Posts Tagged ‘Igreja’

Deve-se orar especialmente por todo o Corpo da Igreja

terça-feira, outubro 9th, 2012

Em vista de um anuncio renovado da fé cristã, o Papa Bento XVI convocou a Assembléia Geral dos Bispos para refletir sobre a nova evangelização no anuncio da fé cristã. Pois disse o Papa em sua Homilia de abertura Domingo dia 07 de Outubro: “A Igreja existe para evangelizar”. Rezemos com a Virgem Maria clamando o Espírito Santo, para o bom êxito de todos os trabalhos e do ano da Fé.

Imola a Deus um sacrifício de ação de graças e cumpre teus votos ao Altíssimo (Sl 49,14). Louvar a Deus é fazer um voto de louvor e cumpri-lo. Por isto o samaritano se sobressai aos demais porque, ao ser purificado com os outros nove da lepra, pela palavra do Senhor, voltou sozinho a Cristo e engrandeceu a Deus com ação de graças. Dele disse Jesus: Não houve dentre eles quem voltasse e desse graças a Deus a não ser este estrangeiro. E dirigindo-se a ele: Levanta-te e vai; tua fé te salvou (Lc 17,18-19).

O Senhor de modo divino também te ensinou a bondade do Pai que sabe dar coisas boas, para que ao Bom peças tudo o que é bom. E aconselhou a orar com instância e repetidamente; não em prece fastidiosa pela duração, mas continuada pela frequência. Futilidades afogam as mais das vezes, a longa oração, e na muito interrompida facilmente se insinua o descuido.

Exorta ainda a que, quando lhe pedes perdão para ti, saibas que será concedido, sobretudo aos outros, na medida em que apoiares o pedido com a voz de tuas obras. O Apóstolo também ensina que se deve orar sem ira nem contestação, para que não se turve não se altere tua súplica. E ainda ensina que se há de rezar em todo lugar (cf. 1Tm 2,8), pois disse o Salvador: Entra em teu quarto (Mt 6,6).

Não entendas, porém, um quarto cercado por paredes, onde teu corpo fica fechado, mas o quarto que existe dentro de ti, onde são encerrados teus pensamentos, onde moram teus sentimentos. Este quarto de tua oração em toda parte está contigo, em toda parte é secreto, sem outro juiz que não Deus só.

Aprendeste também que se deve rezar principalmente pelo povo, quer dizer, pelo Corpo inteiro, por todos os membros de tua Mãe, onde se nota a mútua caridade. Se, pois, pedes por ti, somente por ti rogarás. E se apenas por si roga cada qual, será menor a graça do pecador do que a do intercessor. Agora, porém, já que cada um pede por todos, então todos rezam por cada um.

Portanto, para resumirmos, se apenas pedes por ti somente, como dissemos, pedirás por ti. Ao passo que se pedes por todos, todos pedirão por ti. Na verdade também tu estás em todos. É assim grande a recompensa: que pela intercessão de um se beneficie o povo inteiro. Não há nisto nenhuma arrogância; porém, há maior humildade e mais copiosos frutos.

Do Tratado sobre Caim e Abel, de Santo Ambrósio, bispo
(Lib. 1, 9,34. 38-39: CSEL 32,369.371-372)(Séc. IV)

Escutai, ó Senhor Deus, minha oração, atendei à minha prece, ao meu clamor. Dos confins do universo a vós eu clamo. Pois, ouvistes ó Senhor, minhas promessas e me fizestes tomar parte na herança daqueles que respeitam vosso nome.  Dos confins do universo a vós eu clamo. Sl 60 (61), 2-3a.6

Oração: Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis no vosso imenso amor de Pai mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Matéria relacionada: A confissão é o primeiro alicerce da Evangelização

Nove perguntas sobre o Ano da Fé

quarta-feira, outubro 3rd, 2012

Com a Carta apostólica Porta fidei de 11 de outubro de 2011, o Santo Padre Bento XVI convocou um Ano da Fé. Ele começará no dia 11 de outubro 2012, por ocasião do qüinquagésimo aniversário da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II, e terminará aos 24 de novembro de 2013, Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.

Este ano será uma ocasião propícia a fim de que todos os fiéis compreendam mais profundamente que o fundamento da fé cristã é “o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. Bento XVI, Carta Enc. Deus caritas est, n 1. Fundamentada no encontro com Jesus Cristo ressuscitado, a fé poderá ser redescoberta na sua integridade e em todo o seu esplendor. “Também nos nossos dias a fé é um dom que se deve redescobrir, cultivar e testemunhar” para que o Senhor “conceda a cada um de nós viver a beleza e a alegria de sermos cristãos” Homilia na Festa do Batismo do Senhor, 10 de janeiro 2010.

Mas de que se trata? O que deseja o Santo Padre? O que se pode fazer? A 08 dias do início, respostas às perguntas que surgem.

1. O que é o Ano da Fé?
O Ano da Fé “é um convite para uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo” (Porta Fidei, 6). Um profundo encontro com Deus e aprofundamento da fé.

2. Quando se inicia e quando termina?
Inicia-se a 11 de outubro de 2012 e terminará a 24 de novembro de 2013.

3. Por que nessas datas?
Em 11 de outubro coincidem dois aniversários: o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II e o 20º aniversário da promulgação do Catecismo da Igreja Católica. O encerramento, em 24 de novembro, será a solenidade de Cristo Rei.

4. Por que é que o Papa convocou este ano?
“Enquanto que no passado era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje parece que já não é assim em grandes setores da sociedade, devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas”. Por isso, o Papa convida para uma “autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo”. O objetivo principal deste ano é que cada cristão “possa redescobrir o caminho da fé para fazer brilhar, com evidência sempre maior, a alegria e o renovado entusiasmo do encontro com Cristo”.

5. Quais meios assinalou o Santo Padre?
Como expôs no Motu Proprio “Porta Fidei”: Intensificar a celebração da fé na liturgia, especialmente na Eucaristia; dar testemunho da própria fé; e redescobrir os conteúdos da própria fé, expostos principalmente no Catecismo.

6. Onde terá lugar?
Como disse Bento XVI, o alcance será universal. “Teremos oportunidade de confessar a fé no Senhor Ressuscitado nas nossas catedrais e nas igrejas do mundo inteiro, nas nossas casas e no meio das nossas famílias, para que cada um sinta fortemente a exigência de conhecer melhor e de transmitir às gerações futuras a fé de sempre. Neste Ano, tanto as comunidades religiosas como as comunidades paroquiais e todas as realidades eclesiais, antigas e novas, encontrarão forma de fazer publicamente profissão do Credo”.

7. Onde encontrar indicações mais precisas?
Numa nota publicada pela Congregação para a doutrina da fé.

Aí se propõe, por exemplo:

– Encorajar as peregrinações dos fiéis à Sede de Pedro;
– Organizar peregrinações, celebrações e reuniões nos principais Santuários.
– Realizar simpósios, congressos e reuniões que favoreçam o conhecimento dos conteúdos da doutrina da Igreja Católica e mantenham aberto o diálogo entre fé e razão.
– Ler ou reler os principais documentos do Concílio Vaticano II.
– Acolher com maior atenção as homilias, catequeses, discursos e outras intervenções do Santo Padre.
– Promover transmissões televisivas ou radiofônicas, filmes e publicações, inclusive a nível popular, acessíveis a um público amplo, sobre o tema da fé.
– Dar a conhecer os santos de cada território, autênticos testemunhos de fé.
– Fomentar o apreço pelo patrimônio artístico religioso.
– Preparar e divulgar material de caráter apologético para ajudar os fiéis a resolver as suas dúvidas.
– Eventos catequéticos para jovens que transmitam a beleza da fé.
– Aproximar-se com maior fé e frequência do sacramento da Penitência.
– Usar nas escolas ou colégios o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica.
– Organizar grupos de leitura do Catecismo e promover a sua difusão e venda.

8. Que documentos posso ler por agora?
O motu proprio de Bento XVI “Porta Fidei”

A nota com indicações pastorais para o Ano da Fé
O Catecismo da Igreja Católica
40 resumos sobre a fé cristã

9. Onde posso obter mais informação?
Visite os sites annusfidei.va / www.cancaonova.com

Como você pretende viver este ano da Fé? Deixe seus comentarios e novas perguntas.

Fonte: ZENIT.org / http://www.opusdei.org.br/art.php?p=50231)

Padre Luizinho, Comunidade Canção Nova.
twitter.com/padreluizinho

O Espírito e a Esposa dizem Vem Senhor Jesus!

quarta-feira, junho 8th, 2011

“Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria” (João 16,16-20).

A nossa vida é marcada pelo tempo, que quer dizer brevidade. Tempo quer dizer realidade, naturalidade, mas quer dizer também o sobrenatural que marca o tempo, que se dá na história. O Senhor esta falando aqui de partes da Historia. O tempo entre a Páscoa e a Ascensão nos ensina a compreender bem este tempo que estamos vivendo na nossa fé. “Um pouco de tempo” é o tempo que o Senhor passou com eles, presença física de Jesus, que esteve com eles, caminhou com eles, que pregou e realizou milagres. “Um pouco mais de tempo e não me vereis”, a presença do Senhor é essencial para nossa fé, mas este tempo que a ascensão do senhor anuncia é o tempo da ausência de Jesus, Ele não estará presente e precisará ser reconhecido de outras formas.

A Igreja entendeu que os cinqüentas dias que o Senhor passou com os discípulos falando das coisas do Reino, das coisas do céu, esclarecendo os mistérios que eles não compreenderam durante sua presença na terra. E quem dá essa compreensão é O Espírito Santo, lembremos quando após a ressurreição eles estavam escondidos com medo da perseguição e também porque lhes faltava algo. Jesus entra onde eles estavam e sobra sobre eles o Espírito e lhes abrem a inteligência: Jesus disse de novo: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou também eu vos envio”. Então, soprou sobre eles e falou: “Recebei o Espírito Santo” (cf. Jo 20,21-22). Há momentos em nossa vida que parece que Deus esta longe, não sentimos Deus nem fora nem dentro, não ha sinal, não conseguimos escutar sua voz, não percebemos sua presença. É o momento da duvida, da confusão, da agitação, mas sem medo de dizer é o tempo onde nós mais crescemos na fé.

Porque quem esta nos guiando e guiando a Igreja, “um pouco mais de tempo e me vereis de novo” é o tempo do Espírito Santo. É Ele que nos dá capacidade de crescer na fé, de enxergar Deus sem vê-lo, de ouvir o Senhor e perceber sua ação em nós, nas pessoas e nas situações, mesmo quando parece que Ele esta fora e perdemos o controle das coisas. É o Espírito Santo que nos da essa capacidade de amadurecer na fé e que deu aos apóstolos a capacidade de reconhecer a Jesus sem ter a sua presença física.

Ficareis tristes, o Senhor sobe ao Pai, agora eles precisam crescer muito mais interiormente, espiritualmente, em sensibilidade espiritual. Agora precisamos crescer muito mais interiormente, qualidade de vida espiritual. É isso que o espírito Santo quer dar a nós. É Ele que abre a nossa inteligência para que possamos entender as Escrituras, encontrar Cristo nas Sagradas Escrituras. Este tempo após a Páscoa e a Ascensão do Senhor quer ensinar reconhecer Cristo e sua presença transformadora de maneira nova, através dos Sacramentos, através da sua Igreja, através da pregação da Palavra e das autoridades da Igreja, dos pastores que Ele deixou e por excelência por meio da Eucaristia, onde o Senhor esta em seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade. “Sem fé é impossível agradar a Deus” (Hebreus 11,6).

Sem fé não é possível enxergar Jesus e sua ação num momento de noite escura, silencio de Deus, de ausência de Deus, de duvida, de confusão, não dá pra prosseguir, para crescer na fé. Sem O Espírito Santo não temos condições de crescer, nós paramos no natural, só nas coisas que a gente consegue ver, nas falhas nas dificuldades, nos erros, nos problemas e nos pecados. Sem a ação do Espírito Santo não há possibilidade de acreditar sempre em Deus, nos outros e em nós mesmos. Este é o tempo do Espírito Santo, Ele esta preparando a Igreja e o mundo para segunda vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esta amadurecendo a Igreja, esta amadurecendo os cristãos, Ele é essa Pessoa da Santíssima Trindade destinada para este tempo. A Missão do Espírito Santo de Deus é lapidar a nossa alma, a nossa pessoa, levar-nos à santidade, apresentar a Igreja, sua esposa, sem ruga, sem mancha ao Senhor. E isso tudo acontece neste ambiente onde nós precisamos aprender a perceber Deus, sua voz, sua ação.

Um trabalho ainda mais precioso do Espírito Santo, mais difícil, pois podemos perceber a ação de Deus agindo até com poder, através da Sua Palavra e dos Sacramentos que realizam a sua missão mesmo sem que a gente creia. O mais difícil não é começar a perceber a ação de Deus, o que Ele quer fazer como quer nos dirigir. A obra mais difícil do Espírito Santo a nosso respeito é abrir o nosso coração para querer, para aceitar, colaborar com Ele. Pois Deus nos salvou sem a nossa participação, mas a nossa santificação não se dá sem a nossa participação, nossa colaboração. Se existe um segredo para alguém que esta crescendo na fé neste tempo do Espírito é: “porque o aguardamos com perseverança. Da mesma forma, o Espírito vem em socorro de nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis” (cf. Rm 8,25-26).

“Essa vossa tristeza se transformará em alegria”, porque o que o Espírito Santo encontrando um coração aberto, disposto não pode transformar. O que o Espírito Santo não pode transformar? A missão do Espírito Santo ficou clara quando encontrou uma jovem aberta, humilde e de coração disposto que disse faça-se. O Espírito Santo gerou no ventre de uma virgem, sem participação de homem um filho, pois para Deus tudo é possível. Assim começou a obra do Espírito Santo na Igreja. O que o Espírito Santo não pode mudar converter e transformar? O Espírito Santo de Deus encontrou uma prostituta de coração aberto, que jogada aos pés de Jesus foi transformada em discípula, Maria Madalena. O Espírito Santo encontrou um homem através de Jesus, político e cobrador de impostos na sua coletoria. Jesus passou e a palavra diz olhou para ele e disse segue-me. Mateus imediatamente largou tudo e seguiu Jesus. Quando Jesus passava por Jericó o Espírito Santo encontrou um baixinho disposto e cheio de atitude, que subiu numa arvore para ver Jesus passar e o Senhor olha para ele e diz: Desce depressa hoje eu vou ficar na sua casa. Zaqueu desce depressa e o acolhimento que ele dá ao Senhor é a abertura e a disposição ao Espírito Santo: “Eu vou restituir quatro vezes mais se eu defraudei alguém”. Corrigiu a vida, corrigiu o que ele fez de errado.

O que o Espírito Santo pode fazer em mim e em você?Não há obstáculo para o Espírito Santo num coração aberto e disposto. O segredo para este tempo até a segunda vinda de Nosso Senhor é ser amigo do Espírito Santo, ser cheio do Espírito Santo é clamar sem cessar a sua ação, é não fazer nada sem Ele pedindo o seu auxilio, a sua força à nossa fraqueza, qual a sua maior fraqueza hoje? O Espírito vem em socorro de nossa fraqueza. Não há nada que o Espírito Santo não possa transformar, mudar, controlar, converter e santificar. Ele pode transformar um homossexual e uma lésbica? Pode e nós temos testemunhos disso. O Espírito Santo pode transformar uma prostituta, um ladrão e um político corrupto? Pode. Ele pode mudar a vida de um assassino? Pode. O Espírito Santo pode porque essa é a promessa de Jesus: “Farei novas todas as coisas!” (Ap 21,5).

O Espírito Santo pode transformar você! Ele pode curar uma pessoa suicida, Ele pode curar alguém que vem sofrendo há tempos desda sétima geração de depressão e hoje de síndrome do Pânico? Pode, o Espírito Santo pode porque Ele é Deus. Só depende de mim e de você, abrindo o coração e transformando a sua abertura em disposição e a disposição em atitude é disso que Ele precisa. O Espírito Santo pode controlar mudar os meus sentimentos e vontades, trabalhar tudo que foi plantado de gerações em gerações na minha mente, na minha memória e no meu inconsciente e subconsciente? Pode. O Espírito Santo vai há lugares no nosso interior e na nossa vida que nenhum ser humano consegue ir. Ele pode curar todas as marcas que eu trago no meu coração da minha historia, de tudo que eu possa ter vivido de ódio, ressentimento, magoas, abusos, de vícios como álcool, drogas e distúrbios sexuais? O Espírito Santo pode transformar todas as coisas!

O que você precisa que o Espírito Santo transforme, restaure? Você tem se encontrado cansado, desacreditado de Deus, dos outros e até de você? Não tem tido visão espiritual das coisas, esta sem esperança, não tem conseguido escutar a Deus e perceber a sua ação? O Espírito Santo pode e quer ajudar você. Que o seu clamor seja incessante neste tempo, pois só o Espírito de Deus pode realizar a unidade dos cristãos e a unidade dos nossos corações. O Espírito e a esposa dizem Vem Senhor Jesus!

Acampamento de Pentecostes na Canção Nova

Oração: Vinde Espírito Criador, a nossa alma visitai e enchei os corações com vossos dons celestiais.  Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par, a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar. Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai, por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai. A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor, nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor. Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz, se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás. Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer. Amém!

Escute na integra o Podcast:

O Espírito e a Esposa dizem Vem Senhor Jesus!

Padre Luizinho, Com Canção Nova.
http://twitter.com/padreluizinho

Reze o 6° Dia da Novena A Nossa Senhora de Lourdes

segunda-feira, fevereiro 7th, 2011

Maria confirma a palavra da Igreja: Em repetidas aparições, a Santíssima Virgem insiste na necessidade de se fazer penitência e de orar pelos pecadores. Nossa Senhora também manifesta o desejo de ver erguida uma capela naquele local, no qual aparecera, para que ali fosse visitada por fiéis em peregrinações.

No dia 2 de março, a Virgem Maria diz a Bernadete: “Vai dizer aos sacerdotes que os fiéis venham aqui em procissão e que aqui se construa uma capela”. E esta mesmo sem entender ao certo que esta mulher misteriosa era a Santíssima Virgem – vai e dá o recado ao sacerdote responsável pela paróquia. O pároco manda dizer à referida Senhora, que se esta queria uma capela, deveria antes lhe informar o seu nome, e como prova deveria fazer florir uma rosa selvagem naquela gruta, apesar de estarem em pleno inverno.

E esta Senhora de aparência sobrenatural lhe responde: “Eu sou a Imaculada Conceição”. Bernadete sai correndo, repetindo pelo caminho este nome, para dizer ao sacerdote, aquele nome que nem mesmo ela compreendera. Em 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX, na Bula Ineffabilis Deus, fez a definição oficial do dogma da Imaculada Conceição de Maria.

Oração Inicial

Senhor meu Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador e redentor meu, por ser Vós quem sois, e porque vos amo sobre todas as coisas, a mim me pesa de todo coração ter-vos ofendido, e proponho firmemente nunca mais pecar, confessar-me, cumprir a penitência que me for imposta e apartar-me de todas as ocasiões de ofender-Vos.

Ofereço-vos minha vida, obras e trabalhos em satisfação de todos meus pecados;
E confio em vossa bondade e misericórdia infinita para que me perdoeis pelos méritos de vosso preciosíssimo sangue, Paixão e morte, e me dareis graça para emendar-me e para perseverar em vosso Santo serviço até o fim de minha vida. Amém

Sexto Dia

Oh! Virgem de Lourdes e Virgem das virgens, açucena candíssima, Virgem Imaculada, pomba sem mancha!
Vós, que fostes concebida sem pecado;
Vós, que tanto amais a castidade e tanto quereis a vossos filhos, tende compaixão de mim e livrai-me desta penosa concupiscência que me afunda em um mar de pecados.
Alcançai-me de vosso Filho a graça da castidade para viver na terra como os anjos do céu. Amém.

Pai Nosso / Ave Maria / Glória ao Pai
Pedir a graça que se deseja obter com esta novena.

Oração Final (para todos os dias)

A Vossa proteção recorremos santa Mãe de Deus; Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, Oh, sempre Virgem gloriosa e bendita!
V. Rogai por nós, Oh! Virgem de Lourdes!
R. Para que sejamos dignos das promessas de Jesus Cristo.
Oh! Deus eterno e compassivo! Concedei-nos a graça de viver santa e cristamente, venerando a Virgem Santíssima de Lourdes, para que sejamos dignos de sua intercessão na vida e na hora da morte. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

Pai Nosso / Ave Maria / Glória ao Pai.

Nossa Senhora saúde dos enfermos rogai por nós!

Clique em comentários e deixe os seus pedidos de orações.

Padre Luizinho,
Comunidade Canção Nova.

Apelo a Todos os Brasileiros e Brasileiras

terça-feira, agosto 31st, 2010

Quanto vale o seu voto? Lembre-se que ele pode valer milhares de vidas inocentes, pode valer oportunidades de crescer, de mudar ou continuar… Por isso, pense bem na hora de com um dedo eleger os governantes do nosso país. Aqui vai mais uma colaboração para ajudar você a refletir e escolher bem os nossos representantes nesta eleição 2010.

Nós, participantes do 2º Encontro das Comissões Diocesanas em Defesa da Vida (CDDVs), organizado pela Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB e realizado em S. André no dia 03 de julho de 2010,

Considerando que, em abril de 2005, no IIº Relatório do Brasil sobre o Tratado de Direitos Civis e Políticos, apresentado ao Comitê de Direitos Humanos da ONU (nº 45) o atual governo comprometeu-se a legalizar o aborto,

Considerando que, em agosto de 2005, o atual governo entregou ao Comitê da ONU para a Eliminação de todas as Formas de Descriminalização contra a Mulher (CEDAW) documento no qual reconhece o aborto como Direito Humano da Mulher,

Considerando que, em setembro de 2005, através da Secretaria Especial de Política das Mulheres, o atual governo apresentou ao Congresso um substitutivo do PL 1135/91, como resultado do trabalho da Comissão Tripartite, no qual é proposta a descriminalização do aborto até o nono mês de gravidez e por qualquer motivo, pois com a eliminação de todos os artigos do Código Penal, que o criminalizam, o aborto, em todos os casos, deixaria de ser crime,

Considerando que, em setembro de 2006, no plano de governo do 2º mandato do atual Presidente, ele reafirma, embora com linguagem velada, o compromisso de legalizar o aborto,

Considerando que, em setembro de 2007, no seu IIIº Congresso, o PT assumiu a descriminalização do aborto e o atendimento de todos os casos no serviço público como programa de partido, sendo o primeiro partido no Brasil a assumir este programa,

Considerando que, em setembro de 2009, o PT puniu os dois deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso por serem contrários à legalização do aborto,

Considerando como, com todas estas decisões a favor do aborto, o PT e o atual governo tornaram-se ativos colaboradores do Imperialismo Demográfico que está sendo imposto em nível mundial por Fundações Internacionais, as quais, sob o falacioso pretexto da defesa dos direitos reprodutivos e sexuais da mulher, e usando o falso rótulo de “aborto – problema de saúde pública”, estão implantando o controle demográfico mundial como moderna estratégia do capitalismo internacional,

Considerando que, em fevereiro de 2010, o IVº Congresso Nacional do PT manifestou apoio incondicional ao 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3), decreto nª 7.037/09 de 21 de dezembro de 2009, assinado pelo atual Presidente e pela ministra da Casa Civil, no qual se reafirmou a descriminalização do aborto, dando assim continuidade e levando às últimas consequências esta política antinatalista de controle populacional, desumana, antisocial e contrária ao verdadeiro progresso do nosso País,

Considerando que este mesmo Congresso aclamou a própria ministra da Casa Civil como candidata oficial do Partido dos Trabalhadores para a Presidência da República,

Considerando enfim que, em junho de 2010, para impedir a investigação das origens do financiamento por parte de organizações internacionais para a legalização e a promoção do aborto no Brasil, o PT e as lideranças partidárias da base aliada boicotaram a criação da CPI do aborto que investigaria o assunto,

RECOMENDAMOS encarecidamente a todos os cidadãos e cidadãs brasileiros e brasileiras, em consonância com o art. 5º da Constituição Federal, que defende a inviolabilidade da vida humana e, conforme o Pacto de S. José da Costa Rica, desde a concepção, independentemente de sua convicções ideológicas ou religiosas, que, nas próximas eleições, deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalização do aborto.

Convidamos, outrossim, a todos para lerem o documento “Votar Bem” aprovado pela 73ª Assembléia dos Bispos do Regional Sul 1 da CNBB, reunidos em Aparecida no dia 29 de junho de 2010 e verificarem as provas do que acima foi exposto no texto “A Contextualização da Defesa da Vida no Brasil” [http://www.cnbbsul1.org.br/arquivos/defesavidabrasil.pdf], elaborado pelas Comissões em Defesa da Vida das Dioceses de Guarulhos e Taubaté, ligadas à Comissão em Defesa da Vida do Regional Sul 1 da CNBB, ambos disponíveis no site desse mesmo Regional.

COMISSÃO em DEFESA da VIDA
do REGIONAL SUL 1 da CNBB

Clique aqui e Reze A Quaresma de São Miguel

@padreluizinho
@cancaonova

Nossa Senhora realmente subiu ao Céu?

sábado, agosto 14th, 2010

Padre qual a diferença entre as palavras ascensão e assunção?

Observe a diferença da palavra usada para a subida de Cristo ao céu se diz Ascensão, porque Cristo subiu ao céu por seu próprio poder, e ninguém a não ser Deus pode subir ao céu por si mesmo. Por isso se diz que Nossa Senhora foi levada ao céu. Assunção de Nossa Senhora ao céu quer dizer exatamente isso: que ela foi levada ao céu. Ela não subiu ao céu por seu próprio poder. Só Jesus subiu ao céu por seu próprio poder. Maria, pelos méritos de Cristo, antecipa em sua pessoa todas as graças destinadas aos cristãos pela morte e ressurreição de Jesus.

Escute essa entrevista:

2° Maria realmente subiu ao céu em corpo e alma, o que nos diz a Igreja?

Maria subiu realmente aos céus em corpo e alma, porque para lá foi levada por Deus. Sim isto é verdade.

Você sabe que a morte foi fruto do pecado de Adão. Pelo pecado de Adão, entrou a morte no mundo, como escreveu São Paulo: “Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6,23).

Ora, Cristo preservou sua Mãe do pecado original. Ela estava, pois dispensada de morrer, e ela só quis morrer, para imitar o seu Divino Filho, que não tinha pecado, mas quis morrer na cruz para nos salvar.

Está escrito que Deus não permitiria que o seu Justo sofresse a corrupção do sepulcro.

Por isso também, Jesus não permitiu que aquela que foi “cheia de graça” desde o primeiro instante de seu ser, fosse corrompida pela morte e pelo túmulo.

Gostaria de lhe explicar, um pouco mais, o que significam as palavras do anjo a Nossa Senhora, quando a saudou, anunciando-lhe que ela seria a Mãe do Redentor. (Cf. Lc 1,28)

O anjo disse a Maria: “Deus te salve, ó cheia de graça”. Essa expressão “cheia de graça”, é um vocativo. É como um nome que o anjo deu a ela.

A palavra que expressa isso, em grego, é kekaretome, palavra que significa ser que foi desde sempre, que é ainda agora, e que continua sendo cheia de graça, isto é Imaculada, sem pecado original.

Portanto, o anjo diz, no Evangelho, que Nossa Senhora foi, é, e sempre será sem pecado. E por isso ela foi preservada do pecado original e das conseqüências da morte. E ressuscitou como Cristo, sem ter sido corrompida pela morte, e pelo sepulcro.

É isto que a Igreja crê sobre Nossa Senhora: “Finalmente, a Imaculada Virgem, preservada imune de toda mancha da culpa original, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celeste. E para que mais plenamente estivesse conforme a seu Filho, Senhor dos senhores e vencedor do pecado e da morte, foi exaltada pelo Senhor como Rainha do universo”. A Assunção da Virgem Maria é uma participação singular na Ressurreição de seu Filho e uma antecipação da ressurreição dos outros cristãos. (Catecismo da Igreja Católica n° 966)

Ora, Nossa Senhora — como Cristo — foi preservada de todo o pecado. Ela foi a nova Eva como Cristo foi o Novo Adão. E, como Jesus, ela foi levada ao céu diretamente, sem corrupção, como Eva teria ido, se não tivesse pecado. A Assunção de Nossa Senhora é uma verdade, que foi acreditada desde os primeiros anos do cristianismo, e declarada Dogma em 1950 pelo Papa Pio XII.

É possível que Maria de Nazaré tenha experimentado na sua carne o drama da morte?

Refletindo sobre o destino de Maria e sobre a sua relação com o Filho divino, parece legítimo responder afirmativamente: dado que Cristo morreu, seria difícil afirmar o contrário no que concerne à Mãe. O dogma da Assunção de Nossa Senhora não define se ela morreu ou dormiu, como circula há muito tempo essa devoção da dormição da Virgem Maria dizendo que, chegando o final dos seus dias ela dormiu e foi elevada ao céus.

Clique em comentários e deixe nas mãos de Maria suas intenções.

Oração a Nossa Senhora da Assunção

Ó dulcíssima soberana, Rainha dos Anjos, bem sabemos que, miseráveis pecadores, não éramos dignos de vos possuir neste vale de lágrimas, mas sabemos também que a vossa grandeza não vos faz esquecer a nossa miséria e, no meio de tanta glória, a vossa compaixão, longe de diminuir, aumenta cada vez mais para conosco. Do alto desse trono em que reinas sobre todos os anjos e santos, volvei para nós os vossos olhos misericordiosos; vede a quanta tempestades e mil perigos estaremos, sem cessar, expostos até o fim de nossa vida! Pelos merecimentos de vossa bendita morte obtende-nos o aumento da fé, da confiança e da santa perseverança na amizade de Deus, para que possamos, um dia, ir beijar os vossos pés e unir as nossas vozes às dos espíritos celestes, para louvar e cantar as vossas glórias eternamente no céu. Assim seja.

Nossa Senhora da Assunção rogai por nós!

Minha benção fraterna.

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

A riqueza da amizade sacerdotal: você tem um amigo padre?

quinta-feira, junho 10th, 2010

Começo perguntando, você tem um amigo padre? O sacerdote é um amigo de trincheira, ouvi um padre experiente falar isso e fiquei meditando. Veio na minha cabeça a imagem de uma guerra e aquelas trincheiras formadas por sacos de areia que escondem vários soldados ou aquelas trincheiras feitas por grandes buracos no chão para que eles possam se proteger e contra atacar.

Pensei também em tantos filmes belíssimos de guerra que eu já assistir e aquele soldado que arrisca a vida para salvar o pelotão e até mesmo para salvar aquele único amigo machucado que ficou para trás. Ser amigo de trincheira é não ter nada a perder a não ser o amigo, é saber agir junto e ao mesmo tempo ser ágil para agir sozinho em favor do outro. Companheiro combatente onde a única verdade não é minha reputação ou voltar para casa, realizar meus sonhos, a única verdade que habita o coração combatente do amigo é salvar a vida, mesmo que não seja a sua.

Escute este conteúdo:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu Senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai (São João 15,15). Amizade verdadeira é aquela que segue a estratégia do conhecimento, os meus amigos padres seguiam as trilhas do coração, primeiro do coração de Deus, achando sempre um atalho para o coração do amigo. Crescer nesta amizade é não ter medo de arriscar, acreditar sempre que o outro pode fazer mais e melhor. Neste caminho se exercita bastante a fé, a paciência, o discernimento e a confiança de quem espera o amigo ter mais capacidade de superar do que de vencer. Procura viver a misericórdia porque antes de tudo toca na sua miséria, este soldado amigo não precisa se camuflar, porque a verdade é a sua maior defesa. Grande experiência de fé e vida no ser humano é ter um amigo padre!

A amizade sacerdotal é uma escola, digamos que seja um discipulado onde hora se é discípulo e hora você é mestre. O padre é uma pessoa escolhida por Deus primeiro e que tem a capacidade de te conhecer e lapidar alma e coração. Pois eu posso te dizer um sacerdote é um amigo muito especial não porque sou padre, mas porque eu tive e tenho grandes amigos padres. Meu primeiro amigo padre foi o Monsenhor Jessé Torres, ajudou-me a encontrar Jesus e minha vocação, Pe José Carlos e Pe Cícero caminhamos juntos no árido deserto do sofrimento onde construímos a nossa amizade, padres Edmilsom, Wagner, Jurandir e hoje Padre Cido tem sido um grande companheiro.

Oração: Obrigado Senhor pelo dom da amizade, ela é uma vocação tão rica e necessária para os nossos dias. Dai aos nossos sacerdotes a graça de serem profundamente amigos do Coração de Jesus e Maria para que eles saibam ser amigos e companheiros do teu povo e uns dos outros. Concede também Senhor que os nossos padres encontrem em meio ao seu trabalho pessoas amigas que possam ser para eles um sinal de Tua presença confortadora. Que pela fé e pelo poder do Divino Espírito Santo sacerdotes e leigos descubram a graça da direção espiritual através da amizade e possamos viver como as primeiras comunidades: “eles tinham um só coração e uma só alma”.

Que bom padre, estava sentindo falta de nossas conversas, como já disse neste tempo que estou em Lavrinhas a sua amizade foi uma das melhores coisas que me aconteceu aqui, um presente de Deus. Pode contar comigo pro que der e vier…

O padre mendigo que confessou o Papa João Paulo II

Há alguns dias, no programa de televisão da Madre Angélica nos Estados Unidos (EWTN), relataram um episódio pouco conhecido da vida do Papa João Paulo II, não temos certeza que esta história seja verídica, mas é um belíssimo exemplo de humildade e misericórdia de um coração que soube ser amigo da humanidade:

Um sacerdote norte americano da diocese de Nova York se dispunha a rezar em uma das paróquias de Roma quando, ao entrar, se encontrou com um mendigo. Depois de observá-lo durante um momento, o sacerdote se deu conta de que conhecia aquele homem. Era um companheiro do seminário, ordenado sacerdote no mesmo dia que ele. Agora mendigava pelas ruas.

O padre, depois de identificar-se e cumprimentá-lo, escutou dos lábios do mendigo como tinha perdido sua fé e sua vocação. Ficou profundamente estremecido. No dia seguinte o sacerdote vindo de Nova York tinha a oportunidade de assistir à Missa privada do Papa e poderia cumprimentá-lo no final da celebração, como é de costume. Ao chegar sua vez sentiu o impulso de ajoelhar-se frente ao Santo Padre e pedir que rezasse por seu antigo companheiro de seminário, e descreveu brevemente a situação ao Papa.

Um dia depois recebeu o convite do Vaticano para cear com o Papa, e que levasse consigo o mendigo da paróquia. O sacerdote voltou à paróquia e comentou a seu amigo o desejo do Papa. Uma vez convencido o mendigo, o levou a seu lugar de hospedagem, ofereceu-lhe roupa e a oportunidade de assear-se.

O Pontífice, depois da ceia, indicou ao sacerdote que os deixasse a sós, e pediu ao mendigo que escutasse sua confissão. O homem, impressionado, respondeu-lhe que já não era sacerdote, ao que o Papa respondeu: “uma vez sacerdote, sacerdote para sempre”. “Mas estou fora de minhas faculdades de presbítero”, insistiu o mendigo. “Eu sou o Bispo de Roma, posso me encarregar disso”, disse o Papa.

O homem escutou a confissão do Santo Padre e pediu-lhe que por sua vez escutasse sua própria confissão. Depois dela chorou amargamente. Ao final João Paulo II lhe perguntou em que paróquia tinha estado mendigando, e o designou assistente do pároco da mesma, e encarregada da atenção aos mendigos.

Oração: Obrigado Senhor pelo dom da amizade, ela é uma vocação tão rica e necessária para os nossos dias. Dai aos nossos sacerdotes a graça de serem profundamente amigos do Coração de Jesus e Maria para que eles saibam ser amigos e companheiros do teu povo. Concede também Senhor que os nossos padres encontrem em meio ao seu trabalho pessoas amigas que possam ser para eles um sinal de Tua presença confortadora. Que pela fé e pelo poder do Divino Espírito Santo sacerdotes e leigos descubram a graça da direção espiritual através da amizade e possamos viver como as primeiras comunidades: “eles tinham um só coração e uma só alma”.

Minha benção fraterna direto de Roma.

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.

A VOCAÇÃO DOS PRESBÍTEROS À PERFEIÇÃO

quarta-feira, junho 9th, 2010

Pelo sacramento da Ordem, os presbíteros são configurados com Cristo sacerdote, como ministros da cabeça, para a construção e edificação do seu corpo, que é a Igreja, enquanto cooperadores da Ordem episcopal. Já pela consagração do Baptismo receberam com os restantes fiéis, o sinal e o dom de tão insigne vocação e graça para que, mesmo na fraqueza humana (1), possam e devam alcançar a perfeição, segundo a palavra do Senhor: «Sede, pois, perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito» (Mt. 5, 48). Estão, porém, obrigados por especial razão a buscar essa mesma perfeição visto que, consagrados de modo particular a Deus pela recepção da Ordem, se tornaram instrumentos vivos do sacerdócio eterno de Cristo, para poderem continuar pelos tempos fora a sua obra admirável, que restaurou com suprema eficácia a família de todos os homens (2). Fazendo todo o sacerdote, a seu modo, as vezes da própria pessoa de Cristo, de igual forma é enriquecido de graça especial para que, servindo todo o Povo de Deus e a porção que lhe foi confiada, possa alcançar de maneira conveniente a perfeição d’Aquele de quem faz as vezes, e cure a fraqueza humana da carne a santidade d’Aquele que por nós se fez pontífice «santo, inocente, impoluto, separado dos pecadores» (Heb. 7,26).

Escute este conteúdo:

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Cristo, que o Pai santificou ou consagrou e enviou ao mundo (3), “entre a Si mesmo por nós, para nos remir de toda a iniquidade e adquirir um povo que Lhe fosse aceitável, zeloso do bem” (Tit. 2,14), e assim, pela sua Paixão, entrou na glória (4). De igual modo os presbíteros, consagrados pela unção do Espírito Santo e enviados por Cristo, mortificam em si mesmos as obras da carne e dedicam-se totalmente ao serviço dos homens, e assim, pela santidade de que foram enriquecidos em Cristo, podem caminhar até ao estado de varão perfeito(5).

Deste modo, exercendo o ministério do Espírito e da justiça, se forem dóceis ao Espírito de Cristo que os vivifica e guia, são robustecidos na vida espiritual. Pelos ritos sagrados de cada dia e por todo o seu ministério exercido em união com o Bispo e os outros sacerdotes, eles mesmos se dispõem à perfeição da própria vida. Por sua vez, a santidade dos presbíteros muito concorre para o desempenho frutuoso do seu ministério; ainda que a graça de Deus possa realizar a obra da salvação por ministros indignos, todavia, por lei ordinária, prefere Deus manifestar as suas maravilhas por meio daquelas que, dóceis ao impulso e direcção do Espírito Santo, pela sua íntima união com Cristo e santidade de vida, podem dizer com o Apóstolo: «se vivo, já não sou eu, é Cristo que vive em mim, (Gál. 2,20).

Por isso, este sagrado Concílio, para atingir os seus fins pastorais de renovação interna da Igreja, difusão do Evangelho em todo o mundo e diálogo com os homens do nosso tempo, exorta veementemente todos os sacerdotes a que, empregando todos os meios recomendados pela Igreja (7), se esforcem por atingir cada vez maior santidade, pela qual se tornem instrumentos mais aptos para o serviço de todo o Povo de Deus.

Do Decreto Presbiterorum ordinis sobre o ministerio e a vida dos presbiteros, do Concilio vaticano II ( N. 12) (Séc. XX).

Deixe o seu comentário e seus pedidos de orações.

Minha benção Fraterna, direto de Roma.

Padre Luizinho,
Com. Canção Nova.