Dia de PenitênciaHá três coisas, meus irmãos, três coisas que mantêm a fé, dão firmeza à devoção e perseverança à virtude. São elas a oração, o jejum e a misericórdia. O que a oração pede, o jejum alcança e a misericórdia recebe. Oração, misericórdia, jejum: três coisas que são uma só e se vivificam reciprocamente.

O jejum é a alma da oração e a misericórdia dá vida ao jejum. Ninguém queira separar estas três coisas, pois são inseparáveis. Quem pratica somente uma delas ou não pratica todas simultaneamente, é como se nada fizesse. Por conseguinte, quem ora também jejue; e quem jejua pratique a misericórdia. Quem deseja ser atendido nas suas orações, atenda as súplicas de quem lhe pede; pois aquele que não fecha seus ouvidos às súplicas alheias, abre os ouvidos de Deus às suas próprias súplicas. More »

Este refrão do Salmo 78 “O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas”. É um eco de Misericórdia de Deus para nossos ouvidos. Se Deus fosse nos tratar como exigem nossas faltas estaríamos todos perdidos, sem Salvação. Porque nossas faltam exigem coisas duras, até a não Misericórdia de Deus, mas Ele não é assim. Sempre usa de Amor para com todos. Ele desce até a nosso miséria e nos resgata da condição que nos encontramos.

Peça ao Senhor neste dia para desce até sua miséria e te Salvar. Reze isto hoje.

Senhor desce até a miséria da minha vida, do meu pecado, do meu medo, das minhas faltas, da minha falta de fé, da minha doença, do meu desemprego, da minha depressão, da minha infidelidade…

Assim, como o Senhor desce até nossa miséria precisamos descer até a miséria do outro, do nosso irmão, da pessoa que nos traiu, nos machucou, nos feriu. Para salvar  e dar o perdão.

Quaresma é também deixar Deus descer até nossa miséria e nós descermos até a miséria do outro.

Deus abençoe.

Diferença entre jejum no cristianismo e em outras religiões

 O jejum no cristianismo se distingue desta prática em outras religiões, pois tem por objetivo descobrir Deus, e não descobrir a si mesmo. 

Quando os cristãos jejuam, «não se fecham em si mesmos», mas «se unem ao seu Senhor, que jejua por quarenta dias e quarenta noites no deserto». 

Assim manifestou o cardeal Paul Josef Cordes, presidente do Conselho Pontifício «Cor Unum», durante a coletiva de imprensa que concedeu nesta quarta-feira na Santa Sé, na qual foi apresentada a mensagem de Bento XVI para a Quaresma de 2009.

O sentido do jejum no budismo e no islã 

Segundo declarou o purpurado alemão, que dirige o organismo vaticano encarregado de promover e coordenar a ação caritativa na Igreja, o objetivo do jejum, tanto no budismo como no islã, consiste em favorecer o cuidado do corpo, opondo-se à sua idolatria. 

O cardeal assinalou como o sentido do jejum no budismo consiste no desapego dos bens terrenos, porque o corpo em si mesmo se converte em origem de sofrimentos: «deve desacostumar-se à ‘sede’ de coisas criadas, abandonar o desejo e as inquietudes que dele se derivam, matá-las dentro de si mesmo»; desta maneira se chega ao Nirvana, que consiste na extinção completa dos desejos. 

Para o islã, o jejum é a quarta coluna que sustenta esta religião e uma prática obrigatória durante o mês do Ramadã. 

Para os muçulmanos, existe outra razão para esquecer-se de tudo que é terreno: «Deus tem seu trono em uma distância infinita. Não se lhe pode encontrar no mundo. Só se comunica com a criação e com o homem mediante sua lei, a charia»; por isso, «seria uma heresia escandalosa afirmar que Alá tivesse como filho um membro do gênero humano». 

O purpurado assinalou que o jejum em ambas as religiões tem algo em comum: «transcende a dimensão terrena e procura um objetivo muito além deste mundo: o ingresso no Nirvana ou a obediência a Alá, Senhor do céu e da terra». 

Em ambas as religiões, «trata-se de libertar-nos do peso das coisas criadas», declarou. 

O sentido do jejum cristão 

Pelo contrário, para o cristão «o desejo místico não é nunca o descenso em si mesmo, mas sim o descenso na profundidade da fé, onde encontra Deus». 

Ainda que seja importante aprender sobre as demais religiões, os cristãos devem aprofundar «na herança recebida e conhecê-la cada vez melhor. A revelação divina diz algo novo em cada época histórica; é inesgotável», constatou. 

O cardeal deixou clara a diferença entre a rejeição do mundo por parte do budismo e as leis do Ramadã islâmico e da Quaresma cristã, que «oferece ao cristão um caminho espiritual e prático para exercitar sem recortes nem reservas nossa entrega a Deus». 

Assinalou que, em sua mensagem quaresmal, o Papa não mostra o jejum com um aspecto negativo: «como poderemos nós desprezar nossa carne, se o Filho de Deus a assumiu, convertendo-se verdadeiramente em nosso irmão?». 

Quando os homens jejumam com uma atitude interior de desejo de conversão, «em Cristo buscam a comunhão com o Tu divino. N’Ele buscam novamente o dom do amor que renova o ser cristão» e se comprometem «na luta contra a miséria, convertendo-se em mensageiros do amor de Deus». 

O cardeal Cordes

A ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo lê-se estes dias, como é costume, segundo cada um dos livros do santo Evangelho. Na leitura de hoje ouvimos Jesus Cristo censurando os discípulos, primeiros membros seus, companheiros seus: porque não criam estar vivo aquele mesmo por cuja morte choravam. Pais da fé, mas ainda não fiéis; mestres – e a terra inteira haveria de crer no que pregariam, pelo que, aliás, morreriam – mas ainda não criam. Não acreditavam ter ressuscitado aquele que haviam visto ressuscitando os mortos. Com razão, censurados: ficavam patenteados a si mesmos, para saberem o que seriam por si mesmos os que muito seriam graças a ele.

E foi deste modo que Pedra se mostrou quem era: quando iminente a Paixão do Senhor, muito presumiu; chegada a Paixão, titubeou. Mas caiu em si, condoeu-se, chorou, convertendo-se a seu Criador.

Eis quem eram os que ainda não criam, apesar de já verem. Grande, pois, foi a honra a nós concedida por aquele que permitiu crêssemos no que não vemos! Nós cremos pelas palavras deles, ao passo que eles não criam em seus próprios olhos.

A ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo é a vida nova dos que crêem em Jesus, e este é o mistério da sua Paixão e Ressurreição, que muito devíeis conhecer e celebrar. Porque não sem motivo desceu a Vida até a morte. Não foi sem motivo que a fonte da vida, de onde se bebe para viver, bebeu desse cálice que não lhe convinha. Por que a Cristo não convinha a morte.

De onde veio a morte?

Vamos investigar a origem da morte. O pai da morte é o pecado.

Se nunca houvesse pecado ninguém morreria. O primeiro homem recebeu a lei de Deus, isto é, um preceito de Deus, com a condição de que se o observasse viveria e se o violasse morreria. Não crendo que morreria, fez o que o faria morrer; e verificou a verdade do que dissera quem lhe dera a lei. Desde então, a morte. Desde então, ainda, a segunda morte, após a primeira, isto é, após a morte temporal a eterna morte. Sujeito. a essa condição de morte, a essas leis do inferno, nasce todo homem; mas por causa desse mesmo homem, Deus se fez homem, para que não perecesse o homem. Não veio, pois, ligado às leis da morte, e por isso diz o Salmo: “Livre entre os mortos” 1.

Concebeu-o, sem concupiscência, uma Virgem; como Virgem deu-lhe à luz, Virgem permaneceu. Ele viveu sem culpa, não morreu por motivo de culpa, comungava conosco no castigo mas não na culpa. O castigo da culpa é a morte. Nosso Senhor Jesus Cristo veio morrer, mas não veio pecar; comungando conosco no castigo sem a culpa, aboliu tanto a culpa como a castigo. Que castigo aboliu? O que nos cabia após esta vida. Foi assim crucificado para mostrar na cruz o fim do nosso homem velho; e ressuscitou, para mostrar em sua vida, como é a nossa vida nova. Ensina-o o Apóstolo: “Foi entregue por causa dos nossos pecados, ressurgiu por causa da nossa justificação” 2.

Como sinal disto, fora dada outrora a circuncisão aos patriarcas: no oitavo dia todo indivíduo do sexo masculino devia ser circuncidado. A circuncisão fazia-se com cutelos de pedra: porque Cristo era a pedra. Nessa circuncisão significava-se a espoliação da vida carnal a ser realizada no oitavo dia pela Ressurreição de Cristo. Pois o sétimo dia da semana é o sábado; no sábado o Senhor jazia no sepulcro, sétimo dia da semana. Ressuscitou no oitavo. A sua Ressurreição nos renova. Eis por que, ressuscitando no oitavo dia, nos circuncidou.

É nessa esperança que vivemos. Ouçamos o Apóstolo dizer: “Se ressuscitastes com Cristo…” 3 Como ressuscitamos, se ainda morreremos? Que quer dizer o Apóstolo: “Se ressuscitastes com Cristo?” Acaso ressuscitariam os que não tivessem antes morrido? Mas falava aos vivos, aos que ainda não morreram… os quais, contudo, ressuscitaram: que quer dizer?
Vede o que ele afirma: “Se ressuscitastes com Cristo, procurai as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus, saboreai o que é do alto, não o que está sobre a terra. Porque estais mortos!”

É o próprio Apóstolo quem está falando. Ora, ele diz a verdade, e, portanto, digo-a também eu… E por que também a digo? “Acreditei e por causa disto falei” 4.

Se vivemos bem, é que morremos e ressuscitamos. Quem, porém, ainda não morreu, também não ressuscitou, vive mal ainda; e se vive mal, não vive: morra para que não morra. Que quer dizer: morra para que não morra? Converta-se, para não ser condenado.

“Se ressuscitastes com Cristo”, repito as palavras do Apóstolo, “procurai o que é do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus, saboreai o que é do alto, não o que é da terra. Pois morrestes e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a vossa vida, aparecer, então também aparecereis com ele na glória”. São palavras do Apóstolo. A quem ainda não morreu, digo-lhe que morra; a quem ainda vive mal, digo-lhe que se converta. Se vivia mal, mas já não vive assim, morreu; se vive bem, ressuscitou.

Mas, que é viver bem? Saborear o que está no alto, não o que sobre a terra. Até quando és terra e à terra tornarás? Até quando lambes a terra? Lambes a terra, amando-a, e te tornas inimigo daquele de quem diz o Salmo: “os inimigos dele lamberão a terra” 5.

Que éreis vós? Filhos de homens. Que sois vós? Filhos de Deus.

O filhos dos homens, até quando tereis o coração pesado? Por que amais a vaidade e buscais a mentira?

Que mentira buscais? O mundo.

Quereis ser felizes, sei disto. Dai-me um homem que seja ladrão, criminoso, fornicador, malfeitor, sacrílego, manchado por todos os vícios, soterrado por todas as torpezas e maldades, mas não queira ser feliz. Sei que todos vós quereis viver felizes, mas o que faz o homem viver feliz, isso não quereis procurar. Tu, aqui, buscas o ouro, pensando que com o ouro serás feliz; mas o ouro não te faz feliz. Por que buscas a ilusão? E com tudo o mais que aqui procuras, quando procuras mundanamente, quando o fazes amando a terra, quando o fazes lambendo a terra, sempre visas isto: ser feliz. Ora, coisa alguma da terra te faz feliz. Por que não cessas de buscar a mentira? Como, pois, haverás de ser feliz? “O filhos dos homens, até quando sereis pesados de coração, vós que onerais com as coisas da terra o vosso coração?” 6 Até quando foram os homens pesados de coração? Foram-no antes da vinda de Cristo, antes que ressuscitasse o Cristo. Até quando tereis o coração pesado? E por que amais a vaidade e procurais a mentira? Querendo tornar-vos felizes, procurais as coisas que vos tornam míseros! Engana-vos o que desejais, é ilusão o que buscais.

Queres ser feliz? Mostro-te, se te agrada, como o serás. Continuemos ali adiante (no versículo do Salmo): “Até quando sereis pesados de coração? Por que amais a vaidade e buscais a mentira?” “Sabei” – o quê? – “que o Senhor engrandeceu o seu Santo” 7.

O Cristo veio até nossas misérias, sentiu a fome, a sede, a fadiga, dormiu, realizou coisas admiráveis, padeceu duras coisas, foi flagelado, coroado de espinhos, coberto de escarros, esbofeteado, pregado no lenho, transpassado pela lança, posto no sepulcro; mas no terceiro dia ressurgiu, acabando-se o sofrimento, morrendo a morte. Eis, tende lá os vossos olhos na ressurreição de Cristo; porque tanto quis o Pai engrandecer o seu Santo, que o ressuscitou dos mortos e lhe deu a honra de se assentar no Céu à sua direita. Mostrou-te o que deves saborear se queres ser feliz, pois aqui não o poderás ser. Nesta vida não podes ser feliz, ninguém o pode.

Boa coisa a que desejas, mas não nesta terra se encontra o que desejas. Que desejas? A vida bem-aventurada. Mas aqui não reside ela.

Se procurasses ouro num lugar onde não houvesse, alguém, sabendo da sua não existência, haveria de te dizer: “Por que estás a cavar? Que pedes à terra? Fazes uma fossa na qual hás de apenas descer, na qual nada encontrarás!”

Que responderias a tal conselheiro? “Procuro ouro”. Ele te diria: “Não nego que exista o que desejas, mas não existe onde o procuras”.

Assim também, quando dizes: “Quero ser feliz” . Boa coisa queres, mas aqui não se encontra. Se aqui a tivesse tido o Cristo, igualmente a teria eu. Vê o que ele encontrou nesta região da tua morte: vindo de outros paramos, que achou aqui senão o que existe em abundância? Sofrimentos, dores, morte. Comeu contigo do que havia na cela de tua miséria. Aqui bebeu vinagre, aqui teve fel. Eis o que encontrou em tua morada.

Contudo, convidou-te à sua grande mesa, à mesa do Céu, à mesa dos anjos, onde ele mesmo é o pão. Descendo até cá, e tantos males recebendo de tua cela, não só não rejeitou a tua mesa, mas prometeu-te a sua.

E que nos diz ele?

“Crede, crede que chegareis aos bens da minha mesa, pois não recusei os males da vossa”.

Tirou-te o mal e não te dará o seu bem? Sim, da-lo-á. Prometeu-nos sua vida, mas é ainda mais incrível o que fez: ofereceu-nos a sua morte. Como se dissesse: “À minha mesa vos convido. Nela ninguém morre, nela está a vida verdadeiramente feliz, nela o alimento não se corrompe, mas refaz e não se acaba. Eis para onde vos convido, para a morada dos anjos, para a amizade do Pai e do Espírito Santo, para a ceia eterna, para a fraternidade comigo; enfim, a mim mesmo, à minha vida eu vos conclamo! Não quereis crer que vos darei a minha vida? Retende, como penhor a minha morte”.

Agora, pois, enquanto vivemos nesta carne corruptível, morramos com Cristo pela conversão dos costumes, vivamos com Cristo pelo amor da justiça.
Não haveremos de receber a vida bem-aventurada senão quando chegarmos àquele que veio até nós, e quando começarmos a viver com aquele que por nós morreu. ( Santo Agostinho)

02. abril 2007 · 1 comment · Categories: Quaresma

A salvação que Deus oferece ao homem requer uma resposta livre, uma adesão pessoal. O fundamento da salvação é somente Deus. Não é o homem que procura Deus, mas Ele se doa ao homem.

“O plano divino da salvação, na verdade, não coloca a criatura humana num estado de mera passividade, o de menoridade em relação ao Criador, porque a relação com Deus, que Jesus Cristo nos manifestou e no qual nos introduz gratuitamente por obra do Espírito Santo, é uma relação de filiação: a mesma que Jesus vive em relação ao Pai (cf. Jo 15-17; Gl 4, 6-7)”.

