A realidade dos casais em segunda união

São muitos os casais hoje em segunda união; pessoas que foram casadas uma primeira vez na Igreja, se separaram e se uniram a outra pessoa apenas na civil, já que não podem se casar na Igreja. A orientação mais clara que a Igreja nos  oferece sobre a situação dos casais de segunda união está na Exortação Apostólica “Familiaris Consortio” (Sobre a Família) do Papa João Paulo II, escrita após o Sínodo da Família realizado em 1980; e também no Catecismo da Igreja (§1652).

Antes de tudo a Igreja deseja e espera que uma vez separados os casais possam um dia se reconciliar. A Igreja lembra que a separação física não extingue o vínculo matrimonial e por isso os separados não podem se unir em nova união, a menos que o primeiro casamento tenha sido declarado nulo pelo competente Tribunal Eclesiástico do Matrimônio. Após um Processo canônico o Tribunal pode chegar à conclusão que determinado matrimônio foi inválido, de acordo com as normas do Código de Direito Canônico (cânones 1055 a 1124). Há cerca de 20 casos que podem levar o Tribunal a declarar a nulidade de um matrimônio, são falhas no consentimento matrimonial, impedimentos dirimentes ou falta de forma canônica.

A Igreja lembra que a pessoa que se separou – se não teve culpa na separação – pode continuar  a receber os sacramentos da Confissão e da Eucaristia, se mantém –se  numa vida de castidade.  Sobre os divorciados que contraíram nova união, o Papa João Paulo II disse, baseando-se nas conclusões do Sínodo da Família:

“A Igreja, contudo, reafirma a sua práxis, fundada na Sagrada Escritura, de não admitir à comunhão eucarística os divorciados que contraíram nova união. Não podem ser admitidos, do momento em que o seu estado e condições de vida contradizem objetivamente aquela união de amor entre Cristo e a Igreja, significada e atuada na Eucaristia. Há, além disso, um outro peculiar motivo pastoral: se se admitissem estas pessoas à Eucaristia, os fiéis seriam induzidos em erro e confusão acerca da doutrina da Igreja sobre a indissolubilidade do matrimônio.” (FC, 84)

Os casais de segunda união poderão receber os Sacramentos no caso de viverem como irmãos, sem vida sexual, como explica o Papa:

“A reconciliação pelo sacramento da penitência – que abriria o caminho ao sacramento eucarístico – pode ser concedida só àqueles que, arrependidos de ter violado o sinal da Aliança e da fidelidade a Cristo, estão sinceramente dispostos a uma forma de vida não mais em contradição com a indissolubilidade do matrimonio. Isto tem como consequência, concretamente, que quando o homem e a mulher, por motivos sérios – quais, por exemplo, a educação dos filhos – não se podem separar, «assumem a obrigação de viver em plena continência, isto é, de abster-se dos atos próprios dos cônjuges». (idem)

E o Papa diz que não se pode fazer qualquer tipo de celebração em uma segunda união:

“Igualmente o respeito devido quer ao sacramento do matrimonio quer aos próprios cônjuges e aos seus familiares, quer ainda à comunidade dos fiéis proíbe os pastores, por qualquer motivo ou pretexto mesmo pastoral, de fazer em favor dos divorciados que contraem uma nova união, cerimônias de qualquer gênero. Estas dariam a impressão de celebração de novas núpcias sacramentais válidas, e consequentemente induziriam em erro sobre a indissolubilidade do matrimonio contraído validamente.” (idem)

Ato tratar desse assunto o Catecismo da Igreja diz o seguinte;

§1651 – “São  numerosos hoje, em muitos países, os católicos que recorrem ao divórcio segundo as leis civis e que contraem civicamente uma nova união. A Igreja, por fidelidade à palavra de Jesus Cristo (“Todo aquele que repudiar sua mulher e desposar outra comete adultério contra a primeira; e se essa repudiar seu marido e desposar outro comete adultério”: Mc 10,11-12), afirma que não pode reconhecer como válida uma nova união, se o primeiro casamento foi válido. Se os divorciados tornam a casar-se no civil, ficam numa situação que contraria objetivamente a lei de Deus. Portanto, não podem ter acesso à comunhão eucarística enquanto perdurar esta situação. Pela mesma razão não podem exercer certas responsabilidades eclesiais. A reconciliação pelo sacramento da Penitência só pode ser concedida aos que se mostram arrependidos por haver violado o sinal da aliança e da fidelidade a Cristo e se comprometem a viver numa continência completa.”

§1652 – “A respeito dos cristãos que vivem nesta situação e geralmente conservam a fé e desejam educar cristãmente seus filhos, os sacerdotes e toda a comunidade devem dar prova de uma solicitude atenta, a fim de não se considerarem separados da Igreja, pois, como batizados, podem e devem participar da vida da Igreja: Sejam exortados a ouvir a Palavra de Deus, a freqüentar o sacrifício da missa, a perseverar na oração, a dar sua contribuição às obras de caridade e às iniciativas da comunidade em favor da justiça, a educar os filhos na fé cristã, a cultivar o espírito e as obras de penitência para assim implorar, dia a dia, a graça de Deus.”

Prof. Felipe Aquino – www.cleofas.com.br

Leia também: Processo de Nulidade de Casamento, O sexo e a fidelidade conjugal e Problemas no casamento

32 Comentários

  1. Andre Luiz

    Sou separado e celibatário e não parti para uma segunda união. Sei que não é facil ficar sem a esposa, principalmente quando ela parte para uma segunda união. Mas mesmo se sua esposa ou esposo forem embora voce continua responsável por ele ou ela. Se voce for a parte Cristã Católica, você tem por obrigação de rezar e comungar na intenção de seu conjuge a vida toda para que se salve. Foi o que aconteceu com um antigo ator americano Gary Cooper, cuja esposa Verônica Balfe(ex-atriz Sandra Shaw) se converteu ao Catolicismo. Gary Cooper partiu para o adultério e se separou dela pedindo e tentando de todos os modos o divorcio. Mas a sua esposa não deu o divorcio, pois a Igreja não permite o divorcio. Mas a esposa de Gary Cooper passou a rezar pelo marido confessando e comungando em todas as missas na intenção da conversão dele. Gary continuou nos seus adultérios, até que ficou gravemente doente com cancer. O que aconteceu? As mulheres o abandonaram e ele caiu num leito de hospital enfrentando a doença e a solidão de que ele havia fugido a vida toda. Sabem quem foi para o hospital cuidar de Gary? A sua esposa Verônica. Ela cuidou dele com muito carinho,catequizou ele e o convenceu a se confessar e comungar antes de entregar sua alma a Deus. Gary Cooper morreu no dia 13 de Maio de 1961( Dia de Nossa Senhora de Fátima). Sua esposa Verônica havia conseguido a salvação eterna para Gary Cooper, com muito amor e sacrificio. Por favor não desista de seu conjuge, lute pela sua conversão até o fim , como fez a esposa de um ator de hollywood. Como disse Antoini de Saint- Exupéry em sua obra “O Pequeno Principe”:- Tu te tornas responsável por aquele que cativas…

  2. Eliane Lage

    Prof.Felipe,gosto muito dos seus textos,são maravilhosos!
    Sempre me oriento por eles,principalmente,porque vivo uma situação desta.Sou casada com uma passoa divorciada,gosto muito dele,mas fico triste por não poder participar da comunhão.
    Frequento a igreja,vou às missas,vivo em oração e mantenho a fé que sempre tive em Deus.
    Sinto vontade de poder participar mais da igreja,mas me sinto constrangida por estar nessa situação.

    Que Deus o abençoe!!!

    • Minha esposa é divorciada, fazemos parte de um movimento católico chamado casais de segunda união. Nunca me senti excluido da igreja pois quem a fundou (Jesus Cristo), nunca istituiu separação nenhuma. Todo tipo de exclusão foi criada pelo HOMEM. Quando ao fato de não poder comungar na matéria, fazemos a comunhão espiritual. Só não entendo é que na primeira ceia(e repetimos sempre estas palavras na missa), foi que Jesus disse..¨.”Bebei TODOS e comeis…”, jamais disse que somente uns e outros é que poderiam receber seu corpo.

    • Vivo em uma situação idêntica à da Eliane.
      Nunca fui casada, nasci e cresci na religião católica, mas hoje vivo com um homem que já recebeu o sacramento do matrimônio, portanto não posso receber com ele este sacramento e também não posso mais comungar.
      Minha maior tristeza é saber que nem ele nem sua ex mulher seguem a fé cristã-católica (nem outra fé específica), e realizaram um casamento religioso somente para prestar contas à sociedade, mas não porque estavam verdadeiramente imbuídos do sentido sacramental do matrimônio.
      Lamento muito não comungar, mas sempre vou à missa e faço minhas orações diárias.
      Tenho certeza que Deus me quer feliz. Tive namorados católicos que não me respeitaram ou me foram cúmplices como o homem que vivo hoje, portanto sigo adiante em minha união na crença de que algum dia poderei participar ativamente da comunhão, mais uma vez.

  3. O comentário abaixo feito por “Daniel” demonstra como ainda, infelizmente, existe pessoas que não entendem e nem procuram entender a situação dos casais de segunda união. Chamar essa situação de “sem-vergonhice” é estar fazendo um julgamento precipitado. Na Igreja existe muitos casais de segunda união que dão verdadeiros testemunhos de amor e fidelidade muito mais reais do que casais que estão “regulares”. Quero lembrar que õs casais não vivem em pecado, mas vivem uma situação irregular diante do magistrado ecledial. “Daniel” Estude mais. Procure saber o que a Igreja pensa e não seja preconceituso. Viva a caridade.

  4. Pingback: Eventos » Aprofundamento para Casais em 2º União

  5. Cada vez que penso nos casai de segunda união. Lembro-me de Jesus nas passagens dos evangelhos, sempre indo ao encontro dos excluídos, dos leprosos, das prostitutas… Fico imaginando qual seria a postura de Jesus diante desses casais muitas vezes excluídos da vida da igreja. È certo que o próprio Jesus foi quem disse que o que Deus Uniu o homem não separe. Acredito muito nesta palavra. Apenas algumas vezes me questiono se algumas separações não se dão por própria graça de Deus. Considero muito sabia a postura da igreja em permitir a nulidade do matrimônio em alguns casos. Sei que o Espírito Santo irá continuar a iluminar as decisões da igreja, neste mundo tão conturbado.

  6. fico triste por ver comentarios como de Daniel;pois vivo a 7 anos em segunda uniao,e espero a decisao do tribunal eclesiastico sobre minha situacao, sou fiel a minha esposa e ela a mim, pretendo educar meus filhos na fé e moral catolica,amo a minha igreja, seu que meu coracao sangra por nao poder comungar, mas sei que um dia pela providencia e misericordia de Deus vou ter essa graca.Obrigado prof.Felipe por existir pois espelho muito no Senhor e pretendo ser um dia cada vez mais um homem de fé igual ao senhor, reze por mim.Renato Jonas do Amaral.

  7. Muita paz a todos. Casei-me na Igreja em 1994 e, embora tenha sido criado no Catolicismo, à época dizia-me Kardecista e misturava as coisas de uma forma inconsciente. Para piorar, sofro de uma compulsão dificilmente reconhecida como uma doença, mas que é (nos Estados Unidos há até clínica especializada). Por conta destes dois fatores, meu casamento naufragou (em grande parte por causa de meus próprios erros, ainda que parcialmente inconsciente). Pois bem, conheci uma outra mulher e comecei a morar com ela. Temos um filho de cinco anos que é minha luz e comecei a retornar à Igreja de minha infância que, hoje, reconheço como a verdadeira Igreja de Cristo e para onde levo meu menino, cujo nome é Bernardo, em homenagem ao grande santo medieval que tanto admiro. Também iniciei um tratamento para a embaraçosa adicção que me levou quase à morte. Sou um homem feliz com esta mulher maravilhosa e acredito que passo por uma contínua conversão a Cristo, mas não tenho condições financeiras de apelar a qualquer tribunal eclesiástico, pois outras e prementes prioridades, como a educação de uma criança, me impedem (ao menos por hora).Vou às missas todos os domingos e sou (agora) contra o divórcio. Entretanto, acredito que em muitos casos, há injustiça e, por mais que me neguem isto, um tipo de punição contra tais pessoas. Pela minha doença e minha infantilidade religiosa, creio que em parte a questão deveria ser repensada, analisando-se caso a caso. Por isto, admitido que em alguns casos comunguei, mesmo sendo desaconselhado e, em relação ao tema, conheço sacerdotes (não poucos, e homens de deus, com profunda espiritualidade e, principalmente COMPAIXÃO) que não se opõem e destacam que não podem julgar as pessoas e apenas, em último caso, cabe a Deus alijar ou não alguém de Sua Presença. Um dos meus mestres sacerdotes chegou a me dar a seguinte imagem: imaginem que Jesus Cristo, Nosso Senhor, está em uma casa celebrando a ceia com os apóstolos e alguns convidados, tudo com muito amor. Entra um casal conhecido do próprio Cristo, mas não por todos, e o Mestre os convida para comer. Neste momento, um dos apóstolos fala-Lhe ao ouvido que o casal está em segundas núpcias (ainda que sejam repletos de amor e com vida cristã “esforçadamente” próxima ao ideal. Será que Jesus lhes falaria: “Sentem-se e desfrutem de Minha Presença, mas não comam, pois não estão puros (ou algo do gênero)e isto poderia gerar escândalo. Será que ele falaria isto? Em último caso, quem seria puro ou limpo? Quem atiraria a primeira pedra? Muito fácil julgar de fora, sem saber o que foi vivido pelas pessoas envolvidas diretamente com o problema, muito simples mostrar o dedo na direção dos outros, destacando que um cisco está nos olhos de alguém, quando no seu pode haver uma trave (não digo isto em relação ao meu caso em particular, pois realmente me julgo pecador, como de resto todos nós, seres humanos, e alvo da COMPAIXÃO DIVINA). Concluindo, a Eucaristia, o Corpo de Cristo, é remédio para mim e minha doença conhece a cada dia uma cura maior, oferecida por Nosso Senhor em Pessoa e isto me transforma em alguém mais feliz e verdadeiramente reconciliado. Sofro quando estou distante da Hóstia Sagrada. Sinto-me muito bem com meu retorno e desejaria estar totalmente “quites” com os ditames católicos, mas não posso agora. Digo tudo isto com todo o respeito pela hierarquia e o Magistério da Santa Igreja, só penso que há e sempre haverá casos e casos e que, por necessidades pastorais e por amor e compaixão, todos devem ser amados e bem vindos na Casa do Senhor, onde há muitas moradas, inclusive para os “recasados”. Que todos tenham Paz e Bem.

  8. me sinto um pouco excluida pela igreja ja que nao posso comungar.Sei que Jesus jamais exclui ninguem e é rico em misericordias e ja tive muitas provas disto. mas nao concordo em nao poder comungar ja que nao fui eu que m acacbou com o casamento, e tambem meu ex me traia, e ja se casou com a mesma moça. porque agora eu tenho que sofrer as consequencias ja queja, sofri ,tanto pela traiçaõ. acho que seria o momento da igreja dar apoio ,a refazer uma nova familia.Deus cuide de todos… amem

  9. Aparecida

    Concordo com Marcelo e Renato e lamento o comentário cáustico e depreciativo de Daniel. Não era assim que Jesus tratava as pessoas e nao é dessa forma que devemos tratá-las se somos, realmente, cristãos. Ser cristão implica em ter as mesmas atitudes de Jesus. Certamente nao aceitar o pecado, mas JAMAIS rejeitar ou depreciar o pecador.

  10. RAFAEL HOLIVER

    JA QUE ESTE ESPACO ME FOI CEDITO GOSTARIA DE DISER QUE TAMBEM VIVO ESSA CRUZ, SOU DIVORCIADO E VIVO COM OUTRA MULHER, GOSTARIA DE DISER TAMBEM QUE DESDE QUANDO ME SEPAREI DA PRIMEIRA MULHER MINHA VIDA SO FOI SE ACABANDO E ATE MESMO ME SENTI EXCLUIDO DA IGREJA PELA SUA SANTA DOUTRINA, HOJE EU ENTENDO QUE A IGREJA SEMPRE ESTEVE CERTA, AS PESSOAS QUE NAO SABEM DISCERNIR E EXPOR AS LEIS DA SANTA IGREJA. HOJE TENTO VIVER COM PAZ NO MEU ESPIRITO BUSCANDO A DEUS E A JESUS NA ADORACAO, QUERO A CADA DIA SER MAIS DE DEUS, NAO SERAO AS PESSOAS QUE VAO ME DESANIMAR.
    VOCE QUE ESTA LENDO ISSO NAO DESANIME, MUITO GENTE VAI DISER O QUE VOCE PODE OU NAO PODE FAZER, NAO PERCA TEMPO COM ISSO, PROCURE UM PE. AI PERTO DE VOCE E BUSQUE ORIENTACAO DE VERDADE. JESUS TE AMA MAIS DO QUE SEUS ERROS E TE ESPERA ASSIM COMO ME ESPEROU POR QUASE 5 ANOS, ENQUANTO EU VIVIA UMA VIDA TODA ERRADA PENSANDO QUE A IGREJA NAO ESTAVA NEM AI PRA MIM. JESUS A CADA DIA ME CHAMAVA E SO HOJE EU SEI O QUANTO ELE PRECISA DA MINHA ADORACAO E DO MEU AMOR.
    SAGRADO CORACAO DE JESUS EU CONFIO EM VOS

