As pessoas se tornam vegetarianas por muitas razões, incluindo saúde, convicções religiosas, preocupações sobre o bem-estar dos animais ou com o uso de antibióticos e hormônios no gado, ou mesmo o desejo de comer de forma a evitar o uso excessivo de recursos ambientais. Algumas pessoas seguem uma dieta em grande parte vegetariana porque não podem dar ao luxo de comer carne. Tornar-se um vegetariano tornou-se mais atraente e acessível, graças à disponibilidade durante todo o ano de produtos frescos, mais opções de refeições vegetarianas e a crescente influência culinária de culturas com dietas em grande parte de plantas.

Aproximadamente seis a oito milhões de adultos nos Estados Unidos não comem carne, peixe ou aves , de acordo com uma pesquisa Harris Interactive encomendada pelo Vegetarian Resource Group, uma organização sem fins lucrativos que divulga informações sobre vegetarianismo. Milhões de pessoas eliminaram a carne vermelha, mas ainda comiam frango ou peixe. Cerca de dois milhões se tornaram veganos, renunciando não só a carne animal, mas também a produtos à base de animais, como leite, queijo, ovos e gelatina.

Atualmente considera-se a alimentação vegetariana como não apenas nutricionalmente suficiente, mas também como forma de reduzir o risco de muitas doenças crônicas. De acordo com a American Dietetic Association, “dietas vegetarianas adequadamente planejadas, incluindo dietas vegetarianas ou veganas, são saudáveis, nutricionalmente adequadas e podem proporcionar benefícios para a saúde na prevenção e tratamento de certas doenças”.

Ser vegetariano , no entanto, requer um planejamento adequado da dieta, enfocando o consumo de gorduras e controle de peso, pois uma dieta com refrigerante, pizza com queijo e doces pode ser “tecnicamente “vegetariana, mas está longe de ser saudável.

Para a saúde, é importante certificar-se de que você come uma grande variedade de frutas, vegetais e grãos integrais. Também é vital substituir as gorduras saturadas e trans por gorduras boas, como as encontradas nas nozes e  no azeite. E sempre tenha em mente que, se você comer muitas calorias, mesmo de alimentos nutritivos, com baixo teor de gordura e com base em plantas, você ganhará peso. Portanto, também é importante controlar a quantidade das porções, ler rótulos de alimentos e se engajar em atividades físicas regulares.

Se você , no entanto, não consegue ficar sem o seu “bife “, poderá obter os benefícios da dieta vegetariana, sem segui-la totalmente, adotando o padrão alimentar mediterrâneo, conhecido por estar associado a vida mais longa e risco reduzido de várias doenças crônicas , dando ênfase em alimentos vegetais e reduzindo o consumo de carne vermelha a uma vez por semana. Só você pode decidir se uma dieta vegetariana é ideal para você. Se uma melhor saúde é o seu objetivo, aqui estão algumas coisas a considerar.

 

Doença cardíaca

Existem evidências de que os vegetarianos têm menor risco de eventos cardíacos (como um ataque cardíaco) e morte por causas cardíacas. Vegetarianos tem em media 25% menor propensão de morrer de doença cardíaca.

Para a proteção do coração, é melhor escolher grãos integrais e leguminosas com grande quantidades de fibras, que são digeridos lentamente e com baixo índice glicêmico – isso é , eles ajudam a manter  estáveis , os níveis de açúcar no sangue. A fibra solúvel também ajuda a reduzir os níveis de colesterol.

Os carboidratos refinados e os amidos como batatas, arroz branco e produtos de farinha branca causam um rápido aumento do açúcar no sangue, o que aumenta o risco de ataque cardíaco e diabetes (um fator de risco para doença cardíaca).

As nozes também são protetoras para o coração. Elas  têm um baixo índice glicêmico e contêm muitos antioxidantes, proteínas vegetais, fibras, minerais e ácidos graxos saudáveis. A desvantagem: as nozes embalam muitas calorias, então restrinjam a ingestão diária de um punhado pequeno . O lado positivo: devido ao seu teor de gordura, mesmo uma pequena quantidade de nozes pode satisfazer o apetite. As nozes, em particular, são uma fonte rica de ácidos graxos ômega-3, que têm muitos benefícios para a saúde.

Os peixes são a melhor fonte de omega-3, e não está claro se os ômega-3 derivados de plantas sejam  um substituto adequado para peixes na dieta. Um estudo sugere que omega-3s de nozes e peixes reduzem o risco de doença cardíaca, por rotas diferentes. Omega-3s de noz (ácido alfa-linolênico ou ALA) ajudam a reduzir o colesterol total e o colesterol LDL (ruim), enquanto os omega-3 de peixes (ácido eicosapentaenóico, EPA e ácido docosa-hexaenóico, ou DHA) diminuem os triglicerídeos e elevam HDL ( bom) níveis de colesterol.

Cancer

Centenas de estudos sugerem que comer muitas frutas e vegetais pode reduzir o risco de desenvolver certos tipos de câncer, e há evidências de que os vegetarianos têm menor incidência de câncer do que os não vegetarianos. Se você parar de comer carne vermelha (se você se tornou vegetariano ou não) eliminará um fator de risco para o câncer de cólon.

Diabetes tipo 2.

Pesquisas sugerem  que uma dieta predominantemente baseada em plantas pode reduzir o risco de diabetes tipo 2. Em estudos de adventistas do sétimo dia, o risco de desenvolvimento de diabetes por parte dos vegetarianos era a metade dos não-vegetarianos, mesmo depois de ter em conta o IMC.

Algumas mulheres são relutantes em tentar uma dieta vegetariana – especialmente aquela que não inclui produtos lácteos ricos em cálcio – porque eles estão preocupados com a osteoporose. Os vegetais , por sua vez, podem fornecer cálcio, incluindo , brócolis, repolho , couve etc. de modo a compensar a nao ingesta de leite e derivados.

Fica aqui a proposta para um novo ano, onde não somente devemos virar a página da folhinha, mas sim também , planejarmos uma maneira de termos uma alimentação saudável para que possamos viver mais e melhor. Você pode optar por uma alimentação totalmente isenta de produtos animais, ou totalmente isenta de carne vermelha, ou ainda por uma alimentação padrão mediterrâneo.

Um Feliz Ano Novo

Estimar a suscetibilidade probabilística de um indivíduo à predição de risco de doença – é fundamental para a tomada de decisão clínica, especialmente no contexto da detecção precoce da doença e prevenção de condições comuns de início na idade adulta. Além disso, esse procedimento é ferramenta poderosa para a gestão de saúde pessoal quando comunicada e entendida de forma eficaz.

Atualmente, a predição de risco clínico para doenças de início comum em adultos muitas vezes depende de características demográficas básicas, como idade, gênero e etnia; parâmetros básicos de saúde e fatores de estilo de vida, como índice de massa corporal, tabagismo, consumo de álcool e hábitos de exercícios físicos; mensuração de fatores de risco clínicos da doença, tais como níveis pressóricos, bioquímicos do sangue ou biomarcadores indicativos de processos de doença em andamento; determinação de exposições ambientais, como poluição do ar, metais pesados ​​e outras toxinas ambientais; e história da família.Isto quer dizer que, analisamos todos os fatores que podem ser causadores de doenças, sob o ponto de vista global, usando um resultado médio de todas os estudos estatísticos realizados no mundo todo. Tratamos os pacientes com base nas evidências e nos estudos científicos publicados na literatura médica, ou seja, nossa referência é a média de todas as pessoas que estiveram nas investigações.

Isso, até certo ponto explica situações onde prescrevemos um medicamento que é eficaz para uns e não para outros, ou quando pacientes tem importantes efeitos colaterais  logo no primeiro comprimido que tomam, e outros não tem resultado algum com o mesmo remédio.

A inteligência genética veio solucionar esse dilema! A introdução na pratica clinica dos testes genéticos veio trazer para os profissionais de saúde, uma enorme reforço para o diagnostico precoce de muitas doenças e principalmente na sua prevenção, alem de propiciar ao clinico, através da farmacogenetica, subsidio importante para a escolha do medicamento adequado para cada paciente em particular.

Do ponto de vista pratico, vale a pena ressaltar que a realização desses testes é muito simples e a colheita do DNA necessária para a realização do exame, é feita pelo próprio paciente, através de um esfregaço na bochecha. O material recolhido é enviado ao laboratório de genética para análise.

Varios sao os perfis genéticos analisados. Na nossa clínica utilizamos os perfis para obesidade, doenças cardiovasculares, longevidade, mal de Alzheimer, alterações do colesterol , depressão.

Com os resultados em maos podemos orientar o paciente objetivando dar as diretrizes corretas para que silenciem os maus genes e ativem os  bons, prevenindo assim a ocorrência de doenças que porventura herdaram.

A audição se modifica com a idade havendo inicialmente diferenças na percepção de diferentes freqüências e tonalidades sem prejuízo para a função como um todo. Mas, a medida que o individuo envelhece há perda gradativa da função total e quadros crescentes de surdez. Muitas vezes por causa da perda gradual e desapercebida da audição os idosos vão se tornando irritadiços , nervosos e com comportamento alterado, fato que ocasiona uma visita errônea ao psiquiatra, visto que as modificações do seu comportamento sao decorrentes da perda de audição e não de alterações mentais.

A visão é o sentido mais importante para os seres humanos, seja pelo fato de sermos animais de atividades diurnas e que necessitam de luz, seja pela captação de informações que são visuais na sua maioria, tais como a escrita e as imagens transmitidas pelos meios de comunicação. A estrutura celular dos olhos se modifica com o tempo, fazendo que haja menos percepção de luz , devido a opacificação do cristalino, levando a cataratas.Outro aspecto importante para a composição das imagens é a condição de adaptação do cristalino para focar uma imagem.Esta capacidade diminui com a idade, ocasionado as dificuldades de leitura . A medida que envelhece a pessoa deve ficar cada vez mais cuidadosa e prudente ao dirigir veículos no transito, pois sua percepção noturna , a capacidade de leitura de placas , a capacidade de julgar distancias não são as mesmas de quando era jovem.

 

O olfato é outro sentido que se modifica com o envelhecimento , através da diminuição da percepção . Apesar de não ter importância tão grande quanto a visão para os seres humanos, a perda da capacidade olfativa pode trazer situações desagradaveis aos idosos e aos seus convivas. Isto acontece com o uso exagerado de perfumes ou mesmo pode levar a acidentes graves , como nas situações onde o idoso esquece o bico do fogão da cozinha aberto com vazamento de gas..

A perda do paladar do idoso por atrofia das papilas gustativas levando a perda da percepção da quantidade de sal e de açúcar na dieta. As pessoas idosas tendem a colocar mais açúcar ou mais sal nos alimentos, aspectos que podem agravar o diabetes ou a hipertensão arterial. Alem disso por essa perda da sensibilidade gustativa é que pessoas idosas tendem a reclamar do tempero da comida feita por outras pessoas.

A sensação do tato também diminui com a idade. Alem de trazer desconforto com a perda da capacidade de identificar texturas , também pode trazer riscos as pessoas idosas principalmente na percepção de materiais quentes.

Veja os cinco passos que são importantes para você reduzir o risco de ter a Síndrome de Alzheimer:

  • Manter um peso saudável.Reduza calorias e aumente a atividade física, se voce precisa perder alguns quilinhos que estão a mais.
  • Verifique a sua cintura.Para medir com precisão a sua cintura, use uma fita métrica ao redor da porção mais estreita de sua cintura (geralmente na altura do umbigo e costela). Medidas de cintura para as mulheres não podem ser maiores do que 88 cm de para os homens abaixo de 102 cm.
  • Coma conscientemente.Faca seu prato bem colorido com frutas e legumes ;grãos integrais; fontes de proteína, como peixes, aves , feijão e outras leguminosas; além de gorduras saudáveis. Reduza as calorias desnecessárias de doces, refrigerantes, grãos refinados, como pão branco ou arroz branco, gorduras saturadas, frituras , alimentos processados, e lanches. Tente voltar a comer a comidinha da vovó. Além disso mantenha-se atento ao tamanho das porções.
  • Exercite-se regularmente.. A atividade física regular ajuda a controlar peso, pressão arterial, glicemia e colesterol. Exercício aeróbicos (caminhada, natação, ciclismo, remo) também podem ajudar a reduzir a gordura corporal total e gordura abdominal ao longo do tempo. Tente caminhar pelo menos 30 minutos ao dia ( 210 minutos por semana) a uma velocidade media, ou seja a passo de chuva.
  • Fique de olho nos seus exames medicos . Além de monitorar o seu peso e cintura, pergunte ao seu médico se o seu colesterol, triglicérides, pressão arterial e de açúcar no sangue estão dentro dos limites saudáveis. Exercício, perda de peso, e medicamentos (se necessários) são importantes para uma vida saudável.

 

A demência é um distúrbio neurodegenerativo multifatorial, progressivo, crônico, caracterizado por um declínio na função cognitiva. Com o aumento da população idosa, a Organização Mundial de Saúde estima que a proporção de casos de demência em pessoas com 60 anos ou mais, pode chegar , até 2050 , a 22% em todo o mundo.

A conseqüente alta demanda por terapia médica e cuidados necessários para tratar o declínio cognitivo terá considerável impacto socioeconômico. A estimativa mundial dos custos do tratamento da demência foram estimados em US $ 604 bilhões em 2010. Assim, a prevenção de demência em populações com risco aumentado (por exemplo, idosos) pode ajudar a reduzir a carga causada pela demência nos sistemas de saúde. Portanto, não é surpresa que medicamentos comumente usados por idosos tenham sido estudados com o objetivo de verificarem sua interacão positiva ou negativa com o estado cognitivo dos pacientes.

Evidências sugerem que a precipitação do peptídeo β-amilóide (Aβ) no sistema nervoso central pode levar ao desenvolvimento de demência . Inibidores da bomba de prótons (PPIs), que atuam como redutores notáveis ​​e duradouros da produção de ácido gástrico, são prescritos para o tratamento para condições relacionadas ao ácido, como doença do refluxo gastroesofágico e úlceras pépticas. No entanto, recentemente observou-se uso exagerado desses medicamentos, especialmente entre os idosos.

Uso de PPI pode diminuir a cognição aumentando os níveis de Aβ nos cérebros de camundongos afetando as enzimas β e γ-secretases ou modulando a degradação de Aβ por lisossomas na microglia .

Autores relataram associação significativa do uso prévio e atual de PPIs com deficiência de vitamina B12 em uma população.A deficiência de vitamina B12 tem sido associada ao declínio cognitivo.

Um estudo prospectivo, longitudinal, multicêntrico de coorte de pacientes idosos em cuidados primários na Alemanha, incluindo 3327 pessoas da comunidade com 75 anos ou mais, encontrou associação entre uso de PPIs e demência incidente.

Outro estudo de coorte prospectivo, derivado de dados fornecidos por uma grande seguradora de saúde estatutária, informou que evitar o uso de IBP pode reduzir o risco de demência.

Os resultados desses estudos indicam que o uso crônico e muitas vezes desnecessário dos PPIs( omeprazol, pantoprazol, esomeprazol, etc..) aumenta o risco de demência , principalmente em pessoas com idades acima de 60 anos.

 

Fonte DOI:10.1371/journal.pone.0171006 February 15, 201