-23).

O Fruto Verdadeiro – fruto do Espírito Santo que nos dá todas as características de Jesus, da vida de Cristo. Parece bom e é bom para a vida de santificação.

O Fruto Artificial ou Falso – tem o mesmo formato, isto é, semelhante ao verdadeiro, mas não vem do Espírito Santo e sim dos conceitos do mundo que me formou durante muito tempo. Parece bom, mas não é verdadeiro.

O Fruto Podre – tem as características da “carne”, tem as qualidades dos pecados capitais. Parece ruim e é ruim.

Venha Participar do Acampamento de Pentecostes na Canção Nova.

Oração: Ó Espírito Santo, amor do Pai e do Filho! Inspirai-me sempre aquilo que devo pensar, aquilo que devo dizer, como eu devo dizê-lo, aquilo que devo calar, aquilo que devo escrever, como eu devo agir, aquilo que devo fazer, para procurar a Vossa glória, o bem das almas e minha própria santificação. Ó Jesus, toda a minha confiança está em Vós. Ó Maria, Templo do Espírito Santo, ensinai-nos a sermos fiéis àquele que habita em nosso coração. Cardeal Verdier

Escute na integra o Podcast:

Vinde Espírito Santo e daí-nos Vida Nova!!!

Padre Luizinho, Com. Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho