Archive for the ‘mulher’ Category

Para não dizer que não falei das MÃES

sexta-feira, maio 6th, 2011

Houve um tempo em que ficava muito mal humorado com as comemorações do dia das mães. Sempre olhava pelo senso crítico da exploração comercial deste dia. O comércio faturando e as mães sendo enganadas. Um presentinho, beijinhos e depois novamente escrava dos filhos.

Nas escolas em que assessorava, cheguei até a indicar que não fizessem festas com teatrinhos melodramáticos, pois sempre acontecia uma choradeira daqueles que as mães, por causa de trabalho, não podiam comparecer na escola, ai os filhinhos desabavam em choro, e no trabalho as mães se torturavam se condenando por não poderem estar presentes.

E aqueles filhos adotivos, daquelas adoções realizadas sem critérios, os conflitos existenciais apareciam…Onde está minha verdadeira mãe!!.

Pasmem, já cheguei até a usar uma frase do Psiquiatra José Ângelo Gaiarça em uma palestra  no dia das mães: “Se toda mãe fosse boa não haveria doente mental”. Com certeza deixei muita mãe triste naquela noite.

Mas, com meus três filhos crescendo, fui observando o valor que eles depositam no dia das mães. E depois fui me tocar que eu também adorava ligar para minha mãe Aurora desejando-lhe um feliz dia das mães. Ela ficava toda derretida de emoção.

Agora, se o dia é explorado ou não pelo comércio, que assim seja. Afinal de contas muita cidade deste país vive do comércio. E a vida é para ser festejada, e presente é para retribuir em  agradecimento.

Mãe é realmente um ser fundamental para a existência da saúde emocional. É dela sim a maior força de energia psíquica que move uma criança durante todos os anos da infância de uma pessoa. É pela “maternagem” ( capacidade de cuidar e proteger com afeto segundo Winnicott), que chegamos à vida adulta com potencial para amar.

Vamos celebrar com muita alegria o dia das mães. Afinal de contas, todo ser humano teve seu primeiro ninho no útero de uma mulher.

Mulher, entre homenagens e realidades

terça-feira, março 8th, 2011

Em uma fábrica americana, há cem anos, centenas de mulheres morreram carbonizadas por lutarem pelos direitos trabalhistas

As homenagens do Dia Internacional da Mulher geralmente são tocadas de uma superficialidade e romantismo que camufla o real sentido desta data.

Se há exatamente 100 anos, operárias de uma fabrica americana foram queimadas por estarem reivindicando melhores condições de trabalho, hoje deveríamos estar em luto, por elas e por todas as milhares de mulheres que o sistema econômico já enterrou de tanto exigir delas sem as devidas adaptações que uma mulher necessita.

Mas a data em si foi muito absorvida pela publicidade do batom. A mulher que conquistou seu espaço na forma de vestir e de ser, real conquista, mas que ainda amarga os piores salários em relação aos homens em mesma condição de trabalho. Elas que ainda precisão fazer denúncias em delegacias de forma clandestina sobre a violência de esposos, patrões, etc.

Se neste momento você entrar no youtub para ver vídeos sobre mulher, a maioria deles é de ordem sexual, ou delas como barbeiras no trânsito, os melhorzinhos as colocam como Alice no país das maravilhas.

O certo é que esta data vale muito a pena comemorar na condição de superação em que as mulheres se colocaram ao longo dos anos e que estão se colocando atualmente. A força de trabalho das mulheres é responsável pela sobrevivência de muitas crianças empobrecidas. Além de trabalharem muito, cumprem a dupla jornada de trabalho, quando chegam em casa para cuidarem de seus filhos.

Por mais que a imagem de objeto de cama mesa e banho ainda é o referencial da maioria dos homens, elas estão se superando. Já galgam os melhores postos de trabalho quando são selecionadas em concursos, isto porque tiveram que dar foco e concentração para a superação do mundo machista. Desta postura de resistência, crescem vertiginosamente no mercado de trabalho.

Mas sua condição fecundativa é a de maior legado e que por décadas serviu como elemento de ataque do público masculino. Sua força para gestar um novo ser, e seu legado em ser o ninho de amor de todo ser humano nascituro, lhe coloca em uma condição impar.

É muito bom estar trabalhando com mulheres determinadas. No Instituto Pensamento temos a força da Aline, Juliana, Meire, Elenice, Ana Paula, Ana Beatrice, Maria Celina.

Mas bom mesmo é ser parceiro conjugal de uma mulher de fibra que não deixa a gente se acomodar na condição de poder masculino, que nos ajuda a entendermos que a vida é força na unidade entre homens e mulheres. Esta é a minha querida esposa Maria Celina. Com ela aprendi a ser parceiro de mulher, respeitando-nas todos os dias de minha vida. E quando a gente vacila, está ela, a mulher de fibra para nos lembrar, nos provocar, nos igualar.

PARABÉNS PELA FIBRA E LUTA DE TODAS AS MULHERES QUE JÁ SE IDENTIFICARAM COMO TAL

Dona Ana, 99 anos. Minha querida Avó. Uma morte digna.

segunda-feira, fevereiro 21st, 2011

Nesta segunda feira, minha mãe Aurora liga chorando para dar a notícia do falecimento de sua mãe Dona Ana Abarca. Aos 99 anos, Dona Ana já estava há dois anos em rítimo de partida desta vida. Nos últimos dois mêses precisou ser internada em uma clínica especializada. Com dor, os familiares encararam esta realidade, pois na residência comum já faltava recursos.

Minha mãe sempre dizia que estava rezando para a Dona Ana ter uma morte dígna. E foi exatamente desta forma que faleceu, dormindo, como um passarinho. As lágrimas são pela sua história. Uma mulher de luta, que ficou viuva bem cedo, mas continuou fiel ao seu esposo José Abarca.

Mulher simples e de foco nos trabalhos domésticos, Dona Ana acompanhou o crescimento dos netos , bisnetos e tataraneta. Lembro-me que sempre dava um dinheirinho para todos os netos no dia de cada aniversário e no Natal. Uma marca afetiva sem igual.

Gostava de contar histórias de sua vida. Viveu lúcida até seus 97 anos, aos 98 anos começou a ter falhas de memória. Mas recentemente minha mãe escutou a Dona Ana falando do passado em espanhol.

Morrer dignamente é uma forma que Deus providencia para aqueles que vivem na retidão. Como foi a história de Dona Ana. Ela completou seu ciclo de vida e foi muito resistente. Há um ano quebrou o fêmur, foi para uma cirurgia de risco e superou rapidamente. O maior drama na casa é que ela queria ficar trabalhando, andando para lá e para cá.

Sei o quanto aqueles que estiveram próximo dela nestes últimos anos, acompanhando-na nos seus limítes corporais, estão sofrendo neste momento. Minha irmã Janete quem acolheu-na em sua residência por aproximadamente 10 anos, devemos nossos agradecimentos. Deus já está lhe recompensando.

Como é bom ter na história de vida pessoal uma  Vovó como Dona Ana.

Pela Graça de Deus eu sou quem sou, mas com as mãos afetivas de minha querida Vó Ana, Deu me proveu de muita força e entusiasmo para a vida.

Senhor, conceda-me vida plena para que no futuro, já bem idoso, eu possa ser conduzido para uma morte com dignidade, assim como destes a oportunidade a Dona Ana.

Mania de sandálias - uma tendência feminina

sexta-feira, outubro 22nd, 2010

Nesta semana, por ocasião do aniversário de minha esposa, fui a uma loja de calçados para presenteá-la. No momento, fiquei observando o quanto a loja estava cheia de mulheres, e em outras lojas que passei também. E olha que era segunda feira.

Isto despertou em mim uma forte curiosidade, a de procurar entender o motivo pelo qual muitas mulheres gostam de acumular sandálias. Pensei por vários ângulos, primeiro na ótica dos homens ao olharem as mulheres, geralmente os homens observam outras coisas na mulher, e outras partes do corpo que não seja os pés; depois pensei na possibilidade de as sandálias deixarem as mulheres com um andar mais elegante, mas no fundo o atrativo masculino para o corpo de mulher ainda não é sandálias em si; depois pensei na possibilidade das sandálias serem tão psicodélicas que isto atrairia o olhar masculino; mas olhando mulheres andar nas ruas, as sandálias viram um pequeno detalhe; no final, conclui que as mulheres de fato não estão preocupadas em usarem sandálias para que os homens as vejam, mas sim por que elas possuem uma boa identificação com sandálias, é um elemento pessoal de fetiche delas.

Mas ainda faltava-me uma identificação mais elaborada com esta questão, assim fui buscar nos meus autos de pesquisa dentre centenas de mulheres que já analisei ao longo de vinte anos ( 90% da minha demanda analítica é de mulheres), cheguei a um elemento de elaboração:

As sandálias representam o vestir daquele que representa a sustentação da mulher, os pés ( na perspectiva de corpo), e consequentemente é o elemento de suporte para o caminhar da mulher (das buscas e sonhos). Pude observar em análise, que mulheres com sintomas bem definidos de transtornos comportamentais tendem a acumular muitas sandálias em casa. Já tive pacientes que me narravam ter mais de 500 sandálias. Parece que, dentro de uma dimensão mais interpretativa, as sandálias vira obsessão para uma mulher na medida que ela está sem rumo ou falta perspectivas na sua vida pessoal, profissional, ou mesmo se estiver bem sucedida profissionalmente, ainda sente-se vazia com seu próprio eu, ou mesmo apegada ou enraizada em si mesma.

São muitas as possibilidades, e gostaria que você que lê este texto neste momento, deixasse sua opinião no campo comentário:

DIA DA MULHER - O olhar pouco diferenciado dos homens

segunda-feira, março 8th, 2010

Hoje é uma importante data no calendário mundial. É o Dia Internacional da Mulher.

Mais do que pensar nas mulheres em si, vou preferir neste momento falar de como o coletivo do masculino tem se portado e se comportado com a imagem da mulher.

Para isto, quero simplesmente fazer emergir o como a mídia está apresentando as mulheres hoje. E observando durante esta semana os conteúdos televisivos, os sites que polulam diante de nossos olhos quando estamos pesquisando e as manchetes dos grandes jornais de circulação, logo vou identificando uma triste realidade: Para o imaginário do masculino na nossa sociedade, mulher ainda está muito associado com “Objeto de cama, mesa e banho”.

Desde as publicidades de cervejas, até manchetes de jornais impressos para se ter atrativo de quem vai comprar o jornal; chegando às telinhas das telenovelas e dos BBBs, parece que não avançamos muito neste referencial.

Só para lembrar, metade do emprego gerado no mundo, é gerado por empresárias mulheres. Mas os empresários dos Meios de Comunicação e diretores de empresas de publicidade, nas sua esmagadora maioria, são homens.

Será que este imaginário de “Cama, mesa e banho”, é uma produção inconsciente negativa, de uma classe que não está suportando a ascenção feminina na sociedade?

Ainda bem que as mulheres por si, estão se superando, em uma proporção que os ataques da subjetividade midiática não conseguirá atingir tal proporção de crescimento da Mulher.

Dia da consciência negra - Uma homenagem à Tia Elza

sexta-feira, novembro 20th, 2009
Elza Maria Leite - parabéns pelo dia de hoje!

Elza Maria Leite - parabéns pelo dia de hoje!

* Por : Samuel Iauany Abarca (17 anos)

Hoje é dia da consciência negra, uma data importante para o país, ja que a sua maior parte é afro-descendente. Neste contexto, aproveitamos para homengear uma forte negra, que é tão presente em nossas vidas. Tia Elza trabalha com papai e mamãe antes mesmo de eu nascer, e saiu de São Paulo para continuar conosco. Nasci e ela ja estava lá, cuidando de mim, me ensinando o que sabia, dando carinho e afeto. Pro papai e pra mamãe nao existe maior heroína do que ela, é claro, definitivamente, NINGUÉM cozinha melhor!

A mesma coisa com meus dois irmãos mais novos. Todo mundo lá em casa obedece a tia Elza. Só tem um problema nela, é que ela nao envelhece! Participou da Pastoral da Juventude até os 40 anos, canta feito uma jovem, e as brincadeiras nunca param. Hoje mesmo chegou com o cabelo novo, bem marcante negro!

Muito acima da Tia Elza que trabalha lá em casa, existe uma pessoa definitivamente importante para nós, a qual amamos muito, e com certeza nunca esqueceremos, desde os puxões de orelha quando criança, até o suco de limão incoparavél.

Tia Elza nós te amamos!

Feliz dia da consciência negra!

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

sexta-feira, março 7th, 2008

mulher.jpg

Tela: Di Cavalcanti 

 Dezenas de mulheres foram queimadas por reivindicarem direitos trabalhista em uma fábrica textil norte americana. Nascendo assim o dia das Mulheres.

Nos porões da casa de Maria, os discípulos de Jesus começaram a primeira Igreja de forma clandestina.

Cinquenta % da humanidade é nascido de Mulher, e são mulheres. E a outra metade, homens, também são nascidos de Mulher. É da mulher a condição dada por Deus para receber, guardar e oferecer ao mundo seus filhos, nossos irmãos.

Os primeiros lugares em concursos públicos hoje no Brasil, são ocupados por Mulheres.

Nós homens, mesmo muitas vezes atacando as mulheres, não vivemos sem as mulheres. Delas aprendemos o significado da espera.

POR TUDO ISTO E MUITO MAIS,

PARABÉNS MULHERES.

VIVA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER.  

Subscribe to RSS feed