  11. Pingback: Manu Cabral Eirado

  12. Adilson Carlos de Souza

    fico triste por essa decisão da igreja,pois sempre fui fiel as leis da igreja, amo a nossa ICAR sempre frequentei as missas, ajudo na igreja e me sinto muito catolico,hoje tenho uma namorada que ja foi casada e amo ela de verdade é a coisa mais linda que ja senti por alguem, as vezes e quase sempre falo com ela sobre casamento por que eu quero me casar. mais as vezes acho a nossa igreja um pouco injusta porque amo essa mulher, vejo na gente tudo e algo mais de um casal que pode sim da muito certo e ser exemplo de vida conjugal pra muita gente,mais o que fazer agora arrancar do meu coração um sentimento tão bonito isso não da.mais perante a igreja somos errantes pelo fato de não termos nos encontrado antes. professor admiro muito seu trabalho sempre que posso tiro um tempo pra ler algum artigo do senhor.obrigado por nos esclarecer as leis da igreja apesar de eu nãio concondar com todas.

  13. Não posso comungar por viver com uma pessoa que vive uma 2ª união, por causa de uma doutrina da igreja que me julga pecadora, e o próprio Jesus como Ele me julga?? SE EU MORRER EU VOU PARA O INFERNO????

  14. gilmar nogueira

    vem a mim do jeito que estais, o senhor disse. eis que faço novas todas as coisa, disse o senhor.se o casamento não deu certo, vninguem é obrigado a viver a força com outro, digo mais;disse o senhor jesus todo aquele que está em cristo nova criatura é,eis que as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo, consequentemente mesmo em segunda união se aceitou jesus Ele por certo os renovarão.na parabola da mulher que se casou por sete vezes não deixando posteridades, os saduceus perguntaram a Jesus de quem era esposA aquela MULHER QUANDO CHEGASSE NO CEU, OSENHOR RESPONDEU QUE O CASAMENTO É COISA DO HOMEM E QUE NO CEU TODO SERÃO COMO ANJO NÃO SE DÃO EM CASAMENTO CERTO PROFESSOR FELIPE, POIS LHES ESPERO UMA RESPOSTA QUANTO AOS CASAIS DE SEGUNDA UNIÃO, GOSTO MUITO DE LER SEUS LIVROS POIS JA COMPREI ALGUNS ME INDIQUE O QUE EU POSSO LER PARA TIRAR ALGUMAS DUVIDAS A ESSE RESPEITO. FICO GRATO.

  15. nos catolicos, estamos perdendo nosso rebanho, para outras religiões, justamente por essas atitudes, enquanto estamos sendo proibido daquilo que cremos, outras doutrinas estão de braços abertos para receberem essas pessoas, que estão fragilizadas.Sera que um casal de segunda união, não tem uma nova chance?
    Sera que Jesus iria nos afastar da igreja, porque essa atitude é uma forma de estar afastando vc da igreja, vc esta indo alem do que foi ensinado e pregado a vida toda, o perdão, a eucaristia, mas continuo católico, sem comungar, comungo sim espiritualmente, mas as vezes fico pensando, se sou catolico, pq não comungar? E sem quere julgar mas e todos os outros que estão comungando sera q não tem pecado algum (que atire a primeira pedra, quem não tiver)

  16. Viviane e Genilson

    SOMOS UM CASAL DE SEGUNDA UNIÃO , JA FAZ 1 ANO E MEIO QUE ESTAMOS JUNTOS , FAZIAMOS UM TRABALHO NA IGREJA LIBERADOS PELO PADRE , HOJE FOMOS AFASTADOS POR UM NOVO PADRE DA PARÓQUIA , DIZENDO PARA NÓS DOIS , QUE NÃO SOMOS DIGNOS SIQUER DE ESTAR COM O FOLHETO DA MISSA NAS MÃOS , NEM MESMO LER A BIBLIA , NÃO COMUNGAMOS, SABEMOS Õ QUE NÃO PODE SER FEITO , MAS DE LER O FOLHETO DA MISSA E LER A BIBLIA ? TINHAMOS A LIBERAÇÃO DO NOSSO ANTIGO PADRE . É UMA PENA E MUITO TRISTE , SER EXCLUIDO DA COMUNIDADE E O PIOR QUEREM NOS AFASTAR ATÉ DE JESUS.

    • jose antonio da silva

      boa noite ao casal, nao fiquem triste com essa situaçao, perdoe o padre que os inpediram de participar dos trabalhos voluntarios na igreija,esta dor que ambos sentem afereça a jesus nao deixe de amar jesus por isso , lembre se o sacerdote é humano ele tambem peca apenas o perdoe fiquem com deus jesus misericordio os confortem .

  17. Alexandre Rocha

    Meu Deus e Meu Senhor, sei que e difícil para o home
    a castidade e acreditar que tudo posso naquele que me fortalece, a busca da felicidade não esta no outro mas em Deus e em se mesmo, deixa que Jesus seja o condutor de vossas vidas e perguntem a Ele em oração, qual a vontade do Senhor para vossas vidas.
    Deus fala, pergunte a Ele e te dirá o caminho.

    Deus vós abencoe

  18. Sou casada há 20 anos no civil c/ um divorciado.
    Antes de conhece~lo tinha uma vida depravada, na minha vida tinha tudo menos religiao.
    Quando nos casamos comecei a frequentar c/ele a missa todo Domingo. Comungava normalmente . Ele não comungava e eu não entendia o porque. No ano passado comecei frequentar grupo de oração da minha paróquia e santa missa diariamente. Faço parte pastoral saúde e visito doentes . Eu não só visito enfermos eu AMO visitar todos os doentes e descobri uma vocação Eu nunca me sentia pecadora, não entendia porque não podia comungar, eu acreditava que “merecia” o corpo e o sangue de Crito.
    Na semana santa deste ano visitava na pediatria do Hospital encontrei uma mãe aflita humilde com um filho de 7 anos aguardando a data da provável operação do coração, me disse que era terceira operação e que j[a tinha estado ali, mas os médicos n]ao quiseram operar pórque seria fatal.Ela disse que era muito católica Eles vieram do interior e tinha conseguido estar ali com muita dificuldade, convidei que ela fosse até a capela ,para assistir a santa missa e receber a comunhão para se acalmar ,ela me disse que não poderia porque era \pecado mortal e que não era casada com o pai do José. Isso caiu em mim como uma flecha no meu coração não consigo mais comungar desde então. Senti muito .mas voltei para oração, quis parar de ir na missa, mas Deus não deixou Hoje comungo espiritualmente e Deus me da a graça de receber espiritualmente com muita fé a comunhao, eu afirmo para voces que eu recebo o corpo e sangue de Jesus Cristo com muita intensidade com todo o poder e a força e continuo pedindo para Deus e Nsa, Senhora aumentar a minha fé na Sagrada Eucaristia.
    No inicio , depois da comunhao espiritual tinha vontade de chorar mas daí eu rezava Ave Maria até no final da comunhão hoje agradeço a Jesus por ter tocado meu coração

  19. Amada de Deus

    Boa noite, lendo sobre nulidade de casamento me deparei com essa reportagem,sou católica e casada com uma pessoa que era divorciada, ele foi abandonado pelo primeira esposa por outro homem, hoje somos felizes, frenquentamos a missa, somos pessoas de fé, mas tristes no fundo por não poder comungar, porque se procuramos andar nos caminhos de Jesus?
    Gostaria de uma resposta? se Jesus voltasse amanhã seriamos condendos pelo fato de não ser casados na Igreja?

  20. Sou católica, frequento a igreja e vivo plenamente minha fé cristã. Minha vida eu entreguei a Deus para que ele fizesse a sua vontade. Vivo uma segunda união tem 10 anos. Sou plenamente feliz, pois encontrei no meu companheiroo amor sincero e o companheirismo necessário para a felicidade conjugal. Para mim está claro que Deus me uniu a ele.
    Quando leio os textos publicados pela igreja católica fica bem claro para mim a dificuldade em tratar o assunto: eles não querem que nos afastemos, mas tb não querem mudar nada na doutrina, com medo claro que as pessoas passem a crer que podem casar e descasar quando bem quiserem.Não pode e nem deve ser assim.
    Consegui compreender o que aconteceu comigo, sei que pequei quando contraí matrimônio sem a certeza do que queria, mas, pelos sinais de Deus na minha vida, vejo que fui perdoada.

  21. Yeda de Moraes Souza Machado

    Nessa madrugada procuro uma forma,depois de muitos momentos de orações,de um desabafo…pois vivo como “excluída” da religião católica…por conviver com alguém divorciado sendo eu viuva…situação que perdura há quase cinco anos.Digo “excluída” pois não acho justificável a postura da igreja em querer dizer que haja aceitação desses casos qdo discrimina tais casais do banquete eucarístico.No meu nível de conhecimento não aceito em religião haver discriminações, pois creio que o próprio Cristo se hoje por aqui andasse não deixaria de dar o alimento aos que dele precisam.Fui pessoa que participei ativamente da religião tendo decidido o catolicismo por convicção e não por herança familiar.Afastei-me ha pouco da frequencia a igreja pela exigencia da proibição ao sacramento da comunhão, mesmo sem concordar…pois sinto-me humilhada diante desse fato…mesmo assim continúo contribuindo com o dízimo e com a evangelização de algumas redes televisionadas que servem de alívio aos que são “excuídos” ou mesmo “ex-comungados” de sua igreja.Tenho mais de 70 anos, vivo bem com meu esposo e nos tornamos mensageiros do Bem e da Justiça. Deus nos julgará como também aos que nos proibem de uma participação mais efetiva na igreja católica. Se Deus é uno, o mesmo, por que a igreja católica ortodoxa não discrimina tais grupos?

  22. Que eles vivam em graça e amor à Jesus, sendo nessa situação irregular que vivam a Castidade e a Eucaristia se santificando.

    Se estiverem juntos, mas em relações intimas e sexuais, estarão em pecado, pois mesmo separados, o sacramento do Matrimônio é indelével, ou seja, não se apaga, é pra sempre.

    A Paz a todos!

  23. Gostaria de uma orientação do prof. Felipe. Estou casada apenas no civil, há 20 anos com um homem divorciado e de outra religião. Estava afastada da igreja quando nos casamos. Ele não aceita casar na igreja católica. Apesar de todos os esforços, nosso casamento não vai bem. Eu estaria cometendo um erro contra Deus, se eu me divorciasse, uma vez que nós constituimos uma família. Temos um filho adolescente. Não gostaria de ir contra Deus mais uma vez, mas sou muito infeliz neste relacionamento. Tenho também muita vontade de poder participar de minha igreja como verdadeira católica.

  24. Nazaré Ricardo

    UMA PESSOA QUE VEZ PRIMEIRA COMUNHÃO É CASADA SÓ NO CÍVIL RECEBE A EUCARISTIA? OU TEM ALGUMA RESTRIÇÃO

  25. eu qeria saber sobre a lei do levirato deuteronomio 25
    uma mulher protestante me perguntou isso…se a viuva(o) pode se casar com seu cunhado (a) solteiro…?
    e casamento entre parentes é permitido?

  26. Alessandro

    Minha esposa é divorciada, fazemos parte de um movimento católico chamado casais de segunda união. Nunca me senti excluido da igreja pois quem a fundou (Jesus Cristo), nunca istituiu separação nenhuma. Todo tipo de exclusão foi criada pelo HOMEM. Quando ao fato de não poder comungar na matéria, fazemos a comunhão espiritual. Só não entendo é que na primeira ceia(e repetimos sempre estas palavras na missa), foi que Jesus disse..¨.”Bebei TODOS e comeis…”, jamais disse que somente uns e outros é que poderiam receber seu corpo.

  27. Eu refletia sobre essa questao de casais de segunda uniao. EU acredito que O Bom Deus deseja apenas a nossa felicidade. Se o casamento nao deu certo com aquela pessoa é por que talvez a escolha tenha sido a errada e ainda, acredito que o Bom Deus me deixa voltar e tentar de novo.As vezes a igreja é muito contraditoria. O concílio do vaticano segundo diz que a mesa da palavra tem em si o mesmo valor que a mesa da eucaristia, no entanto os casais de segunda uniao comungam da mesa da palavra e sao privados da mesa da eucaristia.

  28. Pingback: JOSEFA E RAIMUNDO

  29. Boa Tarde Prof. Felipe!
    Gostaria de saber se posso ser uma coordenadora ou seja participar e ajudar na comunidade, eu vivendo um casal de segunda união.
    Desde ja grata.

  30. SEBASTIANA DIOGO

    Mais se voce vive esta situaçao de segunda uniao, lute va ao seu paroco converse com ele. Peça orientaçao sobre o tribunal eclesiastico,para que voce possa resolver o seu problema,como tudo deve ser de acordo com a vontade de Deus em nossa vida.Eu ja passei por tudo isso e venci, hoje conseguir minha nulidade e sou casa e recebo o meu SENHOR.

  31. Maria José Soares Passos

    Professor Felipe Aquino, depois que passei a navegar nessa “Rede Social de Internautas”, descobri, que os adolescentes e jovens tem toda razão em viciarem nessa magia encantadora… (Claro…mts deles, na mesma modalidade que a minha, mas talvez, em direção um pouco complexa…)!
    Confesso Professor, que de início fiquei um tanto arredia, mas o meu filho, que fez o Curso de Informática com 12 anos de idade, me incentivou durante 10 anos consecutivos… Ele venceu: Fiz um cursinho e, graças a Deus, estou aqui, “curtindo” tantas maravilhas… dentre elas, o “Professor Felipe”…meu Deus…sem palavras…
    Cada vez que eu descubro algo novo aqui, para mim, torna-se uma “pérola”… o que for para ser “compartilhado”, compartilho… e o que for para o meu aprendizado, anoto e estudo com a maior atenção…
    E, nas descobertas nesse “mundo virtual”, tive a grande felicidade de conhecer todo esse trabalho inteligente,que o senhor, Professor, vem desenvolvendo nas “Redes Sociais”…
    A “Escola da Fé”, foi o meu primeiro encontro com essa preciosidade na TV! Até fiquei um pouco angustiada, pois já participei de vários movimentos em nossa comunidade, fiz muitos cursos de formações religiosas, etc… No entanto, conhecendo as suas “equilibradas e inteligentes” colocações sobre os “Dogmas” da Igreja Católica Apostólica Romana, (a qual nasci e faço parte) fiquei me sentindo tão “pequenininha”, tão “pobrezinha” tão “nada”… Na verdade, acho mesmo que, como eu, muita gente deve estar se questionando… depois de assistir uma “Enciclopédia” ambulante… Deus seja louvado pelo senhor existir e compartilhar conosco tamanha “riqueza” interior!!! – Aqui no blog, como sempre, o senhor foi muito feliz nessa colocação, sobre o que a Igreja pensa a respeito do divórcio! Realmente, não tem subterfúgio: é assim mesmo! Se os Sacerdotes for atender todas as desculpas apresentadas pelos cônjuges, a dar-lhes o direito da participação normal na Eucaristia, imagina só o quê irá acontecer com os “princípios” da nossa fé, o respeito pelos ensinamentos de nossa Igreja… – Professor Aquino, obrigada por tudo! Fica com Deus e que o Espírito Santo continue a iluminar a sua inteligência por muitos e muitos anos ainda… Abs,

  32. achamos que as pessoas não devem se preocupar com isso ou aquilo que pode ou não pode pois sabemos que infelizmente existem muitas pessoas que frequentam as igrejas e não são diguinas de fazer isso. Pessoas que assumem cargos Religiosos e não merecem estarem ocupando os mesmos. sabemos sim dos casos especiais de pessoas diguinas que levam isso a sério ! esperamos que essas pessoas possam ser acolhidas Pois só queremos seguir o caminho do Cristo . que possa haver uma mudança lógica nessa situaçaõ em que cada caso é um caso obrigado !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>