“Ser santo é estar calçado com as sandálias, de prontidão para caminhar Comigo e anunciar o Evangelho da Paz.”  Diálogo do Guido com o Senhor

Partilhamos com você o que o Mons Jonas fala sobre a santidade na vida de um profissional cristão. Um testemunho de santidade que temos hoje e a vida do Servo de Deus Guido Schäffer, ele que foi médico e doou sua profissão a serviço dos pobres.

“Ser santo é viver a liberdade, é obedecer a Minha voz. Todas as graças para viver a liberdade eu as providencio na Santa Missa, que é a montanha do Meu sacrifício.”Diálogo do Guido com o Senhor (24/06/2003)

Deus precisa de profissionais santos

Partilhamos com você o que o Mons Jonas fala sobre a santidade na vida de um profissional cristão. Um testemunho de santidade que temos hoje e a vida do Servo de Deus Guido Schäffer, ele que foi médico e doou sua profissão a serviço dos pobres. 

Se não fosse Deus, você não teria estudado, não teria esse trabalho. O Senhor o amou e investiu em você. Não seja tolo em pensar que você é o resultado de seu próprio esforço. Tanto a posição a que você chegou como o cargo que hoje ocupa vieram do Senhor. Não seja injusto!

Eliseu entregou tudo: “Com o equipamento dos bois cozinhou as carnes e deu à sua gente de comer. Depois partiu, seguiu Elias e se pôs a seu serviço” (I Reis 19, 21b).

O Senhor não lhe manda queimar seus bens. Ele quer, sim, que você dê de comer a esse povo que tem fome e sede de justiça, fome de educação e de saúde, esse povo que tem mil necessidades; sobretudo sede de Deus!

Mons Jonas Abib fala de sua experiência com Guido Schäffer durante o Programa PHN. 

Deus precisa de profissionais santos

Se não fosse Deus, você não teria estudado, não teria esse trabalho. O Senhor o amou e investiu em você. Não seja tolo em pensar que você é o resultado de seu próprio esforço. Tanto a posição a que você chegou como o cargo que hoje ocupa vieram do Senhor. Não seja injusto!

Eliseu entregou tudo: “Com o equipamento dos bois cozinhou as carnes e deu à sua gente de comer. Depois partiu, seguiu Elias e se pôs a seu serviço” (I Reis 19, 21b).

O Senhor não lhe manda queimar seus bens. Ele quer, sim, que você dê de comer a esse povo que tem fome e sede de justiça, fome de educação e de saúde, esse povo que tem mil necessidades; sobretudo sede de Deus!

 

Fotos da internet

O Brasil precisa de santos, de muitos santos!
A santidade é a prova mais clara, mais convincente da vitalidade da Igreja em todos os tempos e em todos os lugares. Que o exemplo de Madre Paulina possa inspirar a todos uma resposta decidida, generosa, ao chamado de Cristo à santidade! Confio à proteção materna da Virgem Maria, Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora do Desterro como A venerais aqui em Florianópolis, o presente e o futuro da Igreja no Brasil. Ela precisa, hoje, mais do que nunca, de santos! João Paulo II 

 

Que o exemplo de Madre Paulina possa inspirar a todos uma resposta decidida, generosa, ao chamado de Cristo à santidade! Confio à proteção materna da Virgem Maria, Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora do Desterro como A venerais aqui em Florianópolis, o presente e o futuro da Igreja no Brasil. Ela precisa, hoje, mais do que nunca, de santos!                        Guido falando sobre a santidade dos santos 

Graças a Deus, o Senhor não criou uma única profissão. Um cargo na Política é um dom! Como também um cargo na Saúde e na Educação o são. É a maravilha dos carismas diversificados! Cada um de nós precisa fazer bem sua parte onde estiver e agir carismaticamente.

Meu pai era pedreiro. Graças a Deus, quanta coisa linda ele fez! Papai sacrificou-se muito, trabalhou cinco anos na construção de Brasília (DF). Como ele era um bom pedreiro, logo foi promovido a mestre-de-obras. Na construção do palácio onde despacha hoje o presidente da República, o mestre-de-obras foi meu pai. Isso não é motivo de orgulho, Deus precisou dele, do dom dele, do serviço dele.

Certa vez, ele foi surpreendido na capital do país, de madrugada, por uma batida policial enquanto tomava café. Os policiais entraram no local e ao se aproximarem do meu pai perguntaram-lhe se trazia alguma arma no bolso. Ele respondeu que “sim”. Colocando a mão no bolso tirou seu terço, dizendo: “Eis a minha arma”. Era preciso um pedreiro de Deus!               Missionários da Canção Nova testemunham a santidade de Guido Schäffer 

Outro fato nos marcou muito: quando meu pai voltou para São Paulo, foi trabalhar no hospital da Beneficência Portuguesa. Um dia chamaram-no na diretoria e lhe disseram que iam construir ali a primeira sala de cirurgia do coração do Brasil. Mostraram-lhe as plantas, porque gostariam de saber se ele seria capaz de dirigir a construção. Papai olhou tudo e deu uma resposta bem típica dele: “Eu sozinho não sou capaz, mas com Deus eu faço”.

Papai comandou toda a reforma. Era ou não era necessário um pedreiro de Deus? Um pedreiro que sabia que sozinho não era capaz de nada, mas que, com Deus, poderia fazer, e fez. Entre o médico e o pedreiro, o deputado e o presidente, o professor e o porteiro, o Altíssimo necessita de homens e mulheres d’Ele. Precisa de você em regime de dedicação integral. Você que se consagrou, consagre agora sua profissão, a que você tem ou a que está conquistando. Consagre-a ao Senhor.

Talvez você diga: “Eu sou apenas mãe de família”. Que maravilha! Consagre a beleza da sua vocação. Deus precisa de você dona-de-casa, mas que seja d’Ele: mãe de família, mas de Deus.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

Fontes: https://padrejonas.cancaonova.com/  
             http://guidoschaffer.com.br/

sao-francisco-de-sales_2-1024x543
Da Introdução à Vida Devota, de São Francisco de Sales, bispo

A devoção deve ser praticada de modos diferentes
Na criação, Deus Criador mandou às plantas que cada uma produzisse fruto conforme sua espécie. Do mesmo modo, ele ordenou aos cristãos, plantas vivas de sua Igreja, que produzissem frutos de devoção, cada qual de acordo com sua categoria, estado e vocação.
A devoção deve ser praticada de modos diferentes pelo nobre e pelo operário, pelo servo e pelo príncipe, pela viúva, pela solteira ou pela casada. E isto ainda não basta. A prática da devoção deve adaptar-se às forças, aos trabalhos e aos deveres particulares de cada um.

Dize-me, por favor, Filotéia, se seria conveniente que os bispos quisessem viver na solidão como os cartuxos; que os casados não se preocupassem em aumentar seus ganhos mais que os capuchinhos; que o operário passasse o dia todo na igreja como o religioso; e que o religioso estivesse sempre disponível para todo tipo de encontros a serviço do próximo, como o bispo. Não seria ridícula, confusa e intolerável esta devoção?
Contudo, este erro absurdo acontece muitíssimas vezes. E no entanto, Filotéia, a devoção quando é verdadeira não prejudica a ninguém; pelo contrário, tudo aperfeiçoa e consuma. E quando se torna contrária à legítima ocupação de alguém, é falsa, sem dúvida alguma.

A abelha extrai seu mel das flores sem lhes causar dano algum, deixando-as intactas e frescas como encontrou. Todavia, a verdadeira devoção age melhor ainda, porque não somente não prejudica a qualquer espécie de vocação ou tarefa, mas ainda as engrandece e embeleza.
Toda a variedade de pedras preciosas lançadas no mel, tornam-se mais brilhantes, cada qual conforme sua cor; assim também cada um se torna mais agradável e perfeito em sua vocação quando esta for conjugada com a devoção: o cuidado da família se torna tranquilo, o amor mútuo entre marido e mulher, mais sincero, o serviço que se presta ao príncipe, mais fiel, e mais suave e agradável o desempenho de todas as ocupações.

É um erro, senão até mesmo uma heresia, querer excluir a vida devota dos quartéis de soldados, das oficinas dos operários, dos palácios dos príncipes, do lar das pessoas casadas. Confesso, porém, caríssima Filotéia, que a devoção puramente contemplativa, monástica e religiosa de modo algum pode ser praticada em tais ocupações ou condições. Mas, para além destas três espécies de devoção, existem muitas outras, próprias para o aperfeiçoamento daqueles que vivem no estado secular.
Portanto, onde quer que estejamos, devemos e podemos aspirar à vida perfeita.

Fonte: Liturgiadashoras