dez
11

Novos Horários da Loja Canção Nova

 

lojanatal

Horarios Especiais

Aproveite este período natalino e compre presentes que evangelizam para seus amigos e parentes. As Lojas Canção Nova tem horários especiais durante este tempo. Visite-nos e nos ajude a evangelizar.

Loja Canção Nova Plano Piloto, aberta das 9h às 19h.

Loja Canção Nova Taguatinga, aberta das 9h às 20h.

Faça-nos uma visita…

Canção Nova Brasília

dez
08

Padre Jonas Abib: Feito tudo para todos

Padre Jonas Abib: Feito tudo para todos

Jakeline Megda D’Onofrio
Da Redação
pjonasjaneiro2007

Monsenhor Jonas Abib

“Anunciar o Evangelho não e glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho! […] Fiz-me fraco com os fracos, a fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, a fim de salvar a todos” (I Coríntios 9,16 e 22).

O lema sacerdotal “Feito tudo para todos” reflete a vida desse profeta da modernidade, cuja missão e obra são dedicadas inteiramente à propagação do Evangelho e do amor salvífico de Deus, sendo por isso chamado carinhosamente de “padre Jonas da Bíblia”. Um sacerdote da Palavra, escolhido por Deus para evangelizar por intermédio da música, dos livros, das pregações e dos meios de comunicação, cujos frutos para a Igreja e para o mundo são incontáveis. Ele narra, com muita emoção, a sua entrega ao chamado de Deus por meio do sacerdócio:

“Chegou, enfim, o grande momento da minha vida. Tudo havia sido preparado e ensaiado. Agora era o momento de entrar em cena e mostrar que todo o aprendizado tivera sentido. Tanto o aprendizado que veio das aulas, dos livros, como aquele que veio dos sinais. Sinais que me davam provas concretas da real existência de milagres. Estava ali para entregar-me. Uma entrega total, consciente. Uma entrega alimentada por tantas refeições de dores e de certezas, de pobreza e de bonança, de solidão e de acolhimento. Momentos que hoje são leves, mas que, na época, meu Deus, só o Senhor sabe pelo que passei”, testemunha.

Saiba um pouco da história do chamado ao sacerdócio do monsenhor Jonas

Aos 12 anos, ele passou a estudar no Liceu Coração de Jesus, pertencente à Congregação dos Salesianos, na capital paulista, e a trabalhar nas oficinas de artes gráficas, no setor de encadernação. E um senhor chamado José Pinto disse-lhe que havia vagas abertas para o seminário São Manoel de Lavrinhas (SP) e lhe passou a lista dos materiais necessários para o ingresso, na qual estava escrito que ele deveria levar dois sacos de roupas. Contudo, por um mal-entendido, os pais, ao lerem a lista, pensaram que ele precisaria de dois sacos cheios de roupas. Por isso ele diz ter chorado à noite inteira, sem esperança de ingressar no seminário, porque os pais eram pobres e não teriam condições financeiras de comprar tantas roupas, nem de mantê-lo lá. Segundo monsenhor essa foi a maior dor que ele sentira quando criança.

No outro dia o senhor José Pinto perguntou a ele: “Falou com seus pais?”. Jonas respondeu: “Meus pais são pobres e não têm dinheiro para encher um saco de roupas; imagine dois!”. Monsenhor conta que esse homem caiu na gargalhada, porque os dois sacos eram para ele colocar as roupas sujas. E assim se iniciava um tempo novo na vida daquele jovem garoto de apenas 12 anos de idade.

Preparação para a ordenação sacerdotal

Jonas Abib se programou para fazer dois dias de retiro para a ordenação. E no primeiro dia de retiro, no final do dia, seus pais, Sérgio Abib e Josepha Pacheco Abib, foram levar os seus paramentos e lhe dar a bênção. Ficaram ali com o futuro sacerdote conversando um pouco, recordando-se dos momentos marcantes e até mesmo do mal-entendido acerca dos dois sacos de roupa suja. Riram, choraram e se despediram. Monsenhor partilhou que não sabe dizer se o que o marcou foi aquele momento de lembrança ou a sua ordenação.

Padre Jonas: Feito tudo para todos

No total foram ordenados dezessete sacerdotes no dia 8 de dezembro de 1964, contando com ele, na Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora, no Seminário São Manoel, da Congregação dos Salesianos de Lavrinhas (SP). Na hora dos ensaios para a cerimônia de ordenação, ele disse que estava na quarta fileira, no meio da turma, não seria o primeiro. Mas, quando se iniciou a chamada para a ordenação, o oficiante disse: “Jonas Abib”. Ele narra que não sabe o que acontecera para que o seu nome fosse o primeiro da lista e que ouvira essas palavras no seu coração: “Não viste tua doença? Foste o único com a certeza da ordenação. És o primeiro a ser ordenado entre os teus colegas”. Pois toda a sua vida havia sido marcada por milagres: do nascimento, quando sua mãe tivera complicações na hora do parto e recorreu à intercessão de São João Bosco, até a graça do tratamento correto e da cura do tracoma dos olhos, contraída aos dois anos de idade. E também ao ficar curado de um mal-estar que o deixava com fortes dores de cabeça e a visão turva, sem que os médicos descobrissem a causa, um pouco antes de ser ordenado.

Seus padrinhos de ordenação foram seu tio Santos e a tia Irene.

Já no primeiro dia de padre, ele foi o escolhido para fazer o discurso da ordenação. Deus já havia lhe dado o dom da eficácia da Palavra, conforme ele havia pedido ao Senhor, espelhando-se em Dom Bosco. E disse ter escolhido na última hora o lema sacerdotal: “Fiz-me tudo para todos” (I Cor 9, 22). Escreveu no seu convite de ordenação sacerdotal: “Jonas, sacerdote do Senhor, feito tudo para todos”.

Como esse grande homem de Deus mesmo diz: “Como tinha escolhido aquele lema, precisei colocá-lo em prática já no dia seguinte, atendendo ao pedido do meu colega. Não sou eu que mando, já que fui feito tudo para todos. Aí já estava delineada a minha missão. Meu modo de vida. Feito tudo para todos”.

Como dizemos na Canção Nova: “Deus fala nos fatos!”. A vida desse sacerdote do Altíssimo sempre foi uma entrega total para os seus filhos da Comunidade Canção Nova e para a Igreja. Sempre em busca da santidade para ser um bom pai espiritual a todos e, principalmente, para ser aquilo que Deus sonha: um sacerdote santo para um mundo novo. Um sacerdote cuja missão é preparar o povo de Deus para a segunda vinda de Cristo.


Celebremos como alegria a vida deste grande homem de Deus que nos indica dia após dia o caminho para o céu.

**texto copiado do portal: cancaonova.com

dez
01

Advento: O primeiro olhar é para a vinda definitiva do Senhor

O primeiro olhar é para a vinda definitiva do Senhor

A Igreja realiza sua missão evangelizadora no tempo e no espaço que a Providência de Deus lhe concede. Compete a ela a busca contínua da fidelidade ao seu Senhor, pois a visibilidade dos sinais da graça de Deus lhe foi entregue, enquanto esperamos a vinda gloriosa de Jesus Cristo. Seu Mistério Pascal de Morte e Ressurreição e o final dos tempos, quando virá para julgar os vivos e os mortos, são dois polos de tensão, com os quais buscamos a fidelidade ao Evangelho, praticando o amor a Deus e ao próximo, somos fermento de vida e esperança para o mundo e continuamos a anunciar o nome de Jesus Cristo, único e suficiente Salvador de todos os homens e mulheres que vierem a esta terra.

O primeiro olhar é para a vinda definitiva do Senhor - 940x500

A sabedoria de Deus concedida à sua Igreja suscitou um caminho formativo amadurecido no correr dos séculos, o Ano Litúrgico, para manter viva esta tensão positiva, que gera testemunho de vida cristã e realização profunda para as pessoas. Tudo começou com o dia da Ressurreição, o Domingo, Páscoa semanal. A cada semana, tornar presente a Morte e a Ressurreição de Cristo, quando a Comunidade Cristã, reunida em torno da Palavra de Deus e da Mesa Eucarística, se edifica como Corpo de Cristo. À Eucaristia de Domingo os cristãos levam suas lutas e seus trabalhos, louvam ao Senhor e encontram o sustento para a fé, na vida quotidiana. As gerações que se sucederam começaram a celebrar anualmente a Páscoa do Senhor, hoje realizada de modo solene no que chamamos Tríduo Pascal, de quinta-feira santa ao cair da tarde até o Domingo de Páscoa, com seu ponto mais alto na grande Vigília Pascal. É Páscoa anual! Quando celebramos a Missa em qualquer tempo do ano, acontece a Páscoa diária. É o mesmo e único mistério de Cristo. Não fazemos teatro, mas realizamos a presença do Senhor, que entregou à Igreja a grande tarefa: “Fazei isto em memória de mim” (1 Cor 11, 24-25).

Como é grande o Mistério, o Ano Litúrgico veio a se compor pouco a pouco, contemplando anualmente todos os grandes eventos de nossa Salvação, enriquecendo com abundância de textos bíblicos as grandes celebrações, valorizando as orações que foram compostas e expressam a vivência da fé, recolhendo nos diversos ritos a grandeza da vida que o Senhor oferece. O Ano da Igreja, que começa no Primeiro domingo do Advento, em 2014 celebrado no dia 30 de novembro, tem dois grandes ciclos, o do Natal e o da Páscoa, com os quais somos pedagogicamente conduzidos a aperfeiçoar a vida cristã, de forma que o Senhor nos encontre, a cada ano, não girando em torno de um mesmo eixo, mas crescidos, como uma espiral que aponta para a eternidade, enquanto clamamos “Vem, Senhor Jesus”!

E o Tempo do Advento, que agora iniciamos, é justamente marcado pela virtude da esperança, que somos chamados a testemunhar e oferecer ao nosso mundo cansado, pois só em Jesus Cristo, única esperança, encontrará seu sentido e realização a vida humana. A Igreja nos propõe quatro semanas de intensa vida de oração e de exercício das virtudes. O primeiro olhar é para a vinda definitiva do Senhor, que um dia virá ao nosso encontro, cercado de glória e esplendor. É hora de refletir sobre a relatividade das coisas e preparar-nos para o encontro pessoal com o Senhor, quando nos chamar à sua presença. Em seguida, durante duas semanas a Igreja nos faz olhar para o tempo presente de nossa fé. Ouvimos o convite à conversão, somos levados a arrumar a casa de nossa vida para a grande presença do Senhor. Aquele que um dia virá, vem a nós nos dias de hoje. Para ajudar-nos, a Igreja apresenta duas figuras, que podem ser chamadas de “padrinhos” de Advento, o Profeta Isaías e São João Batista. Na última semana antes do Natal, aí, sim, nosso olhar se volta para Belém de Judá, Presépio, Pastores, Reis Magos. É a oportunidade para preparar a celebração do Natal. Quem nos toma pela mão na etapa final do Advento, para acompanhar os acontecimentos vividos em primeira pessoa, é a Virgem Santa Maria, Mãe de Deus e nossa. Daí a necessidade de corrigir com delicadeza nosso modo de viver este período. Maior do que o dia de Festa no Natal é a realidade do Senhor Jesus que virá, vem a nós e um dia veio! Torna-se vazia uma festa sem a presença daquele que é o coração da história humana, nosso Senhor Jesus Cristo.

Uma Igreja em estado de Advento é o que queremos oferecer-nos mutuamente e dar de presente ao nosso mundo. Estimulemos uns aos outros na vivência da esperança, certos da necessidade da redenção de Cristo, que nos diz “sem mim, nada podeis fazer” (Jo 15, 5). Cresça nossa abertura, cheia de esperança, a Cristo e à sua Palavra Salvadora. Caiam todos os obstáculos e defesas, venha a graça da fidelidade ao Senhor. E a vida cristã não tenha receio de olhar para a eternidade, onde Cristo está sentado, à direita do Pai (Cf. Ef 1, 20-23). Temos uma eternidade inteira para viver na Comunhão com a Santíssima Trindade, os Anjos e os Santos. É nossa vocação e nosso ponto de chegada. Com esta luz, os cristãos são chamados a serem homens e mulheres capazes de iluminar com a esperança todos os recantos da humanidade. A graça da vocação cristã nos faça responsáveis pelo anúncio do Evangelho e pela salvação dos outros (Cf. Rm 8, 29). Ninguém fique desanimado, desde que encontre um cristão autêntico, mesmo que este saiba ser limitado, tantas vezes frágil e marcado pelo pecado, mas nunca derrotado.

As pessoas que tiverem contato com os cristãos neste período, descubram-nos rezando mais e rezando melhor. As Novenas de Natal, celebradas em grupos de famílias, são um excelente testemunho de vida de oração. Seja uma oração cheia de humildade, sinceridade, abertura maior para Deus e obediência às suas promessas.

E como falamos de esperança, temos o direito e o dever de sonhar com um mundo mais justo e fraterno. Queremos antecipá-lo, em estado de Advento, na experiência da caridade e da partilha dos bens. Em nossa Arquidiocese de Belém, realizamos durante o Advento o projeto “Belém, Casa do Pão”. Cresce a cada ano, ao lado do compromisso de nossas Paróquias, a adesão da sociedade ao nosso modo de comprometer as pessoas com a partilha dos bens, realizando a vocação que se encontra em nosso nome, Belém!

 


 

Dom Alberto Taveira Corrêa

Dom Alberto Taveira foi Reitor do Seminário Provincial Coração Eucarístico de Jesus em Belo Horizonte. Na Arquidiocese de Belo Horizonte foi ainda vigário Episcopal para a Pastoral e Professor de Liturgia na PUC-MG. Em Brasília, assumiu a coordenação do Vicariato Sul da Arquidiocese, além das diversas atividades de Bispo Auxiliar, entre outras. No dia 30 de dezembro de 2009, foi nomeado Arcebispo da Arquidiocese de Belém – PA.


fonte: formacao.cancaonova.com

out
30

Agenda Canção Nova Brasília

Agenda Canção Nova Brasília

Fim de ano e a missão de evangelizar não pára.

No dia 27 de novembro acontece a nossa “Missa do Clube da Evangelização”. Neste mês de Novembro será celebrada pelo Frei Josué. Acontecerá no Santuário São Francisco de Assis, na 915 Norte às 20h. Venha e traga toda a sua familia.

clubedez-1

 

 

Participe conosco, dia 27 de novembro de 2014, no Santuário São Francisco de Assis, na 915 norte.

E no dia 10 de Dezembro, excepcionalmente numa quarta feira, acontecerá o Bazar Canção Nova. Um momento para você ajudar  a Canção Nova e também fazer umas comprinhas.  No salão do Santuário Dom Bosco na 702 Sul.

bazardez-1

 

Bazar Canção Nova, dia 10 de dezembro de 9h às 15h, no Salão do Santuário Dom Bosco. Você é o nosso convidado.

Participe destes e de outros momentos. Você é o nosso convidado especial.

 

Canção Nova Brasília.

 

 

out
23

Aprofundamento: “Vencendo Aflições, alcançando Milagres”

 

Aprofundamento com Márcio Mendes

Clique para ver em tamanho maior

Algumas pessoas vivem esmagadas pela tristeza e pelo sofrimento porque não sabem como mudar isso. E, quando sabem, muitas vezes não têm forças. Outras pessoas vivem sem alcançar aquilo que para elas é importante, que faz parte de seus sonhos e que as tornaria mais felizes.

Mas há algo capaz de transformar toda uma vida: a EXPERIÊNCIA PESSOAL COM DEUS.
Se você tomar a decisão para compreender e viver de verdade essa experiência, asseguramos com tranquilidade de que o sofrimento não terá mais poder de destruição sobre você.

É para te ajudar a ter essa experiência, e a partir dela uma VIDA NOVA, que a comunidade Canção Nova, nos dias 29 e 30 de novembro realiza o Aprofundamento “Vencendo Aflições, alcançando Milagres” com a presença do missionário Márcio Mendes!

Será um final de semana de graças! Participe conosco!

O evento será no salão social do Minas Brasília Tênis Clube, no Setor de Clubes Norte.

Faça sua inscrição nas Lojas Canção Nova! Corra que as vagas são limitadas!

Informações: (61) 3252-7050

Apoio: Montreal Turismo – planos de hospedagem com mais de 4.500 hotéis credenciados no Brasil e no mundo. Fundada em 1994, hoje a Montreal é uma das maiores e mais conceituadas empresas no mercado de turismo brasileiro. Conta atualmente com mais de 4500 hotéis conveniados. Conheça e adquira seu plano de hospedagem Montreal. www.montrealonline.com.br

out
17

Aniversário natalício de Dom Sérgio da Rocha

Dom Sergio da Rocha

Arcebispo de Brasília Dom Sérgio da Rocha

Parabenizamos nesta sexta-feira, 17 de outubro, dom Sergio da Rocha, arcebispo de Brasília, por mais um aniversário natalício.

Que o Senhor lhe acompanhe sempre em sua missão de conduzir “o rebanho que lhe foi confiado”. Nós da Comunidade Canção Nova de Brasília, agradecemos o seu olhar e cuidado de Pai, que sempre nos conduz e direciona para “águas mais profundas. Que o Bom Deus lhe recompense com graças e com a providencia em todas as suas necessidades.

Arcebispo de Brasília Dom Sérgio da Rocha

Arcebispo de Brasília
Dom Sérgio da Rocha

Parabéns!

 

Comunidade Canção Nova Brasília

out
03

Discernimento Eleitoral

Discernimento Eleitoral

Vale ressaltar que mediocridades são um veneno terrível que enterra definitivamente as aspirações do povo

A cidadania brasileira está desafiada, mais uma vez, a viver o necessário discernimento eleitoral, para fazer escolhas qualificadas no próximo domingo. Esse exercício é de fundamental importância, pois serão definidos nomes a ocuparem os cargos eletivos, todos estratégicos para a condução do país. Não é fácil esse processo de discernimento. A primeira e importante consideração, necessariamente, é sobre o perfil e a vida de cada candidato. É difícil encontrar um nome que reúna todos os itens apontados como indispensáveis para governar e representar bem o poder que pertence ao povo; e que a ele deve ser devolvido na forma de serviços. Os eleitos precisam ser pessoas capazes de reconhecer e atender aos anseios da população, particularmente dos mais pobres. Diante dos critérios a serem observados, constata-se que processo de qualificada escolha de candidatos é laborioso, mas isso não pode produzir desânimo.

Discernimento eleitoral -  940x500

Nas eleições, o povo tem a chance de compor um time que, embora possa não alcançar o patamar da seleção sonhada, seja capaz de produzir avanços na superação urgente de graves problemas, como as desigualdades sociais. Para isso, é preciso contrabalançar elementos – trajetória, consistências pessoais, força de liderança, lastro de representatividade. Essas qualidades, e muitas outras, precisam ser observadas e identificadas nas pessoas que se submetem ao sufrágio das urnas. Eleger políticos com perfil marcado pela articulação dessas características é contribuir para a composição de um quadro, nos governos e parlamentos, com mais lucidez no trato, defesa e promoção de tudo que é público.

Vale ressaltar que mediocridades são um veneno terrível que enterra definitivamente as aspirações do povo. Elas corroem instâncias de grande importância política e social, transformando-as em palcos de interesses partidários e de grupos. A partir da presença de pessoas desqualificadas, governos e parlamentos tornam-se marcados por uma visão míope das urgências da sociedade, agravada pela incapacidade de analisar, escolher e agir com rapidez. Não se pode permitir que um mandato de quatro anos torne-se tempo para o eleito “ciscar de cá prá lá e de lá prá cá”, obrigando o gigante que é esta nação a permanecer adormecido. Bom seria contar com uma série de nomes cuja dificuldade de escolha residisse na excelência dos muitos perfis, todos sem senões, com os elementos adequados da vida pessoal, social e política. Infelizmente não é assim.

Não se crê que o ambiente político partidário vigente consiga produzir essas excelências cidadãs. Ao contrário, talvez muitas vezes seduza em direção inadequada aqueles que poderiam construir uma trajetória brilhante no mundo da política. Mas a sabedoria popular ensina que “não adianta chorar o leite derramado”. Providências significativas e transformadoras são sonhadas e buscadas, entre elas a urgência da reforma política, que deve contracenar com um processo educativo e de configuração social capaz de revitalizar a cidadania brasileira. Agora, na lista dos nomes a serem escolhidos, com uma isenção que localiza o discernimento no território da lucidez, é preciso escolher quem pode representar melhor o povo, sem se sucumbir ao “peso pesado”, e até perverso, do mundo da política.

Há quem preferiria que se apontassem os nomes, à moda do chamado “voto de cabresto”, algo totalmente obsoleto e prejudicial que não pode mais ser o vetor das eleições. Seu contraponto é o qualificado processo de discernimento. Ainda é tempo para vivê-lo, confrontando perfis, nomes, histórias e, não menos importante, o fôlego de candidatos para dar conta de sua missão. A meta dos eleitos não pode se resumir ao sucesso nas urnas. Definidos como representantes da população nos governos e parlamentos, eles precisam permanentemente buscar o diálogo, a proximidade com o povo, disposição para trabalhar com transparência e almejar sempre as conquistas sociais.

Não é possível, a modo de cartilha, listar todos os critérios que sirvam de parâmetro para a definição dos perfis ideais de candidatos. Neste período de preparação que precede a ida às urnas, é cidadania bem vivida guiar-se também por um razoável tempo de silêncio e confrontos pessoais para chegar ao nome. Discernimento eleitoral não é simples emoção, simpatia ou antipatia, cor partidária, mero conhecimento ou amizade pessoal. O atual momento exige muito mais esforço de cada pessoa. Todos precisam partilhar a certeza de que a situação social, o desenvolvimento integral e o tratamento lúcido da sociedade civil estão no que é poder de cada cidadão: o seu discernimento eleitoral.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

O Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, é doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma, Itália) e mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico (Roma, Itália). http://www.arquidiocesebh.org.br

set
29

Festa dos Arcanjos

Santos Arcanjos

São Miguel, Rafael e Gabriel

Hoje celebramos de modo especial os 3 Arcanjos que conhecemos: São Miguel, São Gabriel e São Rafael.

Trago-vos portanto uma homilia de São Gregório Magno preparada para esta festa.

A palavra anjo indica o ofício, não a natureza

É preciso saber que a palavra anjo indica o ofício, não a natureza. Pois estes santos espíritos da pátria celeste são sempre espíritos, mas nem sempre podem ser chamados anjos, porque somente são anjos quando por eles é feito algum anúncio. Aqueles que anunciam fatos menores são ditos anjos; os que levam as maiores notícias, arcanjos.

Foi por isto que à Virgem Maria não foi enviado um anjo qualquer, mas o arcanjo Gabriel; para esta missão, era justo que viesse o máximo anjo para anunciar a máxima notícia.

S Miguel

São Miguel

Por este motivo também a eles são dados nomes especiais para designar, pelo vocábulo, seu poder na ação. Naquela santa cidade, onde há plenitude da ciência pela visão do Deus onipotente, não precisam de nomes próprios para se distinguirem uns dos outros. Mas quando vêm até nós para cumprir uma missão, trazem também entre nós um nome derivado desta missão. Assim Miguel significa: “Quem como Deus?”; Gabriel, “Força de Deus”; e Rafael, “Deus cura”.

St. Gabriel

São Gabriel

Todas as vezes que se trata de grandes feitos, diz-se que Miguel é enviado, porque pelo próprio nome e ação dá-se a entender que ninguém pode por si mesmo fazer o que Deus quer destacar. Por isto, o antigo inimigo, que por soberba cobiçou ser igual a Deus, dizendo: Subirei ao céu, acima dos astros do céu erguerei meu trono, serei semelhante ao Altíssimo ( cf. Is 14,13-14), no fim do mundo, quando será abandonado às próprias forças para ser destruído no extremo suplício, pelejará com o arcanjo Miguel, como diz João:Houve uma luta com Miguel arcanjo (Ap 12,7).

 

A Maria é enviado Gabriel, que significa “Força de Deus”. Vinha anunciar aquele que se dignou aparecer humilde para combater as potestades do ar.Portanto devia ser anunciado pela força de Deus o Senhor dos exércitos que vinha poderoso no combate. 

St. Raphael

São Raphael e Tobias

Rafael, como dissemos, significa “Deus cura”, porque ao tocar nos olhos de Tobias como que num ato de cura, lavou as trevas de sua cegueira. Quem foi enviado a curar, com justiça se chamou “Deus cura”.

Das Homilias sobre os Evangelhos, de São Gregório Magno, papa(Hom. 34,8-9:PL76,1250-1251) (Séc.VI)

Que estes grandes Arcanjos intercedam por nós. Rezemos com Eles portanto.

“São Rafael, com Tobias. São Gabriel com a Virgem Maria. São Miguel com todas as hierarquias. Abrí para nós esta via.”

Canção Nova Brasília

Posts mais antigos «

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com