O-Espírito-e-a-Igreja

“O nosso tempo, com uma humanidade em movimento e insatisfeita, exige um renovado impulso na atividade missionária da Igreja. Os horizontes e as possibilidades da missão alargam-se, e é-nos pedida, a nós cristãos, a coragem apostólica, apoiada sobre a confiança no Espírito. Ele é o protagonista da missão!” (João Paulo II, Redemptoris Missio, 30)

Neste processo de Nova Evangelização não podemos perder a noção que o Espírito Santo é o verdadeiro protagonista no anuncio de Jesus Cristo. O Espírito que guia a Igreja nos alerta pelos papas: “É urgente preparar evangelizadores competentes e santos; é necessário que não enfraqueça o fervor nos apóstolos, especialmente para a missão ‘ad gentes’.” (Papa João Paulo, Mensagem Dia Mundial Das Missões 2003)

Este fervor dos Apóstolos precisa ser renovado para nossa missão, fervor que não provêm de nossas virtudes e capacidades humanas. Esta ousadia sempre é provinda do Espírito Santo. Vejamos a pessoa de Paulo, como foi instrumento eficaz para evangelização, como Deus potencializou as suas virtudes e capacidades humanas pela graça do Espírito. Tudo isso para percebermos que aquele que nos guia na nossa missão cotidiana é o Espírito Santo.

Mas é necessário sair dos comodismos e escutar a voz do Espírito, pois somos os missionários da Igreja contemporânea, sejamos íntimos d’Ele na missão da Igreja. “A Igreja deve hoje enfrentar outros desafios, lançando-se para novas fronteiras, quer na primeira missão ad gentes, quer na nova evangelização dos povos que já receberam o anúncio de Cristo: A todos os cristãos, às Igrejas particulares e à Igreja universal, pede-se a mesma coragem que moveu os missionários do passado, a mesma disponibilidade para escutar a voz do Espírito.” (João Paulo II, Redemptoris Missio, 30)

Precisamos clamar a Efusão do Espírito Santo para anunciar o Evangelho com a mesma coragem que moveu e move os missionários até os confins do mundo. Assim seja!

 

Forte abraço,

 

Até a próxima!

 

Ademir Costa

Meus amigos,

Paz e Bem…

Quando temos nossa experiência de “Batismo no Espírito Santo” nos tornamos fervorosos, queremos dar a vida pelo Senhor, desejamos mudar o mundo, anunciar com ousadia o Evangelho até os confins da terra. Mas conforme vai passando os anos, este primeiro ardor vai esfriando e voltamos a ter uma fé morna, no esquema “deixa a vida me levar”…

Mas precisamos retomar. É tempo de voltar ao primitivo fervor! É preciso sair do comodismo de uma fé morna. O Senhor já nós alertou: “Conheço a tua conduta. Não és frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas, porque és morno, nem frio nem quente, estou para vomitar-te de minha boca. (Ap. 3, 15-16)

Vivemos o tríduo de Pentecostes, possamos deixar que o Espírito Santo reinflame nossa fé com uma nova efusão, com um novo Pentecostes em nossa alma.

Vinde Espírito Santo…

‎”…O Evangelho de (Marcos 3,22-30) nos diz: “Em verdade vos digo: tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados, como qualquer blasfêmia que tiverem dito. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca será perdoado, mas será culpado de um pecado eterno”.

Este pecado contra o Espírito Santo é a dureza de coração em não aceitar a misericórdia de Deus em nossa vida. Portanto é esta recusa “consciente”  da pessoa em não aceitar a salvação que Deus nos concede por graça…

Segundo uma tal exegese, a «blasfêmia» não consiste propriamente em ofender o Espírito Santo com palavras; consiste, antes, na recusa de aceitar a salvação que Deus oferece ao homem, mediante o mesmo Espírito Santo agindo em virtude do sacrifício da Cruz. (João Paulo II, Dominum et vivificantem, 46)

Peço a Deus que jamais permita que o meu coração se endureça a tal ponto. É preferível a morte física que viver no pecado contra o Espírito Santo que é morte da alma. Eu não quero ir para o inferno…Mesmo nas minhas fraquezas e pecados, eu jamais venha a fechar-se a misericórdia e salvação de meu Senhor.

Piedade Senhor, Misericórdia…

“Jesus replicou-lhe: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus.

Nicodemos perguntou-lhe: Como pode um homem renascer, sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no seio de sua mãe e nascer pela segunda vez?

Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não renascer da água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus.

O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito é espírito. Não te maravilhes de que eu te tenha dito: Necessário vos é nascer de novo.

O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” (Jo. 3, 3-8)

Não é preciso dizer mais nada. Simplesmente pedir: ” Vem, Espírito Santo! Quero nascer de novo. Quero ser uma nova criatura em ti.Faz-me todo novo em minhas atitudes, palavras…Dá-me uma novo ardor para caminhar na santidade. Eu quero nascer de novo no Fogo de tua presença!”

Vem Espírito Santo…

“…derramarei sobre a vossa terra a chuva em seu tempo, a chuva do outono e a da primavera, e recolherás o teu trigo, o teu vinho e o teu óleo.” (Dt. 1,14)

A chuva rega a terra seca pela aridez, dá vida a tudo aquilo que parecia morto. Assim é a graça de Deus sobre nós. Devemos clamar que o Senhor abra as comportas do Céu sobre nós. Venha nos dá a vida, pois em muitos momentos na vida estamos como mortos. É impossível caminhar neste mundo sem a graça do Espírito Santo, que nos enchaca com sua graça.

Não podemos ter medo de pedir o Espírito Santo sobre todas as situações de nossa vida. Pedir que Jesus derrame seu Espírito sobre nós é um pedido de socorro a Deus. Ele se derramará sobre nós.

Possamos clamar sobre nós esta Chuva de Graça do Senhor…