Archive for julho, 2011

Brincando com os filhos, em casa.

segunda-feira, julho 25th, 2011


Hélder, Samuel, Davi. Meus queridos filhos brincando de desenhar comigo, em pleno domingo

Em tempos de eletrônicos, a tendência das famílias aos finais de semana é cada um estar na sua, ou no seu eletrônico.

Na busca de desconectarmos, estamos aplicando uma regra de ouro em casa. Escolhemos ficar sem internet durante todo o domingo, e TV só se for filme ou algum programa que possamos ver juntos.

Se estamos certos ou não, não nos preocupa. Só podemos confirmar que nossos domingos estão bem melhores. E melhor não é sinônimo de ausência de conflitos. Ao contrário, quando a família se relaciona, aparece de tudo, inclusive uma briguinhas para variar. Mas o vínculo afetivo é o que permanece.

Quando um filho entra no crak.

sábado, julho 23rd, 2011

Cresce o número de famílias com usuários de crak no Brasil. Uma droga que veio para matar, ao usuário e familiares.

A complexa convivência com um dependente de crak, leva os pais à loucura. Se radicalizam posicionamento, o filho pode morrer. Mas se adaptam ao usuário, a família toda é que morre, ou vem à falência.

Mesmo para grupos de ajuda ao dependêmte químico, como é o caso do “Amor exigênte”, “TA”, “NA”, etc, a dependência do crak veio quebrar a todos os paradigmas de apoio.

Quando já não se têm nada em casa, por que o usuário saqueou tudo para trocar em pedras de crak, quando a violência do usuário não identifica mais quem é o pai ou a mãe, os vendo como mais um a ser agredido. Aí é hora de desespero.

O desespero inclusive chegou na conduta de alguns Psiquiatras e especialistas em dependência química, que preferem dizer para os familiares que no processo de tratamento é melhor deixar o usuário usar pelo menos a maconha por ser um mal menos. Conversa esta que começa a ser frequente entre os profissionais de saúde.Porém, ao identificar-se a tragetória de um usuário de drogas que chegou ao crak, vamos constatar que a maconha foi a porta de entrada.

O que fazer?

Lutar até o fim, sofrer junto e ter esperança? Ou abandonar o filho, deixando-no à beira da sargeta?

As duas posições são louváveis. Entendo que a medida deve estar em cada família. As que abandonaram, não representa terem amado menos, e ao mesmo tempo as que estão lutando sem desistirem, não representa que amam mais. Aqui vai depender do perfil de cada família.

O certo é que posturas de compensação dos pais em relação ao filho usuário do crak, principalmente quando acreditam quer o filho chegou na dependência por erros deles, gerando o sentimento de culpa e consequentemente a co-dependência que até sustenta o vício, não pode ser um caminho considerado adequado. Lutar pela vida do filho ou não, deve ser movido por critérios e decisões que estejam dentro de uma reflexão transparente das reais condições da família, associado ao real interesse do usuário em querer ajuda.

Estamos perdidos neste processo. Tudo parece ser muito novo. Precisaremos conversar e nos apoiar mais em famílias no coletivo para que a longo prazo tenhamos alguma luz. Pois no momento as trevas falam mais alto.

Tenho orado frequentemente pela lucidez dos familiares que estão vivendo este drama da dependência de um filho no crak.

No momento, precisamos de muita Luz Espiritual, para clarear nosso caminho.

Cura interior - Um olhar Teológico e outro Psicológico

sexta-feira, julho 15th, 2011

No debate de 12/07  do programa “Trocando Idéias”, Onde  eu  estava com o olhar da Psicologia e o Pe. Márlon Múcio com o olhar Teológico, fez emergir uma forma diferenciada para a percepção da doença espiritual e emocional na cura interior. Como um orientador espiritual pode detectar se a pessoa na qual está sendo orientada realmente sofre um conflito de ordem espiritual ou emocional?

Muitas perguntas dos internautas ou telespectadores do programa estavam relacionadas a esta necessidade de diferenciação. Quando Pe. Márlon apresentou os dez mandamentos para a cura interior, citou o décimo mandamento que consiste em encaminhar a pessoa em sofrimento a uma ajuda científica, Psiquiatria ou Psicologia.

Com este mandamento, tracei no programa a reflexão que a doença espiritual está diretamente relacionado ao rompimento afetivo da pessoas com Deus; e a doença emocional é o rompimento afetivo com os pais e familiares ao longo da história pessoal.

Desta definição, Pe. Márlon trouxe um outro argumento que clariou ainda mais a diferença, dando suporte para todos que trabalham em orientação espiritual. Falou que na sua experiência de cura interior, observa que quando a doença é de ordem espiritual ela gera ausência de paz. A pessoa fica conturbada, em guerra interior.

Com esta definição, pude trazer um novo elemento para percepção desta diferença, é que na doença emocional a pessoa tende aos sintomas de ansiedade ou depressão (angústia).

Assim, pudemos concluir que Paz é sintoma de saúde espiritual e ausência de ansiedade e depressão é sintoma de saúde emocional.

Outra questão que foi amplamente debatido no programa, foi como identificar um charlatão em cura interior. Para Pe. Márlon é quando o orientador não encaminha o sujeito nem para o Pe. e nem para um proficional de saúde. Ele dá conta de tudo, por ele mesmo.Minha posição nesta questão foi a de mostrar o crescente número de pessoas com prática religiosa fazendo cursos de hipinose ou psicanálise com objetivo de clinicarem sobre os fiéis.

Doenças espirituais é tema do Trocando Idéias de 12/07 na Canção Nova

sábado, julho 9th, 2011

Pe. Paulo Ricardo e o Psicólogo Gerson Abarca

Nesta terça dia 12/07, o programa Trocando Idéias da TV Canção Nova debaterá o tema “doenças espirituais”.

Os convidados são : Pe. Paulo Ricardo e o Psicólogo Gerson Abarca. Apresentação de Ricardo Sá.

Vale  a pena conferir. A partir das 20:30H

O meu Corinthians, agora sim esta um timão.

quarta-feira, julho 6th, 2011

Estou assistindo ao jogo Corinthians e Vasco, com vitório parcial do timão por 2×1.

Caramba, os caras estão jogando com determinação e conjunto. O time está bem treinado e há muito tempo não vejo o timão jogar assim.

E olha que é só o começo, pois vem mais gente forte por aí.

Se a coisa não desandar, como está jogando, acredito que não têm para mais ninguém neste campeonato brasileiro.

UUURRRAAAAA!!!!!….

Que legal!

Cooperativa Educacional de Linhares - pais participantes.

sábado, julho 2nd, 2011

O projeto coordenado pelo Instituto Pensamento na CEL ( Cooperativa Educacional de Linhares/ES ) : “Construindo  a cultura cooperativista e uma escola inclusiva” , já está em franco andamento. Nesta quinta próxima passada, dia30/06, ministrei uma breve palestra para pais dos sextos anos, e a participação dos pais foi muito positiva. No final, terminamos com uma bela ola! gritando -“Viva o Cooperativismo”. Este projeto continua até dezembro deste ano. Veja este breve vídeo:

O vídeo vem depois…

Pais durante a palestra:"Construindo o cooperativismo"

O Psicólogo e o estagiário - pai e filho.

sábado, julho 2nd, 2011

Nesta férias de julho estou vivendo algo que nunca imaginaria que pudesse viver um dia. Meu filho Samuel Iauany, que está estudando Psicologia na UNESP de Assis-SP, volta para casa de férias e já estrá estagiando no Instituto Pensamento a qual dirijo. Sob orientação da Psicóloga Juliana, Samuel está participando de uma pesquisa para detectar o nível de conhecimento de uma comunidade escolar sobre o cooperativismo, sendo esta escola de caráter cooperativo. Seu trabalho é de tabulação de dados.
Segundo minha grande amiga Dra Soo Yang, médica Neurologista: “deste jeito o Samuca vai ficar muito melhor que o pai”.Tomara mesmo.
Felicidade de pai é ser amigo de filho quando este torna-se adulto.

Samuel na clínica do Instituto Pensamento em Vitória. Ele tenta analisar o pai.

Subscribe to RSS feed