15. maio 2016 · 1 comment · Categories: Família

“Fatos – e não uma ideologia – determinam a realidade” alerta Colégio Americano de Pediatria sobre os perigos da ideologia de gênero

familia-projeto-900x480

Caros,

O Colégio Americano de Pediatras, divulgou em seu site uma nota intitulada – Gender Ideology Harms Children – na qual faz um importante alerta sobre os efeitos e riscos da Ideologia de Gênero para as crianças e ainda conclama que se rejeitem todas as políticas que condicionam as crianças a aceitar os conceitos de transgênero / transexualidade como normais, acrescentando que as tentativas de normalizar uma condição classificada como um desvio de conduta é um abuso infantil.

 

A nota pode ser conferida no site clicando no link a seguir: Gender Ideology Harms Children.

Abaixo, segue o texto traduzido da nota citada acima, bem como uma breve introdução e comentários do Dr. Heitor de Paola sobre a nota, que foi publicada em seu site – CONFIRA AQUI -. A tradução do original é de William Uchoa.

Position Statements of the College
A ideologia de Gênero Prejudica as Crianças
college

O Colégio Americano de Pediatras insta educadores e legisladores a rejeitarem todas as políticas que condicionam as crianças a aceitarem como normal uma vida de personificação química e cirúrgica do sexo oposto. Fatos – não ideologia – determinam a realidade.

1. A sexualidade humana é uma característica biológica binária objetiva: “XY” e “XX” são marcadores genéticos de saúde – não marcadores genéticos de um distúrbio. A norma para o projeto humano deve ser concebida como macho ou fêmea. A sexualidade humana é binária por princípio, com a finalidade óbvia de reprodução e florescimento de nossa espécie. Este princípio é auto-evidente. Os distúrbios extremamente raros de diferenciação sexual (DSD – disorders of sexual differentiation), incluindo, mas não limitados, à feminização testicular e hiperplasia adrenal congênita, são todos desvios medicamente identificáveis da norma binária sexual, e são justamente reconhecidos como distúrbios do projeto humano. Indivíduos com DSDs não constituem um terceiro sexo.

2. Ninguém nasce com um gênero. Todos nascemos com um sexo biológico. Gênero (uma consciência e senso de si mesmo como homem ou mulher) é um conceito sociológico e psicológico não um conceito biológico objetivo. Ninguém nasce com a consciência de si mesmo como masculino ou feminino esta consciência se desenvolve ao longo do tempo e, como todos os processos de desenvolvimento, pode ser prejudicada por percepções subjetivas, relacionamentos e experiências adversas que ocorrem desde o início da vida, o período de recém-nascido. As pessoas que se identificam como “sentindo a si mesmos como se fossem do sexo oposto” ou “em algum lugar entre os dois sexos” não pertencem a um terceiro sexo. Permanecem homens biológicos ou mulheres biológicas.

3. A crença de uma pessoa que ele ou ela é algo que eles não são é, na melhor das hipóteses, um sinal de pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita que ele é uma menina ou uma menina biológica, biologicamente saudável, acredita que ela é um menino, um problema psicológico objetivo existe e está na mente não no corpo, e deve ser tratado como tal. Estas crianças sofrem de Disforia de Gênero (GD), anteriormente conhecida como Transtorno de Identidade de Gênero (GID), transtorno reconhecido pela mais recente (a quinta) edição do Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana (Diagnostic and Statistical Manual of the American Psychiatric Association (DSM-V). As teorias psicodinâmicas e sociais do GD / GID nunca foram refutadas.

4. A puberdade não é uma doença e o bloqueio de hormônios da puberdade pode ser perigoso. Reversíveis ou não, o bloqueio de hormônios induz a um estado patológico – a ausência de puberdade – e inibe o crescimento e fertilidade em uma criança antes biologicamente saudável.

5. De acordo com o DSM-V, cerca de 98% de meninos e 88% de meninas confusas com o gênero, aceitam seu sexo biológico após passarem naturalmente pela puberdade.

6. Crianças que usam bloqueadores da puberdade para personificar o sexo oposto vão exigir hormônios do sexo oposto (cross-sex hormones) no fim da adolescência. Os hormônios do sexo oposto estão associados a riscos perigosos para a saúde incluindo, mas não se limitando, a aumento da pressão arterial, formação de coágulos sanguíneos, acidente vascular cerebral e câncer.

7. As taxas de suicídio são vinte vezes maiores entre os adultos que usam hormônios do sexo oposto e se submetem à cirurgia de mudança de sexo, mesmo na Suécia, que está entre os países mais afirmativos de LGBQT. Que pessoa compassiva e razoável condenaria crianças a este destino, sabendo que após a puberdade 88% das meninas e 98% dos meninos acabarão por aceitar a realidade e alcançarão um estado de saúde física e mental?

8. Condicionar crianças a acreditar que uma vida inteira de representação química e cirúrgica do sexo oposto é normal e saudável, é abuso infantil.Endossar discordância de gênero como normal através da educação pública e políticas legais confundirá as crianças e os pais, levando mais crianças a buscar as “clínicas de gênero”, onde lhes serão dados medicamentos bloqueadores da puberdade. Isto, por sua vez, praticamente garante que eles vão “escolher” uma vida inteira de hormônios do sexo oposto, cancerígenos e tóxicos, e provavelmente considerar desnecessária a mutilação cirúrgica de suas partes do corpo saudáveis quando adultos jovens.

Michelle A. Cretella, M.D.
Presidente do Colégio Americano de Pediatria

Quentin Van Meter, M.D.
Vice-Presidente do Conselho Americano de Pediatria
Endocrinologista Pediátrico

Paul McHugh, M.D.
Professor Universitário de Psiquiatria da Universidade Johns Hopkins Medical School, detentor de medalha de distinguidos serviços prestados e ex-psiquiatra-chefe do Johns Hopkins Hospital

Comentários do Dr. Heitor de Paola sobre os alguns pontos da Nota:

PONTO 1 – A feminização testicular, mais corretamente chamada de síndrome de insensibilidade androgênica (AIS) verifica-se quando uma pessoa geneticamente do sexo masculino (tem um cromossoma X e um cromossoma Y) é resistente aos hormônios masculinos chamados andrógenos. Como resultado, a pessoa possui algumas ou mesmo todas as características físicas de uma mulher, apesar de possuir a composição genética de um homem.
Hiperplasia adrenal congênita: distúrbio hormonal uma mutação genética, que provoca produção demasiada de andrógenos no feto. Em indivíduos do sexo feminino, causa uma masculinização da genitália externa e aumento do clitóris. Indivíduos do sexo masculino afetados possuem genitália externa normal e o diagnóstico pode não ser feito na primeira infância. Entretanto, o excesso de hormônio, em ambos os sexos, leva a um crescimento rápido e maturação esquelética prematura.
Certamente é auto-evidente que não constituem um sexo aparte, mas é preciso ter olhos adequados para perceber o óbvio. Quando a mente está bloqueada por um distúrbio ideológico, o óbvio se torna obscuro. A tomada da mente pela ideologia feminista impede seu uso dentro de limites razoáveis. A falsa concepção precisa ser “comprovada” a todo custo, forçando e suprimindo a realidade.

PONTO 2 – Neste ponto recordo a assertiva de Olavo de Carvalho, com a qual concordo inteiramente: “quando um conservador diz que o sexo é um fato biológico, mas o gênero é apenas uma categoria sociológica, ele só mostra o quanto o seu cérebro já foi dominado pela linguagem do adversário. Gênero não é nem nunca foi uma categoria sociológica. É uma categoria meramente gramatical à qual se pretende, pela propaganda repetida, dar uma dimensão sociológica”.
Segundo Roger Scruton, “evado ao extremo – e o feminismo leva tudo ao extremo – a teoria reduz o sexo a uma mera aparência, com o gênero como realidade. Se, depois de ter forjado sua verdadeira identidade de gênero, você encontra-se alojado no tipo errado do corpo, então é o corpo que tem de mudar. Se você acredita ser uma mulher, então você é uma mulher, não obstante o fato de você ter o corpo de um homem. Daí que os médicos [deveriam] observar as operações de mudança de sexo como uma violação grosseira do corpo e, na verdade uma espécie de agressão (…)” – As considerações de Scruton, altamente recomendáveis, pode ser encontradas em seu artigo – Refutando o radicalismo feminista e a ideologia de gênero

PONTO 3 – Absolutamente correto, mas os autores suspendem seus argumentos na “melhor das hipóteses”, não vão às últimas consequências. Quando uma pessoa sente que é algo que não é, afirma ser aquilo que “sente” ou deseja ser, a ponto de comportar-se com sendo, estamos frente a um grave distúrbio mental e não apenas um “pensamento confuso”. É claro que existem gradações, como veremos adiante a respeito da adolescência, mas se este distúrbio se instala de forma permanente, estamos vendo um delírio alucinatório, um quadro psicótico. Estes estados delirantes são difíceis de tratar e, tal como o distúrbio correlato da homossexualidade, se tornaram modernamente quase impossíveis, pois dada a pressão dos movimentos LGBT sobre os órgãos profissionais, os últimos podem ser processados por homofobia e se expor a processos judiciais e a toda sorte de ofensas e ataques, inclusive físicos. A psiquiatria cria belos nomes, como Disforia de Gênero ou Transtorno de Identidade de Gênero, para tentar negar o inegável: o grave distúrbio psicótico.

PONTOS 4, 5 e 6 – hormônios bloqueadores da puberdade que impedem o desenvolvimento normal têm sido largamente utilizados para suprimir a puberdade, alterando as características sexuais secundárias em crianças que sentem que seus corpos não correspondem às suas fantasias sexuais. O objetivo da supressão da puberdade é preparar a criança para uma vida transgenérica totalmente artificial com graves danos à sua personalidade.
É preciso um esclarecimento para os leitores leigos na matéria.
Em torno dos 11 anos nos meninos e 10 nas meninas a glândula pituitária libera dois hormônios: o luteinizante (LH) e o folículo estimulante (FSH). O aumento destes hormônios estimula as glândulas sexuais a produzirem hormônios sexuais: os testículos produzem a testosterona e os ovários os estrogênios. São estes hormônios que levam às modificações típicas que ocorrem na puberdade.
O bloqueio da puberdade ocorre quando são administrados agentes do tipo gonadotropin-releasing hormone analogs (GnRHa) (Leuprolide ou Depot Lupron e Supprellin ou Acetato de Histrelina –  este, um implante sob a pele da parte interna do braço), que bloqueiam a liberação de LH e FSH pela pituitária, o que interrompe a liberação da testosterona pelos testículos ou dos estrogênios pelos ovários. Portanto, estes agentes suprimem a puberdade e o aparecimento das características sexuais secundárias.
O uso terapêutico destes supressores é indicado em casos de puberdade precoce e em certos tipos de câncer sensíveis à terapia hormonal.
Mas trata-se aqui do uso em jovens “transgêneros” para suprimir as mudanças endógenas da puberdade, as quais muitas vezes pioram a “disforia ou distúrbio da identidade de gênero”, condição em que a pessoa sente que sua identidade de gênero é incompatível com seu sexo biológico real. Isto, no mundo real, significa delírio corporal psicótico. Não sendo exposto aos hormônios sexuais adequados acrescentando-se hormônios do sexo oposto (cross-sex hormones) torna mais fácil atingir a “aparência física desejada”. Também são utilizados em indivíduos adultos no processo de “transição de gênero” com concomitante aplicação de hormônios do sexo oposto. Um contato com a realidade da amputação física e mental de uma parte essencial do desenvolvimento humano e a decepção daí decorrente poderá ter como consequência o exposto no próximo item.

Fonte: http://fabianomartatobias.com.br/fatos-e-nao-uma-ideologia-determinam-a-realidade-alerta-colegio-americano-de-pediatria/

 


Roger de Carvalho, é membro da Canção Nova desde o ano 2000. Ingressou na comunidade aos 19 anos de idade.

 

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *