Pela primeira vez, Igreja celebra memória litúrgica do beato João Paulo II

Neste sábado, 22, pela primeira vez, a Igreja celebrou a memória litúrgica de João Paulo II, beatificado em primeiro de maio deste ano. Em Roma (It), o dia foi marcado por momentos de oração e festa na Basílica São João de Latrão. Esta data foi escolhida por lembrar o dia em que teve início seu pontificado, há exatos 33 anos. Destaques para as presenças do vigário do Papa para a Diocese de Roma, Cardeal Agostino Vallini e do diretor dos serviços vocacionais de Roma, padre Fábio Rosini.

.: Confira as fotos da celebração no Flickr

Antes da Missa, em frente a Basílica São João de Latrão, fiéis, em sua maioria jovens, participaram de uma catequese conduzida por Padre Rosini. Os presentes tiveram a oportunidade de fazer memória de momentos da vida de Karol Wojtyla, de refletirem sobre a atualidade de seu testemunho de santidade, sofrimento e vida entregue a Deus.
Um telão exibiu imagens dos momentos mais fortes da historia de Karol Woitylla e, ao som de um coro, regido pelo padre e maestro, Marco Frisina, emocionou o público.

“Deus operava nele. A Igreja o fez beato porque ele foi dom para o mundo inteiro. Destaco uma coisa que João Paulo II disse com muita força: ‘Não tenha medo, medo de abrir as portas da sua vida a Cristo”, assinalou padre Fábio que ressaltou, ainda, o relativismo existente no mundo, hoje. “Precisamos de um ponto de referência certo sobre nos mesmos, por isso este Papa dizia que só Cristo nos conhece. Só quem te ama te entende verdadeiramente”.
Durante a Missa, Cardeal Vallini destacou que João Paulo II é uma grande graça para o nosso tempo. “Hoje estamos aqui nesta igreja onde João Paulo II veio tantas vezes como bispo de Roma para guiar Igreja, para celebrar Sacrifício Eucarístico. Queremos fazer ecoar sua luz, sua força. Nós o conhecemos, ele sempre estava próximo. Agradeço a Deus por este exemplo de encorajamento e abandono em Deus”, destacou.


Cardeal Vallini questionou: “Onde está o segredo da vida de João Paulo II que o permitiu doar se como jovem estudante, seminarista, sacerdote, papa? De onde ele tirou força e coragem para viver tudo o que viveu?”. E respondeu: “Os segredos encontram-se nas palavras proclamadas na Liturgia deste sábado, as palavras que João Paulo II mais refletiu. Jesus apareceu ressuscitado a Pedro e perguntou a ele ‘Pedro, tu me amas?’ João Paulo II demonstrou com a vida seu amor a Jesus. A fé em Cristo era o fundamento da vida dele. Viveu tantas coisas, mortes de sua família, ditadura… Com certeza ele perguntou o porque de cada situação. E encontrou a resposta em Jesus, na Cruz”.

Por fim, Cardeal Vallini afirmou que João Paulo II é um grande patrimônio que devemos não só recordar, mas olhar como um modelo de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *