“Deliciae meae esse cum filiis hominum(Prov.VII, 31). O paraíso de Deus é, por assim dizer, o coração do homem. 

Deus vos ama?Amai – O.(…)

Habituai- vos a falar- lhe a sós, com familiaridade, confidência e amor como a um vosso amigo, ao amigo mais caro que têm e que mais vos ama.

E se é um grande erro, como foi dito, o tratar Deus com desconfiança (…) erro maior será pensar que conversar con Deus só seja aborrecimento e amargura.

Não, nãoé verdade:Não… habet amaritudinem convertio illius, nec taedium convictus illius[porque a sua conversação não tem nada de desagradável, nem a sua convivência nada de fastidioso] (Sb 8,16). Perguntai às almas que o amam com um amor verdadeiro e vos responderão que nas penas das suas vidas não encontraram maior e verdadeiro alívio que naquele que encontraram conversando amorosamente com Deus.

Não é que se vos pede uma aplicação contínua da vossa mente para que vos esquecéis dos vossos afazeres e do vosso entretenimento.

Aquilo que se vos pede é que sem descuidar as vossas ocupações, façais a Deus aquilo que fazeis em cada momento áqueles que vos amam e que vós amáis.

O vosso Deus está sempre perto de vós, ou melhor, dentro de vós: In ipso… vivimus, et movemur, et sumus (Act 17,28).

Não existe um porteiro para quem deseja falar- lhe; pelo contrário, Deus aprecia que vós lideis confidencialmente com ele.

Falai- lhe dos vossos afazeres, dos vossos projectos, dos vossos temores e de tudo aquilo que vos pertence.

Fazei- o sobretudo, como eu disse, com confidência e de coração aberto, porque Deus não sabe falar com uma alma que não lhe fala; dado que não estando habituada a lidar com ele, entenderá mal a sua voz quando ele lhe falará.  

Ele, sem esperar que vos dirijais a ele, quando desejais o seu amor, antecipa-se trazendo-vos as suas graças e os seus remédios dos quais precisais. Só espera que lhe faleis, para vos demonstrar o quanto vos está próximo e pronto para vos escutar e consolar(…).

O nosso Deus habita no alto dos céus, mas não desdenha de entreter-se, dia e noite, com os seus filhos fiéis e participa-lhes as suas consolações divinas, das quais somente uma supera todas as delícias que ele pode dar ao mundo, e só não as deseja quem não as experimenta: Gustate et videte quoniam suavis est Dominus (Ps.XXXIII, 9)

Oração

Meu Jesús, tem piedade de mim. Eu te ofereço o meu coração ingrato, mas arrependido. Sim, meu Redentor, arrependo-me sobretudo por te ter desprezado. Arrependo- me e te amo com toda a minha alma.

Sim, meu Salvador, meu Deus, eu te amo, eu te amo. Ou melhor, que sempre sejas tu mesmo a recordar-me o quanto sofreste por mim, para que eu nunca mais me esqueça de te amar. ( de S. Alfonso M.de Liguori)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *