As relações abertas está se tornando uma moda na sociedade. Principalmente, para aqueles que não querem assumir um compromisso estável e definitivo, com o argumento de ferir sua “autonomia e liberdade”.

A pessoa tem um relacionamento de total conveniência – aberta. Os casais moram debaixo do mesmo teto, mas são livres para que cada qual viva livremente sua vida privada e econômica, como as suas libertinagens, inclusive com outros parceiros.

Para exemplificar, neste contexto de secularismo, existe uma moda na classe média, dos casais frequentarem “Casas de Swings” – locais nos quais os cônjuges fazem sexo sortidamente com outros casais. Este é somente um exemplo da banalização da sexualidade que tem conduzido as pessoas a fazer verdadeiras aberrações que causa grandes danos dentro do exemplo de família na sociedade.

Por fim, a liberdade total e as relações abertas na família é uma falsa autonomia de um mundo sem Deus, que tenta ser criativo, mas cai na desgraça de ser escravo do pecado, por uma vida sem sentido e vazia. O homem sem Deus sempre será escravo de uma falsa liberdade.

Forte abraço!

@ademircn

Em nossa vida sempre nos virá a tentação de procurar viver nossa liberdade sem Deus. Em um pensamento errado ensinado pelo mundo, que Deus tira nossa liberdade. Isto é uma grande mentira, muito pelo contrário, quanto mais vivemos nossa vida em Deus, mas liberdade teremos.  Tudo que fizermos em Deus terá mais sabor, porque não estará no vazio, tudo terá um sentindo.

“Quando o homem pretende libertar-se da lei moral e tornar-se independente de Deus, longe de conquistar a sua liberdade, ele a destrói. Fugindo da medida da verdade, ele torna-se presa do arbitrário; entre os homens, as relações fraternas são abolidas, para dar lugar ao terror, ao ódio e ao medo.”(RATZINGER, J. Libertatis Conscientia, 1986)

Eu sou livre e feliz. Minha vida só passou a ter sentido depois que encontrei Deus. Porque encontrei uma liberdade que não estava no exterior, mas dentro da Alma. Por isso canto: “Sentindo na vida minha alma encontrou. Sua mão poderosa veio e me libertou. Agora, eu posso declarar. HOJE LIVRE SOU!”

25. maio 2011 · Write a comment · Categories: Diário · Tags:

Assistindo um programa de TV de uma grande emissora, deparei-me com matérias fazendo uma apologia velada ao casamento homossexual, a liberação do uso da maconha e da legalização do aborto. Deus ama o pecador, mas abomina o pecado.
Este programa de maneira tendenciosa, pregava a liberdade, relatizando o que é natural, de maneira que aquilo que é anormal ou até mesmo é prejudicial a natureza humana se tornasse algo certo e normal.

Aqui não estou fazendo discriminação de pessoas, porque Deus ama a todos, independente de que seja uma pessoa homossexual, uma pessoa que usa maconha, ou uma mulher que aborta. Mas Deus abomina o pecado que escraviza seus filhos.

Não podemos concordar com uma sociedade que quer legalizar o errado, que deseja mudar a natureza humana. Isto é enganar-se a si próprio. A natureza não se muda.
Cada um tem o livre arbítrio para fazer o que quiser de sua vida. Mas mudar a natureza humana é impossível.

Irmãos devemos ser críticos, devemos sim saber e está por dentro de tudo o que acontece na sociedade, mas não podemos sair engolindo opiniões formadas e tedenciosas.

Por fim, sou Igreja. E ela prega que Deus criou o homem e a mulher; ela é a favor da vida e contra o uso de drogas.

A verdadeira liberdade habita no interior do homem.