Meus primeiros passos com Padre Jonas Abib e “Aquele extraordinário “jeito de ser”.

Tive a graça de conhecer o nosso pai celestial fundador Padre Jonas Abib, e estar sempre presente nos encontros dos padres dos então chamados na época amigos da comunidade Canção nova, onde ele gostava de estar presente sempre e ali aprofundávamos o carisma e experimentávamos o carisma e o dom do Espírito Santo que o havia inspirado para aquela porção de “canção”. Meu primeiro abraço, aquele do primeiro encontro de quando havia decidido eu e os outros de caminhar segundo a inspiraçãoh do Espírito Santo para a comunidade Canção Nova, naquele abraço daquele dia a cada um pessoalmente à sua chegada ele repetiu ali naquela sala pra cada um de nós: “você é um de nós”! Aquela expressão ficou em mim como um sigilo.
Encontrei tudo isto é tantas outras riquezas vividas na época em minha agenda diário daquele ano de início de conhecimento do carisma, de ontem para hoje, esfoliando meus diários espirituais.
Nunca mais pude esquecer nem deixar de lembrar nas tentações de desânimo, tristezas e nas inúmeras incompreensões do ministério sacerdotal, causados pelo pensar humano demais e racional de outros irmãos no sacerdócio, de uma outra frase dele: “Nas dificuldades, seja uma canção nova!”
De ontem pra hoje, li tantas coisas que escrevia no meu diário enquanto ele falava e pregava para nós. Quanta riqueza! Estas palavras em um destes retiros, aqueles primeiros, enchiam-me de alegria interior, ser uma canção nova, um novo louvor a Deus nos meus momentos difíceis.
É assim com estes empurrõezinhos dele, podia não perder o sabor de ser um padre segundo o coração de Deus pelo Espírito Santo.
Tudo isso mudou minha vida e meu modo de enxergar a vida.
Quantos momentos, quantas experiências, quantas formações celebrações e con-celebrações no “rincão do meu Senhor!”.
Hoje sou um padre renovado e mais que qualquer outra coisa confiante da presença do amor de Deus que não abandona quem ele consagra para si, graças ao padre, a sua presença, a sua força, ao seu encorajamento sempre e incansavelmente constante.
Como te esquecer meu santo?
Como te esquecer farol?
Como te esquecer meu inspirador?
Como te esquecer meu mestre das coisas de Deus?
O senhor vai continuar sempre meu exemplo de artista “do reino” de cantador do céu, mas somente se for como o senhor dizia em ordem de batalhas. “Músicos de Deus em ordem de batalha!”
Isso mesmo, é isso o mais importante do que toda força e fama.
Quanta lembrança boa entre tantas outras suas expressões. Fique certo padre, como tantos teus filhos te guardarei no fundo de meu ser com tanta gratidão e eterna comoção.
Meu mestre de simplicidade…
E o barco continua em alto mar!
MEU GRANDE OBRIGADO EM DEUS por sua vida sempre!

A misericórdia de Deus è sua clemência

Quem usa de misericórdia, seu tratamento sempre de compaixão, de profundo amor que o induz à ajuda e ao perdão dos que o ofendem.

È a atitude do coracão clemente. È a atitude de Deus!

As atitudes concretas que são sinônimo de misericórdia são a caridade, a comiseração, o chorar junto a alguem, a compaixão, a piedade, a benignidade, a clemência, a graça, a indulgência, a mansidão, a tolerância.

Na Palavra de Deus, a misericórdia soa assim com seus sinônimos, onde a clemência de Deus para com os seus, se demonstra na paciência. Deus nos oferece sempre um tempo durante o qual possamos examinar a vida e reconhecer, através da graça, o que devemos fazer para mudar e nos conformar ao Seu Filho Jesus, aplicando-nos para salvar-nos das garras de satanas.

Em outras palavras, a misericórdia de Deus consiste no tempo que o Senhor nos da para entender quais pecados fizemos, nos arrepender e converter-nos.

A Palavra de Deus è rica, nos mostra este verdadeiro conceito da sua misericórdia.

“Reconhece, pois, que o Senhor, teu Deus, é verdadeiramente Deus, um Deus fiel, que guarda a sua aliança e a sua misericórdia até a milésima geração para com aqueles que o amam e observam os seus mandamentos”. (Deusteronômio 7,9).

“Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício”. (Oseias 6,6).

“Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”. (Mateus 9,13).

“Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem”. (Lucas 1,50).

E muitissimas outras passagens da palavra de Deus.

A misericórdia de Deus è sempre concessa a quem o ama e estão dispostos a “mudar” através do arrependimento e a observância de sua lei.

Se muda um pouco por vez portanto, enquanto Deus, nos mostra a sua misericórdia e sua graça: o nosso caminho com Ele è uma experiência que dura para toda a vida, portanto, também além da morte.

Para mudar precisa tempo, nada acontece de um dia para o outro, mas Deus mantém suas promessas e a sua misericórdia é um dom disponivel sempre para quem o quer, e o ama de coração sincero, desejando mudar e conformar-se a Jesus e que pacientemente se aplica para a propria salvação no cotidiano, através de um exercicio continuo para a propria santificação.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

 

Tempo de Advento: Quem vos recebe a mim recebe (Mt 10,40)

Vivemos este tempo de advento com todas as dificuldades que estamos passando neste exato momento, onde a humanidade se prostrou e está prostrada diante de uma pandemia que parece não ter fim.

Diante desta situação mortal mundial onde o homem e a ciência revelaram-se impotentes, não podemos esquecer da preciosidade deste tempo maravilhoso a viver-se, por conta do que estamos passando, com mais intensidade do que nunca.

Antes de tudo, invocando todos os santos dias o Espirito Santo de Deus sobre nós, sobre a humanidade inteira para que diante do momento presente que vivemos, “seja feita a vossa vontade”… como oramos no Pai Nosso e, acolher a Jesus.

Acolher a Jesus que como todos os anos, o festejamos, festejamos seu aniversário e fazendo-o, lhe dizemos que o acolhemos em nós, em nossa vida, em nossa história, em nossas histórias de vida e deixamos assim, que ele reine sobre o que e seu, e seus, somos nós!

Acolher a Jesus, e invocar o Espirito Santo sobre toda a humanidade necessitada neste momento, são duas faces de uma mesma medalha, digamos assim, pois, somente acolhendo a Jesus como o Senhor de nossa história, podemos invocar o Espirito Santo.

Acolhemos Jesus. Queremos acolher a Jesus. O dizemos e dizemos ainda que queremos manter palavra. Concretamente esta acolhida de Jesus em nossa vida, passa através do amor, passa através da caridade para com o nosso próximo, principalmente aqueles que em torno a nós, são mais necessitados materialmente ou espiritualmente. Assim, somos chamados pelo mesmo Senhor Jesus e pelo Espirito Santo a acolher. Acolher a todos, amar a todos, principalmente os ultimos. Assim também o louvamos nao somente com nossos lábios, mas também com a nossa vida. Elevamos um verdadeiro canto de louvor ao céu.

Quem vos recebe a mim recebe: se eu recebo em minha casa, em minha vida, o meu próximo, estou então recebendo a Jesus!

Se deixo que meu próximo aproxime-se de mim, e antes de querer ser servido por ele, o sirvo, assim, estou acolhendo, recebendo,louvando eme spirito e em verdade e amando o próprio Senhor.

Este é concretamente o grande sentido da acolhida do menino Jesus no Santo Natal.

È assim, que nos preparamos neste período de espera e de esperança.

Que o Senhor Jesus portanto, que nos dá a graça, que te dá a graça de fazer de sua palavra, vida em ti, o saibamos acolher e corajosamente obedecer com toda a nossa alma. Para isto è necessário, fazer um grande esforço para sermos sensiveis espiritualmente, porque somente a alma sensivel, percebe, intui, o toque de Deus que chama ao amor e à verdadeira acolhida do seu Filho.

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.