Jamais será verdade que haja oposição entre a Ciência e a Fé; isso só acontece na mente de quem conhece apenas uma delas.  

A Constituição Pastoral Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II mostrou bem claro a harmonia entre a fé e a ciência:

“Se a pesquisa metódica, em todas as ciências, proceder de maneira verdadeiramente científica e segundo as leis morais, na realidade nunca será oposta à fé: tanto as realidades profanas quanto as da fé originam-se do mesmo Deus. Mais ainda: Aquele que tenta perscrutar com humildade e perseverança os segredos das coisas, ainda que disto não tome consciência, é como que conduzido pela mão de Deus, que sustenta todas as coisas, fazendo que elas sejam o que são”.(GS,36)

 

“Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu poder eterno e a sua divindade tornaram-se visíveis à inteligência por meio das coisas criadas… Muitos, contudo, conhecendo a Deus não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças” (Rom 1,18).

 

“São insensatos por natureza os  que  desconheceram a Deus  e, através  dos bens visíveis, não souberam reconhecer Aquele que é, nem reconhecer  o   Artista, considerando  as  suas obras (Sab. 13,1).

 

        Muitos cientistas de renome, alguns Prêmio Nobel, foram profundamente religiosos. Podemos ver aqui alguns exemplos tirados

 

Isaac Newton (1642-1727), fundador da física clássica e descobridor da lei da gravidade:

 “A maravilhosa disposição e harmonia do universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isto fica sendo a minha última e mais elevada descoberta”.

 

William Herschel (1738-1822), astrônomo alemão, descobridor do planeta Urano:

“Quanto mais o campo das ciências naturais se dilata, tanto mais numerosas e irrefutáveis se tornam as provas da eterna existência de uma Sabedoria criadora e todo-poderosa”.

 

Alessandro Volta (1745-1827), físico italiano, descobridor da pilha elétrica e inventor, cujo nome deu origem ao termo voltagem: “Submeti a um estudo profundo as verdades fundamentais da fé, e [...] deste modo encontrei eloqüentes testemunhos que tornam a religião acreditável a quem use apenas a sua razão”.

 

André Marie Ampère (1755-1836), físico e matemático francês, descobridor da lei fundamental da eletrodinâmica, cujo nome deu origem ao termo amperagem:

“A mais persuasiva demonstração da existência de Deus depreende-se da evidente harmonia daqueles meios que asseguram a ordem do universo e pelos quais os seres vivos encontram no seu organismo tudo aquilo de que precisam para a sua subsistência, a sua reprodução e o desenvolvimento das suas virtualidades físicas e espirituais”.

 

         H. C. Oersted (1777-1851), físico dinamarquês, descobridor de uma das leis do Electromagnetismo:

         “Cada análise profunda da Natureza conduz ao conhecimento de Deus”.

 

Jons Jacob Berzelius (1779-1848), químico sueco, descobridor de inúmeros elementos químicos:

“Tudo o que se relaciona com a natureza orgânica revela uma sábia finalidade e apresenta-se como produto de uma Inteligência Superior [...]. O homem [...] é levado a considerar as suas capacidades de pensar e calcular como imagem daquele Ser a quem ele deve sua existência”.

 

Karl Friedrich Gauss (1777-1855), alemão, considerado por muitos como o maior matemático de todos os tempos, também astrônomo e físico:

“Quando tocar a nossa última hora, teremos a indizível alegria de ver Aquele que em nosso trabalho apenas pudemos pressentir”.

 

Agustín-Louis Cauchy (1789-1857), matemático francês, que desenvolveu o cálculo infinitesimal:

“Sou um cristão, isto é na creio na divindade de Cristo como Tycho Brahe, Copérnico, Descartes, Newton, Leibniz, Pascal [...], como todos os grandes astrônomos e matemáticos da Antigüidade”.

 

James Prescott Joule (1818-1889), físico britânico, estudioso do calor, do eletromagnetismo e descobridor da lei que leva o seu nome: “Nós topamos com uma grande variedade de fenômenos que [...] em linguagem inequívoca falam da sabedoria e da bendita mão do Grande Mestre das obras”.

 

Ernest Werner Von Siemens (1816-1892), engenheiro alemão, inventor da eletrotécnica e que trabalhou muito no ramo das telecomunicações:

“Quanto mais fundo penetramos na harmoniosa dinâmica da natureza, tanto mais nos sentimos inspirados a uma atitude de modéstia e humildade; [...] e tanto mais se eleva a nossa admiração pela infinita Sabedoria, que penetra todas as criaturas”.

 

William Thompson Kelvin (1824-1907), físico britânico, pai da termodinâmica e descobridor de muitas outras leis da natureza: “Estamos cercados de assombrosos testemunhos de inteligência e benévolo planejamento; eles nos mostram através de toda a natureza a obra de uma vontade livre e ensinam-nos que todos os seres vivos são dependentes de um eterno Criador soberano.”

