fatimaNo Centenário das Aparições de Nossa Senhora em Fátima, o que é essencial saber da Mensagem para com ela fazer experiência?

A fé fria e abalada pela guerra

Em plena primeira guerra mundial, enquanto grandes potências espalhavam os horrores da guerra pelo mundo, Portugal também participou unindo-se aos seus aliados enviando suas tropas para o combate. Muitas famílias sofriam a angústia e o medo de perderem seus filhos, a fé estava fria e abalada.
Nesse contexto, já em 1915 em Fátima houve uma manifestação do céu quando Lúcia com três companheiras ao começar a rezar o terço no Monte do Cabeço viu suspenso no ar, sobre o arvoredo, uma figura como se fosse uma estátua de neve que os raios de sol tornavam algo transparente, mesmo sem saber o que era continuaram a rezar com os olhos fixos na figura, e ao terminarem a reza, desapareceu.
A guerra expressa a “ausência” de Deus em muitos corações que insensibilizados pelo pecado articulam a maldade cegamente contra a humanidade. As nossas más ações não testemunham a Sua presença, e pode levar  almas para o inferno.

Onde as Aparições de Fátima podem nos levar?

É importante saber que em todas as circunstancias da nossa vida, e diante dos conflitos da guerra Deus compadecido inclina os seus ouvidos, ouve e vê a dor do seu povo: …Um clamor se ouve em Ramá, de lamento, de choro, de amargura. É Raquel que chora seus filhos… ( Jr 1, 15)”. Ele usa de meios adequados, de pessoas para se manifestar e reavivar a fé nos corações. Portuga,l um dos menores países da Europa que sofreu o  impacto brutal no campo econômico e social  de uma guerra que se tornara global, foi escolhida por Deus para trazer Sua mensagem ao mundo: o que para o mundo é fraqueza, Deus o escolheu para envergonhar o que é forte. (1 Cor 1, 27).
Os acontecimentos sobrenaturais em Fátima continuaram a ocorrer nos anos seguintes, os mais conhecidos e estudados são os de 1916, Aparições do Anjo, e 1917 as de Nossa Senhora. São os ciclos: Angélico, Mariano e Cordimariano. O Ciclo Cordimariano, embora ocorridos em Espanha de 1925 a 1929, e após as Aparições em Fátima, fazem parte da Mensagem, são as Aparições de Nossa Senhora, do Menino Jesus, que se deu em Pontevedra; e da Santíssima Trindade e Nossa Senhora em Tuy, todos revelados a Ir. Lúcia.
Olhar e coração atentos a Mensagem de Fátima, pois ela tem muito a dizer para a Igreja. O Cardeal Tarcísio Bertone, ao se dirigir a respeito da Terceira parte do segredo de Fátima diz que: “Fátima é, sem dúvida, a mais profética das aparições modernas”.

Ao findarem, as aparições foram averiguadas e aprovadas pela Igreja local em 1930, mas a devoção popular já havia chegado a milhares de corações além do território Português, e atualmente já é conhecida no mundo.
A Mensagem de Fátima nos conduz unicamente para o Evangelho, é descrita de maneira clara, direta e concreta de como vivenciá-la, faz jus as palavras do Cardeal Bertone: Tal é a mensagem de Fátima, com o seu veemente apelo à conversão e à penitência, que leva realmente ao coração do Evangelho”.
Inúmeros são os que estudam as Aparições de Fátima, e muitos são os escritos a seu respeito, diante deles percebe-se que a Mensagem contida nas Aparições é como fonte inesgotável, e a descoberta para alguns estudiosos é que tudo converge, como um prisma, para o Imaculado Coração de Maria.
A Irmã Lúcia em um dos seus escritos, a quarta Memória, ao expor de maneira completa as aparições de Nossa Senhora e da Mensagem, ela apresenta em primeiro lugar e como referência principal o Coração Imaculado. Nossa Senhora ao aparecer com o Coração na mão remete-nos ao mais simples sentimento, na qual expressa que sente profundamente tudo o que nos afeta em todas as dimensões da nossa existência.
A mensagem também nos deixa um apelo, a rever nosso modo de vida de modo a nos empenhar na conversão continua e pessoal, pois a humanidade atual não esta diferente dos anos passados, continuam as guerras, sejam elas interiores, ou em nossos lares, na sociedade, e como pecadores precisamos estar atentos e vigilantes para que nossas almas e de tantos não se percam no inferno, por não haver quem se sacrifique e orem por elas.

A mensagem de Fátima nos prepara para a segunda vinda de Jesus

A Mensagem de Fátima é atual, é para os nossos tempos, ela nos projeta para a frente, na história, e ilumina os passos a realizar. Ela também nos prepara para a Segunda vinda de Jesus. Os que procuram viver essa espiritualidade se empenham na busca de santidade. Como disse Papa Francisco, vivemos uma terceira guerra mundial em pedaços. Aqueles que vivem a Mensagem não dão “as costas” para Deus, mas buscam estar em sua presença, através de constantes orações, do oferecimento que é custoso viver.  A exemplo dos pastorinhos, estes se compadecem, ama os pecadores e olha para os irmãos com os olhos de Deus, para curar as feridas causadas pelo mal e pelo pecado, especialmente nas relações entre as pessoas e os povos.
O mais simples gesto de amor para com o próximo é um ato de reparação das ofensas a Deus. Tais atitudes nos levam a ser pessoas empenhadas em construir a paz, a fraternidade no mundo. Isso é possível e começa onde estou e com quem estou, pois buscar a conversão do coração e da mente, através da oração e da penitência, significa começar a construir a paz dentro de cada um de nós, e desse modo como uma fagulha ela se espalhará pela terra.
Na Aparição de Fátima, quando Nossa Senhora mostra o inferno aos pastorinhos, não pretendeu aterrorizá-los, mas sim mostrar a eles e a nós que para além do Céu e do Purgatório existe o inferno, que não podemos negar a sua existência, pois, infelizmente muitas almas nele se perdem. Lembrar que o inferno existe deve nos impelir a lutar todos os dias para não sermos seduzidos e conduzidos pelo pecado, que nos leva ao afastamento de Deus, e também que os pecadores são dignos da salvação e conosco contam para alcançá-la.

A devoção ao Imaculado Coração de Maria

A Mensagem de Fátima, além de ser profética, nos traz a grande promessa como meio e resposta diante dos pecados que assolam a humanidade, é a Devoção ao Imaculado Coração de Maria: «Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz […] Para a impedir, virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados».
Os tempos atuais e os seus problemas exigem uma urgência a essa devoção. É urgente percorrer este caminho simples, acessível a todos: a oração diária do Rosário (ou terço); de tudo o que se fizer, das coisas mais simples do dever quotidiano, oferecer sacrifícios e orações pela conversão dos pecadores e pela Paz no mundo; e, uma vez por mês, consagrar e santificar os primeiros sábados. É o conteúdo da grande promessa, confiada à Irmã Lúcia na aparição de 10 de dezembro de 1925.
Não se pedem coisas extraordinárias que estejam para além das possibilidades humanas. Tudo é tão simples que até parece impossível que desta simplicidade dependa a paz e a salvação do mundo! Deus é simples, e as almas sensíveis, de coração unido a Ele, ouvem a Sua voz e o Seu apelo, se dispõem e contam com a Sua graça para atendê-lo.

Nilza e Gilberto Maia
Comunidade Canção Nova

(fonte: https://goo.gl/UfJCYH )

lucia_n (1)A grande protagonista das Aparições de Fátima, Lúcia de Jesus, nasceu em 22 de Março de 1907, em Aljustrel, Paróquia de Fátima. Foi batizada no dia 30 de Março na Igreja paroquial de Fátima. Os seus pais eram Antônio dos Santos e Maria Rosa. Sendo a mais nova de sete irmãos, Lúcia era a favorita da família e foi sempre querida por todos durante a sua infância. Apesar da família ter passado por algumas dificuldades, a mãe de Lúcia educou todos os seus filhos num espírito cristão exemplar.
As circunstâncias familiares obrigaram a que Lúcia começasse muito cedo a tomar conta do rebanho da família. Durante as aparições, Lúcia teve um papel fundamental, porque Nossa Senhora escolheu-a como intermediária e deu-lhe uma mensagem que devia ser revelada apenas mais tarde.

Depois das aparições e obedecendo ao pedido de Nossa Senhora, Lúcia frequentou a escola primária de Fátima. Em 17 de Junho de 1921, com 14 anos, ingressou no Asilo de Vilar (Porto), dirigido pelas religiosas de Santa Doroteia, onde recebeu uma excelente formação moral e religiosa. O exemplo dos seus professores e a sua gratidão para com eles fez com que ela decidisse entrar no Instituto de Santa Doroteia em Tuy, Espanha, onde tomou o hábito, com o nome de Maria Lúcia das Dores. Fez a profissão religiosa de votos temporários em 3 de Outubro de 1928 e, em 3 de Outubro de 1934, a de votos perpétuos. No dia 25 de Março de 1948, transferiu-se para Coimbra, onde ingressou no Carmelo de Santa Teresa, tomando o nome de Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado. No dia 31 de Maio de 1949, fez a sua profissão de votos solenes.

A Irmã Lúcia foi a Fátima várias vezes: uma delas a 13 de Maio de 2000, data da Beatificação dos seus primos Francisco e Jacinta, pelo Papa João Paulo II.

A Irmã Lúcia deixou-nos as suas maravilhosas “Memórias” que já se encontram publicadas em várias línguas. Ela escreveu também mais tarde um livro intitulado: “Apelos da Mensagem de Fátima”.

A irmã Lúcia faleceu a 13 de Fevereiro de 2005, aos 97 anos no seu convento Carmelita, em Coimbra. Participaram no seu funeral milhares de pessoas.

este1«– Que é que Vossemecê me quer?
– Quero dizer-te que façam aqui uma capela em Minha honra, que sou a Senhora do Rosário, que continuem sempre a rezar o Terço todos os dias. A guerra vai acabar [ainda hoje] e os militares voltarão em breve para as suas casas.
– Eu tinha muitas coisas para Lhe pedir: se curava uns doentes e se convertia uns pecadores, etc.
– Uns sim, outros não. É preciso que se emendem, que peçam perdão dos seus pecados.
E tomando um aspecto mais triste:
– Não ofendam mais a Nosso Senhor que já está muito ofendido! {Se o povo se emendar, acaba a guerra e, se não se emendar, acaba o mundo.}
[– Ainda me quer mais alguma coisa?
– Já não quero mais nada.]
E, abrindo as mãos, fê-las reflectir no Sol. E enquanto que se elevava, continuava o reflexo da sua própria luz a projectar no Sol.
[…]
Desaparecida Nossa Senhora na imensa distância do firmamento, vimos, ao lado do sol, S. José com o Menino e Nossa Senhora vestida de branco, com um manto azul. São José com o Menino pareciam abençoar o Mundo, com os gestos que faziam com a mão em forma de cruz. Pouco depois, desvanecida esta aparição, vi Nosso Senhor e Nossa Senhora que me dava a ideia de ser Nossa Senhora das Dores. Nosso Senhor parecia abençoar o mundo da mesma forma que São José. Desvaneceu-se esta aparição e pareceu-me ver ainda Nossa Senhora em forma semelhante a Nossa Senhora do Carmo.»

Adquira: https://goo.gl/oPuiwm

anjoAs experiências sobrenaturais acontecem no cotidiano. A nossa visão espiritual, alimentada essencialmente pela vida de oração, é exercitada ao ver com olhos de Deus e estará mais sensível aos fatos, fazendo uma leitura além do olhar humano.

É importante saber que toda a nossa vida material tem uma lógica totalmente oposta a da vida espiritual. Na vida espiritual, quanto mais eu dou algo, mais rico eu fico; na vida material, se eu partilho, crio tensões: se dou, eu perco e alguém ganha.

Com a visão sobrenatural, vemos esse mundo como dom de Deus e temos a clareza que o dom maior é a vida eterna, e é por ela que vamos almejar para o fim definitivo. É dessa maneira, mirando o sobrenatural, que nós cristãos precisamos viver, pois é onde mora a nossa esperança, e necessitamos dela para trilhar o caminho que nos conduzirá à vida eterna.

Na Mensagem de Fátima, desde as Aparições do Anjo, ocorridas por volta de 1916, existe o apelo à oração e ao sacrifício oferecido por amor a Deus pela conversão dos pecadores. O Anjo ensina os Pastorinhos a rezar: “Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos”.