 

            Neste plano de Salvação há uma relação de universalidade e integridade, que foi oferecido em Jesus Cristo.“A salvação que, por iniciativa de Deus Pai, é oferecida em Jesus Cristo e é atualizada e difundida por obra do Espírito Santo, é salvação para todos os homens e do homem todo: é salvação universal e integral. Diz respeito à pessoa humana em todas as suas dimensões: pessoal, social, espiritual e corpórea, histórica e transcendente”.  

            O homem em Cristo experimenta a Salvação como libertação. Introduz o ser humano em uma nova existência, no Espírito.            A Teologia Escolástica assume algumas conclusões: a graça primeira é a salvação definitiva, sucede sem levar em conta o mérito humano, pois o processo de salvação está sob o signo da graça de Deus livremente concedida a todo gênero humano. 

“Tome a sua cruz e siga-me”A nossa cruz tem valor de salvação
 

Podemos tomar essas palavras de Jesus como nossas, pois há uma condição para o seguimento de Jesus. A Igreja toma estas palavras como lema e, na vida dos santos de fato aconteceram.

Com estas palavras não há por trás um masoquismo, uma teologia do sofrimento, como muitos andam por aí pregando. Há vida nas palavras de Jesus.

Os cristãos do nosso tempo têm repulsa na Palavra “sofrimento”. De fato vivemos num vale de lagrimas, onde só tomando a cruz de cada dia podemos nos assemelhar a Jesus. Os apóstolos não viveram menos que isto, sofreram muito para chegarem no Reino do Céu. Não queremos, com isso, sair por aí buscando meios para sofrer ou ficar batendo na porta do sofrimento, mas encarar os sofrimentos que já temos com amor e alegria.

Não há outro caminho para seguir Jesus se não for pelo sofrimento, pois se não fosse para acontecer isto, Jesus não teria falado “tome sua cruz e siga-me”. Sempre teremos uma cruz na nossa vida.

A Igreja tem bem clara na sua doutrina que ela deve passar por provações para se chegar no reino prometido e, o Catecismo deixa bem claro: “Antes do Advento de Cristo, a Igreja deve passar por uma provação final, que abalará a fé de muitos crentes… A Igreja só entrará na glória do Reino através desta derradeira Páscoa, em que seguirá seu Senhor na sua Morte e Ressurreição…” (CIC 675,677).

É transformar o ordinário em extraordinário. Ninguém neste mundo vai ficar ausente de sofrimento. Porque, então, não aceitar a cruz de cada dia de maneira nova? E não ficar por ai buscando soluções em seitas e igrejas que pregam uma teologia da prosperidade sem sofrimento. É engano achar que no mundo não teremos tribulações, pois a condição humana sempre vai proporcionar isto.

O Mestre de Nazaré veio nos ensinar a olhar o sofrimento de maneira diferente. A nossa cruz tem valor de salvação, tanto para nossa vida como para vida de nossa família. Por isso, não amaldiçoe a sua cruz e seu sofrimento ou fique murmurando, pois nada vai se resolver se não tiver amor e aceitação. Não fique como criança, batendo o pé para não querer fazer as coisas.

Não aceitamos o sofrimento e a cruz como seguimento do Cristo, porque não entendemos a Sua morte na cruz e Seu amor. “Esse amor, quanto se dá a conhecer, faz as pessoas boas saírem de si e ficarem estarrecidas. Por isso, as pessoas sentem afervorar-se o coração, desejam o martírio, alegram-se no sofrimento, têm alívio nos grandes sofrimentos” (S. Afonso de Ligório).

