22. março 2019 · Comentários desativados em 5 exercícios para manter as suas maõs em ordem · Categories: artrite, Bem estar, Envelhecimento Saudável · Tags: , ,

Exercícios de mobilidade de mão com amplitude de movimento que você pode fazer em casa

 

Seus músculos e tendões movem as articulações através de arcos de movimento, como quando você dobra e estica os dedos. Se a sua amplitude normal de movimento estiver prejudicada – se você não puder dobrar o seu polegar sem dor, por exemplo – você pode ter dificuldade em fazer coisas comuns como abrir um frasco.

 

Esses exercícios movem o pulso e os dedos através de suas amplitudes normais de movimento e exigem que todos os tendões da mão executem suas funções específicas. Devem ser feitos devagar e deliberadamente, para evitar lesões. Se sentir dormência ou dor durante ou após o exercício, pare e procure um  médico.

 

Abaixo estão cinco exercícios de mobilidade de mão de amplitude de movimento fáceis de fazer. Segure cada posição por 5 a 10 segundos. Faça 10 repetições de cada exercício de cada vez. Repita três vezes ao dia.

 

 

1- Extensão do punho e flexão

 

Coloque seu antebraço sobre uma mesa em uma toalha enrolada para estofar com a mão pendurada na borda da mesa, com a palma para baixo.

Mova a mão para cima até sentir um alongamento suave

Retorne à posição inicial.

Repita os mesmos movimentos com o cotovelo dobrado ao seu lado, com a palma voltada para cima.

 

 

  1. Supinação de pulso / pronação

 

 

 

Fique em pé ou sente-se com o braço ao seu lado com o cotovelo dobrado a 90 graus, com a palma voltada para baixo. Gire seu antebraço, de modo que sua palma fique voltada para cima e para baixo.

 

 

 

 

 

  1. Pulso ulnar / desvio radial

 

Apoie o antebraço em uma mesa sobre uma toalha enrolada para acolchoamento ou no joelho, polegar para cima. Mova o pulso para cima e para baixo em toda a sua amplitude de movimento.

 

 

 

  1. Flexão / extensão do polegar

 

Comece com o polegar posicionado para fora.Mova o polegar pela palma e de volta à posição inicial.

 

 

 

 

  1. Deslizamento do tendão da mão / dedo

 

Comece com os dedos estendidos para fora.

Faça um punho de gancho; volte para uma mão reta.

Faça um punho cheio; volte para uma mão reta.

Faça um punho reto; volte para uma mão reta.

 

 

 

FONTE: https://www.health.harvard.edu/promotions/harvard-health-publications/healthy-hands-strategies-for-strong-pain-free-hands?utm_source=delivra&utm_medium=email&utm_campaign=HB20180324-Hands&utm_id=857741&dlv-ga-memberid=10835748&mid=10835748&ml=857741

 

21. março 2019 · Comentários desativados em DIETA PARA FORTALECER A SUA MEMÓRIA · Categories: Envelhecimento Saudável, Mal de Alzheimer, Memória · Tags: , , ,

Dieta MIND

Existem vários estudos que comprovam a importância da alimentação na prevenção e mesmo no retardo do aparecimento dos sintomas da doença de Alzheimer. Baseada nesses estudos, a Dra. Morris, da Universidade de Harvard, em 2015, propôs uma nova forma de alimentação para esses pacientes, juntando a Dieta do Mediterrâneo e a dieta DASH, denominando “The Mind Diet”, ou seja, a Dieta da Mente.

O padrão dietético tradicional do Mediterrâneo inclui principalmente alimentos vegetais minimamente processados, inteiros, incluindo grãos de cereais, legumes, verduras, frutas, nozes e peixes com pequenas quantidades de carne, leite e produtos lácteos e uma quantidade regular e modesta de álcool. 

A dieta DASH enfatiza frutas, vegetais e produtos lácteos com baixo teor de gordura e inclui grãos integrais, aves, peixes e nozes, e é reduzida em gorduras, carnes vermelhas, doces e bebidas açucaradas.

Combinando as duas dietas, a dieta MIND enfatiza os alimentos naturais à base de plantas, promovendo especificamente um aumento no consumo de bagas e vegetais de folhas verdes, com ingestão limitada de alimentos à base de animais e gorduras saturadas.

Quinze componentes dietéticos (10 saudáveis para o cérebro e cinco não saudáveis) compõem a dieta MIND, a saber: 

FOLHAS VERDES
OUTROS VEGETAIS COMO CENOURA , ABOBRINHA ETC..
NOZES
FRUTAS SILVESTRES ( AMORA, MORANGO, FRAMBOESA, MIRTILO)
FEIJÃO
GRÃOS – ERVILHA, LENTILHA, GRÃO DE BICO ETC
AZEITE DE OLIVA EXTRA VIRGEM
VINHO TINTO SECO
AVES

Alimentos não saudáveis

CARNE VERMELHA
MANTEIGA OU MARGARINA
QUEIJOS
FRITURAS
FAST FOOD

As diretrizes gerais adicionais para a dieta MIND sugerem aos pacientes comerem todos os dias, pelo menos três porções de grãos integrais, uma salada e um outro vegetal, e um copo de vinho. Além disso, as nozes são usadas como um lanche na maioria dos dias e recomenda-se comer feijão todos os dias. 

Carne de aves e as frutas silvestres são recomendadas pelo menos duas vezes por semana e pescados pelo menos uma vez por semana.

 É essencial limitar a ingestão de “grupos de alimentos não saudáveis” da dieta MIND, especialmente manteiga (menos de 1 colher de sopa por dia), queijo e frituras ou fast food (menos de uma porção por semana para qualquer um dos três).

Os pesquisadores mostraram em um estudo que a dieta MIND reduziu o risco de doença de Alzheimer em até 53% nos participantes que seguiram rigorosamente a dieta e em aproximadamente 35% naqueles que a seguiram moderadamente bem.

15. março 2019 · Comentários desativados em O que se entende por doença cardiovascular e ateroesclerose? · Categories: CORAÇÃO SAUDÁVEL, Hipertensão Arterial, Infarto, Saúde, Saúde da Mulher · Tags: , ,
  • O que é a doença cardiovascular?
  • Entende-se por doenca cardiovascular quatro tipos de patologias: doencas coronarianas, manifestadas pelo infarto do miocárdio e angina do peito; doença cerebrovascular manifestada pelo acidente vascular cerebral ( derrame) e ataque isquêmico cerebral transitório; doenca arterial periférica manifestada pela claudicação intermitente e ateroesclerose da artéria aorta levando a aneurismas da aorta abdominal e /ou torácica.
  • A presença da doenca vascular em um desses territorios aumenta significativamente a probabilidade de ocorrência da doença em outro sítio vascular. Pacientes com doença vascular periférica tem risco de infarto letal  significativamente aumentado em relação à população normal.
  • O que é aterosclerose?
  • A grande vilã no caso de doença cardiovascular é a aterosclerose, que necessita ser bem explicada para que possamos entender os seus fatores causais. A aterosclerose ou arteriosclerose um processo insidioso que se inicia na adolescência, caracterizando-sepela deposição de estrias de gorduras nas paredes das arterias, o que as torna endurecidas. Essas lesões progridem na vida adulta,formando placas que podem ocasionar a formação de coáguloslevando a oclusão parcial ou total do vaso.
  • A aterosclerose não produz qualquer tipo de sintoma até que ocorra a obstrução de uma ou mais artérias. Os sintomas dependem do órgão afetado pela obstrução. Se a obstrução ocorre em uma artéria do coração, pode causar angina ou infarto, em uma artéria do cérebro, um AVC e se surge em uma artéria dos membros, pode ocasionar a gangrena,o que leva a amputação dos membros.
  • De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 16,7 milhõesde pessoas morreram em 2002 devido às doenças cardiovasculares,
  • correspondendo a um terço de todas as mortes ocorridas nesse ano , em todo o planeta. Estima-se que em 2020 asdoencas cardíacas e o

Acidente vascular cerebral (ou derrame como erradamente ainda dizem) poderão ser responsáveis por mais de 20 milhões de mortes por ano.

  • As doenças cardiovasculares causam 8,5 milhões de mortes entre mulheres anualmente, sendo responsável por um terco de todas as mortes do sexo feminino no mundo todo. É a maior causa de morte entre as mulheres. Em países desenvolvidos, metade dessas
  • mortes ocorrem em mulheres com mais de 50 anos.
  • A doenca cardiovascular é a principal causa de morte na União Européia, ocasionando mais de 1,5 milhões de mortes por ano. De todas as mortes, 42 % sao devido a doenças cardiovasculares (46% homens e 38% mulheres).
  • Os dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que a taxa dos casos de doenca cardiovascular em homens foi maior na Finlândia e menor na China. Nas mulheres essa taxa foi maior na Grã Bretanha e menor na Espanha e na China.
  • Quinze milhões de pessoas sofrem de acidente vascular cerebral a cada ano e cinco milhões delas ficam com sequelas, impedindo-as de terem vida normal. Cinco milhões e meio de pessoas morreram devido ao AVC em 2002. A mortalidade é maior entre as mulheres do que entre os homens: três milhões de mulheres morrem dessaenfermidade por ano.
  • Cerca de 35 mil portugueses morrem anualmente por doenças cardiovasculares, que continuam a ser a principal causa de morte e representam um terço de toda a mortalidade da população em Portugal.Dessas mortes, calcula-se que 20 mil sejam por acidentes cerebrovasculares e mil por enfartes do miocárdio.
  • No Brasil os números também são sombrios, pois em 2016, quase 350.000 brasileiros morreram por problemas cardiovasculares, representando cerca de 30% de todas as causas de mortalidade .É fácil concluir, com esses dados oferecidos pelo
  • Ministério da Saúde, que essas expressivas taxas de mortalidade conduzem as autoridades sanitárias do país a um processo de busca dos fatores de risco que desencadeiam essas doencas, com o objetivo da prevencao dessas moléstias.
  • A doenca cardiovascular é mais comum na populacao acima dos 60 anos , embora venha
  • ocorrendo com mais frequência na população mais jovem. O risco de sofrer de doença cardiovascular aos 40 anos é de 49% em homens e 32% em mulheres, de acordo com o Framinghan Heart Study. Se atingir a idade de 70 anos livre da doenca, o risco cardiovascular é 35% em homens e 24% nas mulheres.

      Não existe doenca tão prevalente e tão dispendiosa para a sociedade quanto a doenca cardiovascular, daí a enorme preocupação em analisar os aspectos preventivos da enfermidade, tendo em vista o grande sofrimento causado nas famílias pela perda de entes queridos, bem como o enorme rombo financeiro causado em todos os sistemas de saúde do mundo todo.

Mais de 1 bilhão de pessoas atualmente correm o risco de deficiência de vitamina D em todo o mundo.Essa ocorrência exagerada de hipovitaminose D pode ser atribuída principalmente à diminuição exposição à luz solar (por exemplo, atividades ao ar livre reduzidas e poluição do ar), que é necessária para a produção de vitamina D induzida por raios ultravioletas (UV) na pele. Os níveis de radiação UV diminuem com o aumento da distância do equador da Terra durante os meses de inverno. Os negros absorvem mais UV na melanina da pele do que os brancos; portanto, os negros requerem mais exposição solar para produzir as mesmas quantidades de vitamina D. 

      Além dos problemas musculoesqueléticos, a deficiência de vitamina D tem sido associada a um risco aumentado de eventos cardiovasculares , especialmente hipertensão.

      A vitamina D (cerca de 80%) é sintetizada na pele a partir do 7-desidrocolesterol por meio da  radiação ultravioleta  B (UV). Cerca de 20% da vitamina D do sangue, vem de fontes alimentares, como peixes oleosos, gemas de ovos, leite fortificado, cereais, suco e iogurte  

      A vitamina D da pele, dieta ou suplementos orais incluindo vitamina D2 e ​​vitamina D3 são metabolizados no fígado em 25-hidroxivitamina D(25(OH)D. 25 (OH) D, é o principal metabolito circulante da vitamina D, e tem sido amplamente aceito como o marcador mais confiável para determinar o status da vitamina D, isto é, é o melhor exame laboratorial para se determinar os níveis da Vitamina D no organismo.

      Os receptores da vitamina D estão expressos em muitos outros tipos de células do nosso organismo, como no intestino delgado, nas glândulas paratireoides e nos rins, além de estarem também no sistema cardiovascular, no músculo esquelético e no sistema imunológico.

      A deficiência de vitamina D também foi fortemente correlacionada com doença arterial coronariana, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral e morte. Deve-se  salientar , no entanto, que não existem ainda evidencias cientificas que comprovem ser a suplementação da Vitamina D uma ferramenta terapêutica eficaz na redução da ocorrência das doenças cardiovasculares.