• De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 16,7 milhõesde pessoas morreram em 2002 devido às doenças cardiovasculares,
  • correspondendo a um terço de todas as mortes ocorridas nesse ano , em todo o planeta. Estima-se que em 2020 asdoencas cardíacas e o

Acidente vascular cerebral (ou derrame como erradamente ainda dizem) poderão ser responsáveis por mais de 20 milhões de mortes por ano.

  • As doenças cardiovasculares causam 8,5 milhões de mortes entre mulheres anualmente, sendo responsável por um terco de todas as mortes do sexo feminino no mundo todo. É a maior causa de morte entre as mulheres. Em países desenvolvidos, metade dessas
  • mortes ocorrem em mulheres com mais de 50 anos.
  • A doenca cardiovascular é a principal causa de morte na União Européia, ocasionando mais de 1,5 milhões de mortes por ano. De todas as mortes, 42 % sao devido a doenças cardiovasculares (46% homens e 38% mulheres).
  • Os dados mais recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que a taxa dos casos de doenca cardiovascular em homens foi maior na Finlândia e menor na China. Nas mulheres essa taxa foi maior na Grã Bretanha e menor na Espanha e na China.
  • Quinze milhões de pessoas sofrem de acidente vascular cerebral a cada ano e cinco milhões delas ficam com sequelas, impedindo-as de terem vida normal. Cinco milhões e meio de pessoas morreram devido ao AVC em 2002. A mortalidade é maior entre as mulheres do que entre os homens: três milhões de mulheres morrem dessaenfermidade por ano.
  • Cerca de 35 mil portugueses morrem anualmente por doenças cardiovasculares, que continuam a ser a principal causa de morte e representam um terço de toda a mortalidade da população em Portugal.Dessas mortes, calcula-se que 20 mil sejam por acidentes cerebrovasculares e mil por enfartes do miocárdio.
  • No Brasil os números também são sombrios, pois em 2016, quase 350.000 brasileiros morreram por problemas cardiovasculares, representando cerca de 30% de todas as causas de mortalidade .É fácil concluir, com esses dados oferecidos pelo
  • Ministério da Saúde, que essas expressivas taxas de mortalidade conduzem as autoridades sanitárias do país a um processo de busca dos fatores de risco que desencadeiam essas doencas, com o objetivo da prevencao dessas moléstias.
  • A doenca cardiovascular é mais comum na populacao acima dos 60 anos , embora venha
  • ocorrendo com mais frequência na população mais jovem. O risco de sofrer de doença cardiovascular aos 40 anos é de 49% em homens e 32% em mulheres, de acordo com o Framinghan Heart Study. Se atingir a idade de 70 anos livre da doenca, o risco cardiovascular é 35% em homens e 24% nas mulheres.

      Não existe doenca tão prevalente e tão dispendiosa para a sociedade quanto a doenca cardiovascular, daí a enorme preocupação em analisar os aspectos preventivos da enfermidade, tendo em vista o grande sofrimento causado nas famílias pela perda de entes queridos, bem como o enorme rombo financeiro causado em todos os sistemas de saúde do mundo todo.

Em 2017, foi publicado em uma revista muito importante da literatura médica, Lancet, um estudo denominado PURE, onde os pesquisadores coletaram dados alimentares auto-relatados de 135.335 pessoas em 18 países, e os agruparam de acordo com a quantidade de carboidratos, gorduras e proteínas que consumiram.Depois de rastrear a saúde dos participantes ao longo de um período de sete anos, os pesquisadores descobriram que aqueles com a maior ingestão de gordura (35% das calorias diárias) eram 23% menos propensos a morrer do que aqueles com menor ingestão de gordura (10% do diário).calorias).Por outro lado, para os carboidratos, aqueles com a maior ingestão (77% das calorias diárias) foram 28% mais propensos a morrer do que aqueles com a menor ingestão (46% das calorias diárias). A partir dessas descobertas, a principal conclusão dos autores é que “a alta ingestão de carboidratos foi associada com maior risco de mortalidade total, enquanto a gordura total e os tipos individuais de gordura foram relacionados à menor mortalidade total”. Evidentemente que a publicação desses resultados criou uma grande polêmica, visto que confrontava com tudo o que vinha sendo publicado anteriormente. De repente,  o grande vilão, responsável pelas doenças cardiovasculares era o carboidrato e não a gordura, como a gente sempre soube.Mas, antes de definir ou mesmo eleger responsáveis, é importante que analisemos os detalhes desse estudo para com muito cuidado tomarmos nossas posições.

O estudo publicado tem alguns aspectos que temos que considerar:

1- Principais problemas metodológicos

  • “Total de carboidratos” é simplificado demais. Como os alimentos ricos em carboidratos variam de frutas, verduras, legumes e cereais integrais a grãos refinados e açúcares adicionados, é importante considerar tanto a qualidade quanto a quantidade de carboidratos – em vez de agrupá-los todos juntos. Diferentes tipos de carboidratos têm diferentes efeitos sobre a saúde.
  • Essa alta ingestão de carboidratos pode indicar uma “dieta de pobreza”. A maioria dos participantes do estudo localizados em países de baixa renda subsistiam quase inteiramente de carboidratos, “especialmente de fontes refinadas”. Em Bangladesh, por exemplo, os autores listam o arroz branco como o principal contribuinte não apenas de carboidratos, mas também de proteína e gordura total. Uma “dieta de pobreza”, que é comum em áreas rurais pobres, também é tipicamente rica em sódio e baixa em produtos de origem animal e óleos vegetais. Nessa situação, é extremamente desafiador, se não impossível, separar os efeitos da dieta da pobreza e da desnutrição.
  • Avaliação incompleta e análise de tipos de gordura. Ao contrário dos carboidratos, o estudo reduz a ingestão total de gordura em gorduras saturadas, monoinsaturadas e poliinsaturadas. Como os autores reconheceram, o estudo não avaliou a ingestão de gordura trans (que é particularmente alta no sul da Ásia ), o que pode ter confundido associações para outros tipos de gordura. O estudo PURE descobriu que substituir a gordura saturada por carboidratos não reduziu o risco de mortalidade, mas a substituição da gordura poliinsaturada por carboidratos foi associada à menor mortalidade. Curiosamente, o estudo não examinou os efeitos da substituição da gordura poliinsaturada por gordura saturada. Ensaios clínicos randomizados descobriram que, ao substituir a gordura saturada por carboidratos, não houve efeito, a troca de gordura saturada por gordura poliinsaturada reduziu significativamente o risco de doença cardiovascular.
  • Confiabilidade dos dados de consumo alimentar. Nos participantes chineses (que constituíam quase um terço da população total do estudo), a média de ingestão total de gorduras é 17,7% do total de calorias diárias, mas outras pesquisas descobriram uma ingestão média de cerca de 30% das calorias diárias provenientes de gordura na China.  Uma discrepância tão grande é intrigante porque questionários dietéticos semelhantes foram usados ​​no estudo PURE e em outros estudos chineses.

2-Considerações Finais:

Esforços de larga escala para estudar os efeitos da dieta sobre a saúde nos países em desenvolvimento são importantes, mas este estudo é repleto de problemas metodológicos – especialmente mesclado  por diferentes graus de desenvolvimento socioeconômico em diferentes países e dados questionáveis ​​de consumo alimentar.

O Dr. Frank Hu, presidente do Departamento de Nutrição da Escola de Saúde Pública de Chan, em Harvard, observa que é preciso ir além das manchetes sensacionalistas e do resumo do artigo: As principais mensagens para aconselhamento nutricional não mudaram: seguir um padrão alimentar saudável que inclua quantidades abundantes de vegetais, frutas, cereais integrais, legumes e nozes; quantidades moderadas de produtos lácteos com baixo teor de gordura e frutos do mar; e quantidades menores de carne processada e vermelha, alimentos e bebidas açucarados e grãos refinados. Tal padrão alimentar não precisa limitar a ingestão total de gordura, mas os principais tipos de gordura devem ser gorduras insaturadas de fontes vegetais, em vez de gordura animal.

 

 

O consumo de uma maior quantidade de gorduras insaturadas está associada com a mortalidade mais baixa, de acordo com um estudo da Harvard.

Em um grande estudo populacional seguido por mais de três décadas, os pesquisadores descobriram que um maior consumo de gorduras saturadas e trans foi associado com taxas de mortalidade mais elevadas do que consumir o mesmo número de calorias de carboidratos. Mais importante ainda, a substituição de gorduras saturadas por gorduras insaturadas conferem benefícios de saúde substanciais.

A substituição de gorduras saturadas como manteiga, banha e gordura da carne vermelha por gorduras insaturada a partir de plantas – como o azeite, canola e óleo de soja – pode conferir benefícios substanciais para a saúde e deve continuar sendo elemento importante nas recomendações dietéticas.

Diferentes tipos de gordura na dieta tiveram diferentes associações com mortalidade, os pesquisadores descobriram. As gorduras trans tiveram o impacto negativo mais significativo sobre a saúde.

Cada 2 por cento a mais de ingestão de gordura trans foi associado com  chance 16 por cento maior de morte prematura durante o período do estudo.

Maior consumo de gorduras saturadas também foi associado com maior risco de mortalidade. Quando comparado com o mesmo número de calorias provenientes de hidratos de carbono, cada aumento de  5% da ingestão de gorduras saturadas foi associada a  8% de aumento na  mortalidade global.

Por outro lado, a ingestão de elevadas quantidades de gorduras insaturadas,  poli-insaturados e mono-insaturados, foi associada com   11 a 19% a menos na  mortalidade global em comparação com a ingestão de o mesmo número de calorias provenientes de hidratos de carbono. Entre as gorduras poliinsaturadas,  os ácidos omega-6, encontrado na maioria dos óleos vegetais, e  ómega-3, encontrados em peixes e óleos de soja e canola, foram associados com menor risco de morte prematura.

As pessoas que substituíram as gorduras saturadas por gorduras insaturadas, especialmente gorduras poli-insaturados, tiveram  menor risco de morte global durante o período de estudo, bem como menor risco de morte por doenças cardiovasculares, cancer, doenças neurodegenerativas e doenças respiratórias, em comparação com aqueles que mantiveram  o consumo elevado de gorduras saturadas.

Os resultados para as doenças cardiovasculares são consistentes com vários estudos anteriores que mostram a redução do  LDL ( “mau” colesterol) quando gorduras insaturadas substituem as gorduras trans ou saturadas.

Pessoas que substituíram as gorduras saturadas com carboidratos tinha apenas um risco de mortalidade ligeiramente inferior. Além disso, a substituição de gordura total, com os hidratos de carbono foi associado com mortalidade modestamente superior. Isso não foi surpreendente, pois , conforme disseram os autores,  os carboidratos na dieta  tendem a ser amido, principalmente refinado e açúcar, que têm uma influência semelhante as gorduras saturadas no risco de mortalidade.

Este estudo mostra a importância de eliminar a gordura trans e substituição de gordura saturada por gorduras insaturadas, incluindo ácidos graxos poliinsaturados tanto ômega-6 e ômega-3. Na prática, isto pode ser alcançado através da substituição de gorduras animais com uma variedade de óleos vegetais líquidos, peixes, grãos etc..

 

  • mulheres com idade maior ou igual a 65 anos e homens com idade maior ou igual a 70 anos;

  • mulheres pós menopausa com qualquer idade e homens com idades entre 50- 70 anos com um ou mais fatores de risco para a osteoporose.

  • mulher ou homem em uso de medicação que aumente o risco de osteoporose ou fraturas

  • mulher que está entrando em menopausa e que tenha fatores de risco para fraturas tais como aumento de peso e fratura prévia.

  • mulher e homem com idade acima de 50 anos que tiveram fratura óssea previa.

  • mulher ou homem que tenham tomado glicocorticoides há menos de dois meses.

 

Medicamentos são preparações usadas tratar as doenças. Porém o uso incorreto pode causar sérios riscos à saúde. São usados também para prevenir e fazer diagnósticos.

Onde guardar seus medicamentos?

  • Guarde o medicamento em local seco, protegido da luz e do calor. Evite guardar na Cozinha ou no banheiro, conserve sempre na embalagem original e mantenha longe do alcance das crianças.
  • Alguns medicamentos precisam ser guardados na geladeira. Retire da caixa térmica de transporte e nunca guarde na porta da geladeira ou no congelador

Via de administração – Entenda as siglas

VO – Via oral – tomar pela boca

IM – Intramuscular – injeção no músculo EV – Endovenoso – Injeção na veia SC – Subcutâneo – Injeção por baixo da pele TO – Tópico – Aplicação na pele OD – Olho direito – Aplicação em olho direito OE – Olho esquerdo – Aplicação em olho esquerdo AO – Ambos os olhos – Aplicação em ambos os olhos

Medidas domésticas

Colher de café – 2,5 ml Colher de chá – 5 ml Colher de sobremesa – 10 ml Colher de sopa – 15 ml

Ao tomar seu medicamento:

Siga sempre as orientações da receita. Escolha horários confortáveis, adaptados à sua rotina e tome os medicamentos todos os dias no mesmo horário.

Utilize sempre um copo cheio de água para tomar seus medicamentos.

Evite tomar com leite, refrigerante, suco ou chá. Os medicamentos podem ter o seu efeito alterado.

Não tome bebidas alcoólicas enquanto estiver em tratamento com medicamentos. Isso traz riscos à saúde.

Quando o medicamento deve ser tomado em jejum ou com o estômago vazio, tome 30 a 60 minutos antes das refeições ou duas horas depois.

Não corte ou mastigue comprimidos ou capsulas a menos que orientado pelo médico.

Dicas para não esquecer de tomar os medicamentos

Coloque o despertador para tocar nos horários de tomadas dos seus medicamentos.

Mantenha uma tabela, definindo para cada horário, qual medicamento e qual quantidade deverá ser utilizada e coloque em um lugar de fácil visualização, para lembrar sempre de tomar seus medicamentos.

Problemas durante o tratamento

Junto com os benefícios que o medicamento traz, é possível aparecer reações desagradáveis como: alergia, náusea, suor excessivo, tremor, cansaço, diarreia, sonolência, falta de apetite, ansiedade, bocejo, boca seca e outros…

** Para a sua segurança, caso você tenha uma reação, converse com seu médico ou farmacêutico e nunca interrompa o tratamento por conta própria.

Automedicação

Utilizar medicamentos por contra própria, sem orientação ou prescrição de um especialista, pode se tornar perigoso, causar agravamento ou piorar seu estado de saúde.

*Lembre-se: O medicamento que é bom para uma pessoa, pode não ser bom para você! Evite tomar medicamento por conta própria.

Fonte: Serviço de Farmácia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – Brasil.