Por experiência própria, digo que seguir a Cristo requer tomar a cruz e segui-Lo sem olhar para trás. Para eu ser missionário e assumir a vocação sacerdotal em minha vida, foi necessário que eu tomasse minha cruz. Por vir de uma família “católica só de nome”, não quiseram entender o meu chamado, praticamente me desprezaram, fui muito zombado, porque não entenderem. Hoje, muita coisa mudou, já procuram entender e me dar apoio. E, com tudo isso, minha mãe ainda não freqüenta a Igreja, meus irmãos alguns estão no mundo se perdendo, meus tios e tias vivem no alcoolismo… e mais um monte de problemas na minha vida, mas sou feliz por ser do Senhor, por tomar minha cruz e segui-Lo. Sofro com alegria, pois sou peregrino neste mundo.

Muitas vezes, não entendemos o sofrimento e a cruz, porque estamos presos às coisas materiais. Para compreender o mistério da cruz é necessário estar com os olhos voltados para o Alto. A partir de hoje, comecemos a ver os sofrimentos e a cruz de maneira diferente; a cruz, verdadeiramente, é salvação em nossas vidas.

“No momento favorável, eu te ouvi, no dia da salvação, eu te socorri. É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação” (2 Cor 6,20).

Todo tempo é pleno dos favores divinos e de graça que conduz ao encontro com a misericórdia de Deus, mas agora nossos corações devem se mover com maior fervor para a perfeição espiritual.

Quaresma tempo de nos intensificarmos no Senhor.

Tempo e serviço intenso para o Senhor.

Tempo de busca de fazer obras santas para nos prepararmos para combater as tentações. E assim precisamos nos aplicar para a nossa salvação.

Tempo de tirar os germes estranhos do campo do nosso coração; incontinência, trevas da mentira, orgulho, raiva, maldades da língua.

Tempo favorável para afastar-se de toda espécie de iniqüidade.

Tempo para refrear os impulsos carnais, submetendo o corpo ao domínio do Senhor e de mortificar a língua de toda calunia e de vãs palavras.

Tempo de mansidão e paciência, paz e tranqüilidade.

Tempo de abandonar os vícios e praticar as virtudes.

Tempo continuo de perdoar as faltas, relevar as ofensas e esquecer as injúrias, praticar a misericórdia.

Tempo de banir as murmurações, reclamações e lamentações de nossa vida.

Tempo de se alegrar e não ficar triste.

Tempo de abstinência para vencer a gula.

Tempo de acautelar-se até mesmo do que é permitido e quando necessário viver com maior mortificação.

Tempo de eliminar a ira, apagar os ódios, amar, ajudar uns aos outros.

Tempo de cessar as vinganças, as ofensas sejam perdoadas, transformar a severidade em doçura, a indignação em mansidão e a discórdia em paz.

 

O jejum  nos proporciona a renovação da fé, dá forças a nossa alma e nosso corpo. Isto para vencermos os inimigos: em  nós mesmos e contermos os apelos da gula. Só assim  podemos vencer os adversários e os combates usando o remédio do jejum.

O jejum concede de Deus os auxílios divinos para derrotarmos os adversários carnais e principalmente espirituais. Sabendo que com a graça de Deus não vão prevalecer sobre nós os inimigos e nem podem permanecer em nós.

Precisamos combater com o jejum os desejos da carne que são contrários do espírito.    (cf. Gl 5, 17).

 Com o jejum o espírito é submetido ao seu Senhor, ao Soberano que o remete para os prazeres e dons espirituais (celestes), assim sendo capazes de desprezar as provocações terrenas juntamente com seus desejos. Não permitindo que o pecado reine em seu corpo mortal.

Pois o homem só será livre quando seu corpo estiver submetido à alma, como seu juiz e a alma governada por Deus como seu superior.

 “… não existe nenhuma obra de virtude sem a experiência da tentação, nenhuma fé sem provação, nenhum combate sem inimigos, nenhuma vitória sem compromisso” (São Leão Magno).

A nossa vida sempre passará por esta via, a via da provação, do combate.

Mortifiquemos o homem exterior para que o interior seja restaurado.

Precisamos buscar grandes progressos espirituais. Devemos sair da superficialidade de nossa vida espiritual e crescermos espiritualmente. Sair do alimento líquido para o sólido.          

Hora de fechar as brechas de nossas almas para que o mal não faça parte de nossa vida. Redobrarmos a prudência e a cautela.