Para Ir. Lúcia, este é o início de toda a mensagem e do plano de fé, amor e esperança, no seu livro intitulado Como vejo a Mensagem ela nos diz: “É aqui que se assenta a base fundamental de toda a nossa vida sobrenatural; viver de fé, viver de esperança, viver de amor. É o ideal de viver do nosso dia a dia que nos leva a um verdadeiro encontro com Deus…”

Após a primeira aparição do Anjo, a experiência do sobrenatural foi tão forte e intensa que marcou profundamente sua alma.

Texto Extraído do livro: Mistica de Fátima

Adquira: http://goo.gl/oPuiwm

lugarquartaparicao1… a meu ver foi no dia 15, ao cair da tarde (18 horas). Como ainda, então, não sabia contar os dias do mês, pode ser que eu esteja enganada; mas conservo a ideia de que foi no mesmo dia em que chegamos de Vila Nova de Ourém.

Andando com as ovelhas, na companhia de Francisco e seu irmão João, num lugar chamado Valinhos1, e sentindo que alguma coisa de sobrenatural se aproximava e nos envolvia, suspeitando que Nossa Senhora nos apareceria e tendo pena que a Jacinta ficasse sem vê-la, pedimos a seu irmão João que a fosse chamá-la. Como ele não queria ir, ofereci-lhe, para isso, dois vinténs, e lá ele foi.

Entretanto, vi, com o Francisco, o reflexo da luz a que chamávamos relâmpago; e chegada a Jacinta, um instante depois, vimos Nossa Senhora sobre uma carrasqueira.

Que a Senhora quer de mim?

Quero que continueis a ir à Cova de Iria no dia 13, que continueis a rezar o terço todos os dias. No último mês, farei o milagre, para que todos acreditem.

Que é que você quer que se faça com o dinheiro que o povo deixa na Cova de Iria?

Façam dois andores: um, leva-o tu com a Jacinta e mais duas meninas vestidas de branco; o outro, que o leve o Francisco com mais três meninos. O dinheiro dos andores é para a festa de Nossa Senhora do Rosário, e o que sobrar é para ajudar na construção de uma capela que vocês hão de fazer.

Queria pedir-Lhe a cura de alguns doentes.

Sim; alguns curarei durante o ano.

E tomando um aspecto mais triste:

Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, pois muitas almas vão para o inferno por não ter quem se sacrifique e peça por elas.

E, como de costume, começou a elevar-se em direção ao nascente.

Trecho retirado do livro Mistica de Fátima

Adquira, acesse: http://goo.gl/oPuiwm

PapansenhoraFoi em 1916 que Deus enviou pela primeira vez o Seu Anjo, com uma mensagem de paz e oração para a montanha de Fátima, introduzindo os três Pastorinhos no clima do sobrenatural, dizendo-lhes: «Não temais, sou o Anjo da paz. Orai comigo: Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam.»

Na segunda Aparição, o Anjo suscitou nos pastorinhos o espírito de sacrifício e, na terceira, trouxe consigo a Hóstia e o Cálice apresentado assim uma dimensão Eucarística da sua mensagem, com a oração trinitária e com a comunhão dos Pastorinhos, e dando assim pela oração ensinada a toda a sua mensagem uma finalidade reparadora: «Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrages, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.»

E quando chegou o dia 13 de Maio de 1917, veio também a Celeste Mensageira, a Santissima Virgem Maria, reforçando os pedidos do Anjo: «Oferecei a Deus todos os sofrimentos que Ele vos enviar, em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores.»

Os três pastorinhos entregaram-se a esta sua grande missão, principalmente pela recitação diária do terço e com a prática de sacrifícios, de tal modo, que já em 1919 e 1920 Francisco e Jacinta foram levados para o Céu. Depois de a Santa Igreja ter reconhecido as suas virtudes heróicas e um milagre por sua intercessão, o Papa João Paulo II a 13 de Maio de 2000 declarou-os como Beatos, reconhecendo assim o cumprimento heróico da sua missão que receberam do Anjo e de Nossa Senhora.

Na 3.ª Aparição, Lúcia recebeu de Nossa Senhora uma missão específica: «Jesus quer servir-Se de ti, para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração.»

O ciclo das Aparições em Fátima fechou-se no dia 13 de Outubro de 1917, pondo-lhe Deus o selo de Suas obras com o estupendo milagre do sol historicamente certo. Diante deste sinal de Deus, o bispo D. José nomeou em Maio de 1922 uma Comissão Canônica para o processo Diocesano das Aparições e em 13 de Outubro de 1930 declarou como dignas de crédito as visões das crianças na Cova da Iria permitindo oficialmente o culto de Nossa Senhora de Fátima.

A Mensagem de Fátima foi-nos transmitida pelo espírito da Irmã Lúcia, da sua alma cândida e profunda, admiravelmente simples. O seu conteúdo essencial é chamar a atenção dos homens para as verdades eternas da salvação, o núcleo da sua exigência é a reparação das ofensas cometidas contra Deus, contra Jesus Cristo, contra o Coração Imaculado de Maria. Reparação não só dos próprios pecados, mas também a reparação dos pecados em representação de todos os homens.

A quase 100 anos, a Mensagem de Fátima tornou-se cada vez mais imperativo para a Igreja e para todo o mundo. Ao publicar pela primeira vez os relatos da Irmã Lúcia, dizia profeticamente o Senhor Cardeal Cerejeira já em 1942: «…foi uma nova revelação de Fátima…

Fátima fala já não só a Portugal, mas ao mundo todo. Cremos que as Aparições de Fátima abrem um período novo: o do Coração Imaculado de Maria. O que se tem passado em Portugal é o prenúncio do que o Imaculado Coração prepara para o mundo.

+ Pe Luis Kondor – SVD

irmaluciaSobre a Aparição de 10 de Dezembro em Pontevedra, escreveu a irmã Lúcia : «Dia 10-12-1925, apareceu-lhe a SSma Virgem e, ao lado, suspenso em uma nuvem luminosa, um Menino. A SSma Virgem, pondo-lhe no ombro a mão, mostrou-lhe ao mesmo tempo um Coração que tinha na outra mão, cercado de espinhos.

Ao mesmo tempo, disse o Menino : “Tem pena do Coração da tua SSma Mãe, que está coberto de espinhos, que os homens ingratos a todos os momentos Lhe cravam, sem haver quem faça um ato de reparação para os tirar” 

Em seguida, disse a SSma Virgem : “Olha, Minha filha, o Meu Coração cercado de espinhos, que os homens ingratos a todos o momentos me cravam, com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, empenha-te em Me consolar e diz que todos aqueles que durante 5 meses, no primeiro sábado, se confessarem, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço, e Me fizerem 15 minutos de companhia, meditando nos 15 mistérios do Rosário, com o fim de Me desagravar, Eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas”.

Cumpriu-se o que Nossa Senhora tinha dito na Aparição de 13 de Julho em Fátima :“Virei pedir a devoção reparadora dos primeiros Sábados”.

Foi este o grande pedido de Reparação ligada ao Imaculado Coração de Maria e à Mensagem de Fátima, pelo que o Dr. Formigão Sob o pseudónimo de Mira Ceti, escrevia na revista Stella em 23 de Outubro de 1939 : «A humanidade debate-se atualmente numa das crises mais graves e mais angustiosas da sua história muitas vezes milenar.

Os pecados dos indivíduos e dos povos clamam vingança ao Céu. Grandes e terríveis provações de toda a ordem impendem sobre o mundo e ameaçam talvez Portugal.

Que todos quantos veneram e amam a Virgem Santíssima se apressem a praticar, renovando-a muitas vezes, a devoção dos cinco sábados que Ela se dignou revelar à Irmã Maria Lúcia de Jesus, a humilde vidente de Fátima, e assim porventura a paz tão suspirada descerá sobre as nações e a graça de Deus iluminará e vivificará as almas – tão grande número de almas nas sombras do erro e da morte.(Pag.260).

Em 4 de Maio de 1944 Pio XII ordenou que esta festa fosse observada em toda a Igreja para obter a intercessão de Maria para : A Paz entre as Nações. A liberdade para a Igreja. A conversão dos pecadores. O amor pela pureza e a prática da virtude.

Dois anos mais tarde consagrou toda a raça humana a Maria sob o título de Imaculado Coração de Maria.

NOITEA 13 de Maio de 1917, três crianças apascentavam um pequeno rebanho na Cova da Iria, freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, hoje diocese de Leiria-Fátima. Chamavam-se Lúcia de Jesus, de 10 anos, e Francisco e Jacinta Marto, seus primos, de 9 e 7 anos.

Por volta do meio dia, depois de rezarem o terço, como habitualmente faziam, entretinham-se a construir uma pequena casa de pedras soltas, no local onde hoje se encontra a Basílica. De repente, viram uma luz brilhante; julgando ser um relâmpago, decidiram ir-se embora, mas, logo abaixo, outro clarão iluminou o espaço, e viram em cima de uma pequena azinheira (onde agora se encontra a Capelinha das Aparições), uma “Senhora mais brilhante que o sol”, de cujas mãos pendia um terço branco. 

A Senhora disse aos três pastorinhos que era necessário rezar muito e convidou-os a voltarem à Cova da Iria durante mais cinco meses consecutivos, no dia 13 e àquela hora. As crianças assim fizeram, e nos dias 13 de Junho, Julho, Setembro e Outubro, a Senhora voltou a aparecer-lhes e a falar-lhes, na Cova da Iria. A 19 de Agosto, a aparição deu-se no sítio dos Valinhos, a uns 500 metros do lugar de Aljustrel, porque, no dia 13, as crianças tinham sido levadas pelo Administrador do Concelho, para Vila Nova de Ourém. 

Na última aparição, a 13 de Outubro, estando presentes cerca de 70.000 pessoas, a Senhora disse-lhes que era a “Senhora do Rosário” e que fizessem ali uma capela em Sua honra. Depois da aparição, todos os presentes observaram o milagre prometido às três crianças em Julho e Setembro: o sol, assemelhando-se a um disco de prata, podia fitar-se sem dificuldade e girava sobre si mesmo como uma roda de fogo, parecendo precipitar-se na terra.

Posteriormente, sendo Lúcia religiosa de Santa Doroteia, Nossa Senhora apareceu-lhe novamente em Espanha (10 de Dezembro de 1925 e 15 de Fevereiro de 1926, no Convento de Pontevedra, e na noite de 13/14 de Junho de 1929, no Convento de Tuy), pedindo a devoção dos cinco primeiros sábados (rezar o terço, meditar nos mistérios do Rosário, confessar-se e receber a Sagrada Comunhão, em reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria) e a Consagração da Rússia ao mesmo Imaculado Coração. Este pedido já Nossa Senhora o anunciara em 13 de Julho de 1917.

Anos mais tarde, a Ir. Lúcia conta ainda que, entre Abril e Outubro de 1916, tinha aparecido um Anjo aos três videntes, por três vezes, duas na Loca do Cabeço e outra junto ao poço do quintal da casa de Lúcia, convidando-os à oração e penitência. 

Desde 1917, não mais cessaram de ir à Cova da Iria milhares e milhares de peregrinos de todo o mundo, primeiro nos dias 13 de cada mês, depois nos meses de férias de Verão e Inverno, e agora cada vez mais nos fins de semana e no dia-a-dia, num montante anual de cinco milhões.

(Fonte: Santuário de Fátima  )

PapansenhoraFoi em 1916 que Deus enviou pela primeira vez o Seu Anjo, com uma mensagem de paz e oração para a montanha de Fátima, introduzindo os três Pastorinhos no clima do sobrenatural, dizendo-lhes: «Não temais, sou o Anjo da paz. Orai comigo: Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam.»

Na segunda Aparição, o Anjo suscitou nos pastorinhos o espírito de sacrifício e, na terceira, trouxe consigo a Hóstia e o Cálice apresentado assim uma dimensão Eucarística da sua mensagem, com a oração trinitária e com a comunhão dos Pastorinhos, e dando assim pela oração ensinada a toda a sua mensagem uma finalidade reparadora: «Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrages, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.»

E quando chegou o dia 13 de Maio de 1917, veio também a Celeste Mensageira, a Santissima Virgem Maria, reforçando os pedidos do Anjo: «Oferecei a Deus todos os sofrimentos que Ele vos enviar, em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores.»

Os três pastorinhos entregaram-se a esta sua grande missão, principalmente pela recitação diária do terço e com a prática de sacrifícios, de tal modo, que já em 1919 e 1920 Francisco e Jacinta foram levados para o Céu. Depois de a Santa Igreja ter reconhecido as suas virtudes heróicas e um milagre por sua intercessão, o Papa João Paulo II a 13 de Maio de 2000 declarou-os como Beatos, reconhecendo assim o cumprimento heróico da sua missão que receberam do Anjo e de Nossa Senhora.

Na 3.ª Aparição, Lúcia recebeu de Nossa Senhora uma missão específica: «Jesus quer servir-Se de ti, para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração.»

O ciclo das Aparições em Fátima fechou-se no dia 13 de Outubro de 1917, pondo-lhe Deus o selo de Suas obras com o estupendo milagre do sol historicamente certo. Diante deste sinal de Deus, o bispo D. José nomeou em Maio de 1922 uma Comissão Canónica para o processo Diocesano das Aparições e em 13 de Outubro de 1930 declarou como dignas de crédito as visões das crianças na Cova da Iria permitindo oficialmente o culto de Nossa Senhora de Fátima.

A Mensagem de Fátima foi-nos transmitida pelo espírito da Irmã Lúcia, da sua alma cândida e profunda, admiravelmente simples. O seu conteúdo essencial é chamar a atenção dos homens para as verdades eternas da salvação, o núcleo da sua exigência é a reparação das ofensas cometidas contra Deus, contra Jesus Cristo, contra o Coração Imaculado de Maria. Reparação não só dos próprios pecados, mas também a reparação dos pecados em representação de todos os homens.

Durante os seus 90 anos, a Mensagem de Fátima tornou-se cada vez mais imperativo para a Igreja e para todo o mundo. Ao publicar pela primeira vez os relatos da Irmã Lúcia, dizia profeticamente o Senhor Cardeal Cerejeira já em 1942: «…foi uma nova revelação de Fátima…

Fátima fala já não só a Portugal, mas ao mundo todo. Cremos que as Aparições de Fátima abrem um período novo: o do Coração Imaculado de Maria. O que se tem passado em Portugal é o prenúncio do que o Imaculado Coração prepara para o mundo.

+ Pe Luis Kondor – SVD

santuario1Seja nas aparições do Anjo, seja nas da Virgem Maria, a mensagem e a experiência da presença amorosa de Deus são inseparáveis. Os videntes são envolvidos pela luz divina que lhes é comunicada por aquela Senhora. E eles mesmos se vêem em Deus, como relata a Lúcia sobre o que lhes aconteceu no dia 13 de Maio: “Foi ao pronunciar estas últimas palavras (‘a graça de Deus será o vosso conforto’) que abriu pela primeira vez as mãos, comunicando-nos uma luz tão intensa, … fazendo–nos ver a nós mesmos em Deus” (Memórias, 158).

É a luz divina que grava nos corações das crianças a mensagem que recebem. Assim o entende o Francisco, que, perante o interesse das pessoas, comenta para a prima: “Esta gente fica tão contente só por a gente lhe dizer que Nossa Senhora mandou rezar o terço e que aprendesses a ler! O que seria, se soubessem o que Ela nos mostrou em Deus, no Seu Imaculado Coração, nessa luz tão grande!” (Memórias, 127).

Da Mensagem das aparições faz parte integrante a experiência divina que viveram as crianças. O elemento central é um apelo à mudança de vida, à conversão, seguindo os caminhos de Deus. Nas palavras de Maria, manifesta-se o rosto misericordioso de Deus, que quer a salvação de todos.

Deus confia às crianças uma missão em favor dos homens: interceder diante de Deus pelos pecadores e implorar a paz para o mundo. Lúcia continua no mundo para dar a conhecer Maria e incentivar a devoção ao seu Coração Imaculado.

A Mensagem inclui ainda o anúncio da paz para o mundo. O Anjo intitula-se da paz e convida a não ter medo (cfr. Memórias, 152). Nossa Senhora anuncia a possibilidade e os meios para obter o bem da paz para os homens. Um dos meios, porventura o mais potente, é a oração, alimento indispensável da vida cristã.

A Igreja não pode ficar alheia a Fátima. Assim declarou o Santo Padre, na sua peregrinação ao Santuário em 1982: “o conteúdo do apelo de Nossa Senhora de Fátima está tão profundamente radicado no Evangelho e em toda a Tradição que a Igreja se sente interpelada por essa Mensagem”.

Fonte: http://www.santuario-fatima.pt/