Archive for the ‘consiencia-negra’ Category

Bispos, Padres e Diáconos negros de todo o Brasil em São Mateus-ES

terça-feira, agosto 2nd, 2011

Durante os dias 25 a 30 de julho, na cidade de São Mateus-Es, aconteceu o encontro nacional do Instituto Mariama, que congrega Bispos, Padres e  Diáconos negros de diferentes dioceses brasileiras.

O encontro refletiu sobre a cultura negra e os emergentes para a formação eclesiática no Brasil. E como não poderia negar a cultura Afro descentente, os participantes sempre que podiam entoavam as rodas de cantigas e o Jongo, que é muito tradicional em São Mateus-ES.

Dom Zanoni, o Bispo negro da Diocese de São Mateus estava todo orgulhoso e feliz em receber este importante evento para a Igreja.

Confira esta contagiante alegria:

DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA E A "DEMONIZAÇÃO" DA CULTURA

quinta-feira, novembro 20th, 2008

Hoje é o dia Nacional da Consciência Negra. Data comemorativa pela morte de Zumbi dos Palmares, lider negro que foi um dos protagonistas das fugas dos escravos na época da escravatura no Brasil, para refugiar em quilombos, ondem pudessem viver a liberdade em comunidade. Neste dia 20 de novembro, aproximadamente 300 municípios do Brasil decretaram feriado municipal. A CNBB publicou um manifesto por este dia que está na página da frente do site da Canção Nova. Isto tem sua fundamental importância, pois ha muitas seitas no Brasil tentando fortalecer novos preconceitos em relação a causa dos negros no brasileiros; eles estão “demonizando” a cultura, isto é, tentam convencer a população que alguns alimentos ou culinária Africana são endemoniadas. Querem dizer que a  pipoca, acarajé e outros alimentos tradicionais da cultura afro-descendente são simbolos de deuses do camdoblé. Tanto, que em cidades como Salvador-BA, ha barraquinhas de “acarajé de Jesus”, vendidos ao lado de barraquinhas das baianas típicas que há dezenas de anos vendem seus acarajés tradicionais. Tentam convencer seus fiéis, de que se comerem estes acarajés tradicionais estarão incorporando o malígno. A pipoca também entra nesta questão.

Estava recentemente em um encontro da RCC, e uma senhora disse em um grupo de partilha que havia ganho uma escultura de uma negrinha, destas que parecem estar olhando em uma janela com os braços cruzados; dizia em sua partilha que havia recebido uma visão de que aquela escultura da negrinha possuia o demônio. Fiquei inquieto com aquela colocação e perguntei para a senhora se ela teria tido a mesma visão se a escultura fosse de uma menina branca de olhos azuis.

Temos que ter muito cuidado ao cairmos nestas questões de ver em traços da cultura afro-descendente manifestações demoníacas, pois desta forma estaremos acentuando o racismo camuflado existente no Brasil. Em nome de um Deus dos brancos e Europeus, desqualificamos histórias e manifestações culturais,

Por acaso vão dizer que a Pizza é coisa do demônio? Mas a culinária Italiana é nobre aos olhos do brasileiro, assim pizza é muito gostosa e faz bem…mas culinária africana ?

A “demonização” da cultura afro-descendente é uma forma cruel de ressaltar o racismo no Brasil. Não precisamos utilizar destes artifícios para vivermos nossa religião.

Uma revista de grande circulação no Brasil, tentou nesta semana trazer a idéia de que Zumbi era dono de escravos. Uma revista que está a serviço do poder econômico que insiste em vender a idéia da raça superior – branca -. Aliás, quantos ricos no Brasil são negros? Como alerta-nos a Vanessa Laquanet no sue blog no site da C.N. :”os negros receberam a liberdade e foram para as favelas”.

Vamos construir a luta pelo direito de igualdade à todo cidadão brasileiro, independente de raça, cultura ou religião.

Viva o dia de Zumbi dos Palmares.

*Gerson Abarca é Psicólogo e Diretor do Pensamento – Instituto de Psicologia e Pedagogia

Consciência Negra

sexta-feira, novembro 14th, 2008

A semana da  Consciência Negra teve início dia 15/11 e vai até dia 22/11. Dia 20 de novembro é propriamente o Dia Nacional da Consciência Negra por ocasião do aniversário de morte de Zumbi dos Palmares – um líder negro, que com coragem e determinação, na época da escravatura, foge da fazenda onde mantinha-se escravo no estado de Alagoas e funda o Quilombo dos Palmares. Na época, centenas de escravos fugiam das correntes de seus feitores e fundavam quilombos, só na região de São Mateus/ES temos aproximadamente 47 áreas de quilombos ou quilombolas.

Em vários municípios comemora-se o dia 20 de novembro com feriado municipal, como é o caso da cidade do Rio de Janeiro. Homenagens a Zumbi dos Palmares se espalharam por todo o Brasil. Neste mês, conheci um anfiteatro municipal na cidade de Volta Redonda/RJ que leva o nome de Zumbi dos Palmares.

Segundo a UNESCO – Organismo da ONU ligado às pesquisas educacionais em todo o mundo – no Brasil 70% da população é afro-descendente – Negra –. Mas infelizmente, o IBGE preferiu dificultar a percepção da população afro descendente, diminuindo seus índices, principalmente quando trás o conceito de “preto”, “pardo”, “mestiço”, para que a população responda sobre sua “cor”. Ao invés de se responder no senso sobre raça (amarelo; branco; negro) estamos respondendo sobre cor de pele. Um nítido procedimento preconceituoso. Se o IBGE tivesse coragem de pesquisar a população brasileira com os reais procedimentos raciais, viríamos que os dados da UNESCO são os mais próximos da realidade. O único porém disto, é que a elite brasileira não quer enxergar a realidade que o Brasil é  – o pais com maior população negra do planeta -. É melhor dizer que somos descendentes europeus.

Quem sabe, com a vitória do negro Barack Obama, um Afro Descendente Americano, emergente de família não nobre cuja trajetória foi de luta e chega ao maior posto da nação mais poderosa do planeta, o Brasil comece a tratar a questão da Afro descendência com justiça. Como bem configurou Luiz Inácio Lula da Silva, o operário brasileiro que conquistou o poder no Brasil: “- Só na democracia é possível ver a ascensão de personagens como Obama”.

Mas a democracia brasileira no quesito racial, precisa copiar ou olhar para algumas formas de fazer política nos Estados Unidos. Lá a ascensão dos negros na universidade se deu pelo sistema de quotas; aqui ainda analisamos esta questão com argumentos preconceituosos, do tipo: “precisamos melhorar o ensino fundamental para o negro chegar lá”. O problema é: até que os negros cheguem na universidade muitos já terão abandonado as escolas no meio do caminho -.


Em São Mateus, temos a Lei Municipal que garante quotas de negros nos concursos públicos, isto é mais do que justo, pois a população negra mateense configura-se em mais de 80%. Mas estamos paralisados no processo de conscientização negra na cidade. Pouco vemos acontecer, a não ser no mês de novembro onde algumas organizações se encontram para o debate da consciência negra. São Mateus merece uma secretaria especial para fazer avançar o debate e enaltecer a raça negra e toda esta cultura afro descendente.

Nesta semana, a Comunidade Católica São Benedito – centro, da Paróquia de São Mateus está com uma extensa programação em torno da Consciência Negra. Vale a pena conferir toda a movimentação que está se dando na Igreja São Benedito e no Salão ao lado (Antigo Teatro Anchieta). É um processo de evangelização na cultura.

Estou na organização desta semana por observar que há uma auto-estima baixa no inconsciente coletivo mateense, provocado pelo não reconhecimento sócio histórico cultural da raça negra no município. Esta auto-estima baixa trás diversas dificuldades, principalmente na percepção da beleza negra – há comentários racistas de que a população é feia

em São Mateus. Assim a auto imagem fica destituída de valor. Outro aspecto que a auto-estima baixa tem trazido é a dificuldade de se organizar grupos sociais para fazer valer a vontade popular. Temos observado que a cidade fica dependente de lideranças políticas em uma população cuja excelência da história organizacional está na coletividade. Não é a toa que ramificaram-se quase 50 quilombos pelo interior do município.

É a afro-descendência, com todas suas ramificações culturais e sociais que causou em mim o grande fascismo de escolher São Mateus para viver e construir minha família. Por que negro é lindo e africanidade nos remete a força da solidariedade e da coletividade.

O racismo oprime, e a opressão faz sofrer. Com Zumbi dos Palmares gritemos à liberdade e declaremos para o planeta que o Brasil é a maior nação em contingente populacional negro. Só o racismo insiste em omitir está realidade.

Venha participar conosco na Semana da Consciência Negra

Subscribe to RSS feed