O consumo de uma maior quantidade de gorduras insaturadas está associada com a mortalidade mais baixa, de acordo com um estudo da Harvard.

Em um grande estudo populacional seguido por mais de três décadas, os pesquisadores descobriram que um maior consumo de gorduras saturadas e trans foi associado com taxas de mortalidade mais elevadas do que consumir o mesmo número de calorias de carboidratos. Mais importante ainda, a substituição de gorduras saturadas por gorduras insaturadas conferem benefícios de saúde substanciais.

A substituição de gorduras saturadas como manteiga, banha e gordura da carne vermelha por gorduras insaturada a partir de plantas – como o azeite, canola e óleo de soja – pode conferir benefícios substanciais para a saúde e deve continuar sendo elemento importante nas recomendações dietéticas.

Diferentes tipos de gordura na dieta tiveram diferentes associações com mortalidade, os pesquisadores descobriram. As gorduras trans tiveram o impacto negativo mais significativo sobre a saúde.

Cada 2 por cento a mais de ingestão de gordura trans foi associado com  chance 16 por cento maior de morte prematura durante o período do estudo.

Maior consumo de gorduras saturadas também foi associado com maior risco de mortalidade. Quando comparado com o mesmo número de calorias provenientes de hidratos de carbono, cada aumento de  5% da ingestão de gorduras saturadas foi associada a  8% de aumento na  mortalidade global.

Por outro lado, a ingestão de elevadas quantidades de gorduras insaturadas,  poli-insaturados e mono-insaturados, foi associada com   11 a 19% a menos na  mortalidade global em comparação com a ingestão de o mesmo número de calorias provenientes de hidratos de carbono. Entre as gorduras poliinsaturadas,  os ácidos omega-6, encontrado na maioria dos óleos vegetais, e  ómega-3, encontrados em peixes e óleos de soja e canola, foram associados com menor risco de morte prematura.

As pessoas que substituíram as gorduras saturadas por gorduras insaturadas, especialmente gorduras poli-insaturados, tiveram  menor risco de morte global durante o período de estudo, bem como menor risco de morte por doenças cardiovasculares, cancer, doenças neurodegenerativas e doenças respiratórias, em comparação com aqueles que mantiveram  o consumo elevado de gorduras saturadas.

Os resultados para as doenças cardiovasculares são consistentes com vários estudos anteriores que mostram a redução do  LDL ( “mau” colesterol) quando gorduras insaturadas substituem as gorduras trans ou saturadas.

Pessoas que substituíram as gorduras saturadas com carboidratos tinha apenas um risco de mortalidade ligeiramente inferior. Além disso, a substituição de gordura total, com os hidratos de carbono foi associado com mortalidade modestamente superior. Isso não foi surpreendente, pois , conforme disseram os autores,  os carboidratos na dieta  tendem a ser amido, principalmente refinado e açúcar, que têm uma influência semelhante as gorduras saturadas no risco de mortalidade.

Este estudo mostra a importância de eliminar a gordura trans e substituição de gordura saturada por gorduras insaturadas, incluindo ácidos graxos poliinsaturados tanto ômega-6 e ômega-3. Na prática, isto pode ser alcançado através da substituição de gorduras animais com uma variedade de óleos vegetais líquidos, peixes, grãos etc..

Essa pergunta é rotineira em clínica, visto que  existem muitos tabus sobre o uso das estatinas, principalmente  quando se acreditam em informações , nem sempre corretas, obtidas pelo Dr. Google, muitas vezes carentes de evidências científicas, sendo apenas opiniões individuais , sem algum caráter científico. Recentemente foi publicado um artigo, muito difundido pela mídia leiga, tirando toda a importância do colesterol na gênese do infarto do miocárdio e do AVC. Esse artigo , no entanto, sofreu muitas críticas por parte de grande parte da comunidade científica, visto que carecia de uma metodologia científica apurada. Desse modo, devemos nos ater ao que REALMENTE  o mundo científico diz com propriedade: O colesterol elevado no sangue é um dos mais importantes fatores de risco para as doenças cardiovasculares.

Você tem que tomar as estatinas para prevenir a doença cardiovascular, que é a maior responsável pelas mortes no mundo todo. Indivíduos com colesterol elevado tem maior chance de ter um infarto do miocárdio ou um acidente vascular cerebral, do que indivíduos normais, conforme estudos vastamente conhecidos pela classe médica bem informada.

Existem regras a serem observadas no momento de se prescrever uma estatina para um paciente, visto que tal medicação causa uma série de efeitos indesejáveis, como dores musculares, sintomas gástricos,  que podem ser administrados ou minimizados com táticas terapêuticas corretas.

Dessa forma,segundo as orientacoes do American Heart Assotiation devemos prescrever as estatinas para:

  • pacientes com doenca cardiovascular clinica ( ja tiveram infarto, angina, AVC, ou com sinais de aterosclerose nos exames)
  • indivíduos com LDL-C maior do que  190 mg/dl
  •  pacientes de 45 a 75 anos com diabetes e LDL colesterol  entre 70 a  189 mg/dl ,  sem doenca cardiovascular clinica;
  • pacientesde 45 a  75 anos com LDL de 70 a 189 mg/dl com risco cardiovascular estimado igual ou maior do que  7,5%

FONTE- STONE, HJ- 2013 – ACC/AHA- Blood Cholesterol Guideline

A caminhada diária sem dúvida alguma, faz muito bem a saúde, tanto física , como psíquica , como espiritual. Caminhar diariamente por 30 minutos, a” passos de chuva”é um excelente remédio para a prevenção de muitas doenças cardiovasculares, de Alzheimer, etc.

Veja a seguir

1. Neutraliza os efeitos de genes responsáveis pelo aumento de  peso. Pesquisadores de Harvard estudaram  32 genes que promovem a obesidade em mais de 12.000 pessoas para determinar o quanto esses genes realmente contribuiriam  para o peso corporal. Descobriram que, entre os participantes do estudo que caminharam rapidamente por cerca de uma hora por dia, os efeitos desses genes foram reduzidos  pela metade.

2. Estudos da Universidade de Exeter descobriram que, uma caminhada de 15 minutos por dia, pode eliminar os desejos de chocolate e até mesmo reduzir a quantidade de chocolate que você come em situações estressantes. Além disso, estudos recentes confirmaram  que a caminhada pode reduzir a ansiedade de ingestão de uma variedade de lanches açucarados.

3. Reduz o risco de desenvolver câncer da mama. Já é de conhecimento científico que  qualquer tipo de atividade física atenua o risco de câncer de mama. Um estudo recente, da  American Cancer Society, revelou  que as mulheres que caminharam sete ou mais horas por semana tiveram um risco 14% menor de câncer de mama do que aquelas  que caminharam três horas ou menos por semana.

4. Vários estudos descobriram que a caminhada reduz a dor relacionada com a artrite, e que a caminhada de 8 a 10 quilômetros  por semana pode até mesmo prevenir a artrite. A caminhada protege as articulações – especialmente os joelhos e quadris, que são mais suscetíveis a osteoartrite – por lubrificação das mesmas e fortalecimento dos músculos que as suportam.

5.  Andar a pé pode ajudar a protegê-lo durante a temporada de gripes e resfriados. Um estudo de mais de 1.000 homens e mulheres descobriu que aqueles que caminharam pelo menos 20 minutos por dia, pelo menos 5 dias por semana, tinham 43% menos dias de doença do que aqueles que se exercitavam uma vez por semana ou menos. No caso de ficarem doentes, a duração da gripe foi menor nas pessoas que caminhavam regularmente.

 

Cinco vantagens de uma caminhada diária

 

 

  1. Neutraliza os efeitos de genes responsáveis pelo aumento de  peso.

 

Pesquisadores de Harvard estudaram  32 genes que promovem a obesidade em mais de 12.000 pessoas para determinar o quanto esses genes realmente contribuiriam  para o peso corporal. Descobriram que, entre os participantes do estudo que caminharam rapidamente por cerca de uma hora por dia, os efeitos desses genes foram reduzidos  pela metade.

 

  1. Reduz ansiedade por docês e chocolates

 

Estudos da Universidade de Exeter descobriram que, uma caminhada de 15 minutos por dia, pode eliminar os desejos de chocolate e até mesmo reduzir a quantidade de chocolate que você come em situações estressantes. Além disso, estudos recentes confirmaram  que a caminhada pode reduzir a ansiedade de ingestão de uma variedade de lanches açucarados.

 

  1. 3. Reduz o risco de desenvolver câncer da mama.

 

Já é de conhecimento científico que  qualquer tipo de atividade física atenua o risco de câncer de mama. Um estudo recente, da  American Cancer Society, revelou  que as mulheres que caminharam sete ou mais horas por semana tiveram um risco 14% menor de câncer de mama do que aquelas  que caminharam três horas ou menos por semana.

 

 

 

  1. Protege as articulações

 

Vários estudos descobriram que a caminhada reduz a dor relacionada com a artrite, e que a caminhada de 8 a 10 quilômetros  por semana pode até mesmo prevenir a artrite. A caminhada protege as articulações – especialmente os joelhos e quadris, que são mais suscetíveis a osteoartrite – por lubrificação das mesmas e fortalecimento dos músculos que as suportam.

 

 

  1. 5.  Protege contra gripes e resfriados

 

Andar a pé pode ajudar a protegê-lo durante a temporada de gripes e resfriados. Um estudo de mais de 1.000 homens e mulheres descobriu que aqueles que caminharam pelo menos 20 minutos por dia, pelo menos 5 dias por semana, tinham 43% menos dias de doença do que aqueles que se exercitavam uma vez por semana ou menos. No caso de ficarem doentes, a duração da gripe foi menor nas pessoas que caminhavam regularmente.

 

Desvendando a cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica é um procedimento cirúrgico para perda de peso. Ela reduz o tamanho do estômago e também pode alterar o caminho que a comida faz através do intestino levando a menor absorção de calorias e nutrientes.

Quem pode fazer a cirurgia para perda de peso?

Usamos uma medida chamada de “índice de massa corporal”, ou IMC, para decidir quem pode ter a cirurgia para perda de peso. Seu IMC irá dizer-lhe se o seu peso é normal para sua altura. (IMC = peso/altura ao quadrado)

As indicações para a cirurgia bariátrica são para os pacientes com:

● IMC acima de 40 e que não responderam à dieta, exercício ou medicamentos de perda de peso; ou
● IMC acima de 35 onde coexista um problema médico relacionado à obesidade, como diabetes, doenças cardíacas, ou pressão arterial elevada; ou
● IMC acima de 30, em algumas situações médicas especiais.

Tipos de cirurgias bariátricas:

● banda gástrica – Para esta cirurgia, o médico envolve uma banda de plástico ajustável ao redor do topo do seu estômago, fazendo uma pequena bolsa. O médico pode adicionar ou remover o líquido através de um botão sob a pele que está ligado à banda com um tubo. Dessa forma, o médico pode ajustar a forma como a banda está apertada. Quanto mais apertada for a banda, envolve o estômago, a comida passa mais lenta a partir da bolsa para o resto do estômago.
● bypass gástrico – é a abreviação de “Roux-en-Y bypass gástrico”, e às vezes é chamado de “RYGB.” Para esta cirurgia o médico fecha parte do estômago, deixando apenas uma pequena bolsa para o alimento. Em seguida, liga a bolsa do estômago na parte do meio do intestino delgado. Isso permite que os alimentos sejam desviados para o intestino delgado , reduzindo a sua absorção.
● gastrectomia vertical”, é uma cirurgia que vira o estômago em algo que se parece com uma luva. Em outras palavras, o médico remove uma grande porção do estômago e deixa um tubo estreito.

Como é feito a cirurgia?

Todos os diferentes tipos de cirurgia para perda de peso pode ser feito como a cirurgia “aberta” ou como a cirurgia “laparoscópica”. Na cirurgia aberta, o cirurgião abre o abdome do paciente e trabalha diretamente sobre os órgãos. Na cirurgia laparoscópica, o cirurgião insere no abdome do paciente um instrumento estreito que tem uma pequena câmera na ponta . Esta ferramenta é chamada de “laparoscópio.” Ele permite que o cirurgião veja dentro da barriga sem abri-la. Em seguida, o cirurgião pode fazer a cirurgia utilizando outras ferramentas que se encaixam através de pequenas aberturas na barriga e que podem ser controlados a partir do exterior.

Quais são os benefícios da cirurgia?

Além de ajudar você a perder peso, a cirurgia pode ajudar a melhorar ou até mesmo se livrar de certos problemas de saúde, incluindo:

● Diabetes
● A pressão arterial elevada
● O colesterol alto
● A apneia do sono, uma doença que faz com que você parar de respirar por curtos períodos de tempo enquanto você dorme
● Doença do refluxo gastroesofágico, uma condição que provoca azia

Quais são os riscos da cirurgia?

● O sangramento
● A infeção dentro da barriga ou nas feridas da cirurgia
● Vazamentos das incisões no estômago ou intestino
● Bloqueio ou rasgo no intestino
● Problemas com o coração ou os pulmões
● Os cálculos biliares
● Os problemas nutricionais
● Diarreia grave
● A necessidade de mais cirurgia