A Canção Nova nasceu da Palavra de Deus

“Esse é o testemunho que eu lhe dou: tudo o que sou e tudo o que faço é resultado da presença da Bíblia no meu dia-a-dia”, Mons. Jonas Abib

“Bem-aventurado os seios que te amamentaram”. Ele disse: “Antes, bem-aventurados aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põe em prática” (cf. Lc 11,27-28).

Jesus reconhece aquele que realiza a Palavra, e que, portanto, realiza a vontade de Deus. Aos demais Ele diz: “nunca vos conheci; afastai-vos de mim, vós que cometeis a iniquidade”. Não existe nada pior do que conhecer a Palavra de Deus e não a colocar em prática. Aí estava a ruína dos escribas, fariseus, dos doutores da lei e sacerdotes. Naquele tempo, todo sacerdote recebia a unção. Portanto, eram consagrados e sabiam de tudo, mas não faziam.

Como o próprio Jesus diz: não sejam como os fariseus, os doutores da lei. “Fazei, pois, e observai tudo o que vos disserem, mas não vos reguleis por seus atos, pois eles dizem e não fazem”. Hoje o Senhor está nos chamando a sermos praticantes da palavra. Não é a toa que a Canção Nova nasceu da palavra de Deus.

Nascemos da Palavra de Deus

No final de semana em que eu lancei em Queluz o desafio: “quem queria deixar a sua casa, seus estudos, seu trabalho e dar um ano para o Senhor?” deu-se origem a Canção Nova. Foi um encontro dentro do Catecumenato. Neste mesmo final de semana, neste mesmo encontro, eu ensinei a maneira de ler a Bíblia fazendo o diário espiritual.

Depois de escrever qual a mensagem de Deus, a promessa, o princípio eterno, a ordem, escrevemos o mais importante: como vou colocar isso em prática? Como vou viver isto? Foi um revolução. Os jovens começaram a fazer o estudo da Palavra. Os pais não entendiam e diziam que nós estávamos fazendo uma lavagem cerebral em seus filhos.

Foi aquilo que alicerçou toda a Canção Nova. No mesmo final de semana, na mesma ocasião em que eu lançava o desafio para uma consagração, Deus me dava a graça de lançar também o meio de ser consagrado.

Foto ilustrativa: Arquivo Canção Nova

Viver a Palavra de Deus

A maneira de não ser um fariseu que sabe de tudo, fala, explica, mostra, prega, mas não pratica; de não acontecer do Senhor dizer para mim que não me conhece apesar de eu ter feito tantos milagres, expulsado muitos demônios, profetizado em Seu nome… A maneira de se poder viver como consagrado é estar apoiado na Palavra de Deus que eu vivo cada dia.

Mesmo se eu tiver pouco tempo para fazer o meu estudo bíblico, o meu diário espiritual, eu preciso captar em Deus o que Ele quer me dizer. Isso pode acontecer através da primeira leitura na missa, no evangelho, ou no salmo. É um grande risco fazer disso simplesmente algo curioso. Aquela palavra que lampejou dentro de nós é para ser vivida naquele dia. Ou pode acontecer de Deus colocar para você uma palavra para ser vivida durante dois ou três dias, uma semana, um mês, ou durante o ano, embora você continue fazendo o diário espiritual e colhendo outras palavras.

Mesmo que você tenha pouco tempo para fazer o estudo da Palavra, perceba qual é a palavra que Deus quer que você viva naquele dia. E a pratique. No dia seguinte, quando você fizer o diário espiritual escreva também como que foi que você praticou a palavra no dia anterior. Vai ser lindo para os que são casados partilharem um com o outro qual foi a palavra e como é que foi que vocês a viveram naquele dia. A palavra é muito pessoal, não queiram buscar uma palavra para o casal. Se Deus conceder uma palavra que vocês percebam claramente que é para o casal tudo bem, vivam e partilhem depois. Mas não “forcem a barra” querendo tirar uma palavra igual para os dois.

Pertencemos ao Senhor

Não imaginamos como isso vai nos transformando, nos tornando realmente consagrados. A Canção Nova nasceu dessa realidade. Jesus diz: “não vos façais chamar de ‘mestre’: porque tendes um só Mestre e sois todos irmãos. A ninguém na terra chameis de vosso ‘Pai’: porque só tendes um, o Pai celeste. Tampouco vos façais chamar de ‘doutores’: porque só tendes um Doutor, o Cristo”.

O mestre apenas ensina, ao passo que o doutor ensina e pratica. O Senhor está falando que o Doutor é o Cristo. Porque, de maneira muito prática, Ele se encarnou e aprendeu tudo do humano para vivermos como Ele. Temos um único Mestre, um único Pai, um único Senhor. A vocação a qual fomos chamados não é outra senão levar às últimas conseqüências o senhorio de Jesus. Ele é o meu Senhor. Eu pertenço a Ele.

Quando os judeus usavam a expressão “senhor”, kyrios no grego, eles estavam olhando para os senhores de escravos, onde tinham o direito à vida do seu escravo. O direito era tanto que todas as obras que o escravo fazia não lhe pertencia, era do senhor. Se o escravo fosse colocar um nome naquele quadro pintado, naquela poesia, naquela música feita, tinha que colocar o nome do seu senhor.

Leia também:

:: Não só de pão vive o homem

Somos filhos. Somos consagrados.

Quando eles olhavam para essa palavra “senhor”, eles olhavam para César, a quem chamavam de kyrios. Porque na lei romana o imperador tinha direito à vida. Numa luta de gladiadores, quando um vencia o outro, ele não tinha o direito de matar. Ele podia apenas subjugar o seu rival e esperar a autorização do imperador para matar ou não.

Quando os cristãos chamaram Jesus de kyrios era tudo isso que eles tinham em mente. O único que tem direito à vida é Jesus. A nossa vida é dEle. Não somos escravos. Somos filhos. Somos consagrados. Assim como Ele nos fez seus por amor, nós nos fazemos dEle por amor.

A maior graça é a minha consagração. Ele é o meu Senhor, o meu único Senhor. E eu sou dEle. Ele tem direito à minha vida. E amorosamente eu a dou ao meu Senhor.

“Esse é o testemunho que eu lhe dou: tudo o que sou e tudo o que faço é resultado da presença da Bíblia no meu dia-a-dia”

 

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova