Vivência sexual na vida conjugal.

fotos-papai-e-mamae-001.jpg

Temos recebido emails de mulheres ou mesmo de casais que estão com algumas dificuldades de vivenciar com alegria, prazer e qualidade as suas atividades sexuais.
Este tema não é dos mais fáceis de ser discutido, porque depende de uma série de fatores relacionados com a história pessoal de cada um, do tipo de método de planejamento familiar escolhido, da escolha do casal de acordo com a sua crença religiosa , do vínculo afetivo do casal e a própria dinâmica da vida de cada um e a organização dentro do ambiente familiar.
A vivência sexual na vida conjugal deve ser experimentada de forma muito saudável, afetiva, criativa e como forma de expressão do amor mútuo.
Quando referimos sobre esta questão, não estamos dando enfâse somente no aspecto genital da vivência sexual, mas fazemos o casal entender que toda a forma de carícia, de carinho e afeto fazem parte desta vivência.
A cama do casal é um “templo sagrado”, onde naquele lugar o casal fortalece o seu sacramento matrimonial, dignifica a criação humana porque valoriza o corpo masculino e feminino na sua diferenciação, na sua capacidade amorosa ( por isso se distingue de outras espécies) e acima de tudo é através deste lugar que a vida humana pode ser concretizada através do dom da fecundação, como colaboradores da criação.
Se uma das partes não estiver convencida destas maravilhas, fica difícil o casal experimentar uma vivência sexual plena. O dia a dia dos afazeres relacionado ao trabalho, aos cuidados com as crianças, a rotina de casa e outros não podem ser obstáculos que interfiram na vivência plena da sexualidade conjugal. É necessário que ambos ajudem-se mutuamente para enfrentar estes desafios propondo novas atitudes como reorganização da rotina interna dentro de casa para um tempo mais disponível para o casal; que a mulher em especial reconheça o valor e os benefícios do ponto de vista físico e emocional na vivência sexual do casal combatendo o cansaço e o desânimo que é uma forte tendência da mulher; que o homem se reeduque sexualmente aprendendo que a relação genital não é a única forma de expressão de amor na vida a dois e que ambos se coloquem diante de Deus e ofereça os seus corpos como instrumento de serviço ao Reino de Deus.
Outro aspecto importante: alguns casos requer um suporte, pois os mesmos não conseguem por si mesmo realizar as superações e mudanças necessárias. Então, é muito importante neste momento o casal reconhecer que necessitam de ajuda específica e não se acomodarem para não piorar ainda mais a situação.
Procurar ajuda com pessoas e profissionais indicados para isto, é uma atitude sábia e imprescendível para que aconteça as mudanças necessárias e assim o casal fazer a sua vivência sexual como expressão de um Sacramento Matrimonial onde a base principal é contruído por uma sentimento chamado AMOR.

sábado, abril 26th, 2008 sexualidade conjugal

No comments yet.

Leave a comment