O destino do homem é o encontro com quem o fez.

Abrindo o Evangelho, todos podemos dizer que as palavras de Jesus são um pouco como uma carta muito antiga que foi escrita em uma lingua desconhecida. Mas até onde podemos compreender, compreendemos, para colocamos em prática com carinho, principalmente o que pegamos “no ar” com a ajuda do Espirito Santo, o que o Pai quer nos ensinar para praticarmos e sermos felizes nele.

No mais profundo de nossos limites humanos, tem aquela espera de uma presença, o silencioso desejo de uma comunhão. Uma comunhão com Deus que é como uma sede que nunca chega ao fim. qualquer coisa que nao esquecemos nunca, é esta sede de união com Deus, e este, é o simples desejo de Deus. O desejo de Deus por sua vez, seria como a vontade de crer que Ele é o solucionador de tudo por ser o principio de todas as coisas.

O Evangelho é uma grande riqueza, sabemos mesmo se não são os grandes conhecimentos que contam, bem sim, a vivência dele e a amizadecom Deus em nossa vida, e para isto não precisamos ser grandes doutores de interpretação do que Jesus falou. Estão ai os santos que mesmo não sendo grandes doutores, sabiam da coisa mais importante: viver segundo o coração de Deus!

O conhecimento certamente tem um grande valor. Mas é através do coração, nas profundezas de nós mesmos, que começamos a captar o mistério da fe. E então os conhecimentos vêm.

Não se chega imediatamente a tudo, uma vida interior não se constroi do dia pro outro, mas pouco a pouco e por meio da palavra e de uma guia sabia. conhecemos o que é ter fé um pouco hoje mais que ontem e amanha mais que hoje, por etapas.

Então é claro que a fe, a confiança em Deus, é uma realidade simplicissima, tão simples que todos poderm acolher. Esta é como os respiros que damos mil vezes e mais durante toda a vida até o ultimo respirar dos nossos pulmões.

Acho que seja simpes assim a realidade de Deus espressa nas palavras de Jesus. Mas tudo depende da nossa constancia no caminhar na fé..

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

1 comentário

  1. Lair Correa Rabelo

    Ótimo ensinamento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *