Evangelho de São Mateus > Leitura #697

O preço de um escravo

O preço de um escravo, na lei judaica, era de 30 moedas de prata. Foi esse o preço fixado pelos chefes dos judeus para pagar a Judas por Jesus.

O preço de um escravo

Crédito: gabrielabertolini /GettyImages

Então, Judas vendeu Jesus como se vende um escravo? Segundo a visão exclusiva dos valores, sim. Segundo o tratamento e a forma como Jesus era odiado pelos chefes dos Judeus, sim, talvez sim. Mas como saberemos as reais intenções do coração daquele apóstolo? Somente Jesus conhece os corações.

No entanto, a Palavra de Deus nos dá muitas indicações de que este valor trás de fato este significado.

“Ele, existindo em forma divina, não se apegou ao ser igual a Deus, mas despojou-se, assumindo a forma de escravo e tornando-se semelhante ao ser humano” (Fl 2, 6-7).

Isso também confere com o profeta Isaías, uma vez que ele tomou sobre si as nossas transgressões, os nossos pecados, as nossas enfermidades e se entregou em nosso lugar. A entrega de Jesus, por meio de Judas, realiza essa profecia e se torna salvação para todos nós. Jesus foi entregue; e o preço de um escravo mostrou a condição que Jesus assumiu por nos amar.

“Mas estava sendo transpassado por causa de nossas rebeldias, estava sendo esmagado por nossos pecados. O castigo que tínhamos que pagar caiu sobre ele, com os seus ferimentos veio a cura para nós.”

As trinta moedas de prata, ou o preço de um escravo, tem muito significado para nós que éramos, ou ainda somos, escravos do pecado. É preciso, portanto, que conheçamos a verdade para sermos libertos, libertos pelo Filho. O Filho, se tornou escravo para ser o nosso libertador.

“Se permanecerdes em minhas palavras, sereis verdadeiramente meus discípulos e conhecereis a verdade e a verdade vos tornará livres.”

Foi terrível a traição de Judas, mas Deus usou isso em favor de todos os escravos do pecado. Não desperdicemos os méritos da cruz de Cristo!

Leia o trecho em Mt 26, 14-16

Na Bíblia CNBB; página 1235.
Título: Judas combina a traição.

Não há promessas, ordens ou princípios eternos para anotar.

Qual é a mensagem de Deus para mim hoje?
O Filho se tornou escravo para ser o nosso libertador. A mim cabe a gratidão.

Como posso colocar isso em prática?
Eu preciso evangelizar mais e melhor. Meu empenho deve ser redobrado para salvar o maior número possível.