E O TAL DO MAU HUMOR...

           mau-humor.jpg

     Hoje vamos falar sobre o mau humor! Quantas vezes fomos vítimas ou ao contrário, fizemos vítimas com este “tal” de mau humor .

     Nada melhor que as cenas do cotidiano para que possamos certificar as “vitimizações” provocadas por ele, é lógico o mau humor, que atingem os colegas de trabalho, um funcionário, um amigo, um parente, um vizinho e enfim qualquer pessoa que esteja na nossa “mira”.

    Quantas relações comprometidas, quantos finais de dias mal acabados e quantas famílias vivendo um clima tenso e pesado em função do mau humor.

     Hoje , existem estudos comprovando que o mau humor contribui com a produção de substâncias nocivas ao corpo, facilitando assim a prevalência de doenças orgânicas e psíquicas. Alguns estudos até arriscam dizendo que o mau humor é uma doença e que precisa ser tratada com medicamento e uma psicoterapia.

     As maiores vítimas do  mau humor, são as  crianças, por não terem autonomia para se defender e  sofrem muito.Na maioria das vezes os adultos não percebem como poderiam aperfeiçoar  as  horas com as crianças e produzirem   um tempo  com qualidade onde ambas as partes sairiam satisfeitas e felizes! Presenciei na praia, num destes domingos, uma cena muito triste de dois casais que ao chegarem, “depositaram’ as suas quatro crianças com a idade entre três e no máximo cinco anos de idade, sozinhas, na beira do mar , enquanto os mesmos ficaram numa mesa de bar” bebendo todas” .É óbvio que estas crianças na idade que apresentam não possuem uma   percepção clara do que significa   perigo  e risco  e na medida que estavam brincando com as ondas acabavam indo mais ao fundo do mar e aí vinha um dos pais e com “aquele” mau humor  fazia um discurso interminável, além de alguns momentos  corrigir batendo fisicamente, não porque estavam brigando e sim por que saiam do espaço combinado por eles (pode?)  E foi assim o tempo todo, esta tortura desnecessária e sem afeto. Ao invés de se despojarem naquele momento do seu lazer pessoal para realizar o lazer coletivo com estas crianças, pois na idade que estão, a presença dos pais são o maior tesouro que podem desfrutar nesta fase da infância e tanto as crianças como os casais ficaram mau humorados!

    Nesta sociedade em que vivemos o prazer pessoal é o que tem “mais valia” e quando precisamos dividir este prazer com mais pessoas a gente logo se aborrece e com os filhos pequenos a situação piora, porque os mesmos solicitam  carinho, atenção, afeto, vontade de brincar juntos, porém as nossas preocupações diárias, o ritmo do dia a dia, acaba criando em nós uma dificuldade de relaxarmos, de ficarmos “inteiros” na relação com os filhos no  brincar e estendendo também  nas relações do convívio diário.

      Precisamos combater  esta  tendência do negativismo e mau humor no dia a dia, com disciplina e controle e substituindo por uma boa dose de bom humor, alegria e despojamento para que as nossas relações, em todos os ambientes que vivenciamos , tenha qualidade relacional, mas também a qualidade  física e emocional  proporcionada por sentimentos positivos. Por isto é bom sempre se perguntar: como vai o meu humor no dia a dia? .

       O Amor , fonte de Deus Pai,  provoca em nós a alegria de viver, o prazer  de estar com o outro e o mau humor é antagônico a isto.   

       Então, xô mau humor!!!E salve o bom humor!!!Promova o seu ambiente familiar com muita alegria, esperança e fé!?!. Isto é Qualidade de Vida!

 

         Enfermeira Celina –  Coordenadora do Programa Qualidade de Vida/Instituto Pensamento .

quarta-feira, junho 20th, 2007 qualidade-de-vida-familiar

1 comentário to E O TAL DO MAU HUMOR...

Padre Geraldo Reis.
16/02/2011

Como as pessoas são mau humoradas na nossa atualidade! Elas têm culpa? Não! As tristezas da vida as fazem assim!
Pe. Geraldo Reis – Ipatinga – MG.

Leave a comment