O Senhor me quis e me amou mais do que eu merecia

O Senhor me quis e me amou, testemunha missionária

No Carnaval desse ano fiz memória de que há 20 anos eu entrava pela primeira vez na Canção Nova para participar do Acampamento de Carnaval. Era 1999. Mal sabia eu que minha vida mudaria ali…

O impacto de ver aquela juventude toda buscando a Deus, os shows animados, as pregações cheias de unção… tudo mexia comigo, não perdia nada. Eu já me sentia atraída pela Canção Nova, assistindo pela TV as pregações do Padre Jonas, mas foi essa experiência in loco que foi confirmando em mim que aqui era o meu lugar.

No Acampamento mesmo procurei a Equipe Vocacional, mas eu era muito nova, 15 anos na época. Me aconselharam a me engajar na minha Paróquia, que se fosse a vontade de Deus, poderia passar 10 anos que eu entraria na Canção Nova.

E foi uma profecia. Não chegou a 10, mas 8 anos se passaram até eu entrar. Continuei engajada no grupo de oração, estudei, me formei em Jornalismo, até comecei a trabalhar na minha área, mas o desejo de servir a Deus me inquietava.

(Thaysi com seu esposo Alberes e a filha Mariana)

Com 18 anos comecei o acompanhamento vocacional por Brasília, que era a casa mais perto de Goiânia. Depois de muita luta, muitas renúncias, entrei na Comunidade em 2007, com 23 anos. Fiz um ano de Pré-Discipulado em Cachoeira Paulista, depois um ano de Discipulado em Lavrinhas, depois fui remanejada para a Terra Santa, em 2009.

:: Leia também:

:: Discernimento Vocacional

:: E você, será que Deus te criou para ser desta companhia de pesca? 

Ali Deus me moldou, me ensinou o que é deixar tudo para segui-Lo. Entre os desafios com a língua, a cultura… me sentia privilegiada de estar ali, um local em que muitos religiosos, até mesmo papas, quiseram estar e não puderam.

Eu enviava matérias para o nosso Jornal. Era um desafio a cada dia, um novo a cada dia, marca da Canção Nova onde quer que estejamos. Depois passei 3 meses em Roma, também produzindo matérias para o Jornal.

Em 2011 retornei ao Brasil, trabalhei um tempo na Assessoria de Imprensa e fui para o Departamento de Jornalismo, onde estou até hoje. É aqui que escrevo esse artigo. É aqui que Deus me chama hoje a ser missionária: fechando as pautas das casas de missão, assistindo aos VTs que chegam e revisando os textos dos repórteres.

Quando pensamos em entregar a vida para Deus, nunca imaginamos o que nos espera, as dificuldades que teremos, os medos, incertezas… mas também não imaginamos as alegrias, a Providência Divina que vamos tocar em coisas simples do dia a dia, os irmãos maravilhosos que vamos conviver, os lugares que vamos visitar, os testemunhos que vamos conhecer, vidas transformadas pela missão da Canção Nova.

Hoje com 12 anos de Comunidade faço um balanço do que vivi até aqui e só posso dizer que o Senhor me amou muito mais que eu merecia: me deu uma família linda, um esposo maravilhoso, uma filha linda que a cada dia expressa a bondade de Deus para comigo… 

Ainda ontem uma amiga da Faculdade que eu não via há 12 anos veio nos visitar e me perguntou se eu era feliz aqui, porque em 2007 ela me viu deixando tudo pra vir morar em Comunidade e me recordava do que eu dizia na época: que aqui era o meu lugar. Respondi pra ela a mesma coisa: não conseguiria me ver em outro lugar, fazendo outra coisa! É aqui que Deus me chama a viver o Evangelho, a ser contradição para esse mundo tão descrente, sem referência e sem esperança.

“É aqui para sempre o lugar de meu repouso” (Salmo 131). Um repouso que não é repouso, mas ação, missão, doação de vida, entrega, todos os dias!

Se esse texto te incomodou, talvez Deus esteja te chamando também. E um dia você poderá partilhar conosco a sua história!

Thaysi Santos