Certo momento na comunidade estava com um monte de coisas entaladas no meu coração. Pelo clima do ambiente, tinha medo e receio de dizer o que estava sentindo.

Até que certo dia, o nosso padre formador, coloco-nos todos na casa em círculo de frente um para outro para “lavar as roupas sujas”. Naquele dia, eu e meus irmãos podemos dizer uns para os outros, tudo o que estava entulhado em nosso corações, as coisas que cada um achava que não estava certo e etc. Não foram coisas ditas fora do amor e no desequilíbrio. Foram nossas verdades…

Isto foi uma grande libertação para mim naquele ano.

Por isso digo que às vezes é preciso sim “lavar as roupas sujas”, sempre em um clima de amor e verdade.

Devo ser transparente, porém ser transparente não é ser um “grosso” e ficar dando “coices” nas pessoas…

É preciso pedir ao Senhor a graça do discernimento para dizer em Deus a verdade que incomoda o seu coração. O segredo é silenciar, rezar e falar…Mas falar como gente. Certa vez, uma pessoa me dizia, que o que tinha que falar, falava na “lata”. Este falar na “lata” é falta de maturidade e caridade, falta de equilibrio de saber falar na hora certa e na tonalidade certa.

Assim ser transparente não é ser um grosso ou grossa mas é saber ser equilibrado para dizer sua verdade com caridade.