deixe_que_o_coracao_se_rendaPodemos tornar divinas nossas ações? podemos tornar divino o coração?

Nós vivemos em um mundo que arrancou de nossos corações o sentido de Deus e a sua importancia nas ações do nosso dia a dia, impedindo que estas sejam também divinas.

Em um mundo e em um coração sem Deus, o pecado tem mais importancia e todas as ações e decisoes estao sendo ou foram legalizadas, por não existe pecado…  Ja parou pra pensar? Onde esta o certo? onde esta o errado? Porque tudo é legal, tudo tem ou encontra uma razão de ser, menos, se ofendem ou não ofendem ao Criador.

O coração do homem fechou-se de uma tal maneira que não reconhece a necessidade da misericórdia, do perdão, e até mesmo em muitos casos hoje, do carinho humano dos próprios parentes e familiares. Em um mundo assim, a única lei que parece vigorar é a lei do “dente por dente e olho por olho”. Esta realidade esta tão impregnada em nossos corações e de modo tão natural ou incosciente, que não conseguimos mais discernir o que é ou não o que Deus quer de nós.

Até mesmo dentro de nossas relações entre cristãos, isto generalizou-se; parece prevalecer a vitória do pecado e nunca a vitória do “bem do outro” conforme o Mandamento Novo de Jesus.

A nossa própria vontade e inspirações, precisam render-se, precisam desarmarem-se de toda esta contaminação mundana onde o sentido de Deus não existe e onde conta “o que achamos, nos ser verdadeiro ou falso”

O que o Espírito Santo pede de nós a cada dia, passa longe deste modo de viver e de querer testemunhar a vida sob a luz de Jesus. Chegamos a brigar, discutir, ofender, prejudicar o próximo sem mesmo pensar onde que esta realmente a ação do Espirito Santo ou não. Isto é o fim da felicidade de nossa vida que se constroi em ações de misericórdia. O coração se fechou ao amor e assim fechamos as portas do paraiso para nós mesmos.

Procuramos alternativas para este pensar racional e pra la de humano: a própria razão, a defesa verbal, o “passa palavra” para encontrar quem nos de razão e por ai vai.

Como abrir o coração à misericórdia de Deus quando o coração encontra-se fechado?

Quando ele está impregnado de razão mais do que de sentimento de fé, mais do que a necessidade da misericórdia, mais do que a necessidade de compreender e ser compreendidos.

O processo primeiro é o de abrir o coração. Este se abre, por meio de uma ação onde deixamos que o coração “se renda”, pare de trabalhar só em vista de realizar a nossa própria vontade e inspirações sem pensar antes que vale mais dar do que receber segundo o mestre Francisco de Assis.

Vale mais segundo a lógica do céu, ser misericordiosos do que pretender a qualquer preço uma misericórdia humana demais.

Ser humanos demais tem também o seu contrário segundo a lógica da linguagem por exemplo. Reconhecer-se humano de mais, é reconhecer indiretamente ou deixar o coração falar sem reconhecer que Deus pode: pode libertar, pode curar, pode transformar pedras em pães…

Se deixarmos, Deus pode abrir o nosso coração, precisamos porém desta ação que é a de render-se, desarmar-se, não agir segundo a lógica do tudo eu sei, tudo eu posso, tudo eu quero do meu jeito, conforme o mundo e as pessoas sem Deus me ensinam, estas pessoas, nos falam nos encontros de cada dia, em casa ou fora de casa, na televisão, no rádio, no jornal, e não nos damos conta que estão nos impregnando de maldades. Enfin, porque nestes ambientes, Deus e a sua lógica de amor não tem espaço nem sentido.

Reflita bem se as coisas não estão mais ou menos assim! Amém? Queremos ser santos? trabalhemos este lado do nosso ser: como alimento meu coração? para que se feche a Deus ou para que se abra as razões de meus interesses e sucessos?

O ser convertidos e tranformados passa por aqui …

O Senhor te abençoe e te guarde,

Padre Antonio Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *