Filme ressalta valor da vida e o que se perde com o aborto

“Doonby” é o novo filme do diretor Peter McKenzie, um thriller psicológico que narra a história de Sam Doonby, um misterioso homem que aparece em uma pequena cidade do Texas para evitar terríveis desgraças, e oferece como trama de fundo um profundo questionamento sobre tudo o que pode ser perdido com o aborto.

Neste filme independente, que ainda não encontra distribuidora nos Estados Unidos, Sam Doonby é interpretado pelo ator John Schneider. Seu personagem chega a bordo de um ônibus a Smithville e logo se faz famoso por seu talento musical.

Sam sempre parece estar no lugar certo no momento adequado para prevenir possíveis desastres, mas devido à inveja e a desconfiança de alguns, começam a indagar sobre seu passado e terão muitas surpresas.

Seus produtores afirmam que o filme é uma mistura de “Sexto Sentido” e a clássica “A felicidade não se compra” (It’s a wonderful life).

Mackenzie, diretor e roteirista, pensou em rodar Doonby há mais de 15 anos e assegura que sua intenção é que as pessoas se questionem sobre como a vida de cada pessoa pode afetar os que estão ao seu redor.

No filme debuta como atriz em um pequeno papel, Norma McCorvey, a mulher que impulsionou a despenalização do aborto nos Estados Unidos tomando o nome de Jane Roe no famoso litígio Roe vs. Wade, e logo se converteu em defensora da vida e abraçou o catolicismo.

Conforme informou The Hollywood Reporter, McCorvey atua como uma anciã que aconselha uma jovem grávida anão abortar.

Completam o elenco de Doonby atores como Jenn Gotzon, Ernie Hudson, Robert David e Joe Estevez. Para ver o trailer visite o site www.doonbythemovie.com

por
ACI Digital