Archive for agosto, 2010

HOJE É DIA DOS PSICÓLOGOS

sexta-feira, agosto 27th, 2010

A TODOS E TODAS, COLEGAS DE TRABALHO…

PARABÉNS…

FELIZ PROFISSÃO.

É possível o casal chegar ao orgasmo sexual juntos?

sábado, agosto 21st, 2010

Esta é uma meta em que muitos casais procuram atingir. Alguns, bem poucos conseguem com freqüência. Um numero maior com respostas orgásticas mais pontuais espaçadamente , e a grande maioria como um sonho a ser realizado.

Mas o orgasmo conjugal é um dos mais nobres presentes que a biologia reservou para os casais, tanto, que aqueles que conseguem pontuar maior numero de relações sexuais com final feliz de orgasmo mútuo são ou estão muito fortalecidos no casamento.

MAS O QUE É O ORGASMO?

Esta é uma outra questão, pois a cinematografia romântica e as novelas, venderam um padrão de orgasmo que parece quase impossível uma pessoa sentir em uma relação sexual. Venderam a imagem de que o orgasmo é uma sensação de profundo êxtase, como se o casal entrasse em transe, algo indescritível.

Mas é preciso cada pessoa e o casal saber entender e diferenciar como funciona o seu orgasmo e como a sensação de orgasmo em uma atividade sexual é percebida pelo casal. O orgasmo é uma sensação plena de bem estar físico e emocional após a atividade sexual. Mas se não estiverem atentos, a dupla ficará esperando por respostas que já viram em filmes.

Lembro-me de uma senhora que em tratamento psicoterapêutico dizia que nunca tivera vivenciado uma sensação de orgasmo. Esperava sempre que fosse gritar, suar, seu corpo ficaria em espasmo, e ela teria a visualização de que estaria nas nuvens. Brinquei com ela devolvendo-lhe a idéia que esta sua fantasia parecia como a ilusão de morrer e estar chegando ao céu. Ela reagiu em brincadeira dizendo que não queria morrer tão cedo. Enfim, analisamos que ela deveria aprender a entender como se manifestava o orgasmo nela. Quando ela foi entender que o seu orgasmo funcionava de forma mais amena, uma boa sensação de relaxamento físico e emocional por ter sido amada – tanto que esta mulher dizia que ficava mais de uma hora abraçadinha ao seu esposo – e após descobrir que isto era orgasmo, descobriu outra coisa também muito maravilhosa, que seu esposo na maioria das vezes ejaculava no momento em que ela sentia a suavidade serena no corpo. Este casal descobriu que estavam muito bem sexualmente, sendo que passaram mais de 12 anos imaginando que não se adaptavam sexualmente um ao outro, pois ele também esperava que o orgasmo para ela deveria ser mais abrupto, imaginava que ele não a satisfizesse por ela não reagir assim.

O orgasmo em conjunto é uma realidade que pode ser vivenciado plenamente pelo casal, mas é preciso entender como cada um reage na atividade sexual – o seu perfil sexual ou o seu padrão orgástico – e abrir o jogo para comuni isas a dois.

Minha esposa diz que não sente mais orgasmo - a culpa é minha?

quinta-feira, agosto 19th, 2010

Quando uma esposa relata ao esposo que já não consegue sentir mais orgasmo no ato sexual, a primeira reação não é tão agradável assim. Geralmente o homem imagina que algo está errado com ele.

No primeiro momento, é importante o esposo tentar abrir o jogo e ver se realmente a dificuldade surge a partir da forma dele se encontrar com ela no ato sexual. É bem verdade que na educação sexual dos homens, historicamente foram induzidos a ver a atividade sexual como uma realização de uma necessidade genital masculina, como se o homem não conseguisse viver sem a atividade sexual. Por isto, diante do relato da disfunção sexual da esposa, começar o caminho para a solução tentando ver se a questão está na forma com que o homem desenvolve a sua atividade sexual, é um bom início. Se for, com narrativas da esposa do tipo: “você só quer saber do gozo genital; está muito rapidinho; não é carinhoso e não é romântico; etc”, aí sim já terá uma boa dica para iniciar sua investida de mudanças pessoais, e quem sabe , o reencontro do prazer sexual no casamento. Mas se depois de todas a suas tentativas de mudanças, a esposa continuar com a ausência de orgasmo, a questão realmente é dela e merece paciência do esposo para juntos buscarem uma solução. De início, uma boa avaliação com Médico Ginecologista , observar alterações hormonais, e outras questões que o médico apontar como relevante; se o sintoma persistir, é importante um monitoramento emocional através de psicoterapia com Psicólogo.

A ausência de orgasmo na mulher é uma queixa que chega a afetar até 80% delas, dentre todas as queixas de disfunção sexual que de alguma forma desencadeiam em ausência do orgasmo. Por isso mesmo, o caminho é buscar caminhos. Abrir o jogo e não se acomodar no problema.

Lembre-se, somos dotados de potencialidade corporais para sentirmos prazer físico sexual, pois esta é uma das boas coisas do casamento, a possibilidade de vivenciar a dois a liberdade da expressão dos corpos em sintonia do prazer. Não fuja desta busca.

A culpa ou o ataque só colaboram para a desestrutura conjugal

Meu marido perdeu a vontade sexual, o que faço?

segunda-feira, agosto 16th, 2010

Esta é a realidade de muitas mulheres. Estatísticas apontam para índices muito elevados de homens com problema de ereção. Entre a ejaculação precoce e disfunção erétil estima-se que aproximadamente 70% do público adulto masculino encontra-se com dificuldade.

Geralmente quem procura ajuda são as mulheres e os homens sentem-se envergonhados, pois as dificuldades sexuais neles são associadas com perda do poder masculino sobre as mulheres. Assim, vítimas do machismo, escamoteiam o problema, e muitos chegam a procurar a superação na prostituição, pois as parceiras sexuais de programas de prostituição encenam a virilidade daqueles que as perderam, vendendo a falsa idéia para eles de que não perderam nada.

A mulher que quer garantir a vida conjugal, deve lutar para a recuperação de seu esposo. Ficar também camuflando o problema, não vai levar à felicidade conjugal. Nem através do deslocamento de ações no mundo do trabalho e nem na transferência de energia aos filhos; muito menos na prática excessiva da religião – tendo em vista que há casais que vivem praticamente em função das atividade da pastoral-, esquecendo do lazer conjugal e até dos filhos. Enfim, tudo o que for desvio para não fazer manifestar o problema, são atitudes que só estará adiando o fracasso maior do casamento. Isto porque há um homem em sofrimento por sua frustração sexual e cujo machismo não permite a busca de uma ajuda, e por outro lado há uma mulher crescendo na carência sexual.

Como as mulheres são protagonistas na busca de soluções para as dificuldades na família, indico que diante da disfunção sexual do marido, a parceira não fique quieta. Diga de seus sentimentos em relação a ausência sexual do esposo e proponha em parceria com ele a buscar uma solução. Para isto, agende uma consulta com o Médico Urologista de confiança da família para se detectar causas orgânicas ( primeiro momento) e posteriormente, caso as intervenções orgânicas não derem resultados, procurem um profissional de Psicologia para um processo de psicoterapia conjugal.

Geralmente os problemas de disfunção erétil devem ser monitorados com auxílio médico e psicológico. Não se omita, provoque em seu companheiro a necessidade da busca de solução. Afinal de contas a sexualidade conjugal dotada do prazer é um dom de Deus, que não pode deixar de ser vivida.

Esta busca deve ser com muito respeito e carinho, sem pressão psicológica ou ataques.

Para ajudar, consulte meu livro : “Prazer sexual na vida conjugal”, ed. Paulus S/P

Relações interpessoais no mundo do trabalho

sábado, agosto 14th, 2010

Relações interpessoais é a capacidade que cada pessoa têm em estabelecer relacionamentos com outras pessoas em diferentes contextos sociais.

Nas relações de trabalho, observamos que há uma forte tendência em querer confundir as relações de amizades com a ação profissional.

Determinados comportamentos de coleguismo entre colaboradores que leva a acobertar erros por não ter que se revelar o amigo, expô-lo à possibilidade de uma demissão. Situações assim, podem comprometer tanto aquele que age com camaradagem ao acobertar o amigo, tanto aquele amigo que precisa ser acobertado, pois erros de procedimento nas empresas aparecem rapidamente, principalmente quando se trabalha com metas. Assim, aquela ação que parecia ser de zelo pelo amigo, torna-se uma armadilha no trabalho. Aqui a confusão da relação “amizade X trabalho”.

Muitas vezes, ao estar na equipe de trabalho, há pessoas que chegam sem cumprimentar os colegas , carrancudas. Mas se perguntarmos a elas o motivo que estão daquela forma, não saberão dizer. Geralmente as dificuldades para a interação nas relações interpessoais iniciam desde os primeiros anos de vida, no seio familiar. Na forma com que somos amados, no ambiente na qual crescemos. Se criados em ambiente hostis, temos a tendência de reproduzirmos esta hostilidade nos nossos relacionamentos já na vida adulta, sem percebermos.

Para que os ambientes de trabalho sejam lugares agradáveis, é necessário uma Gestão de Pessoas que esteja focada na observação do clima organizacional constantemente. Fazendo localizar os focos irritativos e procurando integrar as pessoas na equipe. Quando há um ou outro colaborador que não consegue integrar-se é necessário orientações freqüentes individualmente, procurando identificar os fatores pessoais que podem estar colaborando para a continuidade na dificuldade daquela pessoa nas relações interpessoais.

Pelo Instituto Pensamento, temos desenvolvido ações com empresas visando melhoria dos relacionamentos interpessoais, verifique www.psipensar.com.br

Subscribe to RSS feed