15. agosto 2019 · Comentários desativados em Espiritualidade: um caminho a ser vencido na prática médica · Categories: SAÚDE E ESPIRITUALIDADE · Tags: , ,

Durante séculos, médicos, profissionais de saúde e religiosos testemunham como a doença leva as pessoas a refletirem sobre o “significado da vida, propósito e transcendência, relacionamento com o eu, com a família, com os outros, com a comunidade, com a sociedade, com a natureza e com o sagrado. ÉEm umasituação onde o ser humano fica frágil,é que surgem esses questionamentos, é nos momentos de dor que o ser humano para pensar sobre a vida, sobre os porquês das doenças.

A aproximação com o Sagrado torna-se algo muito importante para que se possa enfrentar algo novo e assustador, onde não se consegue lutar com as próprias forças, recorrendo-se a um Ser maior, para transcender e tentar conseguir ultrapassar os momentos de dor e sofrimento. A busca do Sagrado torna-se então necessária e é feita através de conexões mais profundas com a família e amigos, através de comunidades e práticas religiosas.

Muitos profissionais de saúde ignoram regularmente as dimensões da espiritualidade quando consideram a saúde dos outros ou até mesmo de si próprios. Essa negligência relativa representa um afastamento da história substancial que liga a saúde, a religião e a espiritualidade na maioria das culturas.

Aumentam consideravelmente o número de estudos e trabalhos publicados em revistas cientíificas de reconhecido valor dentro do meio cientíifico, abordando a possibilidade da associação entre a religião e a saúde.

O acúmulo de evidências que ressaltam a riqueza da interconexão entre a fé e a saúde,começam a informar estratégias para a saúde da população.

Inúmeros são os estudos publicados na literatura médica que comprovam a relação entre espiritualidade e saúde. Evidências existem comprovando a redução da mortalidade cardiovascular, do controle dos níveis da hipertensão arterial, da melhoria dos sintomas da depressão, da ansiedade, bem como a melhoria da qualidade de vida dos pacientes em fase terminal.

Estudos sugerem que,embora a maioria dos pacientes considere o cuidado espiritual, poucos o recebem, pois poucos são os profissionais de saúde que se dispõe a entrar nesse paradigma. Um estudo multicêntrico que incluiu 75 pacientes com câncer avançado e 339 enfermeiros e médicos mostrou que,apesar de 86% dos pacientes consideraram o cuidado espiritual como importante para o tratamento do câncer, 90% nunca receberam nenhum tipo de cuidado de seus enfermeiros oncológicos ou médicos. Outro estudo com 100 pacientes com câncer de pulmão avançado e 257 oncologistas médicos analisaram analisou sete possíveis fatores que deveriam estar presentes na tomada de decisão médica. Nessa avaliação, os pacientes classificaram a fé em Deus como o segundo fator mais importante, enquanto os médicos classificaram esse fator como o menos importante.

Em um estudo prospectivo de 343 pacientes com câncer avançado, aqueles cujas equipes médicas (por exemplo, clínicos, capelães) atenderam às suas necessidades espirituais tiveram escores de qualidade de vida no final da vida que foram em média 28% maiores do que aqueles que não receberam tal cuidado espiritual.

Outros estudos indicam que a maioria dos pacientes com doença grave experimenta lutas espirituais, como se sentirem punidos ou abandonados por Deus, associados a decréscimos no bem-estar do paciente. Cabe aos profissionais de saúde, interlocutores primários com os pacientes, aliviarem o sofrimento deles, ponderando sobre o entendimento da doença e tentar tentando reduzir a carga emocional negativa da culpa.

Todas essas descobertas sugerem a necessidade de os clínicos integrarem o cuidado espiritual em ambientes de final de vida para os pacientes que desejam recebê-lo.

Os profissionais de saúde podem começar a abordar a necessidade de se cuidar da saúde espiritual dos pacientes, sem ultrapassar limites da individualidade, aplicando imodelos formais para a tomada de uma história espiritual, como o preconizado pela Clínica Mayo. Esta questionário deve ser utilizado sempre ao término da anamnese, muito sutilmente,e jamais entrando em assuntos relacionados àadenominação religiosa dos pacientes.

  1. Você tem algum tipo de crença, de religião, acredita em Deus ou alguma coisa parecida?
  2. A fé é importante para você em todas as situações de vida?
  3. Qual o seu tipo de religião ou crença? Qual a sua denominação religiosa?
  4. Você gostaria de falar de religião comigo? Que tipo de tema quer falar?
31. julho 2019 · Comentários desativados em Tomar o café da manhã evita o infarto!!! · Categories: Acidente Vascular Cerebral, CORAÇÃO SAUDÁVEL, Envelhecimento Saudável, Infarto, Saúde · Tags: , , ,

Embora possam achar estranho, é fato que não tomar o café da manhã aumenta o risco de obesidade, e mais, aumenta o risco de doenças cardiovasculares, como mostram os resultados de estudo publicado recentemente na literatura médica.

Há muito se apregoava a ingestão de alimentos de 3/3 horas como uma ferramenta para a redução de peso. Estudos recentes no entanto revelam que consumir 2 a 3 refeições por dia, não deixar de tomar o café da manhã (que deve ser a maior refeição em calorias do dia), fazer a última refeição do dia não mais tarde do que 19 horas e não comer a noite, mantendo no mínimo 12 horas de jejum, prolonga a vida das pessoas, pois reduz a resistência a insulina, os níveis de colesterol do sangue, além de outros benefícios metabólicos e diminui a compulsão alimentar. Pessoas que se alimentam a noite tem risco maior de obesidade, de doenças cardiovasculares e diabetes.

Muito se fala hoje em dia do jejum intermitente, que é uma prática com o objetivo de fazer uma redução calórica no organismo. Muitos estudos experimentais em animais comprovam a importância desse procedimento para a manutenção de uma vida saudável. Embora poucos, alguns estudos em humanos vem comprovar os dados obtidos experimentalmente, de modo a se apregoar a prática 5:2, isto é: em dois dias da semana, não consecutivos, deve-se fazer a última refeição por volta das 18 horas e somente se alimentar novamente no almoço, fazendo pelo menos 16 horas de jejum, onde a pessoa só toma água. Nos outros dias da semana, libera-se a alimentação, mas se realmente você quer emagrecer, nesses dias, onde deve tomar café da manhã, almoço e jantar, e tentar reduzir a ingestão de calorias pelo menos 20% dos valores que você necessita.

Tenho feito esse tipo de proposta para meus pacientes e os resultados tem sido brilhantes, com redução de até 10 quilos em um pouco mais de 30 dias. Apenas uma ressalva: não faça nada sem consultar o seu médico, que lhe dirá se você não tem alguma contraindicação para esse tipo de conduta. 

Fonte:

1- Rong,S. et al – Association of Skipping Breakfast With Cardiovascular and All-Cause Mortality.J Am Coll Cardiol 2019;73:2025–32.

2- Trepanowski, F.J. et al – Alternate-Day Fasting onWeight Loss,Weight Maintenance, and Cardioprotection AmongMetabolically Healthy Obese Adults.A Randomized Clinical Trial. JAMA Internal Medicine July 2017 Volume 177, Number 7.

23. julho 2019 · Comentários desativados em Meditação: ferramenta coadjuvante no tratamento de doenças crônicas · Categories: estresse, Hipertensão Arterial, Prevenção, Saúde · Tags: , ,

A meditação é uma busca orante que põe em ação o pensamento, a imaginação, a emoção, o desejo. Tem por finalidade a apropriação crente do assunto meditado, confrontado com a realidade de nossa vida. Em resumo, a meditação é uma prática em busca do Sagrado, que vai depender do tipo de espiritualidade que a pessoa busca. Por essa razão, existem vários tipos de meditação, de acordo com as preferencias espirituais de cada pessoa.

Como cristão católico, tenho por lema a meditação cristã, que difere muito de outros tipos de meditação, habitualmente derivadas de espiritualidades orientais e evidentemente diferentes da espiritualidade cristã. A meditação cristã não aceita esvaziar a mente e sempre é direcionada a Deus e as suas obras maravilhosas. Jamais ela é orientada para se fazer uma contemplação vazia e tampouco direcionada a nossa própria intuição, como acontece em outros tipos de meditação.

Existem vários estudos publicados na literatura médica mundial comprovando os benefícios da prática da meditação na saúde. A pratica da meditação pode ser valiosa no controle da dor crônica, na melhora da produtividade no trabalho, no controle da depressão e ansiedade. Ela pode aumentar sentimentos positivos, incluindo felicidade, conexão com os outros, calma, paz e compaixão e ajuda a diminuir a ansiedade ou a depressão. Exerce influência positiva no controle da obesidade e episódios de compulsão alimentar, melhora a qualidade do sono e ao reduzir o estresse, evita a ocorrência de doenças cardiovasculares, além de ser excelente coadjuvante no tratamento da hipertensão, insuficiência cardíaca e muitas doenças crônicas.

Como praticar a meditação cristã?

  • Procure um lugar calmo – quanto menos distrações, melhor. Cada distração quebra o raciocínio. Tire um momento para se acalmar;
  • Ore – peça a Deus que lhe guie durante a meditação, lhe revelando novas verdades. Essas verdades podem não aparecer logo, por isso peça também paciência;
  • Leia a Bíblia – leia com cuidado, para entender o significado; leia a mesma passagem algumas vezes, pensando nos diferentes sentidos que pode ter. O que acontece quando enfatizo uma palavra diferente? Como o tom de voz muda o significado?
  • Use a imaginação – se ponha dentro da história que você está lendo, imagine o que está acontecendo, como as personagens se sentem. Imaginar uma cena calma também é uma boa forma de acalmar e esquecer as distrações;
  • Procure aplicação – o que aprendi? Como posso usar isso em minha vida? Isso pode mudar meu relacionamento com Deus ou com outras pessoas?
25. abril 2019 · Comentários desativados em Prejuízos da deficiência da vitamina D na nossa saúde · Categories: Saúde · Tags: , ,

Mais de um bilhão de pessoas, atualmente, correm o risco de deficiência de vitamina D em todo o mundo. Essa ocorrência exagerada de hipovitaminose D pode ser atribuída, principalmente, à diminuição exposição à luz solar (por exemplo, atividades ao ar livre reduzidas e poluição do ar), que é necessária para a produção de vitamina D induzida por raios ultravioletas (UV) na pele.

Os níveis de radiação UV diminuem com o aumento da distância do equador da Terra durante os meses de inverno. Os negros absorvem mais UV na melanina da pele do que os brancos; portanto, os negros requerem mais exposição solar para produzir as mesmas quantidades de vitamina D. 

Riscos da deficiência da vitamina D

Além dos problemas musculoesqueléticos, a deficiência de vitamina D tem sido associada a um risco aumentado de eventos cardiovasculares, especialmente hipertensão.

A vitamina D (cerca de 80%) é sintetizada na pele a partir do 7-desidrocolesterol por meio da  radiação ultravioleta B (UV). Cerca de 20% da vitamina D do sangue vem de fontes alimentares, como peixes oleosos, gemas de ovos, leite fortificado, cereais, suco e iogurte. 

 A vitamina D da pele, dieta ou suplementos orais incluindo vitamina D2 e ​​vitamina D3 são metabolizados no fígado em 25-hidroxivitamina D(25(OH)D. 25 (OH) D é o principal metabólito circulante da vitamina D, e tem sido amplamente aceito como o marcador mais confiável para determinar o status da vitamina D, isto é, é o melhor exame laboratorial para se determinar os níveis da Vitamina D no organismo.

Leia também:
:: Alimentos que combatem os efeitos danosos da poluição sobre o coração
:: 5 exercícios para manter as suas maõs em ordem
:: DIETA PARA FORTALECER A SUA MEMÓRIA

Receptores de vitamina D

Os receptores da vitamina D estão expressos em muitos outros tipos de células do nosso organismo, como no intestino delgado, nas glândulas paratireoides e nos rins, além de estarem também no sistema cardiovascular, no músculo esquelético e no sistema imunológico.

A deficiência de vitamina D também foi fortemente correlacionada com doença arterial coronariana, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral e morte. Deve-se salientar, no entanto, que não existem ainda evidencias científicas que comprovem ser a suplementação da vitamina D uma ferramenta terapêutica eficaz na redução da ocorrência das doenças cardiovasculares.

Os dados observacionais do Health Professionals Followup Study (613 homens) e do Nurses Health Study (1.198 mulheres) encontraram níveis baixos de vitamina D associados a maior risco de incidência de hipertensão em 4-8 anos. Outro estudo, em 41.504 pacientes, demonstrou que a deficiência de vitamina D (<30 ng / mL) estava associada a aumentos altamente significativos na prevalência de hipertensão e fatores de risco cardíaco associados como  diabetes, hiperlipidemia e doença vascular periférica. 

17. abril 2019 · Comentários desativados em Alimentos que combatem os efeitos danosos da poluição sobre o coração · Categories: Coração da Mulher, Envelhecimento Saudável, Hipertensão Arterial, Infarto · Tags: , , ,

            As doenças cardiovasculares são a ameaça mais importante para a saúde da população no século XXI.1A poluição do ar ambiente é um dos principais contribuintes para a mortalidade relacionada a doenças cardiovasculares em todo o mundo,

Análises recentes estimam  que mais de 1,5 milhão de mortes por doenças cardíacas isquêmicas anualmente são atribuíveis à exposição ambiental, daí reconhecer-se a poluição do ar ambiente como um importante fator de risco cardiovascular.

            O número de doenças causadas pela poluição atmosférica tem aumentando nos últimos 25 anos devido ao envelhecimento da população, aumento da prevalência de doenças crônicas e níveis de poluição nos países em desenvolvimento. Apesar dos esforços de muitas agencias controladoras da qualidade do ar ambiente em todo o mundo, muitos locais continuam a respirar um ar com níveis elevados de poluentes, admitindo-se que 90% da população mundial vivem em lugares onde os níveis de qualidade do ar excedem as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS)

            Como a poluição do ar exerce respostas locais e sistêmicas através de reações inflamatórias e estresse oxidativo ,  antioxidantes dietéticos podem interferir com os mecanismos subjacentes determinando melhoria nas funções celulares.

            Resultados recentes de vários estudos experimentais de curta duração demonstraram o potencial de suplementação com alimentos e nutrientes específicos para efeitos na saúde induzidos pela exposição aguda à poluição do ar. No entanto,um padrão alimentar saudável pode modificar a associação entre a exposição à poluição do ar a longo prazo.

            Uma dieta mediterrânea enfatiza o consumo de alimentos à base de plantas, azeite e ingestão moderada de álcool, fornecendo uma dieta altamente enriquecida em compostos antioxidantes e antiinflamatórios.

            Em um estudo em adultos idosos dos Estados Unidos , mostrou que a exposição crônica à poluição do ar ambiente foi significativamente associada a um aumento na mortalidade cardiovascular. Por outro lado, os participantes desse estudo que relatavam que adotavam os padrões alimentares da dieta mediterrânea, taxas significativamente mais baixas de mortalidade por doença cardiovascular, mesmo estando sob exposição prolongada à poluição do ar.

            Os resultados dessa investigacao sugerem que os padrões alimentares enriquecidos de alimentos e compostos antiinflamatorios e antioxidantes presentes na dieta do mediterrâneo pode fornecer proteção contra os efeitos adversos à saúdeinduzida pela exposição a longo prazo à poluição do ar ambiente.

            Assim, recomenda-se a adoção dos padrões alimentares da dieta do Mediterraneo para proteção dos efeitos deletérios da poluição do ar ambiente.

 

 

FONTE -10.1161/CIRCULATIONAHA.118.035742