 

P. Sabatier (1854-1941), zoólogo alemão, Prêmio Nobel:

“Querer estabelecer contradições entre as Ciências Naturais e a religião, demonstra que não se conhece a fundo ou uma ou outra dessas disciplinas”.

 

Arthur Eddington (1882-1946), físico e astrônomo britânico:

“A física moderna leva-nos a necessariamente a Deus”.

 

Carl Gustav Jung (1875-1961), suíço, um dos fundadores da psicanálise:

“Entre todos os meus pacientes na segunda metade da vida, isto é, tendo mais de 35 anos, não houve um só cujo problema mais profundo não fosse constituído pela questão da sua atitude religiosa. Todos, em última instância, estavam doentes por terem perdido aquilo que uma religião viva sempre deu aos seus adeptos, e nenhum se curou realmente sem recobrar a atitude religiosa que lhe fosse própria”.

 

         Werner Von Braun (1912-1977), físico alemão radicado nos Estados Unidos e naturalizado norte-americano, especialista em foguetes e principal diretor técnico dos programas da NASA (Explorer, Saturno e Apolo), que culminaram com a chegada do homem à lua:

“Não se pode de maneira nenhuma justificar a opinião, de vez em quando formulada, de que na época das viagens espaciais temos conhecimentos da natureza tais que já não precisamos crer em Deus. Somente uma renovada fé em Deus pode provocar a mudança que salve da catástrofe o nosso mundo. Ciência e religião são, pois, irmãs, e não pólos antitéticos”. “Quanto mais compreendemos a complexidade da estrutura atômica, a natureza da vida ou o caminho das galáxias, tanto mais encontramos razões novas para nos assombrarmos diante dos esplendores da criação divina”.

Será mesmo que todos os cientistas são ateus? É claro que não.

 

 

Albert Eintein (1879-1955), físico judeu alemão, criador da teoria da relatividade, Prêmio Nobel 1921.

“Todo profundo pesquisador da natureza deve conceber uma espécie de sentimento religioso, pois ele não pode admitir que ele seja o primeiro a perceber os extraordinariamente belos conjuntos de seres que ele contempla.  No universo, incompreensível como é, manifeste-se uma inteligência superior e ilimitada. A opinião corrente de que eu sou ateu, baseia-se  sobre grande equívoco. Quem a quisesse depreender de minhas teorias científicas, não teria compreendido o meu pensamento”.

 

Dr. Adolf Butenandt, prêmio Nobel em Bioquímica:

“Com os átomos de um bilhão de estrelas, o acaso cego não conseguiria produzir sequer uma proteína útil para o ser vivo”.(A Criação não é um mito, Ed. Paulinas, SP, 1972)

 

 

Edwin Couklin (1863-1952), biólogo norte-americano:

“Querer explicar pelo acaso a origem da vida sobre a terra é o mesmo que esperar que um dicionário completo possa ser o resultado  da explosão de uma tipografia”.

 

Max Plank (1858-1947), físico, alemão, criador da teoria dos quanta, Prêmio Nobel 1928:

“Para onde quer que se dilate o nosso olhar, em parte alguma vemos contradição entre Ciências Naturais e Religião; antes, encontramos plena convergência nos pontos decisivos. Ciências Naturais e Religião não se excluem mutuamente, como hoje em dia muitos pensam e receiam, mas completam-se e apelam uma para a outra.  Para o crente, Deus está no começo; para o físico, Deus está no ponto de chegada de toda a sua reflexão. (Gott steht für den Gläubigen em Anfang, fur den Phystker am Ende alles Denkens)”.

 

 

Guglielmo Marconi (1874-1937), físico italiano, inventor da telegrafia sem fio, Prêmio Nobel 1909:

“Declaro com ufania que sou homem de fé. Creio no poder da oração. Creio nisto não só como fiel cristão, mas também como cientista”.

 

Thomas Alva Edison (1847-1931), inventor no campo da Física, com mais de 2.000 patentes:

“Tenho… enorme respeito e a mais elevada admiração por todos os engenheiros, especialmente pelo maior deles: Deus”.

 

Edward Mitchell, astronauta da Apolo 14, um dos primeiros homens a pisar na Lua, afirmou:

“O Universo é a verdadeira revelação da divindade, uma prova da ordem universal da existência de uma inteligência acima de tudo o que podemos compreender”.

 

Fonte: TODOS PENSAM QUE DEUS EXISTE !

KJG – Königsbach, D – 67435 Neustadt – Burgunderstr. 44

Alemanha

 

 

5 Comentários

  1. Pingback: Camiseta Católica

  2. muito bom esse texto professor!
    Inclusive é o que estava precisando…
    Gostei muito dos diversos depoimentos de pessoas famosas a respeito de sua relação com Deus.
    Obrigado professor Felipe!
    E continue assim!
    Deus o abençoe!!

  3. Bom dia…

    Novamente fantástico esse artigo professor!

    Que o senhor tenha muita forca em DEUS para continuar nos instruindo!

    E aproveitando, gostaria de compartilhar aqui um trecho da matéria “O DEUS de Einstein” da revista Galileu, edição 196 de Nov/2007:

    “Em meados dos anos 1930, o diplomata e mecenas alemão conde Harry Kessler (1868-1937) chegou para o já renomado Albert Einstein e lançou: “Professor, ouvi dizer que você é profundamente religioso”. Sem se alterar, o cientista respondeu: “Sim, você pode dizer isso. Tente penetrar, com os nossos meios limitados, os segredos da natureza. Você vai descobrir que, por trás de todas as concatenações discerníveis, há algo sutil, intangível e inexplicável. A veneração a essa força que está além de tudo o que podemos compreender é a minha religião. Até certo ponto, de fato, eu sou religioso”. ”

    Professor, a paz esteja contigo!
    DEUS está contigo!

    []’s,
    Marcelo

  4. É ISSO AÍ, DEUS É O MAIOR DOS INVENTORES, O MAIOR DOS CIENTISTAS, O MAIOR DO ENGENHEIROS, O MAIOR DOS PROFESSORES. DEUS É TUDO.
    EU GOSTARIA DE SABER,PROFESSOR,COMO A IGREJA ACEITA,SE É QUE ACEITA,QUE PROFESSORES ATAQUEM A PRÓPRIA IGREJA EM UNIVERSIDADES CATÓLICAS?
    NÃO DEVERIAM ESSES PROFESSORES SEREM COLOCADOS PRA FORA DA UNIVERSIDADE???

    OBRIGADO POR SER UM PROFESSOR CATÓLICO DE VERDADE!!!!!!!!!!!

  5. Pingback: Douglas Siqueira

  6. Você deu entender que, não sendo ateu, Einstein era religioso. O mesmo ocorreu com Newton e Jung. Eles não eram religiosos, apenas acreditavam que o Universo era complexo demais pra não ter sido projeto e/ou ainda que tenha algo sob controle, apenas físico, e, não psicológico, das coisas.

  7. Tomaz Turbano

    Parabéns Professor Aquino. Nada mais importante do que existir uma pessoa que consegue conciliar conhecimento científico com nossa fé cristã. Pois como venho observando, através de tantos assuntos tratados,o senhor é dono de grande cultura que abrange muitas áreas do conhecimento humano, e coloca, com muita sabedoria, este mesmo conhecimento a serviço da divina obra da Santa Igreja, dissipando tantos dúvidas suscitadas por cientistas e filósofos, que talvez até sem darem conta, estão desviando muitas almas do único caminho que nos conduz a Deus. E, óbviamente, uma vez desviado do caminho certo, o destino dessas almas será doloroso e trágico. Portanto, o seu santo trabalho é o que considero mais louvável. Tenho certeza que seu lugar à direita do Pai já está assegurado. De minha parte, tenho procurado fazer o máximo possível para transmitir a todas pessoas com as quais tenho contato, um pouco dessa sabedoria que “vem do alto”, a fim de que eu também possa participar da “Bodas Celestiais”; e, quem sabe, subir ao seu lado na hora do arrebatamento. Tenho alertado, frequentemente, que as Sagradas Escrituras não falham. E embora, como o próprio Jeus disse, nem Ele, nem os Anjos do Céu, saibam o dia e hora, os sinais já estão acontecendo: Apostasia, heresia, conflitos de toda ordem, “cristofobia”, insubmissão à autoridade da Igreja, legada pelo próprio Cristo. Eu vejo tudo isso como sintoma claro de que a hora está próxima. Que Deus Todo Podero o ilumine e o abençoe cada vez mais, para que essa obra maravilhosa se expanda e consiga trazer para nossas santas fileiras o maior número possível de ovelhas desgarradas. O senhor tem sido o cajado forte do Pastor Amoroso. Infelizmente, temos que nos conformar com o fato de que muitos se fazem surdos aos apelos dos verdadeiros representantes de Cristo na terra. E para esses, cumprir-se-á a vontade do Pai, pois não estando sob a Graça, estarão sujeitos à Lei. Tenho orado com muito fervor para que nosso rebanho aumente cada vez mais para honra e glória do nosso amado Deus.

    Que as bençãos de Deus, através de se Único Filho e sua Divina Mãe, sejam derramadas sobre todos aqueles são fiéis e submissos ao Santo Papa.

    Salve Maria!

  8. Pingback: Raphael Gramelich

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>