O tíbio, diante a Eucaristia, torna-se insensível

Hoje, há um grande esvaziamento espiritual no mundo inteiro. O povo está caindo na indiferença religiosa. O relacionamento com Deus tem se tornado fraco, principalmente por aqueles que já O conhecem ou tiveram uma profunda experiência com Ele.

O mal de tudo isto é a chamada tibieza, que em primeiro lugar é hesitação em responder ao amor de Deus. E se diz ser também frouxidão, fraqueza, indolência, falta de ardor, ser morno… A tibieza é o hábito não combatido do pecado venial. A tibieza tem levado muitos à prostração espiritual, ao desânimo para com as coisas de Deus. Muitos têm caído no sedentarismo espiritual e se acostumado com a presença e ação de Deus na sua vida e no mundo. Nada para a pessoa tíbia é interessante ou novo, tudo vira rotina para ela.

Há um profundo rompimento com a intimidade com Deus. Deus se torna tão banal para o tíbio que, muitas vezes, nem mesmo existe mais um relacionamento com Ele. E além disso, torna-se uma pessoa morna em tudo.

Mas o Senhor adverte aos que são mornos: “Conheço a tua conduta. Não é frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas, porque és morno, nem frio ou quente, estou para vomitar-te de minha boca” (Ap 3,15-16).

Hoje, cresce entre os católicos a falta de ardor, até mesmo entre os consagrados, padres e religiosos. O ardor, o fervor em ser de Deus foi se perdendo de maneira assustadora. E a vida com Deus, para muitos, torna-se um peso ou apenas um trabalho. De maneira que se perde o verdadeiro sentido missionário e o amor por ser do Senhor.

Outras coisas que caíram na tibieza foram alguns grupos de oração, nos quais não há mais o fervor dos inícios, onde o Senhor podia agir de maneira esplêndida com a abertura das pessoas, tanto dos que estavam à frente, como daqueles que os freqüentavam.

Por isso, muitos têm deixado a Igreja, por falta de fervor e ardor na vida espiritual. Inclusive muitos padres deixam o ministério, porque perderam o sentido da sua vocação, deixando-se ser levados pela tibieza, esfriando na vida de oração, na intimidade com Deus e, assim, acabam por despencar no sedentarismo e ativismo. A vida vira rotina quando não se faz mais as coisas com fervor. Perdeu-se a empolgação missionária e o gosto de ser consagrado ao Senhor.

Assim, muitos grupos de oração perderam o essencial, que é a intimidade com Deus, a vida no Espírito e o ardor na oração. Deixando-se ser apenas conduzidos pela razão humana afim de entender as coisas do Espírito. A tibieza entrou na vida de muitos grupos por causa da disputa por cargos, onde um quer ser melhor que o outro, e mesmo a inveja também foi entrando nos grupos.

Precisamos voltar ao primeiro amor, ao fervor no Espírito Santo. Onde é sanada toda raíz de tibieza que foi tomando conta da nossa vida espiritual.

A tibieza nos amarra aos pecados, principalmente, aos vícios e aos veniais. Ela retira nossa força de lutar para sermos mais de Deus e superarmos os nossos pecados e falhas. E acabamos nos acostumando com o “feijão com arroz de todo os dias” da vidinha de oração que temos. Contentamo-nos com o pouco, sabendo que Deus tem o muito para nos ofertar.

Acabamos cometendo pecados de olhos abertos, com plena consciência, aceitando-os numa boa, sem que sequer façamos algum esforço para evitá-los.

A tibieza impede a nossa santificação.

São Gregório escreve: “a tibieza, que deixou o fervor, cai no desespero”.

A tibieza é um fermento do diabo, que quer arrastar todos para o inferno, a começar por aqueles que estão na vida com Deus. O tíbio, mesmo diante da Eucaristia, torna-se insensível. O seu coração se fecha à ação do Espírito e o novo que Deus tem para sua vida. De modo que acaba por tornar-se uma pessoa carrancuda, mal-humorada, triste, insatisfeita, rancorosa, entristecendo-se com o progresso espiritual do outro. Perde, de fato, o sentido da vida, e por fim tende a abandonar tudo, todo progresso espiritual com Deus.

Mas, se o tíbio não abandonar tudo, vai fazendo com os outros, que estão na caminhada ou na comunidade com ele, vão esfriando na fé também, tornando-se tíbios como ele.

Precisamos combater a tibieza de nossa vida e de nossa comunidade.

4 Comentários

  1. Bom dia Pe. Reinaldo.

    Meu Deus! Descobri o que está acontecendo comigo! Lendo seu artigo percebi que me enquado em 99% de tudo o que vc falou, estou sofrendo desse mal, desanimo, falta de vontade de rezar, vontade de abandonar o ministério de música no qual sirvo fazem 9 anos, tristeza, até diante da Eucaristia sinto essa insensibilidade que vc descreve, e o pecado realmente vai se tornando normal, meu Deus, vc descreveu minha vida. Isso já vem acontecendo a quase um ano, não sei o que fazer, me senti esperançosa quando li seu artigo pq vendo que alguém entende o que está acontecendo comigo pode me ajudar, sendo que nem eu mesma estava me entendendo. Eu tento rezar, mas não consigo manter uma continuidade, vou à missa todos os domingos, e nas quintas feiras onde em seguida tocamos no grupo de oração, nos abastecimentos de terça, nada, nada me toca, e o pior é que as vezes eu nem quisesse ser tocada é estranho, é exatamente o que vc descreve no texto. E o que me deixa ainda mais preocupada com essa situação é que não somente dentro da igreja, mas todas as áreas de minha vida estão perdendo o sentido, o entusiasmo, como se eu não soubesse como viver. Por favor, se vc puder me ajudar, me indicar algo a fazer, estou disposta a sair dessa mornidão, porque eu não quero ser vomitada da boca de Deus e muito menos fazer outros serem assim como eu estou. Muito obrigada padre pela sua escuta com Deus, por ser um servo fiel e que Deus sempre te mantenha no ardor do serviço! Fique na paz de Jesus.

  2. Padre Reinaldo… parabéns pelo texto. Ficou muito bom e esclarecedor. Gostei muito! Realmente precisamos (eu em primeiro lugar) lutar contra a tibieza…
    Seria bom vc escrever um outro texto depois, dizendo de como fazer para combater esse mal, não é?

    Abraços… e mais uma vez, parabéns!

  3. Amadíssimo Padre,

    Rendo-me de joelhos e tenho vontade de gritar glória a Deus por sua vida e esta unção neste artigo !!!!
    Só por causa dele vou lhe dizer algo em público pela primeira vez: desde 2003 sofro exatamente o que aquela moça do filme Emily Rose sofreu e lhe digo algo mais padre: a TIBIEZA TEM SIDO GRAVÍSSIMA DENTRO DA IGREJA CATÓLICA. Por causa dela, amado padre, aos meus 27 anos, perdi 15 Kgs, fiquei anêmica, durante os 2 últimos meses antes da minha libertação fiquei com febres intermitentes, perdi tudo na minha vida, perdi o meu direito à vida !!!
    Muitos e muitos padres, irmãs, intercessores dentro na nossa RCC, todos muito amados por mim, mas eu via que não conseguiam vivenciar o verdadeiro sentido dentro do seu Ministério !!! Muitos deram não só as costas para mim (sem maldade alguma, a tibieza os levava a isso), como até fui acusada por uma irmã de não acreditar na Eucaristia … isso é gravíssimo. É gravíssimo quando falamos por nós mesmos e não pelo Espírito Santo. É também uma tibieza.
    Sempre digo a todos que um dia ainda morrerrei deitada num banco de igreja de TANTO AMOR QUE SINTO POR DEUS ! É um amor que me sufoca tanto, mas tanto, que até prende minha respiração! É imprescionante ! Não é mérito meu, mas dom de Deus. Enquanto todos me davam as costas por causa da tibieza, Ele ia colocando esse amor dentro do meu coração. Quando chego diante do Santíssimo me dobro de joelhos, encosto minha cabeça no chão e sequer consigo me levantar de tanto que choro pedindo o amor de Deus sobre minha vida ! Eu choro gritanto pelo Espírito Santo dentro do meu quarto, porque só eu sei o que passei !!!
    Urge que a RCC passe por um renovo espiritual, nossa igreja precisa ser uma igreja de mais louvor, de mais clamor, de mais jejum, quero verdadeiramente ver joelhos machucados que se prostrem diante do Santíssimo com suas cabeças encostadas no chão a pedir que o Senhor coloque esse primeiro amor.
    Não há outro caminho a não ser este: pedir para que o Senhor nos dê tudo isso.
    É isso que o Senhor está gritando em nossos corações: o que esse amado padre acabou de escrever.
    Ah, como estou hoje? Por ter passado por tudo isso, amado padre, como Jó, disse a Deus que sofreria na fidelidade. Suportei o que talvez nenhum ser humano suportaria porque Satanás tocou no meu sangue: preferir a morte a ter que trair Deus dentro de outros caminhos que não O agradam, como exemplo o Espiritismo. Devemos dar um basta nos católicos que acham que o espiritismo é válido ! É uma verdadeira ofensa a Deus. E quantos católicos, hein, amados, não são assim …. isso também é uma forma velada de tibieza. Acham que tudo o que se fala de Deus é válido. Esquecem-se que Satanás é perito no assunto ! Devemos dar um basta nisto !
    Hoje, sabe o que tem acontecido comigo?
    As palmas das minhas mãos têm pego fogo e esse fogo é o fogo do Espírito Santo. É unção de Deus, glória, glória, aleluia … É por isso que devemos combater a tibieza … Deus honra … Ele responde como nem sequer imaginamos …
    Quanto fogo de Deus tenho sentido dentro do meu quarto, fico completamente ruborizada, aleluia !!!
    Quando compreendemos que Deus quer AMIGOS e não CUMPRIDORES DE DEVERES nas suas orações pessoais, como ELE RESPONDE, COMO ELE RESPONDE !!! E como vemos os frutos de santificação na vida de cada um …
    Deus nos quer EMBRIAGADOS por SEU AMOR !!!

    Luciana

  4. Neide Sousa

    BOA NOITE padre Reinaldo eu sou de Pombal p.b e e com imenso prazer que estou pedindo ao sr. que coloque a minha vida e da minha familia em suas oraçõs pois ha muitos anos que sofro com com dores nos ossos olha padre eu tenho uma filha consagrada em comunidade de vida deus me deu esta graça eu e meu esposo participamos de grupo de orações .e também asisto a tv cançaõ nova .sua benção padre. abraços para luzia erto salette ferreira e todos da canção nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *