O que a Igreja diz sobre a união civil homossexual

O que a Igreja diz sobre a união civil homossexual

Se faz urgente tratar desse tema, uma vez que, não raro, nos deparamos com opiniões completamente equivocadas sobre o assunto. Até aí sem novidades… se não viessem de pessoas muito “esclarecidas”. Temos que reconhecer, muitos cristãos ficam desorientados quando precisam emitir uma opinião sobre a união civil homossexual, por incrível que pareça.

É de conhecimento de todos que em 2011, no Brasil, houve a aprovação, pelo STF, da união civil homossexual e que representantes da Igreja se pronunciaram terminantemente contra essa decisão, porém, outros membros da Igreja, entre eles, alguns de grande expressão, se pronunciaram dizendo que não viam problema algum nessa aprovação pois eram apenas leis civis.

Ainda outros se posicionaram claramente a favor, fazendo a observação de que esse fato seria um direito dos homossexuais, o direito de reconhecerem a sociedade que existe entre eles, e que essa união precisaria estar civilmente amparada para que os homossexuais pudessem garantir seus direitos e que essa questão não era uma questão religiosa.
Não vou dizer o que eu, Tiba, acho, recorro ao posicionamento da Igreja, emitido por alguém um pouco mais capacitado que eu: Cardeal Joseph Ratzinger, quando Prefeito da Congregação Para a Doutrina Da Fé, em documento de publicação oficial da Congregação sob o Pontificado do Beato João Paulo II, com o título:
“CONSIDERAÇÕES SOBRE OS PROJETOS DE RECONHECIMENTO LEGAL DAS UNIÕES ENTRE PESSOAS HOMOSSEXUAIS”

Abaixo, algumas partes do documento que julguei mais relevantes ao assunto específico:

 

“Não existe nenhum fundamento para equiparar ou estabelecer analogias, mesmo remotas, entre as uniões homossexuais e o plano de Deus sobre o matrimônio e a família. O matrimônio é santo, ao passo que as relações homossexuais estão em contraste com a lei moral natural. Os atos homossexuais, de facto, «fecham o ato sexual ao dom da vida. Não são fruto de uma verdadeira complementaridade afetiva e sexual. Não se podem, de maneira nenhuma, aprovar».

(…)

Em presença do reconhecimento legal das uniões homossexuais ou da equiparação legal das mesmas ao matrimônio, com acesso aos direitos próprios deste último, é um dever opor-se-lhe de modo claro e incisivo. Há que abster-se de qualquer forma de cooperação formal na promulgação ou aplicação de leis tão gravemente injustas e, na medida do possível, abster-se também da cooperação material no plano da aplicação. Nesta matéria, cada qual pode reivindicar o direito à objecção de consciência.

(…)

A função da lei civil é certamente mais limitada que a da lei moral. A lei civil, todavia, não pode entrar em contradição com a recta razão sob pena de perder a força de obrigar a consciência. Qualquer lei feita pelos homens tem razão de lei na medida que estiver em conformidade com a lei moral natural, reconhecida pela recta razão, e sobretudo na medida que respeitar os direitos inalienáveis de toda a pessoa. As legislações que favorecem as uniões homossexuais são contrárias à recta razão, porque dão à união entre duas pessoas do mesmo sexo garantias jurídicas análogas às da instituição matrimonial. Considerando os valores em causa, o Estado não pode legalizar tais uniões sem faltar ao seu dever de promover e tutelar uma instituição essencial ao bem comum, como é o matrimônio.

Poderá perguntar-se como pode ser contrária ao bem comum uma lei que não impõe nenhum comportamento particular, mas apenas se limita a legalizar uma realidade de facto, que aparentemente parece não comportar injustiça para com ninguém. A tal propósito convém refletir, antes de mais, na diferença que existe entre o comportamento homossexual como fenômeno privado, e o mesmo comportamento como relação social legalmente prevista e aprovada, a ponto de se tornar numa das instituições do ordenamento jurídico. O segundo fenômeno, não só é mais grave, mas assume uma relevância ainda mais vasta e profunda, e acabaria por introduzir alterações na inteira organização social, que se tornariam contrárias ao bem comum. As leis civis são princípios que estruturam a vida do homem no seio da sociedade, para o bem ou para o mal. «Desempenham uma função muito importante, e por vezes determinante, na promoção de uma mentalidade e de um costume». As formas de vida e os modelos que nela se exprimem não só configuram externamente a vida social, mas ao mesmo tempo tendem a modificar, nas novas gerações, a compreensão e avaliação dos comportamentos. A legalização das uniões homossexuais acabaria, portanto, por ofuscar a percepção de alguns valores morais fundamentais e desvalorizar a instituição matrimonial.

(…)

Nas uniões homossexuais estão totalmente ausentes os elementos biológicos e antropológicos do matrimônio e da família, que poderiam dar um fundamento racional ao reconhecimento legal dessas uniões. Estas não se encontram em condição de garantir de modo adequado a procriação e a sobrevivência da espécie humana. A eventual utilização dos meios postos à sua disposição pelas recentes descobertas no campo da fecundação artificial, além de comportar graves faltas de respeito à dignidade humana, não alteraria minimamente essa sua inadequação.

Nas uniões homossexuais está totalmente ausente a dimensão conjugal, que representa a forma humana e ordenada das relações sexuais. Estas, de facto, são humanas, quando e enquanto exprimem e promovem a mútua ajuda dos sexos no matrimônio e se mantêm abertas à transmissão da vida.

Como a experiência confirma, a falta da bipolaridade sexual cria obstáculos ao desenvolvimento normal das crianças eventualmente inseridas no interior dessas uniões. Falta-lhes, de facto, a experiência da maternidade ou paternidade. Inserir crianças nas uniões homossexuais através da adoção significa, na realidade, praticar a violência sobre essas crianças, no sentido que se aproveita do seu estado de fraqueza para introduzi-las em ambientes que não favorecem o seu pleno desenvolvimento humano. Não há dúvida que uma tal prática seria gravemente imoral e pôr-se-ia em aberta contradição com o princípio reconhecido também pela Convenção internacional da ONU sobre os direitos da criança, segundo o qual, o interesse superior a tutelar é sempre o da criança, que é a parte mais fraca e indefesa.

(…)

Em defesa da legalização das uniões homossexuais não se pode invocar o princípio do respeito e da não discriminação de quem quer que seja. Uma distinção entre pessoas ou a negação de um reconhecimento ou de uma prestação social só são inaceitáveis quando contrárias à justiça. Não atribuir o estatuto social e jurídico de matrimônio a formas de vida que não são nem podem ser matrimoniais, não é contra a justiça; antes, é uma sua exigência.

Nem tão pouco se pode razoavelmente invocar o princípio da justa autonomia pessoal. Uma coisa é todo o cidadão poder realizar livremente atividades do seu interesse, e que essas atividades que reentrem genericamente nos comuns direitos civis de liberdade, e outra muito diferente é que atividades que não representam um significativo e positivo contributo para o desenvolvimento da pessoa e da sociedade possam receber do Estado um reconhecimento legal específico e qualificado. As uniões homossexuais não desempenham, nem mesmo em sentido analógico remoto, as funções pelas quais o matrimônio e a família merecem um reconhecimento específico e qualificado. Há, pelo contrário, razões válidas para afirmar que tais uniões são nocivas a um recto progresso da sociedade humana, sobretudo se aumentasse a sua efetiva incidência sobre o tecido social.

(…)

Se todos os fiéis são obrigados a opor-se ao reconhecimento legal das uniões homossexuais, os políticos católicos são-no de modo especial, na linha da responsabilidade que lhes é própria. Na presença de projetos de lei favoráveis às uniões homossexuais, há que ter presentes as seguintes indicações éticas.

No caso que se proponha pela primeira vez à Assembleia legislativa um projeto de lei favorável ao reconhecimento legal das uniões homossexuais, o parlamentar católico tem o dever moral de manifestar clara e publicamente o seu desacordo e votar contra esse projeto de lei. Conceder o sufrágio do próprio voto a um texto legislativo tão nocivo ao bem comum da sociedade é um ato gravemente imoral.

No caso de o parlamentar católico se encontrar perante uma lei favorável às uniões homossexuais já em vigor, deve opor-se-lhe, nos modos que lhe forem possíveis, e tornar conhecida a sua oposição: trata-se de um ato devido de testemunho da verdade.

(…)

A Igreja ensina que o respeito para com as pessoas homossexuais não pode levar, de modo nenhum, à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal das uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, favoreçam e protejam a união matrimonial como base da família, célula primária da sociedade. Reconhecer legalmente as uniões homossexuais ou equipará-las ao matrimônio, significaria, não só aprovar um comportamento errado, com a consequência de convertê-lo num modelo para a sociedade atual, mas também ofuscar valores fundamentais que fazem parte do patrimônio comum da humanidade. A Igreja não pode abdicar de defender tais valores, para o bem dos homens e de toda a sociedade.”

Documento completo: http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20030731_homosexual-unions_po.html


Tiba Camargos
Mineiro de Divinópolis
Formado em Filosofia
Missionário na Comunidade Canção Nova;

4 Comentários

  1. Muito bom o artigo. Estava sentindo falta dos seus posicionamentos. Com relação ao texto devemos amar essas pessoas, porem sempre estar em defesa do credo que professamos e das leis divinas e hostoricas estabelicidas pela mesma, que ate um tempo atrás a sociedade civil se amparava para se posicionar. Mas com o modismo das modas de que o correto e aceitar o errado, infelizmente bucado de gente anda sr desviando, para não empregar outroa termos. Sds

  2. Andre Marques

    Concordo que o dever da igreja seja defender a moral diante dessa sociedade que se mostra tendenciosa em aprovar leis absurdas como o casamento homoafetivo e a legalizacao do aborto. Devemos ter o mesmo entendimento como leigos e eclesiasticos, para que tal abominacao nao termine contaminando a igreja de Cristo, embora confiantes que a porta do inferno nao prevalecera contra ela.

  3. Valeria Souza

    Tiba, da uma olhada nisso… achei interessante Como a Claudia Jimeniz, colocou os reais motivos de suas escolhas.
    E agora ela é algi de chacota da LGBT….

    Apesar da Claudia ser uma atriz da Rede Globo, eu duvido que a midia vai fazer tanto alarde por ela ter deixado o lesbianismo, quanto fizeram da daniela Mercury por ser tornar Lesbica.

    http://novaguia.org/atriz-global-claudia-jimenez-deixa-lesbianismo/

  4. Eu TAMBÉM ACHO E TENHO CERTEZA …. UMA COISA É TER O DIREITO QUE VC QUER P/ A SUA VIDA,E OUTRO É INTENDER QUE TUDO NESTA VIDA TEM LIMITES!!! Eu acredito que não da p/ fazer o contraria a palavra de DEUS!!! ELE CRIOU HOMEM E MULHER P/ SE UNIR EM MATRIMONIO. Fato e eu gosto de respeitar as coisas de DEUS E PRONTO!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *