Homem e inteligência artificial podem coexistir. A receita de Civiltà Cattolica

Image by Gerd Altmann from Pixabay

Por Michele Pierri

Como a tecnologia está mudando o relacionamento do homem consigo mesmo e com o mundo? O que foi dito sobre um seminário que aconteceu no Vale do Silício da Califórnia, na história do diretor Padre Antonio Spadaro e do professor Thomas Banchoff

A crescente capacidade dos computadores em entender e manipular dados, palavras e imagens, realmente marca um ponto de virada que está levantando novas questões sobre o conceito de que o homem tem de si mesmo, de suas ações e de suas responsabilidades.

Isso, o diretor padre Antonio Spadaro e o professor e vice-presidente de engajamento global da Universidade de Georgetown, Thomas Banchoff, apontam em La Civiltà Cattolica , é uma figura comum nas tradições filosóficas religiosas e seculares da China e do Ocidente, que abordam o assunto a partir de seus respectivos pontos de vista.

MUDANÇAS NO ATO

O ponto de partida para refletir sobre inteligência artificial, ética e pessoal veio de um convite de um seminário que aconteceu de 3 a 5 de abril na Universidade de Santa Clara, no Vale do Silício, Califórnia. Foi uma reunião promovida pelo Fórum de Diálogo Civilizacional da China, uma instituição nascida do compromisso comum da Civiltà Cattolica com a Universidade de Georgetown e do Pontifício Conselho para a Cultura. Para a ocasião, acadêmicos da China, dos Estados Unidos e da Europa se reuniram para examinar como as grandes mudanças em andamento estão representando desafios para as tradições cristãs e confucionistas, bem como para outras tradições religiosas e seculares, que eles fazem, hoje, contas com impacto tecnológico em nossas empresas.

AS QUESTÕES ABERTAS

Hoje, há várias questões que são colocadas ao homem pela modernidade. Que perigos e oportunidades o advento da inteligência artificial e das tecnologias associadas têm em relação à pessoa humana e às relações interpessoais? (um tema também abordado pelo Papa Francisco em sua encíclica Laudato si ‘). E, novamente, os avanços tecnológicos afetarão a capacidade humana de autorreflexão e livre arbítrio, ou, inversamente, poderiam até melhorar essa capacidade do ponto de vista prático? Além disso, os avanços tecnológicos são uma ameaça ou, ao contrário, um suporte para a capacidade do ser humano de formar laços profundos e duradouros com os outros, na família, no trabalho e na sociedade em geral? Perguntas que são difíceis de responder hoje, mas que, na verdade, merecem encontrar uma resposta ao longo do tempo.

A UNICIDADE DO HOMEM

A base para este debate foi acordado durante a conferência, pois as escolhas que são feitas hoje, podem ser decisivas na orientação da IA ​​em uma direção útil para apoiar a atividade humana, e não para danificá-la. No entanto, tem sido enfatizado, “a tentação de abraçar visões distópicas ou utópicas do futuro” deve ser rejeitada. Em essência, AI e outras tecnologias avançadas, relatam Spadaro e Banchoff, “não podem resolver todos os males da sociedade e não substituem a pesquisa religiosa no centro de grandes tradições tanto na China (Confucionismo, Taoísmo e Budismo) quanto no Ocidente ”. Isto porque, por exemplo, seja qual for o caminho futuro da IA, “as relações face a face de dependência mútua que são o coração da tradição confuciana não irão desaparecer”, enquanto que, “o cristianismo continuará a insistir no poder transcendente de Deus em relação à vida e à morte”. Sem mencionar que, ainda podemos ler, tanto em uma perspectiva chinesa quanto cristã, os recursos podem ser substituídos por uma pessoa diferente e, talvez, com uma máquina, mas as pessoas não são substituíveis, porque são únicas.

UMA ESCOLHA POLÍTICA

Embora a chamada ‘singularidade tecnológica’ – aquele momento, no desenvolvimento de uma civilização, em que o progresso tecnológico vai além da capacidade de compreender e prever os seres humanos – ainda esteja longe, o relato de Spadaro e Banchoff destaca, entretanto, nesse ínterim em “esferas da vida” como “família, amizade e sexualidade, bem como educação, cuidado e solidariedade”, todas as áreas onde a IA e a onipresença da tecnologia estão presentes “surgem problemas” às nossas noções consolidadas sobre a pessoa humana e nas relações interpessoais ”. Daí a consequência de que a IA precisa de limites, e isso foi dito durante a conferência. Mas “o quê limitar e como é uma complexa questão cultural, social” e, observou a análise, “em última análise, política”.

Para operá-lo é preciso estar ciente da tensão que existe hoje entre duas maneiras de pensar sobre tecnologia e inteligência artificial. Uma primeira perspectiva “concebe a tecnologia como um instrumento neutro no aspecto moral, que pode ser usado para o bem ou para o mal”. Uma segunda abordagem “concebe a tecnologia como uma parte irredutível do mundo da vida humana, que condiciona a compreensão de nós mesmos e do livre arbítrio”. Pontos de vista, observamos, não incompatíveis, mas que precisam de um ponto de equilíbrio adequado.

Publicado Originalmente em formiche.net| Tradução Nossa via Google.


Adailton Batista é natural de Janaúba (MG). Membro da Comunidade Canção Nova, desde o ano de 2009, o missionário é graduado em Jornalismo. Atua como Coordenador de Estratégias do portal cancaonova.com e mídias sociais. É também autor do blog.cancaonova.com/metanoia. Um apaixonado pela evangelização e utiliza de todos os meios digitais possíveis para promover experiência pessoal com Cristo. Resultado de imagem para favicon instagramResultado de imagem para favicon twitter

Comments

comments