Nesta segunda-feira, 29, Solenidade dos Santos Pedro e Paulo, o Papa Bento XVI presidiu a Missa, na Basílica Vaticana, com 34 arcebispos metropolitanos, aos quais, durante a Santa Missa, impôs o pálio.

Após a homilia, o Papa entregou o pálio – a estola de lã branca com cruzes pretas, símbolo da união com o sucessor de Pedro – a 34 arcebispos metropolitanos de recente nomeação, provenientes de diversos países do mundo.

Quatro deles eram brasileiros: Dom Sérgio da Rocha de Teresina (PI); Dom Maurício Grotto de Camargo de Botucatu (SP); Dom Gil Antônio Moreira de Juiz de Fora (MG); e Dom Orani João Tempesta do Rio de Janeiro (RJ), alguns deles mandaram uma mensagem aos seus arquidiocesanos, confira:

Um concerto oferecido pelo presidente da república italiana, Giorgio Napolitano, em ocasião do 4° aniversário de pontificado do Papa Bento XVI, foi realizado na tarde desta quinta-feira, 30 de abril, às 17h30 na Sala Paulo IV, no Vaticano. O chefe do Estado, em seu discurso, parabenizou em nome dos italianos e agradeceu ao Pontífice pela recente visita em Abbruzzo e expressou felicitações pela sua viagem a Terra Santa.

As composições musicais foram interpretadas pela Orquestra Sinfônica e o Coro Sinfônico de Milão «Giuseppe Verdi», dirigidos respectivamente pelas maestrias Xian Zhang e Erina Gambarini.

O Pontífice escutou a «Sinfonia número 95» de Franz Joseph Haydn, o «Magnificat em sol menor» de Antonio Vivaldi; o famoso «Ave Verum Corpus», de Mozart.

Como grande admirador de Mozart, Bento XVI disse no discurso de agradecimento que «a meditação dá lugar à contemplação: o olhar da alma se detém sobre o Santíssimo Sacramento para reconhecer o Corpo do Senhor, o Corpo que foi verdadeiramente imolado na cruz e do qual surgiu o manancial da salvação universal».

«Mozart compôs este motete pouco antes de morrer,concluiu o Papa, e nele se pode dizer que a música se converte verdadeiramente em oração, abandono do coração a Deus, com um sentido profundo de paz», Bento XVI agradeceu ao presidente napolitano por esta homenagem, e pediu aos presentes: «Lembrai-vos de mim em vossas orações, para que eu possa cumprir sempre com meu ministério como quer o Senhor».

Na estrada que liga Roma a região de Abruzzo, um tráfego contínuo de carros de polícia, defesa civil e bombeiros. A pequena cidade de Áquila, com pouco mais de 60 mil habitantes está praticamente abandonada.

Muitos prédios e casas estão sob risco de desabamento e, diante desta situação, congestionamento por todos os lados. Há quem não teve tempo de sequer fechar a janela da própria casa. Várias bases de apoio, como a Cruz Vermelha italiana, foram montadas na cidade, para oferecer assistência aos milhares de desabrigados que não têm para onde ir, e a todo momento chegam em busca de um local seguro.

.: Fotos de mais uma dia de buscas por sobreviventes

Em meio a uma realidade dura e difícil, a Itália não para na tragédia, mas responde a este momento de dor, com solidariedade. Diante de um cenário de destruição e morte, pessoas que lutam pela vida e enxergam a esperança que surge entre os escombros.

Na catequese desta quarta feira, o Papa Bento XVI sinalizou que pretende visitar Áquila. Em todas as regiões da Itália, são várias as iniciativas de assistência. A Conferência Episcopal Italiana já confirmou que, depois da páscoa pretende criar uma campanha para arrecadar fundos. A Seleção Italiana de  Futebol irá realizar um amistoso para angariar recursos já neste fim de semana.

O primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi, participou de uma coletiva de imprensa onde anunciou a proposta de reconstrução da cidade. “Uma notícia de esperança e reconstrução imediata: Conseguimos no balanço do Governo a liberação de 16 milhões para a reconstrução de casas, escolas e edifícios, afirmou Berlusconi.

“Os nossos recrutas escavaram entre os escombros e encontraram vários sobreviventes. A esperança é a última que morre. Alguém ainda pode ser encontrando vivo”, ressaltou o chefe do setor de adestramento da Polícia Federal Italiana Tenente Coronel Carreta, em uma entrevista concedida a equipe de reportagem da Canção Nova.