12. outubro 2020 · Comentários desativados em DIETA PARA PREVENIR A DOENÇA DE ALZHEIMER · Categories: Envelhecimento Saudável, Mal de Alzheimer · Tags: , ,

Pessoas que seguiram de perto uma dieta mediterrânea — rica em frutas, vegetais, legumes, peixes, grãos inteiros e gorduras insaturadas — tinham menos probabilidade de desenvolver os primeiros sintomas da doença de Parkinson, em comparação com aqueles que faziam dietas menos saudáveis, de acordo com um novo estudo liderado por pesquisadores da Harvard TH Escola Chan de Saúde Pública.

Embora a doença de Parkinson seja mais conhecida por sintomas relacionados ao movimento, como tremores, os primeiros sintomas podem incluir constipação, sonolência diurna excessiva e depressão.

Nesse estudo, publicado em 19 de agosto de 2020 na Neurologia, os pesquisadores analisaram os dados de saúde de 47.679 participantes no Nurses’ Health Study e no Health Professionals Follow-up Study. Eles compararam as dietas dos participantes com uma dieta de estilo mediterrâneo e também pontuaram o que comeram usando o Índice Alternativo de Alimentação Saudável.

No geral, as pessoas que pontuaram nos 20% superiores da qualidade da dieta foram um terço menos propensas a desenvolver vários sintomas iniciais de Parkinson ao longo de 20 anos, em comparação com as pessoas nos 20% inferiores.

Os autores afirmam que embora essas descobertas não provem que a dieta afeta o risco de doença de Parkinson, há razões para acreditar que uma alimentação saudável pode ser protetora ao reduzir a inflamação no corpo.

Fonte: https://www.hsph.harvard.edu/news/hsph-in-the-news/mediterranean-diet-parkinsons-disease-risk/

21. março 2019 · Comentários desativados em DIETA PARA FORTALECER A SUA MEMÓRIA · Categories: Envelhecimento Saudável, Mal de Alzheimer, Memória · Tags: , , ,

Dieta MIND

Existem vários estudos que comprovam a importância da alimentação na prevenção e mesmo no retardo do aparecimento dos sintomas da doença de Alzheimer. Baseada nesses estudos, a Dra. Morris, da Universidade de Harvard, em 2015, propôs uma nova forma de alimentação para esses pacientes, juntando a Dieta do Mediterrâneo e a dieta DASH, denominando “The Mind Diet”, ou seja, a Dieta da Mente.

O padrão dietético tradicional do Mediterrâneo inclui principalmente alimentos vegetais minimamente processados, inteiros, incluindo grãos de cereais, legumes, verduras, frutas, nozes e peixes com pequenas quantidades de carne, leite e produtos lácteos e uma quantidade regular e modesta de álcool. 

A dieta DASH enfatiza frutas, vegetais e produtos lácteos com baixo teor de gordura e inclui grãos integrais, aves, peixes e nozes, e é reduzida em gorduras, carnes vermelhas, doces e bebidas açucaradas.

Combinando as duas dietas, a dieta MIND enfatiza os alimentos naturais à base de plantas, promovendo especificamente um aumento no consumo de bagas e vegetais de folhas verdes, com ingestão limitada de alimentos à base de animais e gorduras saturadas.

Quinze componentes dietéticos (10 saudáveis para o cérebro e cinco não saudáveis) compõem a dieta MIND, a saber: 

FOLHAS VERDES
OUTROS VEGETAIS COMO CENOURA , ABOBRINHA ETC..
NOZES
FRUTAS SILVESTRES ( AMORA, MORANGO, FRAMBOESA, MIRTILO)
FEIJÃO
GRÃOS – ERVILHA, LENTILHA, GRÃO DE BICO ETC
AZEITE DE OLIVA EXTRA VIRGEM
VINHO TINTO SECO
AVES

Alimentos não saudáveis

CARNE VERMELHA
MANTEIGA OU MARGARINA
QUEIJOS
FRITURAS
FAST FOOD

As diretrizes gerais adicionais para a dieta MIND sugerem aos pacientes comerem todos os dias, pelo menos três porções de grãos integrais, uma salada e um outro vegetal, e um copo de vinho. Além disso, as nozes são usadas como um lanche na maioria dos dias e recomenda-se comer feijão todos os dias. 

Carne de aves e as frutas silvestres são recomendadas pelo menos duas vezes por semana e pescados pelo menos uma vez por semana.

 É essencial limitar a ingestão de “grupos de alimentos não saudáveis” da dieta MIND, especialmente manteiga (menos de 1 colher de sopa por dia), queijo e frituras ou fast food (menos de uma porção por semana para qualquer um dos três).

Os pesquisadores mostraram em um estudo que a dieta MIND reduziu o risco de doença de Alzheimer em até 53% nos participantes que seguiram rigorosamente a dieta e em aproximadamente 35% naqueles que a seguiram moderadamente bem.

Mais de 1 bilhão de pessoas atualmente correm o risco de deficiência de vitamina D em todo o mundo.Essa ocorrência exagerada de hipovitaminose D pode ser atribuída principalmente à diminuição exposição à luz solar (por exemplo, atividades ao ar livre reduzidas e poluição do ar), que é necessária para a produção de vitamina D induzida por raios ultravioletas (UV) na pele. Os níveis de radiação UV diminuem com o aumento da distância do equador da Terra durante os meses de inverno. Os negros absorvem mais UV na melanina da pele do que os brancos; portanto, os negros requerem mais exposição solar para produzir as mesmas quantidades de vitamina D. 

      Além dos problemas musculoesqueléticos, a deficiência de vitamina D tem sido associada a um risco aumentado de eventos cardiovasculares , especialmente hipertensão.

      A vitamina D (cerca de 80%) é sintetizada na pele a partir do 7-desidrocolesterol por meio da  radiação ultravioleta  B (UV). Cerca de 20% da vitamina D do sangue, vem de fontes alimentares, como peixes oleosos, gemas de ovos, leite fortificado, cereais, suco e iogurte  

      A vitamina D da pele, dieta ou suplementos orais incluindo vitamina D2 e ​​vitamina D3 são metabolizados no fígado em 25-hidroxivitamina D(25(OH)D. 25 (OH) D, é o principal metabolito circulante da vitamina D, e tem sido amplamente aceito como o marcador mais confiável para determinar o status da vitamina D, isto é, é o melhor exame laboratorial para se determinar os níveis da Vitamina D no organismo.

      Os receptores da vitamina D estão expressos em muitos outros tipos de células do nosso organismo, como no intestino delgado, nas glândulas paratireoides e nos rins, além de estarem também no sistema cardiovascular, no músculo esquelético e no sistema imunológico.

      A deficiência de vitamina D também foi fortemente correlacionada com doença arterial coronariana, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral e morte. Deve-se  salientar , no entanto, que não existem ainda evidencias cientificas que comprovem ser a suplementação da Vitamina D uma ferramenta terapêutica eficaz na redução da ocorrência das doenças cardiovasculares.

A demência é um distúrbio neurodegenerativo multifatorial, progressivo, crônico, caracterizado por um declínio na função cognitiva. Com o aumento da população idosa, a Organização Mundial de Saúde estima que a proporção de casos de demência em pessoas com 60 anos ou mais, pode chegar , até 2050 , a 22% em todo o mundo.

A conseqüente alta demanda por terapia médica e cuidados necessários para tratar o declínio cognitivo terá considerável impacto socioeconômico. A estimativa mundial dos custos do tratamento da demência foram estimados em US $ 604 bilhões em 2010. Assim, a prevenção de demência em populações com risco aumentado (por exemplo, idosos) pode ajudar a reduzir a carga causada pela demência nos sistemas de saúde. Portanto, não é surpresa que medicamentos comumente usados por idosos tenham sido estudados com o objetivo de verificarem sua interacão positiva ou negativa com o estado cognitivo dos pacientes.

Evidências sugerem que a precipitação do peptídeo β-amilóide (Aβ) no sistema nervoso central pode levar ao desenvolvimento de demência . Inibidores da bomba de prótons (PPIs), que atuam como redutores notáveis ​​e duradouros da produção de ácido gástrico, são prescritos para o tratamento para condições relacionadas ao ácido, como doença do refluxo gastroesofágico e úlceras pépticas. No entanto, recentemente observou-se uso exagerado desses medicamentos, especialmente entre os idosos.

Uso de PPI pode diminuir a cognição aumentando os níveis de Aβ nos cérebros de camundongos afetando as enzimas β e γ-secretases ou modulando a degradação de Aβ por lisossomas na microglia .

Autores relataram associação significativa do uso prévio e atual de PPIs com deficiência de vitamina B12 em uma população.A deficiência de vitamina B12 tem sido associada ao declínio cognitivo.

Um estudo prospectivo, longitudinal, multicêntrico de coorte de pacientes idosos em cuidados primários na Alemanha, incluindo 3327 pessoas da comunidade com 75 anos ou mais, encontrou associação entre uso de PPIs e demência incidente.

Outro estudo de coorte prospectivo, derivado de dados fornecidos por uma grande seguradora de saúde estatutária, informou que evitar o uso de IBP pode reduzir o risco de demência.

Os resultados desses estudos indicam que o uso crônico e muitas vezes desnecessário dos PPIs( omeprazol, pantoprazol, esomeprazol, etc..) aumenta o risco de demência , principalmente em pessoas com idades acima de 60 anos.

 

Fonte DOI:10.1371/journal.pone.0171006 February 15, 201

Essa pergunta é rotineira em clínica, visto que  existem muitos tabus sobre o uso das estatinas, principalmente  quando se acreditam em informações , nem sempre corretas, obtidas pelo Dr. Google, muitas vezes carentes de evidências científicas, sendo apenas opiniões individuais , sem algum caráter científico. Recentemente foi publicado um artigo, muito difundido pela mídia leiga, tirando toda a importância do colesterol na gênese do infarto do miocárdio e do AVC. Esse artigo , no entanto, sofreu muitas críticas por parte de grande parte da comunidade científica, visto que carecia de uma metodologia científica apurada. Desse modo, devemos nos ater ao que REALMENTE  o mundo científico diz com propriedade: O colesterol elevado no sangue é um dos mais importantes fatores de risco para as doenças cardiovasculares.

Você tem que tomar as estatinas para prevenir a doença cardiovascular, que é a maior responsável pelas mortes no mundo todo. Indivíduos com colesterol elevado tem maior chance de ter um infarto do miocárdio ou um acidente vascular cerebral, do que indivíduos normais, conforme estudos vastamente conhecidos pela classe médica bem informada.

Existem regras a serem observadas no momento de se prescrever uma estatina para um paciente, visto que tal medicação causa uma série de efeitos indesejáveis, como dores musculares, sintomas gástricos,  que podem ser administrados ou minimizados com táticas terapêuticas corretas.

Dessa forma,segundo as orientacoes do American Heart Assotiation devemos prescrever as estatinas para:

  • pacientes com doenca cardiovascular clinica ( ja tiveram infarto, angina, AVC, ou com sinais de aterosclerose nos exames)
  • indivíduos com LDL-C maior do que  190 mg/dl
  •  pacientes de 45 a 75 anos com diabetes e LDL colesterol  entre 70 a  189 mg/dl ,  sem doenca cardiovascular clinica;
  • pacientesde 45 a  75 anos com LDL de 70 a 189 mg/dl com risco cardiovascular estimado igual ou maior do que  7,5%

FONTE- STONE, HJ- 2013 – ACC/AHA- Blood Cholesterol Guideline