Cantem ao Senhor um cântico novo

Somos chamados a cantar ao Senhor um  cântico novo, se for porém un “cântico novo”.

O homem novo  sabe cantar um cântico novo. O cantar è expressão de alegria, e, se pensamos assim com menos distração, este è pura expressão de amor. Por isso, quem sabe amar, escolhe viver uma vida nova no Espirito Santo, a causa do cântico novo. De fato tudo pertence a um único reino, o homem novo, o cântico novo, o testamento novo. Portanto sendo de Cristo poderemos cantar o cântico novo que faz parte do testamento novo.

Oh irmãos, filhos, o raiz católica, a semente santa e suprema, oh, regenerados e nascidos sobrenaturalmente em Cristo, escutem-me, ou melhor através de mim: Cantem ao Senhor um cântico novo.

Voce diz: eu canto. E lhe respondo que certamente cantas, escuto, mas a tua vida não deve testemunhar o contrario do que cantas com palavras.

Canta com a voz, canta com a boca, canta com o coração, canta com um comportamento digno! Canta ao Senhor um cântico novo.

Voce me pergunta: O que cantar para alguém que se ama? Sem dúvida voce quer cantar para quem ama. Está sempre a procura de seus louvores para cantar? O seu louvor ressoa somente em assembleas santas!

O cantor, ele mesmo, se faz o louvor que canta. Quer cantar louvores a Deus? Seja louvor, se fores louvor, cantas em modo digno, se não o fores, nunca cantarás um cântico novo e reto mas o seu contrário.

(Dos discursos de Santo Agostinho, bispo (serm. 34, CLL 41).

 

As palavras “chave” para o discerninento dos verdadeiros dons espirituais

 

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos,

se não tiver caridade, sou como o bronze que soa,

ou como o címbalo que retine. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia,

e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência;

mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas,

se não tiver caridade, não sou nada.

Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres,

e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado,

se não tiver caridade, de nada valeria!

A caridade é paciente, a caridade é bondosa.

Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa.

Não é arrogante. Nem escandalosa.

Não busca os seus próprios interesses,

não se irrita,

não guarda rancor.

Não se alegra com a injustiça,

mas se rejubila com a verdade.

Tudo desculpa,

tudo crê,

tudo espera,

tudo suporta.

A caridade jamais acabará.

As profecias desaparecerão,

o dom das línguas cessará,

o dom da ciência findará.

A nossa ciência é parcial,

a nossa profecia é imperfeita.

Quando chegar o que é perfeito,

o imperfeito desaparecerá.

(I Cor, 13)

 

A fé nos faz obter a Pentecostes em nossa vida pela presença do Senhor entre nós.

Jesus disse que onde dois ou mais estão reunidos em seu nome ele está ali no meio!

Mas porque alguns reconhecem a sua presença e outros não? Nossas assembleias liturgicas são o ambiente natural onde o Senhor está presente.

Muitos receberam o santo Batismo e a relação com o Senhor Jesus ficou por ali, não alimentaram esta vida divina, assim, fica realmente dificil reconhecer a sua presença, até mesmo na Santa Liturgia. Sem uma grande fé na morte e ressurreição de Jesus, se acaba por sufocar a vida no Espirito Santo. A fé nos faz obter a Pentecostes, a efusão do Espirito Santo em nossa vida.

Invoque sempre o Espirito Santo em sua vida, por sua missão dizendo sempre “Vem Espirito Santo”. Assim, na missão antes de tudo de batizado, voce vai encontrar e reconhecer o Senhor quando ele se apresenta na oração e na adoração.

Paz e bem!

Padre Antonio Lima.

Resistir em Deus na hora da provação

Foram essas as palavras de Jesus em um dos tantos dias de convivência com os Apóstolos.
O que contradiz a fé e a coloca em contraposição não é tanto a incredulidade mas o medo. “Porque são assim tão medrosos?” Porque não vivem de fé?”

Crer e ter fé, na linguagem biblica denota a idea da segurança, da solidez, da estabilidade e da firmeza. Em outras palavras, seria o apoiar-se em alguém de quem sentir-se seguros. A fé é uma realidade que provém de Deus, é força para resistir na hora da provação.

Quem crê de verdade não teme, na hora de amedrontar-se, confia, pois é certo de que NADA o separará do amor de Cristo.

Homens de pouca fé, porque têm assim tanto medo? E levantandose, repreendeu o vento e as ondas; a tempestade abrandou e tudo ficou calmo!” (Mt 8,26-29).

Mesmo diante do mal, da morte, e da desgraça, que chegam, nao teme o homem e a mulher de fé e enfrenta! e vence! E’ hora de nos convencemos que a fé não é um “crer a” mas um por toda a nossa confiança em uma pessoa: Jesus.

O que significa para voce confiar em Deus? Qual é o medo que o domina, que domina a sua vida e que quase a paralisa?

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

O Espírito Santo e a simplicidade

O que vem do Espirito Santo de Deus, ou é simples ou do contrário é “humano demais”.

Eu estava lendo nestes dias que as coisas de Deus são simples, elas não são somente humanas ou somente divinas, elas são, segundo a vontade de Deus, ou segundo sua permissão; entram em uma única categoria: tudo o que é de Deus, (e portanto, cada um de nos), é umano e divino ao mesmo tempo. É Assim que o grande Teologo de todos os tempos da Igreja, se expressa em sua “Summa Teologica”, S. Tomas de Aquino.

Onde então o Espirito Santo de Deus age, age sempre na simplicidade, pessoalmente acredito sempre que o que tem cheiro de simplicidade, posso confiar que entra nesta categoria do “humano-divino”.

Veja, a vida e as obras de Francisco de Assis, e Clara, era assim tão simples que manifestava-se em suas vidas, nas vestes, da mais extrema pobreza. Ele pregava, com simplicidade e na simplicidade; pregava até mesmo para a natureza, falava com os animais, com as aves, com as plantas, vestia com extrema simplicidade uma túnica feita de tre buracos: um para a cabeça, e dos para os braços.

Porque estas pessoas ficaram na história e ficarão, eles que não tinham todos os meios que hoje temos para falar, para pregar, para expressar a nossa fé e nosso amor por Deus? E porque tantos outros não santos, referencia em seus tempos, não permaneceram como ponto de referencia da fé até os nossos dias de hoje? Não são perguntas inquietantes?

Encontro em S. Teresa de Jesus uma resposta a tantos pensamentos e tantos propósitos de vida dos Santos: Tudo passa, Deus, Deus “somente”, (com toda a forma de significado desta palavra “SOMENTE”) permanece, o resto passa.

O Espirito Santo que sara toda ferida, e que faz novas todas as coisas possar fazer voce e eu entendermos a cada dia mais a nobre de tudo o que é humano e divino ao mesmo tempo!

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima

 

 

Refletindo bem sobre os primeiros chamados e o seguimento dos primeiros Discipulos de Jesus

Me surpreende muito a resposta dos Discipulos ao Senhor.

Encontravam o Senhor e se abriam a graça do convite do Espirito Santo a Segui-lo. Jesus chamava pessoalmente e com suas palavras, mostrando o caminho a seguir. Ele é a o caminho, é a verdade, a vida!

A resposta de todo homem ao Senhor é aceitar e acolher na liberdade de escolha. O Senhor nos criou livres.
O chamado de Jesus, é algo que acontece na vida de fé, que envolve o mistério mais profundo do nosso ser: A grande sede do homem chama-se sede de infinito. Do que não passa. Quem não passa é somente Deus!
Eis porque não podemos confundir o seguir Jesus, viver em sua vontade, com o viver a nossa vontade e desejos passageiros.

Tudo precisa ter esta base: a Sua vontade! Assim nenhuma tempestade… ou melhor dificuldade de algum tipo… vivendo assim, pode abalar a fé ou fazer-nos distanciar: nem coisas, nem situações…, nem pessoas.

Com os olhos elevados ao céu, e confiantes na intercessão da Mãe, continuamos com nosso SIM ao Senhor, como ela mesma nos ensina com sua vida a dizer sempre “Estou aqui”. Como o fizeram os apostolos, e os discipulos do Senhor.

O Senhor te abençoe e te guarde!
Padre Antonio Lima.

 

Como poder controlar as emoções dos sentimentos e dos pensamentos que vem sempre à tona.

Quais orientações para a vida espiritual? perguntas assim o outras parecidas, são expressão do desejo, por vezes frequentes, de viver uma vida espiritual e manifestam contemporaneamente a dificuldade de compreensão sobre o seu significado e a ausência de esclarecimento sobre como viver como se deve, sem escutar as muitas vozes desse e daquele que so faz cair na confusão.

A estrada a traçar não é sempre a que se percorre.

Se tem precursores, gigantes da fé que antes de mim e de voce, percorreram este caminho do Espirito e abriram a estrada, traçaram um caminho, aplainaram os jardins…  Existem pessoas iguais a mim e a voce, que conhecem a vida de Cristo e desejam com intensidade que esta inteligência desça no mais profundo do coração e possa reconquistar aquela nova visão do novo, que faz preciosas todas as coisas.

Antes disto, todavia, é necessario olhar com honestidade e coragem, confiança e atenção a vida pessoal, a condição pessoal quase sempre debruçada a uma certa entrega: “ta bom assim e assim se vive”, – O que não faz bem para a alma! pois a deixa interiormente, lȃ no fundo, inquieta.

Faz-se assim a experiência de viver a vida espiritual pela metade, sem sentido e sem ligação entre as coisas da ocupação do dia a dia. Isto muitas vezes atormentam e faz em pedaços a existência de cada pessoa. … As coisas pra fazer, resolver, as pessoas com quem falar e lembrar, as mesmas situações…

Conclusão: Jesus deseja coloca-lo num lugar onde ele possa ser o ideal de vida. Mas é necessário muito honestiade de nossa parte, para acolher o convite para conduzir uma vida segundo o Espirito Santo de Deus. Deveria-se estar dispostos a desmascarar a nossa existência fragmetada e preocupada para fazer com que ele se manifeste. Para fazer também com que o desejo de uma verdadeira casa aquela que indica ele mesmo, quando convida a buscar antes de tudo o Reino dos céus.

O Senhor te abençoe e te guarde,

PAdre Antonio Lima.

Mas a prática do amor a Deus leva a alma a conhece-lo e ama-lo!

As coisas humidas e liquidas, se como não tem em si mesmas alguma solidez que as mantenha ou que as definam, recebem pouco a pouco a forma e o limite de espaço que lhes damos.

Coloquem licor em um copo, e verão que o liquido tomará somente o espaço daquele copo redondo ou quadrado, assim, tomará forma naquele recipiente, também o licor.

O mesmo pode-se dizer da alma, se observamos a sua natureza, se como porém ela tem suas formas e seus limites proprios, tomará a forma e se definirá a partir de seus hábitos e de suas inclinações facendo a sua propria vontade.

Diferentemente do licor, a alma que pára em suas inclinações e vontade proprias, geralmente este tipo de alma chama-se “dura”, “obstinada”, isto é, fechada ao amor de Deus e sua vontade.

Daqui a explicação divina “coração de pedra”. Quando não ve feita a sua propria vontade, se toma de ira por dentro, a alma porém que busca fazer a vontade de Deus, é a “alma amorosa”. (Tratado do amor de Deus, livro VI, Cap. 12).

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Escute a voz do Espirito Santo de Deus!
Para podermos receder os Dons do Espirito Santo é suficiente que peçamos ao Senhor. Não podemos fazer nada para merecer-los, ma é uma graça de Deus que nos vem concedida para o bem dos que necessitam, para a utilidade do bem comun de todos.

Podemos fazer porém muito para abrir o coração, recebermos e esercita-los “em humildade”.

Renunciando tudo o que é incompativel com a vida cristã, deixemos-nos guiar pelo Espirito Santo de Deus. Ele se manifesta em nós quanto mais nos abandonamos à sua graça com confiança, não à nossa ação, e capacidades. Me compreende?

O Senhor da os seus dons para cada um de nós, e cumprimos as mesmas obras boas de Jesus e mais ainda. Ele mesmo o disse.

Peçamos com confiança os seus Dons e seus Carismas e o Espirito Santo o dará para o bem da Comunidade e nunca para a nossa vaidade humana.
Peça-lhe voce também, para ser inserimento de salvação para os outros, de ser dom para a conversão sua e de tantos que encontrar.

Oremos juntos? “Vem Espirito Santo em mim, em minha conversão, deixe que eu me disponha ao seu querer e ao seu desejar, que eu seja um instrumento. Mande os seus Dons sobre mim e em mim! Eu quello ser um instrumento em suas mãos. Alimente minha alma de sua presenza e dai-me o costo pela oração diaria, pela liturgia da Igreja, pelo estudo de vossa palavra que diariamente, com o coração despojado, poderei mostrar com minha vida a obra de arte que fizeste em mim. Espirito Santo de Deus, sopra sobre a Igreja e suas comunidades, assim poderemos todos escutar a sua doce voz. Amen.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.

A vinha do Senhor esta lá onde ele nos deixou para trabalhar, como esposos, esposas, filhos, filhas ou consagrados…

“… Nunca lestes estas palavras da Escritura: A pedra que os construtores rejeitaram veio a tornar-se pedra angular. Isto é obra do Senhor, e ela é admirável aos nossos olhos? ”(Mc 12, 10-11).

Temos todos uma vinha para cuidar dom do Senhor para cada um de nós, uma vinha, que serve para a salvação de nossa alma. Cuidada, molhada, protegida e podada, esta si transforma em uma obra de arte divina.
Qual é a minha vinha? Onde o Senhor me colocou ou quer colocar para trabalhar?
Ao longo do caminho da vida, ocupemo-nos, para operar assim como o Senhor nos pede, na vinha, que ele nos doou. A primiera colheita ja acontece quando escolhemos trabalhar em sua vinha.
Então: “a escolha de vida”.

E a quem sirvo? ao Senhor? para sermos seus trabalhadores? escolher trabalhar para o Senhor, é como uma consagração onde “eu escolho a Deus”, como meu Senhor e confio, e me abandono em sua providência, e começo a trabalhar.

A realização de nossa escolha de vida está lá! Naquele terreno confiado e confirmado pelo Senhor!
O meu terreno é minha familia para cuidar?
– Se voce é mãe e esposa, se preocupe de sua familia, seus filhos, sua casa, seu esposo;
– Se pai e marido, se preocupe em amar sua esposa e seus filhos;
– Se filho ou filha, de amar concretamente seus pais;
– Consagrado ou consagrada, seja fiel, testemunhe em proposito de santidade e de fidelidade para a conversão do povo santo de Deus, que espera ver em nós, uma vida mergulhada nestes dois propositos, Não podemos, brincar de ser consagrados, porque a responsabilidade é grande, a de um consacrado ou consacrada, de um Sacerdote ou Bispo.

Todos temos o dever da “caridade” constante para com todos, antes de qualquer outra atividade ou iniciativa, ou burocracia; sem esta, é tudo fogo de palha aos olhos do Senhor. Principalmente quem o prometeu em modo solene, na consagração total ou na consagração matrimonial.
Não esqueçamos nunca, ICor 13, regra magna para quem recebeu do Senhor, uma vinha para cuidar.

E a oração?
Sem a oração diaria, que nutre o amor por Deus e manda longe a tentação, destruimos o que o Senhor constroi, passamos assim a ignorar a sua vontade e raciocinarmos além do necessario, encontrando boas desculpas. E Aqui quem fica feliz é o encardido! Ou não?
Sejamos fortes, e bons trabalhadores, onde o Senhor nos collocou, na vinha que ele nos pos para fazer em nós sua obra de arte.

O Senhor te abençoe e te guarde,
Padre Antonio Lima.