O Homem é evento de absoluta, livre, gratuita e indulgente da autocomunicação de Deus.

Autocomunicação (significa que Deus se torna Ele mesmo em sua realidade mais própria como que um constitutivo interno do homem). O homem tem responsabilidade pessoal por si mesmo na consciência de si e na liberdade.

Na autocomunicação, Deus realmente comunica o seu próprio Ser e o homem se torna aquele que receba a comunicação ; assim, ele conhece, possui Deus na visão imediata e no amor.

Para entender melhor esta comunicação do próprio Deus, não podemos separar graça (o processo da justificação, a divinização do homem) e a visão bestifica (visão sobrenatural imediata de Deus, visão que, constitui o fim e a consumação do homem). A visão imediata de Deus se define na consumação co-natural da divinização do homem, pois o homem só se santifica e justifica mediante a comunicação do Espírito Santo .

Graça e visão de Deus estão na única autocomunicação de Deus aos homens. O homem em sua plena liberdade, toma a posição de acolher ou rejeitar a autocomunicação de Deus. Mas o próprio Deus move o coração do homem para aceitar livremente sua autocomunicação e isto acontece por meio da graça.

A comunicação de Deus ao homem se dá de forma direta e próxima, presente e atual; como quem se comunica a si próprio. Não no sentido de à distancia, mas se faz vivo e atuante no meio do homem. Isto significa que Deus comunica sua própria realidade, a uma realidade não-divina sem que se perca a realidade infinita e absoluta; que é Deus e também o homem não deixa de ser ente finito e distinto de Deus.

“… Até na graça e na visão imediata de Deus, Deus permanece Deus, ou seja, o primeiro e último critério que por nada pode ser medido. Permanece o mistério, o único que é evidente em si mesmo. Permanece o Aonde da ação mais excelsa do homem, o Aonde que possibilita e move esta ação. Deus permanece sendo santo somente acessível na adoração. Permanece como quem é puro e simplesmente o Deus inominado indizível, que jamais pode ser compreendido, nem sequer por sua autocomunicação na graça e na visão beatífica imediata, que jamais se torna sujeito do homem, que jamais pode entrar em uma classificação dentro de sistema humano quer de conhecimento, quer de liberdade” ·1

Deus ao se comunicar , o homem tem um conhecimento imediato e esse conhecimento leva a amar a Deus na sua essência.

Deus só se comunica ao homem, a uma criatura, porque ama e é dom gratuito de sua liberdade. Ele que se abre sua intimidade ultima e no amor absoluto. Não vai cobrar do homem esta autoconhecimento, pois é uma ação graciosa e indevida de Deus para com o ser criado. Esta autocomunicação é vitória sobre a rejeição pecaminosa do homem que se em perdão, pois o Deus é a realização da existência humana.

A natureza do ser humano é criada, porque desde o inicio Deus quer comunicar-se e doar-se por amor e também quer a transcendência do homem que se realizará na autocomunicação na qual encontrará sua realização.

Deus em sua plenitude deixa um vazio na criatura para poder comunicar-se a si mesmo e preencher livremente o vazio da existência humana. A graça da autocomunicação de Deus torna o homem justo e verdadeiro filho de Deus que Nele habita e o torna participante na natureza divina “...que verá face a face a Deus tal como Ele é em si, sem nenhuma mediação de espelho, comparação ou enigma; que já agora está de posse do que um dia será, muito embora apenas de forma escondida na graça santificante que é penhor e germe vivo do que será ”. Sendo uma auto doação de Deus nos proporciona vê-lo em sua própria realidade, o mistério inefável e santo. Mas o homem terá pleno acesso a este Deus que comunica através da fé, esperança e caridade, sendo Ele mesmo o próprio doador dos dons.

No seu ponto crucial o homem é evento da absoluta autocomunicação no sentido pleno e ontológico. Tal é a experiência transcendental da pessoa humana que Deus concede a própria autocompreensão no mistério a ser atingido. E este conhecimento são para todos os homens, sem separar de batizados e pagãos; mas isto não quer dizer que todos em sua liberdade e graça vão acolher a comunicação de Deus.

Uma vez apresentada a autocomunicação, não semente como dom, mas condição e possibilidade da acolhida pelo homem. Neste caso Deus se torna o próprio dom, claro que não diminuído sua infinitude . Contudo, possibilita, anima e dá todas condições necessárias para o homem acolher a sua autocomunicação; não como imposição mais respeitando a liberdade humana. Então se torna condição prévia para o acolhimento.

Esta auto-oferta de Deus possibilita a transcendência e transcendentalidade do homem. Ele só terá a realização plena da autocomunicação de Deus quando atingir a sua consumação no estado final e definitivo que é a visão beatifica de Deus.

1 – Karl Rahner- curso fundamental da fé

1 comentário

  1. Olá
    Gostaria de saber como ocorre o repouso no espírito.

    Obrigada desde já

    Melody

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *