Pensando em vocação, contemplando o rosto de Cristo Sacerdote, louvo ao Senhor pelo chamado feito a mim e a todos os nossos irmãos no sacerdócio. Homens que fazem da vida uma experiência constante de doação, homens que Cristo escolheu para continuar a sua obra no tempo.

Hoje reflito a vocação sacerdotal, pois nestes meus poucos anos de padre já percebo seu valor em minha vida, mas também percebemos que muitos da nossa sociedade não a interpretam com o seu verdadeiro sentido ou a interpretam de forma limitada. Devemos lembrar-lhes sempre que a vocação sacerdotal é um caminho edificante, um dom de Deus, uma expressão do seu amor e cuidado para conosco e toda a sociedade. Como dizia o santo Cura d’Ars: “O sacerdote faz renascer no mundo o pensamento e o desejo das coisas do Céu”.

Compreende-se a vida do sacerdote olhando para a vida de Cristo, Ele é o Eterno e único Sacerdote, somos sacerdotes Nele, nos configuramos a Ele. Nele está nosso chamado e missão, assim Ele disse: “Como o Pai me enviou eu também vos envio” (Jo 20,21). O Senhor fazia como seu alimento cumprir a vontade do Pai e realizar a sua obra, não tinha onde recostar a cabeça. Assim é a missão do sacerdote.

A vocação sacerdotal é um verdadeiro “amoris officium”: um oficio de amor. Ele tem a missão, e deve abraçar com coragem e afinco, de fazer o que fez Jesus: “Ele passou a sua vida fazendo o bem” (At 10,38). Somos homens pelo e para os outros, somos chamados a amar, a defender a pessoa humana e sua dignidade, principalmente as mais vulneráveis, as que mais precisam de um braço amigo e solidário. O papa Bento XVI nos recorda: “O sacerdote é aquele que sai dos laços do mundo para Deus, e a partir de Deus, estar disponível para os outros, para todos”. Essa é a missão do sacerdote, para essa realidade é que o Senhor o chamou. Um serviço a Deus, um serviço aos homens.

Foi nessa disponibilidade de servir o povo de Deus que Dom Bosco viveu e nos deixou seu exemplo, assim ele dizia: “Por eles eu rezo, eu estudo, e por eles me santifico”. Os desafios são grandes e as lutas são constantes, o sacerdote deve se ancorar sempre na certeza do consolo de Cristo e se confiar à sua graça que nos renova a cada dia. É em Cristo que o padre encontra a força para o seu caminhar e o sustento necessário para se manter firme neste santo serviço.

Nas minhas recordações, tenho a viva lembrança de Dom Aluísio Lorscheider (in memoriam, 2007), grande mestre na arte teológica, ensinava-nos em suas aulas de Teologia que: “O sacerdote é grande benfeitor da humanidade, é promotor da justiça e da paz; mensageiro do amor de Cristo a cada um e a todos os homens”.

Pedimos que toda a Igreja reze por nossos padres, pela sua fidelidade e, para que continue a nascer na Igreja novas e santas vocações. Que no amor de Cristo possamos nos espelhar, nos renovar e nos empenhar durante toda a nossa vida.

Padre Geraldinho
É missionário da Comunidade Canção Nova (Aliança), apresenta o Programa Tocantins Terra de Missão.
Acesse: blog.cancaonova.com/padregeraldinho

No dia  12 de agosto, domingo, acompanhamos pela TV Canção Nova à ordenação presbiteral dos diáconos Eder Pires de Brito e Egídio Pereira da Silva, presidida pelo bispo da diocese de Lorena (SP), Dom Benedito Beni. Com isso, o Padre Egídio Pereira presidiu sua primeira Missa em Indaiatuba -SP.

Fotos: Primeira Missa em Indaiatuba -SP

A palavra vocação vem do verbo no latim “vocare” (chama?). Assim vocação significa chamado. É, pois, um chamado de Deus. E como estamos no mês vocacional, a Missão Canção Nova de Palmas homenageia os sacerdotes da Arquidiosece de Palmas e Comunidade Canção Nova. Homens de Deus que entregam diariamente a própria vida por causa da missão que lhes foi confiada: serem intercessores entre Deus e o povo. Oremos pelos nossos sacerdotes!

A Missão Canção Nova de Palmas vive um momento de expectativa, pois, nesse domingo, 12 de agosto, será a ordenação presbiteral dos diáconos Eder Pires de Brito e Egídio Pereira da Silva, que ajudaram na Evangelização da Missão Canção Nova de Palmas. Você, que faz parte da família Canção Nova, é convidado a participar. Será um momento único.

A TV Canção Nova transmitirá toda a celebração presidida pelo bispo da diocese de Lorena (SP), Dom Benedito Beni. A Santa Missa será realizada, a partir das 15h, na Catedral Nossa Senhora da Piedade, na cidade de Lorena (SP). Não perca!

Veja mais: http://goo.gl/rjLEP


Olá queridos internautas, sou padre, por graça de Deus.
Quando as pessoas vêem um padre costumam ver na sua pessoa algo diferente, por um lado alguém de Deus, alguém especial, não é comum ser padre, a gente encontra muitos professores, muitos empresários, advogados, engenheiros… e assim vai. Mas não é sempre que na família temos um padre.
Quantas mães eu já encontrei que desejariam que seus filhos, ou melhor, que um de seus filhos seguisse o caminho do sacerdócio? Muitas mães! Quando encontro com uma dessas mamães digo a elas que elas podem desejar, podem rezar para que seu filho ou sua filha siga a vida religiosa, porém que tenha muito claro que é uma vocação a vida sacerdotal e a vida religiosa. Os avós podem querer, os pais podem querer e rezar, mas a resposta ao chamado é da pessoa.
Deus chama? Deus chama a cada um, chama a cada um antes de tudo para a santidade. Como viver a santidade? Posso viver a santidade como leigo ou na vida consagrada. Por que Deus chama? Deus nos chama para a felicidade (cf. Dt 30,15) , para nossa salvação (1 Ts 5,9).
Eu hoje, como padre, posso dizer que Deus me chamou para a felicidade, para a salvação e o sacerdócio foi um meio de Deus usou para me fazer feliz, para me salvar. É claro, que não é só para isso, o que na verdade é muito.
Deus chama o padre para ser instrumento de salvação e de felicidade para os outros. O padre é aquele que recebeu tanto de Deus, tanto amor, que respondeu e responde à vontade de Deus através do serviço aos outros, da doação a exemplo de Jesus Cristo, o modelo de entrega, de doação de amor a Deus e ao próximo.
Nesse pouco tempo de padre, posso partilhar que o ministério sacerdotal é exatamente isso que partilhei acima, felicidade e salvação, que não para em mim, é para os outros. Na minha limitação, na minha insuficiência, e até mesmo na fraqueza, Deus me fez e me faz instrumento de felicidade e de salvação. Quantas missas? Quantas confissões? Quantas bênçãos? Meu Deus, que bênção!
Por fim, nesse pouco tempo de padre, Deus já, por misericórdia, me fez canal de tantas maravilhas, só por causa de uma resposta a Ele. É Ele que fez e faz todas as coisas, e quis contar comigo, só posso dizer que sou muito feliz, os sofrimentos fazem parte, são também para minha salvação.

Dê você também a sua resposta a Deus, Ele te chama porque quer a sua felicidade, quer a sua salvação. “Deus, que te criou sem ti, não te salvará sem ti” (S. Agostinho), dê a sua resposta para ser salvo e feliz e ser instrumento de salvação e felicidade para os outros.

——————-
Pe. Márcio José do Prado

Missionário Comunidade Canção Nova